Enterrar o passado Claudio. - Capitulo XXII

Um conto erótico de de Porto alegre
Categoria: Homossexual
Data: 01/04/2018 19:14:44
Nota 10.00

Capitulo XXII

GUSTAVO

Hoje era o dia da obra na escola eu tinha muita coisa pra fazer passaria lá depois, a escola era para o Gus cuidar, eu só tinha que ter as verbas disponíveis já tinha conversado com a Paula e o Murilo tudo estava sobre controle, era a hora do Grandão começar a cuidar das coisas dele e eu das minhas. Meu telefone não parava de tocar.

- Oi Joca fala ... –

- Preciso conversar contigo aqui na fundação pode ser, o pessoal está se organizando para ir para as obras da escola. – ele tava nervoso no telefone conheço esse tom. –

- Estou indo, em 20 min chego ai. – ele desligou o que será que tava pegando.

Levei menos que isso quando entrei na fundação os meninos estavam acelerados, era um grande dia pra eles segundo o Gus eles estariam juntos com a comunidade, eram as mesmas pessoas que a pouco tempo atrás olhavam atravessados para esses meninos, bem o dia dessa famosa comunidade ia chegar, eu ia fazer eles enxergarem que esses meninos estarem abandonado era culpa deles também.

Entrei direto no escritório imaginei que o Joca estava lá.

Quando entrei estava o Joca, mais o rapaz que ele me apresentou como chefe dos seguranças e o Renato. Putz deu merda pela cara deles.

- Então o que aconteceu vocês não me chamaram pra tomar espumante não é?

Eles ficaram me olhando, acho que não entenderam a referência...bom vamos lá –

- O Que tá acontecendo Joca?

- Renato filho, fala pro Claudio o que tu me disse. – o Renato tava nervoso também, bom era uma grande merda. –

- Seu Claudio eu vim falar pro seu Joca que os meninos estão preocupados por que tem gente estranha na volta da fundação. – gente estranha?? –

- Explica Renato??

- Bem sabe que nós conhecemos quase todo mundo da cidade, e principalmente ...bem...gente ruim... –

- Os guris viram essa gente rondando aqui na volta de carro, ontem tinha um desses parados ai, eles me chamaram quando sai na frente o carro saiu andando, avisei seu Joca e passei a placa. Mas tá todo mundo em alerta, a gente sabe que não é gente do bem...estamos preocupados com o seu Gustavo e os senhores, eles não são legais, é gente ruim mesmo.

- Joca. O que me diz? – eu sabia que mais hora menos hora isso ia acontecer. A questão era ... levar o Gus e todos embora. Ia adiantar? –

- Olha já sabemos quem é, quando o Renato me passou a placa eu mexi uns pauzinhos, estamos aqui esperando pra saber o que tu vai decidir. Olhei pra ele sabia que não era coisa boa. –

- Renato querido obrigado pela tua ajuda, diz pros meninos ficarem de olho e qualquer coisa nos avisem, mas agora eu vou conversar com esses dois aqui e quanto menos tu souber melhor está bem? – o menino não podia se envolver nisso. -

- Claro seu Claudio, eu vou falar pro pessoal ficar de olho. – levantei e abracei o menino realmente ele era diferenciado o Gus tinha razão, aliás ele tinha o faro pra conhecer pessoas de longe, nunca se enganava e o Renato era o tipo de menino que o Gus queria do lado dele, bem isso eu ia resolver, problemas maiores agora. O Renato saiu e eu sentei, fiquei olhando para os dois. –

- Quais minhas opções Joca? – o bom do Joca é que ele era pratico como eu. -

- Bem eu tava conversando com o Arthur aqui, bom se tu quiser tu pode levar o seu Gustavo e o Vinicius junto com o Tavinho pra capital, seria bom eles se afastarem um pouco.... – fiquei olhando ele, essa não era a opção certa pra ele. -

- Mas se entendi direito, não é isso que tu quer...

- Bom se tu me autorizar eu resolvo isso e ...bem....eu resolvo. – ok eu tinha entendido. –

- E isso significa??

– Bem vou mandar um recado para essas pessoas, e não vai ser um bom recado, acho que eles vão...deixar de trabalhar pra quem quer que eles trabalhem.... –

- Mas não é só isso Claudio vou dar um recado para os pais dos meninos, claro não tenho certeza que eles estão envolvidos mas esse tipo de gente quer dinheiro e quem é que tem dinheiro na cidade? – Só quero que eles saibam que estamos de olho. –

- Tem toda a liberdade, o que mais podemos fazer.

- Bem, o seu Gustavo e os amigos estão agora com um outro tipo de segurança, é mais ostensivo, todo mundo vai saber que estamos cuidando deles de cima, acho que ninguém nessa cidade vai tentar algo contra eles, hoje à noite esse pessoal que está rondando aqui vai ser convidado a se retirar da cidade e bem....ele vão sair da cidade, e teremos um pessoal de olho nos pais dos senhores, cada passo que eles derem ou com quem conversarem vamos saber. –

- Joca? – ele ficou me olhando –

- Claudio, acho que chegou a hora de todos saberem que estão acompanhados por seguranças eles tem que saber o que esta acontecendo e Claudio sei que tu é um cara ... bem diferente do Gustavo, não pense que não noto isso, preciso que o senhor de um recado para algumas pessoas. – Ele sorriu pra mim eu já imaginava pra quem era. –

....

Segui direto pra empresa.

Tinha marcado uma reunião geral com os chefes de setor e os gerentes. Queria que todos entendessem as mudanças que aconteceriam, essa empresa estava no século passado, queria acesso por digitais, cartões para todos, essa recepção e recepcionistas tinham que mudar, minha lista era enorme.

O refeitório era o principal a mudar tanta coisa tinha que ser diferente nada ali era a cara do Gus, e eu queria que tudo tivesse a marca dele, queria que as pessoas esquecessem que um dia o pai dele tinha mandado em alguma coisa, o departamento de Marketing já tinha me mandado logos novas, uniformes, eu queria tudo diferente e melhor, todos deveriam entender que as coisas estavam mudando, depois da reunião saí pelos setores, falava com todos os funcionários eles tinham que entender que tudo iria ser diferente. Estava andando pelos corredores quando ouvi uma gritaria no setor jurídico e pela voz eu sabia quem era.

Quando abri a porta o pai do Gus espumava pela boca.

- Onde estão as pessoas que escolhi pra montar a nova filial, o que vocês fizeram? Com que direito vocês extinguiram o departamento, sou eu que mando aqui e eu...

- Olha dá pra parar de gritar, o que é isso? Parece a casa da mãe joana....

- Quem tu acha que...

- Olha já passamos desse ponto, olha tua memória é horrível, sou eu que mando aqui. – o advogado dele que tava do lado dele, baixou a cabeça. –

- Manda na tua...

- Vou falar mais uma vez, tu não é mais nada. Só um sócio e mais nada, espera a reunião de acionistas se quer saber alguma coisa, ou tenta uma reunião com os outros acionistas se quer mudar alguma coisa...cara esqueci ... o dono tem 60 %....é verdade tu não manda em nada, ..

- Seu desgraçado tu...

- Olha senhor advogado, se ele continuar a gritar assim comigo além dos processos para tirar tudo que ele tem, vou colocar mais um por assédio moral...e olha que eu ganho tenho várias testemunhas. - alguns seguranças entraram na sala eu tinha pedido que eles subissem

- Olha tu não tem mais setor, não tem mais funcionário na realidade não tem mais nada aqui, mas não se preocupe vou fechar tua sala e mandar entregar tuas coisas lá na tua casa... e pode deixar que vou mandar instalar uma linha de telefone pros fornecedores poderem te cobrar. – quando ele ouviu eu falar isso ele ficou branco, todo mundo ficou me olhando todo o setor ficou em silencio. –

- Sim já sei de tudo que tu tava fazendo e não se preocupe a justiça também, agora se puder acompanhar esses senhores até a porta seria melhor, apesar ... bem que eu gostaria muito que tu tentasse brigar com eles. – ele me fulminou com os olhos, e saiu com o advogado atrás dele, acho que agora ele ia ter muitas preocupações. –

O silencio na sala era enorme. –

- Bem senhores a faxina na empresa começou e quero todo mundo acelerado, eu não precisso de nada nem de ninguém aqui que não faça o que eu quero, caso alguém tenha dúvidas por favor procure a dona Nika no departamento pessoal. - virei as costas e saí, sei que fui grosso, mas bem eu sou grosso mesmo era melhor se acostumarem, tinha muita coisa pra fazer ainda. O Joca tinha me dado uma missão e eu ia adorar fazer ela, acho que alguém ia passar mal no almoço, bom nunca disse que sou uma pessoa boaQuando entrei no restaurante logo notei onde estavam sentadas as pessoas que eu queria.

Avisei pro garçom que meus amigos estavam almoçando e esperando por mim, ele me dirigiu a mesa que eu queria, parece que estavam me esperando tinha até uma cadeira vaga. Quando eu sentei os dois ficaram me olhando assustados.

- Bom ... Senhores espero não estar atrapalhando o almoço.

- O que tu tá fazendo aqui? Isso é um local de respeit...

- Cala a boca!! Agora se não quiser que todos os teus amigos que estão aqui sentados nesse fino restaurante saibam que tipo de gente vocês dois são... é melhor parar de ter ataque e me ouvir com muita atenção. - eles olharam apavorados para as mesas próximas as pessoas já estava parando de conversar para nos observar.

- O que tu quer...? – o pai do Vinicius tava branco. –

- Bom eu vou dizer só uma vez e quero que prestem bastante atenção. – joguei o envelope pra eles algumas fotos saíram pra fora, era a foto que o Joca tinha me mandado dos caras que estavam cuidando na volta da fundação. –

Quando eles abriram o envelope ficaram brancos.

- É melhor vocês arranjarem outros, esses aqui nunca mais vão aparecer...

- Nós não.... – estavam olhando pra todos os lados, velhos desgraçados. -

- Pelo amor de Deus tenham a dignidade de não negar nada, eles já entregaram vocês dois – claro que era mentira mas eles não sabiam nada e nem iam saber. –

- Nós não íamos...

- Não me importa o que vocês queriam...só quero que prestem atenção...- me debrucei na mesa. –

- Se algo acontecer com o Gus, um resfriado que seja...bem ele é forte...mas digamos que ele se machuque, amigos ... rezem todo dia pra que ele tenha uma saúde incrível .... – fechei a cara e o sorriso. -

- O que aconteceu com esses caras que vocês contrataram... não vai ser nada perto que eu imagino pra vocês ...por que eu dei a ordem para que com eles fosse rápido, - eles arregalaram os olhos acho que estavam começando a ficar com medo de mim. –

- Mas com vocês....bem ...eu vou digamos.... brincar um pouquinho antes... - o pai do Vini chegou a se afastar da mesa... –

- Mas vai ser uma brincadeira que pode ser até que vocês gostem no final. – pisquei o olho e levantei calmamente... sorri, ainda bem que o Joca ia resolver tudo. -

- Bom senhores ... – levantei a voz. –

- Que bom que estamos entendidos, mas não se preocupem, agora com o Gustavo cuidando de todas as empresas já que ele é o novo dono e tudo é dele as coisas vão ficar bem na cidade, espero que os senhores aproveitem a aposentadoria... - e sai bem faceiro, acho que as mesas laterais ouviram tudo...que pena esqueci que não era pra ter falado em voz alta, quando o garçom veio conversar comigo só avisei que voltaria em um outro dia quando sai comecei a rir, acho que o recado foi dado.

Meu telefone não parava de tocar.

- Fala Vini! – meu coração acelerou. –Ele tá bem agora?Vou ligar pro médico dele e pedir pra que ele fale contigo, sim ele já teve outros desses ele precisa descansar, obriga ele a ficar na cama. Daqui a pouco tô chegando

FABRICIO

Fiquei olhando pra ele, que futuro teríamos desse jeito, ele tava aqui numa cidadezinha no meio do interior do estado, tava definhando, não era nem sombra do cara que eu conhecia, a alegria toda dele tinha sumido, o que eu via era um cara novo que já estava parecendo um homem mais velho, olheiras, preocupação rondando aqueles olhos que eu amava tanto, e eu um cara novo que tava começando agora tinha tanta coisa pra trilhar, pra abrir meu espaço. Que futuro a gente tinha.

- Bricio eu acho que está na hora de nós resolvermos nossa situação e eu estou aqui pra isso. – ele não falava nada vi um brilho de lágrimas nos olhos dele meu coração se partiu. –

- Tu veio aqui pra dizer que estamos terminando ... eu te entendo. – ele baixou a cabeça, segurei a mão dele. –

- Bricio deixa eu ..

- Não por favor...deixa eu falar ...sabe que eu te amo e nada vai fazer isso mudar, sei que agora tudo está contra nós, mas por favor Dio me dá um tempo pra tentar mudar as coisas, daqui a alguns anos meu filho vai tá bem eu vou poder ir pra onde tu estiver, me dá essa chance. – ele tava se segurando eu conheço ele.

- Vamos sair daqui, essa cidade não tá preparada pra ver dois homens chorando em uma mesa de bar. –

Levantamos e ele ficou em silencio.

Entramos no caminhão e pedi que fossemos para um local sossegado, ele foi dirigindo pelo que parecia horas ninguém falava nada, estacionou em um campo era um parque muito verde e tinham uns bancos de madeira mas estava vazio, descemos e ficamos sentados num banco de madeira nos olhando.

- Dio não ... – ele começou a chorar, abracei ele –

- Bricio calma deixa eu falar ...

Ele se separou e ficou me olhando segurando minha mão, senti como se ele segurasse a única esperança que ele tinha de ser feliz e isso me cortava por dentro.

- Olha nós não estamos terminando nada, pensa que nós estamos dando uma pausa ...

Ele me olhou.

- É assim que terminam um relacionamento agora, dando uma pausa. – via as lagrimas correndo pelo rosto dele, não era isso que eu queria mas teria que ser assim, mas eu não tava me explicando direito. –

- Deixa eu terminar Bricio, agora é nossa hora de plantar para que um dia a gente possa colher e ficar juntos, nossa hora não é agora, mas nós temos que trabalhar e muito pra um dia ela chegar.

- Não tô entendendo. - comecei a rir, as vezes nem eu me entendia meu pensamento era muito acelerado. –

- Mas se tu tá sorrindo deve ser algo bom – era triste de ver ele agora, nada dos músculos, da aparência bonita, do sorriso no rosto. –

- Sim vai ser se tu me ouvir e se claro concordar.

- Eu concordo com quaquer coisa desde que tu me dê uma oportunidade de um dia ficarmos juntos.

- Nós vamos tu vai ver, mas agora temos caminho diferentes, e muitas incertezas nesse caminho. – abracei ele ficamos chorando um tempo assim. –

- O que quer que eu faça Dio? Eu faço qualquer coisa. – ele respirou fundo, vi que ele realmente iria fazer qualquer coisa que eu pedisse. -

Peguei um cartão de banco que tinha no meu bolso e entreguei pra ele.

- O que é isso?

- Aqui está depositado o dinheiro que estava guardado para emergências e agora temos uma, sabe que eu tô trabalhando e eu não tô ganhando mal consigo me sustentar e guardar um dinheiro. – eu tinha vendido todas as jóias da minha mãe e trocado os dólares que ainda tinha guardado. -

- Mas esse dinheiro é teu e eu...Dio tu já me deu tanto e eu ainda não consegui nem pagar uma parte e eu...

- Espera. – beijei ele, o Bricio precisava me ouvir. –

- Quero que tu pegue esse dinheiro, e vá pra outra cidade maior abre uma oficina grande, trabalha amor, o quanto tu puder, cuida do teu filho. – ele me olhava e cada vez mais eu tinha certeza de que estava fazendo a coisa certa. -

- Eu por mim vou fazer o mesmo, vai chegar a hora em que nós vamos ficar juntos mas pra isso nós dois temos que estar bem. Hoje nós não somos nada só temos a juventude a nosso favor e nosso amor pra nos impulsionar. Não importa o tempo, a distância, a gente vai dar um jeito, temos um plano e se tudo der certo e vai dar, nós vamos estar juntos e inteiros, e dessa vez eu te prometo que nada vai nos separar.

- Dio eu não sei o que dizer...sei que esse dinheiro é tua reserva ... eu. –

- Bricio eu confio em ti e sei que vai fazer teu melhor assim como eu vou, nosso momento não é agora, e fazer esse momento acontecer vai ser nossa missão daqui por diante, nosso dia vai chegar. De que adianta ficarmos juntos agora, o amor pode superar muita coisa, mas não o que viveríamos se ficássemos juntos, terminaríamos culpando um ao outro por nada ter dado certo, e eu não quero isso ... quero um futuro pra nós.

Ele ficou me olhando entendia o que eu tava dizendo, ele também tava sofrendo com tudo, eu tinha tanto orgulho dele, se ele fosse outro cara poderia largar tudo ... o filho e todas as responsabilidades que isso trás ... poderia sumir no mundo como tantos outros fazem, mas eu não amaria esse homem, eu amo o Fabricio por ele ser quem ele é, ele não foge das responsabilidades é homem suficiente pra trabalhar e seguir em frente ... é esse cara que eu amo e amaria por toda a vida. Ele enxugou o rosto e ficou me olhando. –

- Dio, eu te prometo uma coisa ...eu vou fazer o que tu tá dizendo vou trabalhar dia e noite vou cuidar de tudo pra gente, vou lutar e vou conseguir tudo que a gente precisa, um dia quando a gente conseguir ficar junto como queremos tu vai ter muito orgulho de mim, eu vou estar te esperando com tudo resolvido, com meu filho forte e saudável e quando chegar esse dia tu vai vir me buscar e a partir desse dia ninguém mais vai nos separar. – ele me beijou, era um beijo de dor, de perda mas também era um beijo de esperança, dois homens-meninos que teriam muita luta e muitas coisas pra passar, mas que tinham uma certeza...o nosso dia chegariaGUSTAVO

Quando cheguei na escola o Vini veio ao meu encontro ele a Paula e o Murilo estavam me esperando.

- Onde ele tá?

- Tá dormindo, dei um remédio pra pressão ele vai dormir um pouco e vai acordar melhor, o que tá acontecendo com ele? –fiquei olhando pro Vini sabia que ele amava o Gus, mas ele sabia tão pouco do homem que ele amava, não sabia nada que tinha acontecido nesses anos todos que ficaram separados, mas o Gus me fez prometer que eu não diria nada pra ele, bom não seria a primeira vez que eu ia fazer algo que ele não queria.

- Falou com o médico?

- Sim ele me passou os remédios dele, mas o que tá acontecendo por que eu não sabia disso tudo? Por que ele não me contou??

- Vem Vini está na hora de vocês saberem algumas coisas dele. – fomos em direção ao banco onde estavam os amigos dele.

Quando sentamos a Paula tava segurando no Murilo, era engraçado ali na minha frente estavam os melhores amigos que alguém podia ter, eles estariam do lado do Gus em qualquer lugar do mundo e mesmo assim não sabiam nada dele, estavam separados a tanto tempo e por um motivo tão ....eu ficava cada vez com mais ódio dos pais deles, eu tinha uma raiva me consumindo e isso não era bom. Aliás isso era péssimo, geralmente alguém se machucava. –

- Claudio o que está acontecendo com ele? – a Paula tava nervosa, olhei para os lados. –

- Onde tá o Tavinho? - Como se eu não soubesse. -

- Tá com ele, fazendo ele dormir. – começamos a rir, era uma situação tragicômica, mas se ele tava com o Tavinho ele tava bem, rapidamente esse menino se transformou na esperança de dias bons e melhores pro Gus, o Gus tinha depositado nesse menino tudo de bom que tinha nele todo amor que ele tinha guardado para os outros. Viria desse menino a ajuda que eu precisava para deixar o Gus feliz e assim também fazer com que eu pudesse seguir a minha vida e ser feliz ... eu tinha alguém me esperando.

Olhei para os rostos ansiosos que me fitavam.

- Olha ... vocês sabem que tem muita coisa que não posso falar mas enfim, tá na hora de vocês saberem algumas coisas sobre ele.

- Quando ele saiu daqui ele tava quebrado, o Vini me falou sobre a infância de vocês e o Gus já apresentava sintomas de algo que depois tomou proporções enormes.

- mas bem.....o rosto dele foi quebrado como vocês sabem mas isso foi fácil de resolver...o problema era o Gus por dentro...nas conversas que tive com dona Dafne foi o pior período da vida dela. – respirei fundo.-

O Gus se recusava a viver.

O Vini baixou a cabeça e a Paula começou a chorar.

- Ele ficou internado muito tempo, os médicos disseram que ele não queria se alimentar, não falava, não dormia...ficava em um outro mundo, completamente letárgico. Foram necessários muito tempo e tratamento pra que ele melhorasse ...bem logo depois dona Dafne resolveu levar ele embora do pais ele foi se tratar longe, isso vocês já sabem.

- Com o tempo ele melhorou mas a depressão que vocês conheceram na juventude de vocês veio à tona de uma forma descontrolada, mesmo melhor de saúde ele não conseguia seguir em frente, ele parou no tempo. Aos poucos os terapeutas conseguiram fazer ele voltar a vida, estudar, mas eu sei que isso foi uma máscara de sanidade que ele colocou no rosto pra dona Dafne ficar bem, ela deixou ele e voltou pro pais, achava que ele estava se recuperando queria dar espaço pra ele, depois ela me disse que foi a pior coisa que ela poderia ter feito, mas não tinha como ela ter adivinhado.

Quando ele se viu sozinho sem ninguém, bem sem nenhum de vocês do lado, e pelo que o Vini me contou era vocês que seguravam ele nas crises. – O Murilo abraçou a Paula. -

- Bem ele se viu sozinho e .... ele queria acabar com o sofrimento dele... com isso veio a bebida e as drogas, vocês não sabem mas isso evoluiu ao ponto de ele...bem ele teve uma overdose e por muito...muito pouco ele não ...bom pelo que ele me disse a única coisa que sustentou ele foi um dia ter acordado dos sedativos e ver o que ele estava fazendo com a tia dele, e foi por isso também que ela quase destruiu a cidade de vocês, ela ficou louca com o irmão e com o teu pai Vini.

Existem mais coisa ai, mas como tempo todo mundo vai saber o que ela vez. Eles ficaram me olhando, mas haviam coisa que eu não podia falar já estava falando muito.

- As cicatrizes??

- Que cicatrizes Vini – a Paula ficou olhando. -

O Vini explicou as marcas que o Gus tinha no corpo, a Paula ficou apavorada.

- Por que ninguém nos contou, como a gente não soube de nada disso?

- Bem em parte por que ele não queria, ele disfarçava muito bem a dona Dafne achava que realmente ele estava melhorando até que recebeu o telefonema da polícia e foi desesperada encontrar ele no hospital.

- Mas tudo isso nos levou ao problema cardíaco, a vida que ele levava teve um preço, durante todo esse tempo ele teve acompanhamento médico, mas pelo que vi com tudo que aconteceu aqui ele está piorando, as emoções do Gus são o gatilho pro corpo dele voltar aquele estado que ele tava, bem vocês não sabem mas quando dona Dafne me contratou ela me contou tudo, e a minha maior obrigação era evitar que o Gus tivesse algum tipo de comoção por que isso poderia desencadear um grave problema cardíaco, é complicado de explicar mas o médico dele estava vindo pra cidade conversar contigo Vini, vocês vão se entender melhor.

- Sim ele me falou, amanhã mesmo o Gus vai entrar em uma bateria de exames eu quero saber exatamente o que está acontecendo. – ótimo ninguém melhor que ele para cuidar do Gus agora. -

- Bem pelo momento ele está bem, eu sei que é pedir muito pra todos, mas ele tem que ser preservado de muita coisa, o mundo em que ele vive tem que ser protegido, assim como eu fiz esses anos todos, agora eu tenho muita coisa pra pensar e fazer, tem as empresas aqui, mas tambem as empresas dele lá, não tenho como ficar de olho nele então agora é a vez de vocês, preciso de ajuda...

Eles ficaram me olhando, aos poucos levantaram e me abraçaram.

- Obrigado Claudio pode deixar que agora é com a gente...estamos todos juntos, vamos fazer nossa parte. –a Paula não parava de chorar. –

- Pai o que tá acontecendo?? – era o Tavinho –

Sentamos todos, o Tavinho foi pro colo do Vini.

- Nada não filho, estamos preocupados com o Gus só isso.

- O Pai tá bem ele só tá dormindo deixei ele descansar mais, queria saber o que o senhor quer que eu faça agora? – o Vini me olhou, todos notamos que ele chamou o Gus de pai, ótimo esse era o caminho esse menino sozinho ia fazer o Gus se cuidar, agora ele tinha um motivo pra permanecer bem. –

- Tavinho vem aqui querido tio Claudio quer te pedir uma coisa. – ele levantou e veio pro meu colo, como não amar esse menino, ele era realmente especial ele entendia as pessoas, fazia com que todos na volta dele se sentissem bem, e quando ele olhava nos teus olhos ... teu mundo parava, por isso o Gus estava encantado, o Gus seria como ele se os pais dele não tivessem feito o que fizeram.-

- Querido preciso que tu cuide do Gus pra mim, eu vou estar correndo muito nesse tempo todo, preciso cuidar de todos os meninos agora, então fica do lado dele e qualquer coisa estranha que tu notar tu nos avisa?? – ele ficou me olhando. –

- Tá tio, eu aviso sim, mas... o pai tá com algum problema?

- Não querido, ele só tá um pouco doente, tá preocupado com todo mundo, mas agora ele tem tu do lado dele cuidando dele, então ele vai ficar melhor ma sempre que tu ver ele preocupado distrai ele, pede pra brincar ou sair, assim ele vai ficar melhor.

- Tá tio depois quando o pai acordar a gente pode brincar na pracinha né, convido meus amiguinhos e o pai vai se distrair com a gente.

- Isso querido ele vai adorar. – fiquei olhando pra esse menino, eu tinha conseguido a melhor arma pra deixar o Gus bem, uma sombra passou pela minha cabeça, nada poderia acontecer com esse menino, muita coisa dependia dele. –

- Agora Tavinho vai brincar que depois nos falamos tá bem.

- Tá tio, pai vou lá com os meninos tá bom?

- Vai filho depois te chamo pra acordar o Gus

- Bom eu tenho umas coisas pra fazer depois volto, tenho algumas pessoas pra enlouquecer. – eles ficaram me olhando e começaram a rirHealer. - que amor fico muito feliz...sim tambem acho...sabe que isso realmente acontece o Toro é muito devoto dela....as 18hs ele sempre para e fica quietinho a gente ja acostumou com o jeito dele...ele diz que sempre quando precisou ela tava do lado dele.....bjao querido

Geomateus - enfim nos achamos querido...um grande abraço pra ti, espero que esteja gostando de ler no wattpad...bjao querido

Valter - oi querido senti tua falta...bem ainda muita coisa acontece...mas bem vamos ver como tudo se desenrola...grande abraço

Guigo - agora estou bem melhor...essa mudança de tempo acaba comigo.....tu nao deve ser o que tu diz....nao repete isso...as palavras tem força...se tu acha realmente isso acrescenta no final....¨mas eu vou mudar" vai ver que as coisas vao mudando aos poucos......grande abraço querido

nayara - Guria as coisas ainda vao esquentar para o lado dos pais deles...vamos ver aos poucos...grande abraço e grande feriado guria

Suara - como esta? espero que tua ansiedade tenha melhorado..gtrande abraço pra ti e tua familia...feliz pascoa

Hort - oi querido...sim eles passam por grandes problemas individualmente...mas isso so fortaleceu o amor deles.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
05/04/2018 23:41:37
Cap. 10...A história contada pela visão do Claudio é realmente como se fosse outra história. Saber q os pais do Gus e do Vini mandou capangas pra vigiar e Deus sabe fazer o q com eles foi demais. Já sentia uma raiva tremenda deles, agora então piorou, mas ainda bem q os meninos tinham o Joca do lado deles...O amor q o Claudio sente pelo Fabrício é tão bonito q da pra sentir mesmo não conhecendo eles, pois só quem ama de verdade faz o que o Claudio fez pelo Fabrício...Ansiosa pelo próximo. Bjs qrdos.
04/04/2018 00:38:28
Olha nao tenho palavras pra descrever o quao maravilhoso e seu conto, é a mesma historia so que de um outro angulo, onde lacunas sao completadas a cada ccapitulo, muito boa, otima essa maneira de escrever, parabens e pelo amor de Deus nao pare ta, bjos no seu coraçao e sua nota nao tem como nao ser mil
01/04/2018 23:45:56
IMPOSSÍVEL NÃO SE EMOCIONAR COM FABRÍCIO. MAS QUE PORRA. NÃO GOSTO DE CHORAR, MAS NEM CONSIGO PARAR. CREIO TB QUE ISSO SE DEVA EM GRANDE PARTE AO EXCELENTE CARÁTER DE FABRÍCIO. NÃO QUE OS OUTROS NÃO ME DESPERTEM ATENÇÃO MAS ESSE PERSONAGEM MEXEU DEMAIS COMIGO. FABRÍCIO TERIA TUDO DE FATO PRA SE TORNAR O PIOR SER DA FACE DA TERRA E NEM POR ISSO. ELE ESCOLHEU O CAMINHO MAIS LONGO, MAIS ÁRDUO E NÃO SE DEIXOU ABATER. CLARO QUE OS EXCESSOS PREJUDICAM MAS TORÇO PELA FELICIDADE DELE. NÃO IMPORTA SE A HISTÓRIA ESTÁ SENDO CONTADA DE NOVO E AGORA PELA VISÃO DO CLAUDIO. MESMO ASSIM DIFÍCIL NÃO SE EMOCIONAR NOVAMENTE... DIFÍCIL TB É PERDER UM CAPÍTULO SE QUER. RSSSSSSSSSSSS SEMPRE AQUI ASSÍDUO LEITOR,
01/04/2018 23:14:59
Que capítulo horrível, uma história desconexa com a outra, não acredito que li isso, 1° de abril, foi um excelente capítulo, amei a atuação de Dio contra os pais de Vini e Gus, e o amor dele com Brício, muito lindo e sábia a decisão deles. E nos 45 minutos do segundo tempo ainda dá para desejar uma Feliz Páscoa, kkkk, sim e muito lindo a fé do Toro, meu querido você pode demorar a escrever o tempo que for, contato que sempre nos traga essas excelências, vale a pena esperar, um abraço.
01/04/2018 23:10:34
Um novo olhar pode mudar tudo,basta querer mudar,os encontros servem para isso.
01/04/2018 22:27:27
Moço, até que to melhor de uns tempos pra cá. A pessoa vai aprendendo a se virar na vida. Abração 🌷🌷🌷
01/04/2018 22:11:39
Amei o que vc fez com os pais dos dois.....agora esse lado da história contada por vc me emocionou muito a respeito do GusMas Claudio vc foi um anjo sempre querendo ajudar ao Fabrício, me emocionei nesse cap....
01/04/2018 20:35:28
Oi, amei essa parte, apesar de já saber o que acontece na história do Gus e do Vini, pela versão do Cláudio é bem diferente, ele conta detalhes que prende nossa atenção e atiça nossa imaginação. Quanto ao Fabrício fico feliz que eles se encontraram de novo, e fico um pouquinho triste por saber que ainda vai demorar muito pra eles ficarem juntos.Estou ansiosa pra esse dia chegar.Desculpa ter te abandonado nos capítulos passados, é porque tava com problemas pessoais e sem cabeça pra comentar.