Continuano aí meus paça, a panhada qui tava dano eim Deivinho. E a confuzão do meu paça com ele aí.

Heheh. Porra meus paça, eu to rino aqi pra carai. Eu posto minhas parada aqi mais ligo muito pra olha os comentario não. Mais eu vi la os pacero mi dero nota 1. Huahua. Aí teim um bucado de comentario na istoria qui eu postei onte e jerau mi dano pagassão. Huahua. Porra meu piva, eu ligo pra esas onda não neim ligo pra nota niuma. Eu boto minhas parada aqi lê quiem qer, da nota qeim qer, se no qizer pode pular pra procima istoria. Hehe. Importante é qui to mandano minha vizão.

Agora meus paça, é uma parada qui eu gosto nos viado. Os viado é tudo da ora, é tudo manero, é tudo comprencivo, tudo sempre jente fina. Eles é tudo educado. Os comentario dos viado nas otra istoria é tudo sempre de galera bacana e as crítica qui eles fais é tudo sempre manero e tudo sempre educado. Os pivete e as paça qui no é viado é tudo sempre grocero, tudo sempre mau educado. Eles axa qui ajente é obrigado tê istudo, eles no intende qui neim todo mundo teve o portunidade de istudar. E eles axa tobeim qui so deve mandar reau e postar istoria aqi no saite aqelas pessoa qui istudaro. Ja queim no estudô deve si rezevar no canto e si fazer di inutiu.

Ate falaro qui eu tô de zuera. Tô de zuera não meus paça, iso aqi é papo reto.

Mais eu so cabeça de jelo meus paça. Dexa jerau comentar aí e si no qizer comentar ta de boa tobeim. É direito de cada um. As critica abala ese pacero aqi não. No é atoa qui o pivete aqi teim apilido de Cabeça.

E vamo continuá aí meus paça. Aproveitano qui eses dia to seim trampo.

Quando meu paça pegou na cabeça pra Devinho xupar ele Deivinho vuô da cama.

Deivinho falou pro meu paça: olha, eu dexei voceis ficar no quarto mais mi respeite purqui eu não ti dou ozadia.

Eu fiqei todo perdidão.

Meu paça qui é todo istresado falou: tu fica tirano onda seu viado mais isqece qui eu ja cumi seu cuua sentena de veis.

Deivinho falou: ja cumeu sim mais foi no paçado e pra mi iso ficou la no paçado.

Meu paça falou: tu teim é qui mi agradeser sua bixona qui si nao foce o otario aqi tu numca ia coiecer Cabeça.

Porra meus paça, eu senti ua serta agrisividade no meu paça e ua serta inveja. Voceis mi corrija si eu intendi mau.

Deivinho falou: mais ja coieci e agora é tarde. Pur favor sai agora.

Meu paça meteu dedo na cara de Deivinho, deu um tapa na cabeça dele qui quaze ranca a piruca e furiozo meu paça falou: iso vai ficar asim não.

Aí eu mi meti emtre meu paça e Devinho.

Porra pivete, eu defendo meus mano eim quauqer situasão, mais meu paça pasou dos limite vei e Devinho é tão legau ate com ele mermo, e o viado não mericia iso não. Aí eu falei: porra pivete, ai tu ja ta pasano do limite. Vai toma teu bainho e relaxar. Tu cabou de fuder com tua muler paça, gozou de boa, agora mi dexa fazer o mermo com minha muler pivete, e respete o viado mo pai, Deivinho fais o qui axar qui é melho pra ele.

E sai impurrano meu paça pra fora.

Bixo, quando fexei a porta meu paça deu dois murro na porta e gritou la de fora pivete: Cabeça pivete, tu é um otario, um pau no cu. Ta veno qui Devinho ta ti manipulano pivete e tu fica feito bocó. Daqi a poco é tu qui vai da cu pra ese viado aí sacana. Tu vai cabar tomano é otra garrafada na cabeça di novo. E tu isqece tobeim qui Deivinho no carnavau dirrubou a meza qui nois tava sentado so pur cauza de siume idiota. Ese viado é impreviziveu pivete. Tu toma cuidado não fica i.

Porra meus brode, meu paça as veis teim eses ataqe seim ajente isperar. Mais reau mente Deivinho foje de controle mermo. Mais eu axo qui na verdade ele si arrepende de tê botado Devinho na minha mão. Eu ate intendo meu paça. Deivinho é o tipo partidão qui não teim pena de gastar grana com o cara, ele fais tudo pra agradar o pivete. A augum tempo atrais axo qui meu paça falou qui nao si importava e abria mão de Deivinho purqui ele é meu mano do peito, mais eu axo qui ele deve ficar com raiva pelo jeito qui o viado mi trato, pur tudo qui o viado fais pur mim e mi da, e tobeim purqui meu paça parou de mamar nas teta de Deivinho. So qui neim parou tanto asim purqui as veis Deivinho ainda da uma grana pra ele quando ele fica seim trabai e quando ele não panha augum viado pra pegar uma grana. Aí eu falo com Deivinho e o viado caba liberano ua ponta pra meu paça. Tobeim Deivinho ajuda purqui sabe qui meu paça teim filhos.

Mais meu paça pegou pezado.

Aí eu abri a porta dinovo pivete, e xamei meu paça no papo e falei: carai pivete, iso qui tu cabou de fazer paça tu axa qui ta serto! Tu ta veno qui tu cabou de atacar seu proprio pacero! Paça, eu ti considero mais qui meus mano de sange pivete.

Aí ele si defendeu dizeno: é iso não pivete, ajente é mano e pur iso qero abrir teu olho. Ese viado ti fais de xinelo e tu não ta pecebeno pivete. Tu ta é afundano na onda dese viado. E tua muler não é ese viado não paça, tua muler ta na tua caza ti isperano pivete.

Caraca vei, eu passo cada situasão da porra meus paça.

Deivinho saiu si ixpludino do quarto e falei: Deivinho, si mete não pai, mi dexa mi rezouver com meu mano.

Deivinho voutou pra cama e eu puxei a porta pur trais de mi.

Augums da caza qui oviu a putaria saiu logo pra ve ajente pra ve o qui era. O viado dono da caza comesou logo a ixpludir.

Meu paça ficou rodano de um lado pra otro xei de istrese.

Mais to ligado meus paça qui meu pacero tava seim grana e quiria ua ponta.

Como sei qui o dono da caza é barraqero eu mermo tratei de cunvesar com ele: porra meu paça, si inflame não. Eu ja ja mi rezouvo aqi com o pivete e tu vai ve qui vai ficar de boa.

Ele respondeu na brutalidade: eu vo dexar pur sua conta Cabeça purqui sei qui tu rezouve do teu jeito, mais qero putaria na minha caza não purqui eu não é izolado não, nois temo vizim e não gosto de dá lugar pra ningeim mi procurar pra fazer reclamasão.

O viado si saiu falano: e voce Geo, tu si controla eim. Nao gosto de putaria na minha caza.

Meu paça falou: tu tobeim va logo si lascar seu viado.

Eu so vi o viado voutano e ja foi abrino a boca quando eu tomei a frente e fui falano: paça, paça, iso é momento de istrese gata, liga pro meu paça não. Dexa qui eu rezouvo.

Voutei pra meu paça falei: pivete, tu ainda não assumiu qui mi disconsiderou, disconsiderou Deivinho, o dono da caza e ainda os vizim.

O sacana meteu a mão no cabelo e dise: porra pivete, foi mau pai. Nois é brode, nois é irmão. E tu sabe qui eu so asim mermo e tu sabe qui eu so do beim pacero. Discupa mermo. Mais o resto qero é qui si foda.

A neginha xegou junto da jente e perguntou o qui foi qui aconteseu.

Eu respondi: nada morena, é qui meu paça isqeceu de tomar os remedio de maluco dele.

So asim meu paça deu rizada.

Meu paça mi pidiu um cigarro. Fui no quarto pegei o cigarro, asendi, e quando levei pra ele, ele tava eim pe na porta do quarto olhano pra Deivinho qui tava si acabano de xorar. E falei: agora sircula aí meu paça.

E eu so fumante visiado não meus paça, so fumo ums 4 a 5 cigarro pur dia. Mais inxago a boca com xa de cravo ou de canela pra não ficar com fedor na boca. Custume qui minha muler mi botou.

Voutei pra cama e Devinho falou: eu todo dia tento isqecer qui ti dei ua garrafada mais veis ou otra Geo teim qui mi lembrar. Ele no intende qui iso mi doi.

Pegei o viado e falei: ei sacana, tu vai dexar esas lagrima tira tua maqiaje no meu lugá é! Eu tava pensano qui esa maqiaje ia sair so depois qui eu ti fizese si lavar toda de suó.

E ele falou: é isso não amor, é qui é umilhamte esas coiza qui Geo fais.

Eu falei: epa sacana, a putaria ja cabou agora a poco e ja é pasado, o qui importa agora é a putaria qui ajente vai fazer e qero ver se esa puta vistida de xirra não vai fazer o isqeleto gozar.

Ele deu rizada.

Pulei da cama, apagei a luis, subi dinovo na cama, fiqei de juelho , pegei na cabeça de Deivinho e trosse pra minha taca. O sacana deu uma ingulida no meu carai xei de guludice.

Logo Deivinho voutou ficar uma puta toda assaiada com minha taca na boca. Ainda tava mei fungano pur cauza do xoro. Mais iso foi pasano. O sacana xupa minha taca pariceno qui qer rancar ele fora, e mi dexou de rola dura dinovo.

Eu eu ja tinha fudido ele, a taca tava minano. Ele xupou todo liqido tramsparente e inguliu.

Pra melhora ainda mais, eu qui so todo truqero e ja to ligado qui iso larga ele seim juizo, detei Deivinho de brusso, abri suas perna, abri sua bumda e taqei lingua no cu no viado. A causinha continuava do ladim da bumda e a saia qui ele tava virtido tobeim nada foi tirado, neim mermo a bota neim a bluzinha dura qui não sei o nome daqilo e neim a coroa qui ele tava uzano.

Viado jemia pariceno qui tava perdeno o juizo, mexia a bumda na minha cara, istufava o cu e depois apertava minha lingua com o cu e sacana so ficava no ai ai ai, e xiava pariceno qui tava com a boca xea de pimenta.

Mi detei pur cima dele, incostei a cabeça do carai e ele si impinou. Dei ua impurrada e rola si incaxou direitim no cu do sacana qui deu um jemido forte e mi mandou tirar. Ja tava ligado qui era pra botar a capa.

Eu incapei a taca e soqei dinovo. Fudi Deivinho pariceno que eu tava xei de odio, e o sacana jemia pariceno puta de brega, ele fazia ua paradinha com o cu na minha rola qui paricia qui o cu puxava minha taca, mastigava minha taca la dento e impurrava minha taca pra fora.

Ranqei a taca de dento e dei otra linguada. Pegei a paradinha qui tava no istojo do lado qui ele tinha uzado no meu carai e rezouvi ixperimentar nele. Derramei aqele caudo no cu do Deivinho e taqei a língua. O viado ficou qente de veis, o cu dele ficou pegano fogo e minha lingua xega ficou durmente. O gosto era de xocolate. Mais a paradinha deu um fogo da porra.

Derramei mais daqele liqido no cu dele desa veis pra lubrificar com aqilo e taqei rola dento do sacana. Eu panhano ele fudeno o rabo do safado de jeito, ele meteu mão no istojo, pegou mais duas bolinha, tirou o cu da minha rola e botou dento dele. Como eu ja tava ligado qui a paradinha istora la dento quando ajente infia a rola, botei a cabeça da rola no cu do viado, eu midi a foça pra meter e largei cassete la dento, beim no fundo e com beim foça.

Bixo, so senti o viado si contocer imbaxo de mim, tentou nadar eim cima da cama, e o sacana si tremeu todo dano cada apertada forte da porra na minha taca e o sacana soutou a vois. As puçada forte qui o corpo de Devinho dava, pecebi qui o sacana tava gozano. E ele comesou falar: eu ti amo, eu ti qero, fica com migo, dis qui tu é meu.

Fui tirar um poco a taca de dento dele e ele levou a mão pra trais mi sigurano pelo quadriu pra eu ficar com a taca dento dele. O cu dele qui tava relaxano começou ficar piscano com minha rola dento dinovo. Paricia qui minha taca tava grudada la dento do cu do viado.

Ele parou de tremer o corpo e foi relaxano. Aí eu fui tirano a rola de dento dele. Na midida qui a rola ia saino, Deivinho ia jemeno e si tremeno.

Deivinho falou: olha Cabeça o qui tu feis. Eu gozei seim neim mermo mi tocar. Ta veno o qui tu fais com migo!

Bixo, eu fiqei mi sentino o cara.

Aí falei: porra pivete, so eu qui não gozei ainda.

E niso minha taca tava latejano.

Ele falou: gato, eu poso ti fazer gozar agora si voce quizer. Ou si tu preferir isperar, eu poso dá so um tempinho pra mi recuperar, tomar um bainho e ti dou otra surra de bumda e ti faço gozar iguau animau.

Ai falei: porra gata, como tu quizer.

Ele falou: pur iso qui ti amo.

Deivinho botou a causinha de vouta pro lugá, deceu a saia e saiu pro banhero.

Eu virti a cueca, botei a bermuda, mandei uma zap pra muler dizeno qui eu tava xegano da rua cansado e eu ia durmi. Ela ja tinha saido do zap a um tempão mais tinha mi mandano mensaje mi mandano bejo, dezejano boa note, mandou uma foto dela com meu guri e as porra.

A taca não quiria baxar mais como eu ja tinha perdido a vergoia naqela caza, eu sai asim mermo com a taca dura mostrano pela bermuda.

Como o quarto fica no qintau, eu sai do quarto e tava xuveno, mas teim varanda qui leva ate dento de caza. Tava xuveno mais fazeno calô do lado de fora. No quarto não senti purqui teim ar condisionado. Entrei pra dento de caza e a caza tava vazia. Ou a galera tava fudeno seim fazer zuada, ou eles ja tiha ido durmir, menos um dos quarto qui tava um movimento de sexo da porra, um bate bate, um jeme jeme.

A porta de saida da rua tava aberta e botei a cara fora. Na varanda tava meu paça sentado na cadera com a cabeça discansano na parece e a neginha sentada no colo dele.

Eu sai tobeim pra varanda e senti na otra cadera.

Meu paça falou: porra negona pega uma ceveja ali pra eu e meu paça. Ela foi.

Meu paça falou: porra pivete, de corasão mo pai, discupa seu mano mermo. Eu fis papeu de imbesiu pivete. To arrependidaso. Ajente é um do otro pivete e iso é asima de tudo.

Eu respondi: ja pasou mo pai. Fica na tua. É nois sempre.

Ajente bateu um na mão do otro. A ceveja xegou e ficamo trocano idea e bebeno.

Deivinho xegou no lado de fora ja virtido como rapais. Ele mi deu ua tualha e falou: vai tomar teu bainho Cabeça.

Eu falei: porra gatinha, daqi a poco voce vai mi da bainho de lingua pra qui eu tomar bainho agora!

Ele falou: a seu nojento, vai tomar logo bainho purqui eu não gosto de home sujo não.

Eu falei: nada gata, to de boa asim. Vo ficar todo com xero de sexo pra na ora do sigundo tempo tu mi lamber todo.

Deivinho falou: a seu porco.

Meu paça falou dano rizada: va mermo não paça, Deivinho com serteza vai ti qerer todo suado e melado de sexo pra ti da um bom bainho de lingua.

Deivinho fexou a cara pra ele.

E meu paça falou: porra ó pra isso, a minina com cara de raiva fica mais gatona inda.

Deivinho fexou a cara e foi entrano.

Meu paça pulou da cadera e panhou Deivinho falano: ei sacaninha, pera ai vei. Vai ficar com esa cara pra mi é. Eu qero ti pidir discupa ai pacero, fica asim não purqui eu ti dô maio ponto pivete.

Deivinho falou: voce de veis inquando aje jeito idiota. Eu to cansado. To tomano nojo da tua cara.

Po. Eu xamei Deivinho e falei: coleh gata, pega leve. Não é com groseria qui si rezouve os conflito. Meu paça ta arrependido.

Meu paça falou: aí xirra, iscuta teu marido aí vei. To pidino discupa pra tu aí sacaninha, na umiudade.

Deivinho falou: ta certo. Ta discupado mais ispero qui tu não tenha otro surto e qera mi umilhar dinovo.

Meu paça falou: nada gata. Vo sempre legau com voce sacana. Agora mi da um bejim aqi va. E meu paça abrasou Deivinho pela sintura e foi como si fose bejar ele na boca. Deivinho ficou impurrando meu paça e dizeno: sai atentando, sai peste.

Eu e a neginha do paça ficamo morreno de da rizada com as palhasada.

Eu pidi pra Deivinho pega ua ceveja pra jente e ele pegou.

Quando ele troxe ele perguntou pra mina do meu paça: e aí raxa vamo enxer a cara!

Raxa. Huahuaha

Ela respondeu: so si fo agora amiga.

Deivinho pegou um lito de uisqi e as duas minina começaro. A neginha sentada no colo do meu paça e Deivinho sentou no meu colo. Ficamo bebeno, trocano idea, dano rizada. As duas secaro o lito de uisqi e eu e meu paça ja tava xei de ceveja. Iso ja ia da 4 ora da madrugada.

Deivinho ja de porri si detou no meu ombro e comesou xupar minha orea. E falou: tu não tomou bainho mermo ne.

Eu respondi: porra gata, eu cabei isqeceno.

Deivinho falou: mais eu ti qero todim do jeitim qui tu ta. E ele ficou meteno lingua na minha orea, xupano meu percoço, minha orea.

A neginha ja tava xea de fogo tobeim. Ela foi mais safada. Ela si levantou, abriu as penas e sentou no colo do meu paça, na autura da taca dele. Ela ficou si mexeno eim cima dele inquanto os dois si bejava pariceno qui ia fazer fiume porno.

Deivinho falou: purqui ajente não vai pro quarto terminar o qui comesamo!

Eu ja tava de taca dura. E respondi: e tu vai virtir a ropa da xirra não!

Ele respondeu: eu poso si tu qizer mais vai demorar um poco.

Eu falei: intão dexa pra otro dia. Vamo la purqui tu oje foi veim mauvada com migo, neim mi dexou gozar.

E o viado falou: mauvada! Tu não viu nada ainda.

Fomo pro quarto e Deivinho mi jogou na cama como si fose mi istuprar.

Eu falei: cauma ai piveta.

Deivinho falo: cauma nada, painho. Queim manda tu ce gostozo e fazer na cama tudo do jeitim qui eu gosto.

Eu falei: qui nada piveta. Eu so todo fei, todo seco.

Ele falou olhano na minha cara como si fosse mi bejar: eu adoro home seco e pur iso qui eu so loca pur voce. E voce é um seco da rola jigante qui mi dexa maluca de tezão, sabe uzar ela do jeito qui eu gosto. E voce á nada fei, voce é todo gatim.

Deivinho abriu minha bermuda e deu ua bocada no meu carai. Deivinho xupou minha rola toda melada, xupou minha cueca toda melada. Apertou minha rola pra sair todo liqido de dento, pasou a cueca pra limpa e xupou a cueca dinovo. O viado paricia qui tava posuido.

Deivinho tava loco eim cima de mi fazeno um boqete nevozo quando entra meu paça e a neginha si lascano. Meu paça meteu a neginha de brusso no lençou qui tava no xão, puxou o quadriu da piveta pra cima, deu ua cuspida na buceta dela, otra cuspida no carai e socou na puta qui deu o xibiu pariceno qui tava seno istuprada.

E Devinho mi xupano violento quaze rancano minha taca fora. O gozo qui ficou guardado pareci qui vei com mais foça. A xupada qui eu tava levano tava ja pra mi fazer gozar. E eu falei: veim ca sua puta safada.

Depois eu mando o resto da reau aí meus paça. Ja ta cabano ja. E a galera qui ta axano ruim meu jeito de iscrever. Como eu falei no comesso, meu paça vizim aqi ativô ua paradinha no meu selula qui eu tava dijitano ua coiza e aparicia otra. Pidi pra ele dizativar a parada. E eu no vo pra uma lam rauze fazer ua parada de ua istoria minha com viado qui eu no to maluco. Eu so dodio, mais não maluco. Heheh.

Abraso aí meus piva. E é nois sempre.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
22/04/2018 15:49:48
Cadê vc pivetão?? Falta a continuação aí meu parça.😎✌✌
Guk
19/04/2018 18:23:44
esse conto foi legal, mas o meu foi veridico e teve emoção e esse conto foi escrito por uma mulher
17/04/2018 13:27:11
Achei grosseiro isso q esse Túlio Goulart falou dos gays. Eu acho q nós gays somos uma forma mais meiga e sublime do ser humano. Claro q têm aqueles barraqueiros, mas a minoria ñ pode ser vista como maioria. #fica_dica.
17/04/2018 13:25:11
Posso estar enganado, mas te acho tão sereno. Vi as críticas no seu outro conto e vi sua resposta tão equilibrada nesse. Queria ser assim como vc, sempre tranquilo. Hihihi...! Mas sou beeeeeeeeemmmmmmmm apimentado.
17/04/2018 13:23:03
Delíciaaaaa. Achei q vc ñ ia continuar. Adoro seu jeito de falar, adoro um favelado. Estou mooorta de inveja desse Deivinho. Ele tem de te segurar pq ~bofe assim como vc, está escasso. Se algum vcs terminarem, estou aqui viiuh. Bjocas, ~BB!!
16/04/2018 00:07:29
Só sou meio contra você elogiar os gays. Não vá aberto não, parceiro, gay também é traiçoeiro e fingido. Cuidado!! Ninguém é Deivinho que você elogia tanto. Se bem que até ele já te deu uma garrafada e te pôs no hospital. Pra você ver... vá com calma .relação aos gays também.✌
16/04/2018 00:05:28
Você é dez, um cara bacana, gente boa. E isso é o que importa. E mesmo pendengando, consigo dar conta de suas histórias numa boa. A galera que é preguiçosa, gosta tudo mastigado.
16/04/2018 00:04:07
Se importe não parceiro, deu pra entender super bem. Adoro caras assim do seu estilo, todo favela. Você já estava fazendo falta. Abração aí parceiro, e aguardo continuação. Li também seus olhos contos. E não se importe com as críticas. É como você disse: as pessoas acham que só as que estudaram devem ter oportunidade e são as únicas que podem divulgar suas histórias. Publique mesmo parceiro, e não se importe. Isso é inveja. Se você reparar bem, as pessoas que te criticaram e deram notas baixas, elas sequer tem algo interessante para contarem. Por terem uma vida sexual frustrante, acabam descontando em pessoas gente fina e cabeças igual você. Sou seum fã, amigão!!!✌✌😎
13/04/2018 08:44:48
Vai estudar e aprender a escrever !!!