DELEGADO MÁRCIO. “O MARCINHA OU MAMÁ RODINHA” – PARTE 4

Continuando o relato.... , o delegado com minha jeba encostada na beirola de seu cu só aguardando a atolada que já já, receberia, em segundos após ouvir minha pergunta se auto batizou e se reapresentou-se para mim:

- Meu nome de guerra a partir de hoje será Márcia. Mas para clientes fixos e VIPS, como você, meu garanhão, também poderei ser chamada de Marcinha, ok. Hummmmmm !!! UUUUIIIIIII !!!. Que sarrada deliciosa está me dando na “raba” soldado!! Ischhhhh !!!.... USchhhhh !!!! Não acha que já esta passando da hora de me atolar seu pirocão, não heim? Sua Marcinha está doidinha para conhecer a potencia do bicho.

_ Já que pediu. TTTOMMMMAAAAAAAAAA VADIAAAAA!!!! TOOOOMMMAAA , NESSA RABA SAFADA, PIRAAANNNHHHAAAAAAAA!!!!

_AAAAAIIIIIIII SOLDADO!!!! QUE DELÍCIA DE ARMA!!! QUAL O CALIBRE DESSA PISTOLA, ROCHINHA? HUMMMMMMMMMMMM!!!! HUMMMMMMM!!!

- Se não fosse uma puta barata. Se fosse uma “delegada” saberia muito bem qual o calibre que está te atravessando a “cuceta”, Marcinha safada. Hummmm!!!! Rebola na pistolona do soldado!!! Isscchhhhhhhhhhh!! Usccchhhhhh!!! Rebola, Marcinha!!!!!

Novamente, eretos os amigos de Rocha ouviam atentos a continuação de seu relato

- Me pega de outro jeito, machão!! Cansei dessa posição. Deixa eu dar uma sentadinha nesse revolver, Rochinha!!!! Sua mulherzinha, quer lhe dar uma surra de bunda, pra deixar lembranças. Vamos brincar de cavalinho, deite e arrebente minha tanguinha para eu cavalga-lo bem gostoso.

- Pronto arranquei sua calcinha, vadia, agora vem Marcinha, monta seu cavalão. GOOSTTOOOSSAA !!!

- Espere, deixe-me virar. Vou montá-lo de costas para que você possa ver seu cacete entrando e saindo do meu cu, enquanto te dou uma bela trotada , machão.

De repente, meus caros ouvintes, o delegado virou-se de costas para mim, segurou meu cacete em riste, enfiou-o cu adentro e sem demoras começou a cavalgada, me arrancando urros e gemidos altíssimos, que não me incomodaram nem um pouco, pois onde estávamos, não corríamos risco de sermos ouvidos.

- Galopa Marcinha. Hummm!!!! ISchhhhhh!!!quero ver se além de puta é boa amazona!!! Galopa tesuda da porra!!! Hummmm, Iscccchhh!! Isso....

- Marcinha não só engolia e mastigava com fúria minha pistola, como de vez em quando, sem se desengatar dela, rodava seu corpo com desenvoltura em minha arma, que não negou-lhe fogo. Virava de frente, galopava, virava de costas, galopava e continuou assim até que sem mais aguentar, gozamos feito dois animais. Saciados e preocupados com a delegacia, que estava fechada, nos vestimos e retornamos logo. Mas para minha surpresa, antes de chegarmos a delegacia, o delegado já cobrou minha parte do trato. Intimou-me a acompanhar-lhe no outro dia a cidade vizinha, a fim de ajudá-lo a escolher suas lingeries e a assistir seu desfile vestido com as mesmas. Iriamos dormir por lá mesmo num motel que ele conhecia e que segundo ele era o máximo. Mas devido ao adiantado da hora, este relato ficara para outro dia, pois já está amanhecendo e como disse-lhes meus pais acordam cedo, portanto vamos apenas bater uma rapidinha e prometo-lhes que em breve voltaremos a nos encontrar e recomeçaremos de onde paramos, ok?

Muito contrariados, mas não querendo sujar pro soldado, pois queriam retornar e dar sequencia as deliciosas putarias, bateram uma rapidinha, despediram-se de Rocha e retornaram para sua cidade loucos pelo repeteco, que poucos dias depois aconteceu.

De volta a história do soldado e de MAMA RODINHA, o soldado sem saída, mas muito sem graça em acompanha-lo para comprar calcinhas, foi obrigado a fechar com o delegado.

No outro dia, trabalharam apenas pela manhã e pegaram a estrada. Viajaram um pouco pararam para almoçar e seguiram viagem. Pouco tempo depois, o delegado estaciona a viatura, na porta de um shopping e foi as compras com o parceiro, que extremamente envergonhado o acompanhou até o interior de uma loja afim de cumprir sua penosa promessa.

Enquanto” O MARCINHA” se deslumbrava com os modelos novos de calcinhas, tanguinhas e espartilhos que tinham acabado de chegar, Rocha sentindo-se um inseto e louco para sair dali, opinava disfarçadamente, apenas apontando o dedo, pras peças que mais gostava, que o delegado imediatamente separava para comprar.

Depois de muitas peças de modelos e cores variadas escolhidas timidamente pelo soldado, o delegado, dirigiu-se ao caixa na maior tranquilidade, pagou e se divertindo muito, foi ao encontro de Rocha, que nessas alturas já estava fora da loja encostado todo cabreiro num dos pilares de sustentação do shopping, louco para sair dali. O que pra sua sorte, fizeram rapidamente, pois MAMA RODINHA, não via a hora de desfilar para ele, exibindo suas novas aquisições.

Assim que entraram na suíte do motel, o delegado, já começou a beijar a boca de Rocha, que retribuía lambendo-lhe a cara toda. Ainda fardados, “O MARCINHA”, começou a sarrar bastante o cacete do policial, que não ficou para trás, enquanto tinha seu cacete sendo sarrado pela voluptuosa e gulosa bunda do amante , bombava-a sem dó nem piedade.

Por um tempo a putaria rolou de roupa, até Tocha morto de tesão e muito curioso para assistir o espetáculo do delegado, interrompeu o sarro e ....

CONTINUA ....

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/04/2018 14:14:45
Uaaaaaaaaaaaaau!!!!!! Hmmmmmmmm parece ser bem delicioso! Gostei
10/04/2018 00:18:18
AINDA NÃO CURTO O JEITO QUE ROCHA TRATA O DELEGADO. E TB NÃO GOSTO DO JEITO QUE O PRÓPRIO DELEGADO SE TRATA E DEIXA SE TRATAR. LAMENTÁVEL.