Ganhei um boquete da colega e virei refém 6

Um conto erótico de Kurioso Sub
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 13/04/2018 23:13:10
Nota 6.67

Continuando.

Respondendo ao comentário do leitor, dizendo que eu ia trocar de time, isso não aconteceu, e acredito que não irá, curto mulher e muito. Consegui conversar com

ela e impor algum limite, dizendo que relação homossexual não aconteceria. Ela aceitou primeiramente. Ainda estou nas mãos dela e não sei se um dia ela irá

tentar isso novamente. O que fiz naquele dia foi contra minha vontade. Muito das coisas que ela fez comigo aceito pelo fato de não querer perder a esposa e o convívio com os filhos.

Outra coisa que temia era a perda do emprego, pois ser descoberto praticando sexo dentro da empresa era inadimissível. Só observo que mesmo a contra gosto a opção de servir

e ser um lacaio é totalmente excitante e muitas vezes mesmo aquilo não sendo nada do que queremos fazer temos prazer em ver a satisfação de quem te domina.

Voltando ao conto:

Na noite daquele mesmo dia convenci minha esposa que iria trabalhar no sábado até o horário do almoço e ela não viu nenhum empecilho nisto, até porque em outra ocasião eu já havia trabalhado aos sábados por precisar devido a demanda de trabalho. Meu único receio era se ela decidisse ligar para o trabalho me procurando, mas mal sabia eu que a Ana já tinha cuidado de tudo.

Ana era realmente uma safada. Tinha um casinho com o porteiro e no sábado todas as ligações caiam na portaria, e a linha que caia no ramal dela ela desviou para o celular, assim se alguem ligasse para mim cairia no celular da empresa que estava com ela.

Na manhã de sexta cheguei cedo, mas ela já estava a minha espera. Dei um bom dia larguei as coisas para o café em cima da mesa. Havia comprado o pão e comprei um pote de nutela para tentar lhe agradar. Agradei, mas nem por isso ela foi boazinha comigo. Mandou eu me despir e ir para a minha posição.

Só que no local que sempre ficava ajoelhado tinha um carpete grosso bem ruim. Ela realmente queria que eu sofresse mais, pois o carpete era muito pior que ficar no piso de joelhos. Doía mais e começava a arder quando me mexia. Conforme fosse iria assar e dai eu ia explicar como em casa. Ela estava com a caixa da encomenda em cima da mesa e começou a abrir dizendo:

- TENHO UMAS COISINHAS PARA NÓS. – Ela ria e eu temia.

Puxou da caixa um par de algemas, e me algemou com as mãos para trás. Depois voltou a caixa e tinha uma algema para as minhas pernas que faziam com que eu não tivesse mobilidade alguma, pois não me permitia nem fechar ou abrir mais as pernas. Ficava na mesma posição totalmente vulnerável. As algemas dos pés tinham ligação com as das mãos, fazendo-as que ficassem totalmente esticadas para trás. Voltou a caixa e pegou uma coleira e colocou em mim. Depois tirou uma mordaça daquelas com uma bola e a pendurou no meu pescoço. Me senti dentro daqueles filmes de BDSM. Comecei a ficar nervoso. Pois haviam mais coisas dentro da caixa. Puxou da caixa um xicote se aproximou, colocou a mordaça na minha boca. Aquilo era horrivel. É uma bola dentro da tua boca que fica com parte para fora. Tu não consegue cuspir ou por pra dentro da boca. A única coisa que tu faz é babar feito criança e mal consegue gemer, pois abafa o som. Fez a volta em torno de mim e começou a desferir chicotadas. Começou leve, estava até divertido, porém a cada volta que ela dava ela aumentava a força. Pegava em tudo. Pernas, braços, peito barriga, rosto, pau, sola dos pés. Eu só gemia, babava e chorava. Ela contou cinco minutos no relógio. Me mostrou. Durante cinco minutos me punindo. Pareceram 5 horas. Depois ela parou e voltou a caixa. Começou a me mostrar os acessórios que tinha comprado. Tinha pregadores de roupa, consolos de uns 3 tamanhos diferentes, bolinhas anais, uma máscara com consolo para ambos os lados e um plug anal. Confesso que quando vi o plug me bateu o desespero. Ela me olhou e disse:

- ESSE É PRA TI. ME MOSTRANDO O PLUG. MAS SÓ AMANHÃ NA MINHA CASA. – Aquilo ecooou na minha cabeça. Sensação apavorante tomou conta de mim. Mas estava eu amarrado e amordaçado.

Da hora que cheguei ali até a hora do trabalho eram 1 hora e meia de diferença, meus joelhos estava doendo e haviam-se passado apenas meia hora. Minha cabeça não parava de pensar pois no dia seguinte passaria no mínimo umas 4 horas com ela. O que ela faria comigo se em 1 hora ela já fazia tanto estrago. Mas o que mais me metia medo era o tal plug. Porém ela não me deixou pensar muito.

Tirou a calcinha, levantou o vestido e sentou-se a minha frente. Fez me lamber aquela buceta até gozar umas 3 vezes. A buceta estava com cheiro forte, pelo que percebi ela não havia lavado de novo e pelo jeito era ainda da nossa foda do dia anterior e provavelmente com a foda que ela teve a noite. Com certeza aqui era para me humilhar. Ser obrigado a chupar uma buceta suja de outro pau. Mesmo assim eu me dedicava ao extremo. Lambia com vontade, acaraciava muito aquele clitóris, o chupava com vontade, mordiscava e depois engolia todo o caldo que saia dela. Em momentos começava a ficar dolorido da posição, pois meus joelhos queimavam e meus ombros começavam a ficar dormentes pelas mãos amarradas. Minhas costas doiam e eu começava a cair de produção, sempre que ela percebia me batia muito fazendo com que eu retomasse com vontade o trabalho. Após a terceira gozada ela pegou a calcinha limpou a buceta com ela, socou dentro da minha boca e me amordaçou novamente.

Fiquei ali o tempo restante até a hora de começar o expediente. Ela se vestiu, e foi tomar seu café enquanto ali eu ficava. Faltando alguns minutos para acabar o nosso tempo ela serviu um café muito quente e extremamente forte, parecia uma tinta de tão forte. Me desalgemou nas mãos, tirou a mordaça e deu para beber.

- BEBE DE UMA SÓ VEZ. – Obedeci, mesmo aquilo extremente ruim e quente. Após eu beber me mostrou algumas fotos do dia anterior. A humilhação havia se completado. Tinha fotos minhas com a cara enterrada nas cuecas do motoboy e uma dando um beijo no pau do cara. Realmente eu estava cada vez mais no fundo do poço. Depois me tirou as algemas dos pés, me beijou como sempre e me deu as garrafas que eu deveria beber.

- MEIO DIA AQUI.

Me empurrou pra fora da sala sem roupa. Fechou me deixando nu do outro lado. Abriu novamente, jogou todas as minhas coisas e fechou na minha cara de novo.

Ao meio dia fui correndo. Chegando na sala entreguei as duas garrafas vazias com cara de bom menino. Ela gostou, porém isso foi a pior merda que eu deveria ter feito. Mas conto o porque na sequencia.

Como já acostumado, cheguei e tirei minha roupa, e fui para o tapete de joelhos. Ela se aproximou, me algemou, colocou a coleira, a mordaça com a bola e foi almoçar. Enquanto almoçava me olhava seria. Ela estava bolando algo. Era certo isso. Levantou-se, pegou um lenço e me vendou. Aquilo me deu um pânico com excitação. Terminou de almoçar e veio até mim. Senti algo deslizando no meu corpo. Era o chicote. Quando eu menos esperava tomava uma chicotada e um tapa na cara. As vezes um chute no meio das pernas. Alguns minutos assim ela parou, me tirou a mordaça e me guiou até a sua buceta. Chupei um pouco aquela buceta deliciosa que estava sempre encharcada e ela me fez parar. Me bateu novamente e me fez ficar em pé. Senti seus lábios no meu pau, começou uma sucção e em seguida deu uma mordida forte, e depois começou a tratar com carinho. Um boquete delicioso, mas as vezes mordia com força. Eu não via nada, só sentia. Ela parou. Senti a mão dela guiando meu pau na sua buceta. Ela havia se enclinado para que eu metesse. Somente a ouvia mandar meter com força. Quando eu estafva quase gozando ela percebeu e parou. Segurou meu pau e não me deixou gozar.

Me colocou de novo na minha posição e começou a sessão de tortura. Quando menos esperava era uma chicotada. Faltando minutos para acabar o intervalo, ela perguntou se eu estava com fome. Balancei a cabeça que sim e ela me tirou a mordaça. Senti o cheiro de tomate cru. Ela sabia que eu não gostava. Enfiava pedaços na minha boca e me fazia mastigar e engolir. Logo mordi outra coisa com a casca mais espessa. Era pimenta. Enfiou várias na minha boca e intercalava com tomates. Eu tentava cuspir e não conseguia, pois ela segurava minha boca. Comecei a tossir e ela perguntou se eu queria beber água.

- SIM MINHA PRINCESA.

Ela gargalhou. Tirou me a venda e pegou as minhas garrafinhas. Fez questão de ir até o banheiro de forma que eu a visse. Urinou na primeira garrafa e disse:

- MUITO POUCO. VOU DAR UM JEITO. – Ela dividiu a urina entre as duas garrafas e depois as mergulhou na privada para completar. Voltou e disse: – BEBE TUDO. A OUTRA É PARA DE TARDE.

Me neguei e tomei um chute forte no meio das pernas. Quando me recompus tomei mais dois. Ela virou a garrafa toda na minha boca me fazendo beber. Um pouco consegui cuspir, mas muito engoli.

Ela vendo aquilo, tratou de fazer eu beber a outra garrafa.

- DEPOIS TU VAI POR FORA E DIZER QUE NÃO BEBEU. NÃO QUERO UMA GOTA NO ChÃO DESSA GARRAFA.

Bebi tudo a segunda garrafa. Ela me desalgemou e pôs para fora da sala com as roupas na mão. Corri para um banheiro tentando vomitar a água que ingeri, mas não consegui.

Fiquei com medo de pegar alguma bactéria ou doença.

Voltei para a sala, e logo recebi uma mensagem:

-ATÉ AMANHÃ.

Continua.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
17/04/2018 03:33:48
Excelente conto continue
16/04/2018 02:32:53
Caralhooooo