Amando Outra Vez 7

Um conto erótico de Bruninhooo
Categoria: Homossexual
Data: 08/04/2018 03:31:57
Nota 10.00

Eu - Pois é crianças...agora começa uma nova fase.

Eu ainda fiquei caminhando pelo apartamento novo,para me acostumar com a ideia de que ali seria o meu novo lar.Como esse apartamento tinha apenas dois quartos,o Matheus iria dividir o quarto com o Angel.

Depois que as crianças já tinham ido pro quarto eu fiquei analisando as contas que eu tinha que quitar,quando alguém bate na porta e eu fui atender.

Renato - Vim ver como o meu mais novo vizinho está.

Eu - Calculando as contas que eu tenho que pagar que é o que eu mais faço ultimamente.

Renato - Seja bem vindo ao maravilhoso e encantado mundo da classe média meu amor.

Eu sentei pra terminar o que eu estava fazendo e o Renato me ajudou,ele é um amigo pra todas as horas realmente.

Renato - Viado essa escola que o Matheus estuda é uma fortuna,porque tu não põe ele em uma escola mais barata?

Eu - Não dá pra mim fazer isso,o Matheus já demorou demais pra se adaptar naquela escola,sem falar que ele e o Frank são unha e carne,não seria justo separar os dois.

Renato - Esse Frank é aquele nerd branquelo que eu ví na sua casa uma vez?

Eu - Ele mesmo,é um amor de garoto.

Renato - Você não acha que ele e o seu filho tem um lance não?

Eu - Ha ha ha,você tá louco Renato os dois são praticamente irmãos,sem falar que o Frank já dormiu lá em casa várias vezes,se eles tivessem alguma coisa eu teria percebido.

Renato - Vai saber né...com o meu filho foi desse jeito ai.

Eu - Meu Deus,eu não quero nem pensar em como vai ser,quando o Matheus começar a namorar.

Renato - Pode ir se preparando que em breve você deve ganhar uma nora ou um genro,pois eu não sei de que fruta o seu filho gosta.

Eu - Ainda bem que pro Angel essa fase ainda tá longe.

Renato - Vai pensando...essa geração tá rápido,ontem mesmo eu ví uma garota de 9 anos grávida.

Eu - Ai que horror,olha vamos voltar pras nossas contas que é o melhor que a gente faz rsrs.

Depois que o Renato foi embora eu entrei no meu novo quarto e ao deitar naquela cama de casal,eu olhei para o lado da cama que o Anderson deitava um vazio tomou conta do meu peito.

Eu - Que falta que você meu amor. Disse baixinho.

Enquanto eu estava perdido nos meus pensamentos eu ouvi duas batidas na porta e os meus dois filhos entraram no quarto.

Matheus - O Angel não tá conseguindo dormir,acho que ele tá estranhando a casa nova.

Eu - Deitem aqui comigo,tô precisando da companhia de vocês mesmo.

Eles deitaram do meu lado e eu fiquei ali no meio dos meus dois filhotes,nada era melhor do que a companhia deles naquele momento.

No dia seguinte eu levantei bem cedo e depois de ter feito o café da manhã e me arrumado eu acordei o Matheus e enquanto tomávamos café da manhã que eu me dei conta de eu ainda não tinha escolhido uma creche para matricular o Angel.

Matheus - O senhor vai deixar o Angel com quem?

Eu - Bem...pelo visto eu vou ter que levar ele pro trabalho hoje,não tem outro jeito.

Eu fui até o meu quarto e para a minha surpresa o meu caçula já estava acordado.

Eu - Oi meu amor,eu vou ter que te arrumar pra te levar pro trabalho com o papai.

Angel - Eu vou trabalhar com o papai? Perguntou empolgado.

Eu - Vai sim,agora você tem que tomar um banho.

Depois de ter dado um banho no Angel e deixado ele bem cheirosinho e arrumado,eu dei o café da manhã pra ele e nós três entramos no carro e depois de deixarmos o Matheus na escola dele,nós seguimos para o meu escritório e a Gabriela se surpreendeu ao me o Angel.

Gabriela - O que essa fofura tá fazendo aqui? Disse apertando as buchechas do Angel.

Eu - Eu dispensei a babá dele e não tive tempo de procurar uma boa creche esses dias,então tive que trazer ele pro trabalho.

Gabriela - É bom que você já vai treinando ele pra ser arquiteto igual você rsrs.

Eu - Tomara que o Angel seja de exatas igual a mim,pois o Matheus eu já percebi que é de humanas total rsrs.Agora deixa eu ir pra minha sala,pois eu tenho 2 meses de trabalho pra finalizar.

Apesar de trabalharmos no mesmo espaço,Gabriela e eu tinhamos a nossas sala cada um e trabalhavamos de forma separada,cada um com os seus projetos,a não ser que aparecesse um trabalho muito grande e que necessitasse de mais de um arquiteto e divídiamos a mesma secretária também.

Quando já era por volta das 10 da manhã a minha secretária disse que tinha um homem chamado Paulo querendo falar comigo e eu disse para que ela o deixasse entrar na minha sala.

Eu - Olá,Senhor Paulo. Disse apertando a mão dele.

Eu - Sente - se por favor,pode ficar avontade.

Ele era um homem bem bonito,alto,moreno e bem forte.

Paulo - Que garotinho bonito,é seu filho? Disse olhando para o Angel.

Eu - É meu filho sim,tem 3 anos.

Paulo - Ele é a sua cara...bem...o meu patrão ficou sabendo do trabalho do senhor e gostaria que você fizesse algumas mudanças na sede da nossa empresa.

Então ele me deu algumas fotos de como era a sede da empresa por dentro e me explicou mais ou menos o que o patrão queria.

Paulo - Que dia você poderia ir lá?

Aquela era uma pergunta bem difícil,pois eu estava cheio de tarefas pra finalizar,mas ao olhar na minha agenda eu disse.

Eu - Amanhã de tarde.

Ao me despedir dele eu o levei até a porta da minha sala e foi notável a troca de olhares entre ele e a Gabriela que estava conversando com a secretária.Assim que ele saiu pela porta ela veio até mim.

Gabriela - Meu Deus que homem é esse rsrs.

Depois daquele dia puxado de trabalho eu e Angel fomos pra casa e no dia seguinte começaria tudo outra vez.

No dia seguinte eu tive que levar o Angel para o trabalho novamente e depois de ter feito as minhas coisas pela manhã,nós fomos almoçar por volta de meio dia e em seguida fomos para a sede da tal fábrica de plásticos e fomos encaminhados para o último andar,onde fui recebido por um homem loiro e alto,não sei por qual motivo,mas ao ver aquele homem eu senti uma sensação ruim,o meu peito ficou gelado.

Ele - Olá eu sou o Norberto,o presidente da empresa você deve ser o Daniel.

Eu - Sou eu mesmo,desculpe,mas eu tive que trazer o meu filho,pois ele está sem babá por enquanto.

Norberto - Filho? Olhou pra baixo procurando por algo.

Foi ai que eu percebi que o Angel estava escondido atrás da minha perna,então eu puxei ele pra frente.

Norberto - Que menino bonito,puxou o pai. Disse sorrindo.

Eu - Bem...eu vim conhecer melhor a empresa pra acertarmos os últimos detalhes do que eu tenho que fazer.

Norberto - Claro.

Então nós fomos caminhando pela sede da empresa e ele me explicava o que ele queria.

Norberto - Eu quero modernizar os escritórios e as dependências da sede,mas você pode ficar avontade pra fazer isso da sua maneira,eu confio no seu gosto.

Eu - Nossa...obrigado,eu vou contratar uma equipe de confiança minha e comprar os materiais para que a gebte comece o mais rápido possível.

Nós acertamos alguns detalhes e ele me deu um cartão em nome da empresa para que eu comprasse os materiais e quando eu já estava saindo ele me fez um convite.

Norberto - Bem...nesse sábado vai ter um jantar lá em casa pra alguns amigos,ums festinha,eu gostaria que você fosse.

Eu tinha ficado bem surpreso e desconcertado com aquele convite.

Eu - Eu adoraria,mas acho que não é uma boa ideia,afinal nem nos conhecemos direito.

Norberto - Bem...hoje ainda é terça-feira,você vai voltar aqui na empresa amanhã,creio que até sábado nos conheceremos bem melhor.

Eu - Eu vou pensar,mas de qualquer maneira obrigado pelo convite.

Eu decidi encerar o expediente mais cedo e assim que eu saí da empresa,eu fui procurar algumas creches para o Angel estudar e depois de rodar por cinco creches eu optei por uma que ficava a apenas duas quadras de distância do meu prédio e comprei os materiais que ele precisaria.

Eu - Amanhã você terá o seu primeiro dia na creche e ano que vem você vai pro colégio.

Ao chegar em casa o Matheus estava na mesa da cozinha estudando com o Frank.

Eu - Oi Frank,agora fica um pouco mais longe pra você visitar a gente. Disse abraçando ele.

Frank - Tudo bem com o senhor?

Eu - Tô ótimo e para de me chamar de senhor que eu acabei de fazer 30.

Matheus - O senhor já vai fazer 32 rsrs.

Eu - Fica quieto garoto rsrs.Fiquem avontade que eu tô indo pro meu quarto.

O Frank acabou dormindo lá em casa mesmo e no dia seguinte estavamos todos de pé de manhã bem cedo e antes de deixa-los na escola eu deixei o Angel na creche.

Eu - Aproveita tá filhão,mais tarde o papai vem te buscar. Disse abraçando ele.

Eu entrei de volta no carro e segui o caminho com os garotos.

Frank - Ele não chorou?

Eu - Não chorou não,eu até estranhei.

Frank - No meu primeiro dia da escola eu chorei pra caramba.

Eu - Eu também chorei,mas depois passei a amar ir pro colégio.

Ainda naquele dia eu organizei algumas coisas para o trabalho que eu teria que fazer no prédio da sede da empresa do Norberto e mais tarde naquele mesmo dia eu fui visitar a sede novamente e dessa vez quem me acompanhou durante a visita foi o Paulo.

Paulo - Não tem aquela sua colega de escritório...

Eu - A Gabriela?

Paulo - Eu meio que gostei bastante dela e...

Eu - Bem...eu falo com ela e se ela quiser eu passo o seu telefone.

Paulo - Valeu.

Eu - De nada,é bom que você fica me devendo uma rsrs.

Paulo - Pode cobrar rsrs.

Depois do trabalho eu fui buscar o Angel na creche,ainda era estranho pra mim a rotina sem o Anderson,mas pro bem dos meus filhos eu tenho que seguir em frente e no dia seguinte eu comecei as reformas na sede da empresa do Norberto de manhã bem cedo.

No dia seguinte eu já estava lá e as obras estavam a todo vapor.

Eu - A gente vai precisar derubar essa parede pra ter mais espaço.

De manhã cedo,assim que eu cheguei,o Norberto já tinha me convidado para ir almoçar com ele e quando deu por volta de meio-dia nós já estavamos no elevador descendo em direção ao estacionamento.

Apesar do Norberto sempre ter sido muito simpático comigo,eu sentia uma sensação ruim sempre que eu chegava perto dele.Derepente o elevador parou e nós ficamos presos ali dentro.

Eu - Caramba,não acredito...

Norberto - Que estranho esse elevador,nunca foi de dar defeito...

O tempo foi passando e nada de alguém nos tirar de lá de dentro,tanto que,Norberto e eu já estavamos até sentados,quando derepente ele começou a olhar profundamente nos meus olhos.

Norberto - Você não percebe mesmo né?

Eu - Perceber o que?

Norberto - Isso. Disse me beijando.

Ele segurava a minha nuca com força,enquanto a sua língua invadia a minha boca,quando eu me soltei assustado e acertei um tapa na cara dele.

Eu - Você ficou louco!

CONTINUA...

Valtersó: Realmente não há crime perfeito e a verdade sempre aparece.

Pandinha67: Fico feliz de estar conseguindo emocionar vocês com a minha história,mas confesso que eu também sofri muito ao escrever os últimos dois capítulos.

M/A: Ninguém é obrigado a ler o que não gosta querido.Vá com Deus.

Renato Mota: Agora a semhora é uma moradora de Botafogo vizinha do Daniel kkk.Beijão querido adorei sua resposta pra um certo mal amado.

Abduzeedo: Fico feliz em saber que você está lendo meu conto.

Geomateus: Verdade amigo.

Guardian (Eduardo): um grande jogo se arma pela frente,o Daniel terá inimigos e aliados e o novo amor virá de ula forma surpreendente.Aguarde Guardian rsrs.Realmente o Norberto pode ser considerada um versãp amadurecida do Heitor rsrs.

Arrow: Eu sofri escrevendo aquele capítulo 6 também.

Atheno: Realmente a vida segue.Se você gosta de peludos tem uma surpresa no fim do capítulo 11 rsrs.

Muuto obrigado a todos e conto com a opinião de vocês nos comentários.

Beijos

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
30/06/2018 11:40:59
Bruno, essa trama tá me deixando louco.... Tô lendo um capítulo após o outro sem parar.... Até porque não consigo..... kkkkkkkkkkkk
08/04/2018 17:14:13
Hum...
08/04/2018 16:35:32
nota mil pra vc continue e nao ligue pra certos comentarios, as vezes é bom nos faz ver quem realmente agradamos ne, bjos no seu coraçao querido tudo de bom ok.
08/04/2018 15:12:48
o arinha abusado... to com pena do daniel... terqco viver com esse crepula mesmo q seja a trabalho...
08/04/2018 09:47:00
Eu não entendo de contos, mas amo lê-los. Espero que Daniel não passe do contato profissional com esse Norberto e descubra logo o mau caráter que ele é. Estou amando o conto. Parabéns pelo conto e pelo tapa que Daniel deu em Norberto.
08/04/2018 08:29:28
Esse Norberto ainda vai infernizar a vida dele que só viu. Abraços.
08/04/2018 08:24:59
08/04/2018 08:24:58
Noberto merecia um soco bem no meio da cara. E quem é esse pai de Frank? Será que é o Noberto?
08/04/2018 07:50:40
Educação é sempre importante, mas podia colocar o Mateus em uma escola mais em conta.
08/04/2018 07:32:26
Renato sendo Renato... Hahahahaha. Acho que só isso me tirou o desconforto com essa história. Com o movimento dela. Não contente com as artimanhas do indizível agora o cão Cérbero vai também jogar sua lábia para a Gabriela. Ah, que angústia. Sei lá, acho que terei de ler o conto de novo. Não me sinto confortável lendo ele. Sinceramente estou esperando a entrada desse nosso "herói". Talvez seja isso. O desconforto com a morte do Anderson, acho que estou viúvo dele como o Daniel. Não entendi: o Daniel ganhará inimigos? Gente, que é isso? Não basta ter seu mundo praticamente despedaçado e ganhará inimigos? NÃO GOSTEI. Bem, acho que me comuniquei. Ansiando pela entrada do novo "protagonista". E esse pai do Frank, hein? Presente que é uma maravilha. O menino passa mais tempo com o e na casa do Matheus que qualquer outra coisa. Em tempo, como ficou a situação do Matheus na escola dos riquinhos? Depois de encontrar o Frank esse cotidiano simplesmente sumiu. Ok. o mundo caiu, diga-se de passagem mas...... Legal retomar aquele cotidiano também. Pelo menos me livra de ler sobre o Indizível. Não gosto do personagem. Já até me redimo. Pode escrever sobre ele como você escrevia sobre o Trevoso. Ficarei mais confortável.
08/04/2018 06:44:53
os segredos servem para serem revelados.
08/04/2018 03:52:33
VAMOS LÁ: ACHEI MUITA INTROMISSÃO DO RENATO NA SUA VIDA. DIZER QUE DEVE TIRAR MATHEUS DA ESCOLA. QUALQUER GASTO COM EDUCAÇÃO É IRRISÓRIO. PENA QUE NEM TODOS PENSEM ASSIM E POR ISSO TEMOS MILHARES DE PESSOAS ACÉFALAS. AINDA POR CIMA RENATO INSINUANDO COISAS SOBRE SEUS FILHOS. ME PERGUNTO SE ISSO É DE INTERESSE DELE. DEPOIS COMO UMA CRIANÇA DE 3 ANOS PODE FICAR NUM ESCRITÓRIO SEM CAUSAR ALGUM TIPO DE COMPLICAÇÃO. E POR FIM, TO DE QUEIXO CAÍDO SÓ EM IMAGINAR QUE SURGIRÁ AMOR ENTRE DANIEL E O ASSASSINO DE ANDERSON SEU MARIDO. O MUNDO DÁ VOLTAS E NOS PREGA MUITAS PEÇAS. NEM QUERO IMAGINAR O DESFECHO DISSO TUDO. MUITA CARA DE PAU DE NORBERTO NO ELEVADOR, DE FATO MERECEU O BOFETÃO. MAS JÁ AQUI SUPER ANSIOSO PELO PRÓXIMO CAPÍTULO.