A Surpresa da professora Flávia

Um conto erótico de TonyQueiroz
Categoria: Heterossexual
Data: 14/04/2018 03:32:53
Nota 10.00

Olá galeris, me chamo Tony e tenho atualmente 21 anos.

Nos meus contos anteriores relatei as minhas aventuras com a Maria, Flávia e a Jô, as "Coroas" da minha vida. E creio que no meu ultimo conto eu tenha citado de uma surpresa que a Flávia, minha professora, me preparou quando soube que eu acabei tendo uma semana de transas com a mulher do meu primo, a Jô.

Quando contei tudo que aconteceu com a Jô, que no caso é o que relatei no meu último conto, a Flávia ficou muito "interessada" e acabou me pedindo pra saber mais sobre tudo. Eu contei pois nos eramos praticamente "namorados sem compromisso", ou usando uma expressão melhor, nos tínhamos uma "amizade com privilégios", e com isso descobri um lado "voyeur" nela. E nisso ela disse que teve uma ideia, e que iria fazer uma surpresa para mim.

Isso tudo foi no fim de 2015 mais ou menos, mas a surpresa que ela prometeu só veio a acontecer no começo de 2016.

Na segunda semana do ano de 2016 a Flávia largou a profissão dela de professora e começou a viver só com o dinheiro que ela tinha juntado, e também com o lucro de algumas cabeças de gado que ela acabou ganhando na separação com o marido.

Enfim, na segunda semana do ano ela largou tudo e me avisou da decisão. Ela disse então que com o dinheiro que ela tinha ela ia fazer um investimento. Ela curtia muito cozinhar, e como ela se mudou para uma casa com uma cozinha até que grande, decidiu que ia começar a vender marmitex, e também a vender salgado por encomenda e essas parada.

Eu falei que se era aquilo que ela queria então beleza. Mas ai ela me pediu ajuda nessas primeiras semanas com tudo, e ela me dava uma graninha também. Eu não tive nem como recusar, afinal não tinha arrumado nada desde o trabalho de Americana. Aceitei e só fui.

Comecei ajudando entregando panfleto pela região e fazendo uma página no Facebook só pra divulgar com o número lá. Ela chamou também um primo dela que tinha uma moto, e ele entregava as marmitex e os salgados de encomenda e tal. Depois de um tempo eu comecei a fazer entrega também la por perto da casa dela. Até ai tava tudo normal, ela começou a vender mais e o trabalho foi aumentando. Foi quando do nada ela falou que precisava de um ajudante na cozinha, e pediu pra eu passar o número da Jô, da minha prima e até da minha irmã, pra ver se elas queriam trabalhar com aquilo também.

Eu todo inocente passei os números e ela disse que ia ligar. Até avisei as três e continuei trabalhando normal. Mas dois dias depois disso, na segunda semana de fevereiro acho, vou de boa pra casa da Flávia trabalhar como sempre e quando chego lá está ela e a Jô cozinhando.

Logicamente fico surpreso, mas como eu tinha passado o contato era até logico que ela estivesse lá. Depois dessa surpresa eu fui la fazer as primeiras entregas, e quando o primo da Flávia chegou eu fui entregar os panfletos novamente. Quando voltei era 1 hora da tarde mais ou menos, e como era de costume fui almoçar la na casa da Flávia.

Quando cheguei ela e a Jô ainda estavam preparando as últimas marmitex do dia, e logo que acabaram fizeram uma pro primo da Flávia, e eu junto delas duas fomos almoçar. Nesse almoço eu aproveitei para fazer as perguntas que eu tinha.

- Nossa Jô, eu não imaginava que logo você ia vir para cá ajudar a Flávia. Achei que minha só minha prima fosse aceitar a proposta dela.

- Aquela coisa lá? Nem que fosse um emprego que pagasse uns 10 mil ela vinha. Ela é uma vagabunda que vive pedindo dinheiro dos outros pra comprar cerveja pro marido.

- Nossa, é serio isso? ( A Flávia perguntou)

- Sim, o Tony sabe.

- É, mas de todas lá achei que ela era a que cozinhava melhor.

- Ela só cozinha no natal e ano novo, fora isso ela ta longe do fogão.

- Entendi....

A Flávia nessa hora puxou papo com ela e nisso descobri que a Flávia contou do nosso "relacionamento" para a Jô. Entrei no papo e fui perguntando algumas coisas pra saber se a Flávia não estava querendo "aprontar". Pelas respostas dela a minha conclusão era que não, e ainda bem que eu estava errado.

Uns 3 dias depois que a Jô chegou a Flávia recebeu uma encomenda de coxinhas e bolinhos de queijo pra uma festa de aniversário. Era de emergência pro dia seguinte, por isso ela veio toda desesperada me pedindo ajuda e pedindo ajuda pra Jô também porque ja tinha aceitado.

Falei q tudo bem e depois das entregas a gente almoçou e foi fazer essas paradas tudo. Como eu não sabia fazer nada elas me deixaram só montando as caixas, e também fui no mercado algumas vezes comprar umas coisinhas que faltaram. Isso começou mais ou menos 2 da tarde, e a gente terminou mais ou menos umas 5, quase 6. Depois disso fui embora com a Jô e mal sabia o que estava prestes a acontecer.

No dia seguinte eu nem tinha ido trabalhar. A Flávia tinha dito que o primo dela dava conta de tudo de manhã e falou para eu "descansar". Eu estranhei essa atitude, mas como ela disse que eu tinha trabalhado muito no dia anterior ela queria me dar uma folga. Ela deu a mesma desculpa para a Jô e ela também acabou não indo.

Assim eu aproveitei aquele tempo pra ir jogar bola com uns amigos e assim passei a manhã no poliesportivo. Quando deu mais ou menos meio dia, eu tava já quase indo embora do poli a Flávia me liga desesperada. Ela falou que a gente tinha feito só metade dos salgados e ela não tinha percebido, e tinha acho que 3 horas pra entregar. Ela pediu pra eu correr la so pra ajudar ela a fritar e empacotar, e depois disso ela me "recompensava".

Eu preocupado fui correndo ainda suado do futebol, quando chego lá vejo ela sentada no sofá assistindo TV.

- Flávia? Mas e os salgados? O que houve?

Ela vê eu entrando sem bater e fala com um sorriso na cara

- Nossa, já tá assim? Nem bate antes? E se eu estivesse aqui pelada?

- Você tá me zoando né? Era tudo mentira?

- Claro! Você acha que logo eu vou errar desse jeito? Só inventei isso pra você chegar o mais rápido possível aqui...

Ela fala e se aproxima me abraçando e me beijando.

- Podia ter avisado. Eu vim todo suado.... Dava pelo menos tempo de tomar um banho.

Eu falo

- Aqui tem chuveiro. Pode usar se quiser.

Ela fala rindo.

- Você vem comigo?

Eu pergunto já esperando uma resposta positiva.

- Não, não... Vai lá tomar banho e quando acabar vai para o meu quarto. Tenho uma surpresinha pra você. Mas tem que ficar de olho fechado quando eu chegar viu?

Ela falou com toda a calma do mundo. Eu como sempre não tive muita escolha e nem pensei muito. O sustinho tinha passado e agora eu ia ter uma transa dahora, o que não acontecia desde que ela começou esse negócio dela. Tomei meu banho e quando acabei não fiz questão nem de me vestir. De toalha fui para o quarto dela e estranhei porque no caminho não vi nenhum sinal dela. Mas quando entrei no quarto e fechei a porta ela bateu e falou.

- Bota minha venda de dormir e fica deitado pelado na cama. E nem ouse tirar a venda ou espiar viu? Se não eu nem começo.

Ela fala. Eu só digo ok e obedeço. Deixo a toalha numa cadeira que tinha lá no quarto, pego a venda dela de dormir e boto. Em seguida deito na cama e falo.

- Já coloquei e me deitei. Pode começar se quiser.

Ela respondeu

- Ok, já vou.

Nisso passou uns 5 minutos e ouvi ela abrindo a porta.

- Vamos fazer diferente do habitual, viu? Você não pode olhar em nenhum momento, mas pode tocar, beijar, fazer o que quiser. Só vai olhar quando eu mandar, ok?

- Ok

Eu respondo já me animando.

- Vamos começar então!

Ela fala e eu ja sinto ela subir na cama e começar a beijar o meu corpo, indo do pescoço até o meu pau. A primeira impressão disso era que realmente era algo diferente, e bastante excitante, mas quando ela abocanhou meu pau eu já notei um pouco o que estava realmente acontecendo. Eu não tava vendo nada, por isso achei que aquilo era só um fetiche dela em primeiro momento. Mas com a abocanhada eu descobri, quem estava me chupando não era a Flávia...

Quando eu percebi eu ia olhar, mas a Flávia mesmo que estava do meu lado segurou meu braço e falou.

- Então já percebeu só com isso?

- É claro! Quem é que tá me chupando?

Eu pergunto enquanto a pessoa que me chupava continuava o boquete mo de boa.

- É só uma amiga minha... Tem algum problema?

- Não... Sim... Não sei... Acho que não... Por mim tudo bem.

Eu falo enquanto ganho um dos melhores boquetes que já recebi.

- É o sonho de todo homem ter duas mulheres na cama não é? Pois também é meu sonho ter mais uma mulher comigo aqui.

Ela fala enquanto se junta com a mulher para chupar meu pau também. A Flávia é uma coroa muito gostosa. Ela deve medir 1,65 mais ou menos, loira, peitos médios e maravilhosos, um bundão de botar inveja e um corpinho magro em forma. Isso porque ela já era quarentona e ainda dava de 10 a 0 em menininha deEla sempre foi safada, e durante nossas transas vez ou outra fazíamos algumas fantasias. Uma vez ou outra ela disse que queria fazer sexo a três, mas eu imaginava que ela queria dois homens, mas com isso percebi que não.

As duas então depois disso começaram a dividir meu pau entre elas, até que a tal amiga dela parou. A Flávia continuou lá, mas a amiga dela parecia estar tirando a roupa e depois de um tempo senti ela vindo sentar na minha cara.

Quando ela fez isso eu percebi que era uma mulher baixinha e ate me preocupei um pouco, pois podia ser menor de idade. Mas pensando melhor foi burrice minha mesmo, pois era uma ex professora ali comigo, ela não faria nada "errado" sem me avisar. Pensando isso me tranquilizei e comecei a chupar a mulher fazendo o melhor que eu podia.

Eu comecei a chupar e sentia que ela se contorcia. Brincava com o grelinho e ela se contorcia. Depois de um tempo ela gozou na minha boca e mesmo assim não gemeu nenhuma vez. A Flávia então "trocou" de lugar com ela, fez eu chupar ela e a mulher voltou a me chupar.

Diferente da outra mulher quando chupei a Flávia ela começou a gemer alto. Ela até segurou a minha cara e começou a rebolar na minha boca até gozar.

Após essas brincadeiras elas me sentaram na cama e elas se deitaram na minha frente. A mulher me puxou para o lado dela primeiro e botou minhas mãos direto nos seios dela. Eram peitos macios e bem gostosinhos. Eram médios e meio caídos e quando notei isso ja veio na minha mente uma única pessoa... Jô... A mulher do meu primo.

Na hora eu falei, "não pode ser", e ate pensei, " A Jô nunca faria isso". Mas comecei a beijar o corpo dela, comecei do pescoço e fui subindo até a boca. Ela não recuou e retribuiu o beijo ainda de língua. Depois disso eu desci e chupei muito os peitos dela, mas a Flávia me interrompeu e me fez chupar os dela.

As duas então ficaram de 4 na cama e a Flávia nesse momento foi me guiando. A essa altura eu ja tava curtindo muito tudo aquilo, tanto que nem me liguei que a mulher acabou falando uma coisa com a Flávia e nem sei ate agora o que ela disse.

Elas estavam la de 4 e eu fui com a mão nas bucetinhas dela so pra dar uma identificada. Fui então na da esquerda, que era no caso a mulher ate então desconhecida, e numa estocada só o meu pau entrou fácil pois ela ja estava bem lubrificada.

Quando enfiei ela gemeu, e finalmente eu me toquei quem estava ali. Nesse momento a Flávia tirou a venda que eu estava e quando eu percebi estava ali, transando com ninguém menos que a própria Jô...

Pra quem não leu meus outros contos eu vou dizer quem é exatamente a Jô. Como relatei ela é a mulher do meu primo. Baixinha, cabelos pretos e longos, seios médios e um pouco caídos por causa do monte de filho que amamentou. Uma bundinha sexy, magra e branca. Ela foi tipo a primeira mulher por quem eu tive atração, e quando transei com ela na semana que passei em Americana eu realizei um dos meus "sonhos de tarado".

Enfim, voltando a transa. A Flávia tirou a venda e eu vi que era a Jô ali de quatro com meu pau na bucetinha dela.

- Jô? É você?

Eu pergunto surpreso. Na mesma hora o meu pau fica ainda mais duro dentro dela.

- Hmmm ficou maior ai dentro ou é impressão minha?

Ela fala com um sorrisinho safado e começa a rebolar no meu pau. Eu começo a estocar com força e ela geme alto me pedindo pra fazer mais forte. Fico nisso até ela gozar de novo e cair deitada na cama quase sem forças. Nessa hora eu viro para a Flávia e falo

- Você planejou isso tudo?

Ela dando um sorriso malicioso fala

- Mas é claro! Depois de ouvir tudo que você contou eu quis mesmo saber se essa mulher é realmente fogosa daquele jeito.

Ela fala sorrindo. Eu largo a Jô ali deitada e tasco um beijão na Flávia deitando ela na cama. Ali ja aproveitei e abri as pernas dela e meti sem dó nem piedade no papai e mamãe. Ela adorou, e a Jô ate se uniu a nós me beijando e chupando os peitos da Flávia. A Flávia também chupou os da Jô e depois de um tempo as duas trocaram. Eu voltei a meter na Jô, enquanto a Flávia fez a Jô ficar chupando a bocetinha dela.

As duas logo gozaram e senti que logo eu ia gozar também. Já tinha segurado algumas vezes, mas a aquela altura estava difícil. Avisei elas e quando fiz isso a Flávia falou.

- Jô, posso ficar com a primeira gozada? Quero fazer algo especial...

- Por mim tudo bem.

A Jô responde.

- Como assim especial?

Eu pergunto curioso. Ela se vira então de quatro e enfia um dos dedos dela no cuzinho e fala.

- Eu quero leitinho aqui!

Na hora que vejo isso já me animo. A Flávia ela tinha um bundão, mas nesse tempo todo que eu e ela temos esse caso ela nunca tinha liberado o cuzinho. Ela dizia que adorava fazer anal, mas como nossas transas sempre foram bem aleatórias, ela nunca deixava porque ela dizia que tinha que se preparar.

Naquela hora eu entendi o que ela quis dizer. Ela foi na gaveta do criado mudo, pegou um lubrificante e um plug anal e me entregou. Era um plug anal médio, daqueles prateados com uma jóia em formato de coração na outra ponta.

Ela pediu então pra eu ir metendo na bocetinha dela devagar enquanto eu enfiava o plug aos poucos no cuzinho dela, e fiz isso. Comecei a foder ela lentamente de 4, botei o lubrificante no plug e no cuzinho dela e fui botando devagarzinho pra alargar. No inicio doeu um pouco, mas ai a Jô foi ajudando e ela enfiou até entrar o plug todo.

Ela pediu então pra começar a brincar com o plug, de ir tirando e enfiando ele de novo para ela se acostumar. A cada enfiada eu sentia a bocetinha dela apertar meu pau e o tesão só foi subindo. Até que ela falou

- Tá bom, pode começar.

Tirei então meu pau da bocetinha dela e botei na entradinha do cuzinho dela que tava piscando. Fui enfiando devagar e ela foi gemendo de dor e prazer ao mesmo tempo. Quando entrou tudo eu esperei ainda um pouco e comecei a meter devagar. A Jô começou a estimular o grelinho da Flávia, e assim o cuzinho dela ficou ainda mais apertado. Sendo assim fui metendo mais forte e depois de um tempo a Flávia simplesmente enlouqueceu gemendo e gozando. Eu no tesão do momento aumentei as estocadas e não aguentei, gozei litros no cuzinho dela.

Foi incrível na hora e não sei muito bem como descrever. Foi um sexo animal, pois ela estava de quatro e eu estava bombando, mas ao mesmo tempo ela rebolava no meu pau e assim nos gozamos praticamente juntos.

Depois disso os três pelados fomos tomar banho, e lá eu transei só com a Jô enquanto a Flávia só observava. Ela pediu uma pra eu gozar dentro dela também e foi o que fiz. Depois que saímos do banho a Flávia quis mais uma rodada, mas para ela se "divertir" com a Jô, e ai terminamos isso tudo umas 8 horas da noite.

Esse dia foi um dos melhores da minha vida, e realmente não esperava que as duas fossem se juntar. Mas eu deveria imaginar. A Jô é uma mulher que gosta da coisa e não esconde isso, já a Flávia era uma mulher digamos "comum" que foi traída e acabou buscando refúgio num novinho como eu, assim virou uma viciada em sexo. A primeira vista elas não pareciam que iriam se dar bem, mas no fim isso aconteceu.

Tenho sorte de ter essas duas mulheres na minha vida, pois por causa delas eu tive varias experiências assim. Por isso quando descobri que podia compartilhar essas histórias assim fiquei feliz. Não posso contar para os meus amigos, pois envolve uma mulher casada e uma ex professora. Mas aqui eu posso relatar tudo isso.

Ainda tenho algumas experiências interessantes que posso acabar postando aqui. Tanto com a Flávia, quanto com a Jô. Com as duas juntas também, e ate algumas antigas com a Maria, então se quiserem comentem, e aproveitem para dizer o que acharam do conto.

Até a próxima o/

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
17/03/2019 14:19:38
Vc tem muita sorte ja peguei uma cunhada que delicia o proibido realmebte e mas gostoso.
02/10/2018 02:16:34
Show!!! Amei todos os contos, aguardo ansiosa pela continuidade
18/07/2018 15:30:56
Tesudo querido! Muito tesudo. Tua aventura foi bem erótica... excitante com essa professora Flávia e a Jô. Transa bem narrada, cheia de orgasmos bem carregados. Fica aqui meu comentário e nota. Sem dúvida dez. Visite meus contos quando quiser. Bjs babados.
09/07/2018 13:49:20
sensacional
03/05/2018 05:05:12
Excelente conto continue
17/04/2018 11:26:29
Tony!.. Que máximo! Putz, viajei no tesão com essa surpresa que essa Flávia te preparou. Conto fodástico com vc tendo essas duas safadas na mão. RsrSrs... Você merece ó ó...dez! Tenho contos aqui e se você comentar, eu vou ficar bem feliz. Bjs=-)
16/04/2018 09:09:54
Tinha como não gostar da surpresa, querido? Tu vais precisar de muito preparo para dar conta dessas duas. Rs. Gostei do conto, bem relatado como sempre e excitante. Em dezembro publiquei um relato de como iniciei três garotos de uma só vez. Dá uma lida nele. Nota dez e beijocas.
14/04/2018 18:16:38
wow