Anna, namorada, escrava e carrasca 1

Um conto erótico de Davi
Categoria: Heterossexual
Data: 10/04/2018 05:24:25
Nota 9.25

Este é meu primeiro conto. Resolvi contar a história de um relacionamento que tive há algum tempo. Anna foi minha namorada durante um ano. A história é verídica e os nomes foram trocados.

Anna, 22. Em um relacionamento aberto. Gostava de misticismo e rock underground. Longos cabelos castanhos encaracolados, rosto de anjo. Assim a conheci, despretensiosamente,no Tinder, sem saber o quanto me envolveria com ela.

Começamos a conversar e logo me encantei pelo seu jeito de garota insolente. Meio debochada, seca, mas intensa; demonstrava interesse ao mesmo tempo que desprezava. Fez cu doce por uns 2 meses, eu sempre chamava pra sair e ela sempre inventava uma desculpa.

Na terceira vez que convidei, ela disse que tinha um trabalho de Sociologia pra entregar.

- Em que ano você está? - perguntei.

- No segundo.

- Sociais?

- Não, Ensino Médio...?

- Mas quantos anos você tem?

- Ah, eu não te falei?

eu tenho 15...

Gelei.

Vários matches no Tinder. Nenhum me interessou. Já tinha cansado de falar com todo mundo. Continuava saindo com quem já conhecia, meio que não achando graça, mas essa menina tinha chamado minha atenção. Parei de flertar com as outras e estava investindo pesado nela (até com paciência de esperar dois meses pra marcar um encontro)... mas 15 anos? Muito nova.

Disse que não poderia sair com ela. Eu tinha 26 anos! Ela não se mostrou nem um pouco abalada e disse "ok, podemos ser amigos então". Deixei por isso mesmo. Troquei algumas palavras com ela algumas vezes, mas me afastei.

Perto do Natal, ela posta algo no face -- "só aguardando a boa vontade de 3 boys". Eu sabia que não devia, mas pensei "ela tá querendo dar. Se não for pra mim vai ser pra outro. Quer saber, foda-se." Chamei no Whats, começamos a flertar mais. Falamos de sexo. Ela estava com tesão. Comecei a mandar fotos dela que tinha salvado elogiando seu corpinho, que insistia em se chamar de gorda. (Adolescentes...) Perguntei se queria ver minha rola. Gravei um vídeo batendo uma pensando naquela ninfeta gostosa. Gozei muito. Ela assistiu e disse "quero." "me encontra amanhã." "sim, eu vou. Quero essa pica gostosa na minha boceta."

No dia seguinte estava me avisando à hora que saiu de casa. Pediu meu endereço, e que a buscasse na estação. Fui lá. Super nervoso. Ela apareceu. Pude dar uma olhada melhor nela.

Ela mede 1,58. Os cabelos longos e brilhantes, castanhos, em lindos cachos de fios finíssimos. O rosto como que esculpido em mármore, olhos castanhos grandes e puxados, um minúsculo e empinado nariz que dava dicas de sua vacilante arrogância, uma boquinha pequena, rosada e macia.

Me cumprimentou com um beijo no rosto rápido, não olhou muito pra mim, parecia mais nervosa que eu. "vamos", disse. Foi caminhando meio que na minha frente mesmo não sabendo o caminho. Fiquei admirando seu corpo. Usava uma camiseta velha de banda, desbotada e cortada, através da qual se percebia seus lindos seios, caidinhos, criados sem sutiã, movendo-se livremente acompanhando o movimento de seus largos quadris. A cintura, de pele branquíssima e macia, pendia de um lado a outro como que anunciando sua polpuda e macia bundinha, apertada dentro de uma calça jeans.

Eu estava sem fôlego. Eu e todos os homens que passavam, algumas mulheres. Ela se movia como uma deusa, como se pudesse fuzilar qualquer um com um olhar a qualquer momento, mas todos seguiam olhando, embasbacados.

Chegamos a meu apartamento. Entrei, ela me pediu um copo d'água. Peguei pra ela. Ela tomou meio que encostada na pia, de costas pra mim. Me aproximei e segurei sua cintura por trás, envolvendo-a pela barriguinha e roçando minha pica na sua bundinha durinha. Beijei seu pescoço. Ela deixou o copo, segurou minha mão e me puxou até o sofá. Me sentou, sentou no meu colo e me beijou.

Que beijo desajeitado! Ela pareceu se irritar com a falta de sintonia inicial. Aprenderíamos a nos beijar outro dia. Não perdi tempo e comecei a mordiscar seus lindos seios.

Ela logo estava com a camiseta puxada para baixo, os seios dançando soltinhos entre minhas mãos e lábios. Continuei mamando e desci as mãos por sua cintura. Ela se levantou, se virou e entrou rebolando no meu quarto pela primeira vez.

Tirei sua calça. Tive que parar um momento para admirar aquele corpinho maravilhoso. Só de calcinha estava a mulher mais sensual que já havia deitado na minha cama. Tentei não pensar muito no fato de ela ser praticamente uma criança ainda.

Arranquei sua calcinha e pude ver sua linda bocetinha. Rosada, pequena, gordinha, macia. Cheirava bem. Lambi. O gosto era bom. Me deliciei naqueles lábios, clitóris e buraquinho, já encharcado por antecipação. Ela começou a se soltar, já rebolava na minha cara. Segurava minha nuca. Queria fazê-la gozar, mas ela não deixou. Quando começou a se contorcer mais. "Vem. Vem." Entendi na hora o que ela queria. Peguei uma camisinha no meu bolso, tirei minha calça. Ela me olhava meio inebriada. Encostei a cabecinha na minúscula portinha.

Encaixei. Tão pequena! E pulsava na minha pica. Resolvi ir metendo aos pouquinhos, acostumando ela, abrindo caminho. Mas ela começou a me puxar pela bunda, com as perninhas arreganhadas, ainda pedindo "vem vem vem vem tudo". Soquei, com a impressão que tinha arrombado ela toda. Ela pela primeira vez me olhou nos olhos e disse "me arregaça." Sorri e franzi o cenho. "Não imaginei que era tão vagabunda, pensei". Fiz o que pediu. Comecei a socar minha pica com toda força naquela bocetinha apertada.

"Tá doendo?" "Tá..." Diminuí a força um pouco, "NÃO, SOCA! SOCA! SOCA!" pedia, gemendo. "Mas não tá doendo?" "MAS EU GOSTO! ME ARREGAÇA VAI!" Meti como um louco, ela começou a se contorcer, a bocetinha se fechava, piscava, as pernas tinham espasmos. Deu um longo gemido, gritando, bufando. Gozou.

Eu não conseguia acreditar que aquela menina daquele tamanho já sabia dar assim. Fiquei em choque. Me contou um pouco da sua vida. Tinha um namorado que era bissexual e tinha um relacionamento aberto com ela. Levei ela de volta no metrô. Ficamos de nos encontrar de novo.

Continua!

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/01/2019 06:58:08
Delícia de conto!!! Não seria louco de pegar uma menor mas não nego que curti a história
26/05/2018 18:29:04
Vc comigo teria com certeza gozado muito mais. Que delicia. Estou molhada aqui. Se trocar mensagens me chame ninaswan1989@gmail.com
13/04/2018 02:35:37
Hmmmmm!!! Delicia! Continue
10/04/2018 15:40:54
excelente
10/04/2018 07:26:41
Excelente!!!
10/04/2018 05:43:31
Amei seu conto e quero ler todos outros. Adoro filmar esses melhores momentos. Caso interessar interessar é só retornar: fotografoliberal@yahoo.com.br