AMOR DE PESO 2 - 02X05 A CALMARIA QUE ANTECEDE A TEMPESTADE

Um conto erótico de Escrevo Amor
Categoria: Homossexual
Data: 07/04/2018 22:11:53
Nota 10.00

Pai e mãe,

Chegou a última noite de festival. Vocês adorariam a energia dessa cidade. Aquela manhã estava nublada e o clima delicioso. Estou com muitas saudades de vocês.

Zedu e eu, eu e Zedu. Nossa ainda não acreditava que estava namorando aquele menino, logo eu, um completo azarão. A gente decidiu ir nadar em uma das praias da cidade de Parintins, confesso, que tirar a blusa na frente dos outros ainda é uma coisa difícil, mas o Zedu sabia o que fazer para contornar a situação. A água estava quentinha, então entrar não foi um problema, a temperatura dos rios na Amazônia muda drasticamente. Me aproximei de Zedu e dei a mão para ele, por baixo d'água, claro, a gente ainda não tinha coragem de mostrar o nosso amor para o mundo, principalmente para os homofóbicos.

Yuri: - E você soube alguma coisa da noite mágica entre o Brutus e a Ramona?

Zedu: (nadando de costa em volta de Yuri) – Não. Acho que não rolou nada.

Yuri: - Como assim?

Zedu: - Se tivesse rolado, o Brutus já teria me contado.

Yuri: - Vocês dois são muito amigos, né?

Zedu: - Sim. Temos muita coisa em comum.

Yuri: - Entendi.

Zedu: - E os seus amigos do Rio? Nunca falou de ninguém.

Yuri: - Eu sempre mudei muito de cidade, por causa do trabalho da titia, então… zero amigos.

Zedu: - Que chato. Mas agora você tem a mim, seu melhor amigo, e os meninos também.

Yuri: - Você não tem ideia de como isso é importante para mim.

Zedu: - Eu sei.

Yuri: - Acho que nessa situação você se daria bem, digo, melhor do que eu. Afinal, você faz amizade com todo mundo.

Zedu: (pegando na mão de Yuri) – Mas quando eu te conheci… a minha vida, tipo, deu um giro de 360º. Não sei se conseguiria ficar só na friendzone com você.

Yuri: (ficando vermelho) – Zedu.

Ramona acordou com uma grande dor de cabeça, apesar do remédio que Brutus contou, a minha amiga ainda sentia dor. Ela pediu para o namorado comprar mais comprimidos. Brutos, cuidou dela a noite todo, e mesmo sonolento, seguiu para o local. Ele caminhou até a mesma farmácia e encontrou Kellen, ela estava colocando produtos na prateleira de baixo, quase mostrando a calcinha para todos que passavam na rua, inclusive, um rapaz de bicicleta perdeu o controle e caiu ao ver a cena.

Brutus: (entrando na farmácia)

Kellen: - Olha só. Quem é vivo sempre aparece.

Brutus: - Oi? (nervoso)

Kellen: - Acho que não perguntei seu nome?

Brutus: - Me chamo Brutus. Na verdade é um apelido, mas eu prefiro ele. (rindo)

Kellen: - Entendi. (se aproximando de Brutus) – Nossa, você é uma gracinha. (pegando nos músculos de Brutus) – Que fortinho. Adoro homens assim. Sua namorada é uma garota de sorte.

Geraldo: - Algum problema?

Kellen: - Não pai. Esse garoto quer comprar alguma coisa. (disfarçando)

Brutus: - Gostaria de algum remédio para dor de cabeça.

Brutus comprou o remédio, depois disso, Kellen o acompanhou por boa parte do caminho. Ela convidou o jovem para uma festa que acontecia para a despedida do festival. Eles trocaram telefone, e o meu amigo finalmente entregou os remédios para Ramona.

No hospital, Mundico recebeu uma visita um tanto estranha. Era Juarez, que havia ficado em seu lugar na apresentação. O jovem decidiu fazer uma visita para o rival, mas parecia muito nervoso. Juarez começou a fazer várias perguntas para Mundico, que cada vez mais estranhava a visita dele.

Juarez: - E ninguém sabe o que aconteceu?

Mundico: - Como assim?

Juarez: - Pra você cair daquele jeito, alguma coisa deve ter acontecido, né? A polícia não disse nada?

Mundico: - Não.

Juarez: - Entendi.

Dr. Francisco: - Com licença, Raimundo.

Juarez: - Bem, eu preciso ir. (saindo)

Mundico: - Obrigado pela visita… (estranhando a pressa de Juarez) – Então, Doutor? Quando eu vou ser liberado?

Dr. Francisco: - Raimundo. Infelizmente, eu trago más notícias.

Mundico: - Como assim?

Dr. Francisco: - A gente fez alguns exames, e percebemos, que o seu pé direito ficou um centímetro menor. E, você é dançarino, né?

Mundico: - Sou sim. E o que isso significa?

Dr. Francisco: - Infelizmente, como eu posso dizer, você não vai poder dançar de novo.

Mundico: (com lágrimas nos olhos) – O senhor só pode estar brincando comigo.

Dr. Francisco: - Queria eu estar, mas estou falando sério. Se você tentar dançar, sentirá uma dor intensa no calcanhar.

Juarez: (ouvindo atrás da porta, com cara de assustado) – Meu Deus. (saindo correndo)

Os segredos podem nos corroer por dentro, aprendi isso da pior maneira, sei que machuquei muitas pessoas, principalmente, o Diogo, então comecei a usar a política da mentira zero, funcionou para mim, mas será que funcionaria para os outros? Ramona decidiu dormir e acordou um pouco melhor, ela e Brutus, não conversaram sobre o que havia acontecido na noite anterior.

Brutus: - Está melhor?

Ramona: - Sim. 80%. Brutus, eu…

Brutus: - Não, Ramona. Eu que preciso pedir desculpas, fui um idiota. Mas, eu sou seu namorado. Quero aproveitar e ter tudo o que eu posso com você. (pegando no cabelo da namorada)

(Yuri, Letícia, Zedu se aproximam)

Letícia: - Preparados para o último dia?

Zedu: - Acho que devemos aproveitar bastante, afinal, as aulas começam na semana que vem.

Brutus: - Conheci uma menina, e ela falou que vai ter uma festa bacana. Acho que devemos ir.

Ramona: - Que menina?

Letícia: - Festa? Acho que devemos ir. Ainda não bebi nada.

Yuri: - Verdade. Nem lembro a última vez que bebi. Mas não podemos exagerar, a tia Olívia me mata.

Brutus: - A última vez que você bebeu foi no dia em que vocês saíram do armário. Quer dizer… (segurando o riso) – Foram jogados.

Ramona: (batendo em Brutus) – Credo, amor.

Letícia: - Nem lembro nada daquele dia.

Yuri: - Você vomitou a festa toda.

Letícia: - Verdade. (Fazendo carinha de nojo)

Zedu: - Então, preparem os armários, preparem os estômagos. Oh, bonde vai aprontar hoje! (fazendo uma voz engraçada)

Fizemos tudo escondido, compramos as bebidas, pegamos uma bolsa térmica e guardamos tudo. Fomos para o Bumbódromo e acompanhamos a última noite do festival. No final da apresentação, a minha tia disse que ia jantar com alguns investidores, pedi para ela levar os meus irmãos. Seguimos para o lugar da festa, realmente, os parintinenses sabem fazer um evento. O local era lindo, todo enfeitado com lâmpadas amarelas.

Kellen: (correndo e abraçando Brutus) – Brutus. Você veio.

Brutus: - Não se nega uma festa, né? (rindo sem graça)

Ramona: - Prazer. (ficando na frente de Brutus) – Sou a namorada dele.

Kellen: (abraçando e beijando Ramona) – Prazer. Espero que aproveitem.

Ramona: (ficando sem ação)

Ficamos em um lugar próximo ao rio, o vento batia e não deixava o clima tão quente. Eu e o Zedu, decidimos tomar destilado, já os outros ficaram na cerveja. Confesso que não gosto do sabor da cerveja, prefiro coisas doces, apesar de me deixarem bêbado mais rápido. Zedu me abraçou, e disse no meu ouvido que eu era lindo, o mais bonito da festa. A gente se distanciou para aproveitar aquele momento. Depois de um tempo, Brutus puxou um tipo de trenzinho, ele parecia muito louco, a Letícia conversava sozinha com uma árvore, e Ramona ficou a melhor amiga da Kellen.

Letícia: - Gente que música maneira. Eu gosto de toadas, mas prefiro música eletrônica. (dançando)

Brutus: (dançando abraçado com Ramona)

Ramona: - Gosto muito de você. (beijando o namorado)

Yuri: - Adoro vocês. (abraçando os amigos)

Zedu: (abraçando Yuri e o beijando) – Te amo.

Brutus: - Vou pegar mais cerveja, você quer?

Ramona: - Quero. (dançando com Letícia)

Brutus: (indo até a bolsa térmica)

Kellen: - Brutus? (rindo) - Seus amigos são loucos.

Brutus: - Sim. Adoro eles.

Kellen: - Bem, já vi que você tem namorada. Vou estar em Manaus, na próxima semana. Vou estudar lá.

Brutus: - Sério?

Kellen: - Não conheço ninguém, então, se a gente puder sair um dia.

Brutus: - Claro.

A gente bebeu bastante, até por demais. Tirando o Zedu, todo mundo passou mal. No dia seguinte, eu estava um caco. Minha cabeça parecia que ia explodir a qualquer momento. O barco saiu no horário marcado. Mundico parecia estar triste, mas nada conseguia mudar aquele clima. Eu deitei na rede e capotei, nem sei quantas horas dormi direito, a minha tia não sabia, mas desconfiava que alguma coisa aconteceu. Juarez se aproximou de Mundico que olhava triste para as casinhas que passavam na margem do rio.

Juarez: - Mundico, você tem carona quando voltar?

Mundico: - Não.

Juarez: - Se você quiser posso te levar. Meu pai vem me pegar.

Mundico: - Tudo bem.

Juarez: - Se precisar de ajuda, em qualquer coisa, sei lá… me avisa.

Mundico: - Tudo bem.

Yuri: - Tô atrapalhando alguma coisa?

Juarez: - Não. Eu, vou, com licença. (saindo)

Yuri: (sentando ao lado de Mundico) – Tá. E o que foi isso?

Mundico: - Nem eu sei. Ele tá estranho desde o acidente.

Yuri: - Será que ele gosta de ti?

Mundico: - Acho que não. O Juarez ainda é apaixonado pelo Zedu. (se tocando da burrada) – Er… eu…. Quer dizer….

Yuri: - Tudo bem. O Zedu é apaixonante mesmo. Não culparia o Juarez. (rindo sem graça) – Mas, me fala. Como você está?

Mundico: - Bem. Tirando o fato de que eu nunca mais vou dançar…

Yuri: - Sério? Meu Deus.

Mundico: - O médico foi bem sincero. (com os olhos vermelhos)

Yuri: (pegando na mão de Mundico) – Ei. Calma. Você pode procurar uma segunda opinião. Nada está acabado.

Mundico: - Obrigado. Pelo menos eu sei que a tua preocupação é genuína. (apertando a mão de Mundico)

Yuri: - Faria isso com qualquer um. Você é um rapaz especial, espero que dê tudo certo.

Zedu: (ouvindo a conversa)

A volta foi demorada, graças a Deus, que o Richard não aprontou nada. Já a Giovanna, a minha irmã estava uma verdadeira diva. Ela não aguentava mais aquela viagem, principalmente, por causa do barco. A tia Olivia deve ser a pessoa mais paciente da terra, pois, eu não teria tanto saco.

Giovanna: - Tia. Não tenho leite de búfala.

Olivia: - Tem água do rio.

Giovanna: - Se essa água faz mal para o meu cabelo, imagina o que faria com o meu estômago.

Olivia: - Meu amor. Vamos chegar em três horas.

Giovanna: - Sou tão incompreendida. (saindo)

Carlos: - Teus sobrinhos são demais, hein?

Olivia: - Eu que o diga. Eles são geniosos, mas tem bom coração.

Carlos: - Acabemos que nem aproveitamos a viagem. (abraçando Olivia)

Olivia: - Amor. Aqui não. As crianças.

Carlos: - Pois, nesse fim de semana, você vai pedir para o Yuri ser baba dos pequenos.

Olivia: - Vai é?

Carlos: - Sim. Vamos viajar. Só nós dois. Você merece.

Olivia: - Verdade. Mereço.

Depois de quase um dia, chegamos em Manaus. A loucura da cidade era demais. A gente desembarcou e o pai da Ramona já estava nos esperando. O engraçado de viajar é que sempre trazemos mais bagagens. A Kombi ficou lotada. Mundico foi com o Juarez. Ia manter contato com ele pelo celular, realmente tinha gostado dele, e torcia por sua recuperação. O Zedu tinha muitas qualidades, mas claro, defeitos também, o meu namorado era muito atlético, cheguei em casa e dormi bastante. Já o Zedu foi para o futebol, depois ajudou o pai a arrumar o portão da casa dele, tomou banho e decidiu me visitar.

Zedu: (batendo na porta de Yuri)

Yuri: - Oi? (com cara de sono)

Zedu: - Pensei que a gente fosse fazer algo?

Yuri: - Minha cabeça tá explodindo. Quer comer pipoca e assistir série?

Zedu: - Pode ser. (entrando)

Eu amava a companhia do Zedu. Ele assistia qualquer coisa comigo, queria ter o poder de ler pensamentos, só aí que eu saberia de verdade o que ele sente. Acabei adormecendo nos braços dele, quando a série acabou, Zedu me deu um beijo e seguiu para casa. Ele encontrou o pai dormindo no sofá.

Teodora: - Acorda, homem. (tocando em Ulisses)

Ulisses: - O que foi? (assustado)

Zedu: (tirando o tênis) – Boa noite.

Teodora: - Filho. Você quer comer alguma coisa?

Zedu: Não mãe. Eu vou dormir. Estou quebrado.

Ulisses: - Eu também estou filhão. (levantando com dificuldade)

Teodora: - Velhote.

Zedu: - Quer que eu te carregue pai? (rindo)

Ulisses: (carregando Zedu) – Lembra quando ele era apenas um bebezinho?

Zedu: (rindo) – Para, pai!

Teodora: - Vocês vão acabar se machucando, parem.

Fred: - O que é isso?

Zedu: - Teu pai que decidiu me carregar.

José Lucas: - Boa noite.

Teodora: - Meus filhos chegando todos juntos? Que milagre é esse?

Zedu: - Partiu quarto. Boa noite. (subindo para o quarto)

Teodora: - Sonhar não custa nada, né?

Ulisses: - Daqui a pouco todos saem de casa. Então, a gente pode aproveitar. (abraçando a esposa) – É verdade.

A minha aula começaria na quarta-feira, então, os meus amigos e eu, ainda poderíamos aproveitar por dois dias. Já, as aulas dos meus irmãos começaram naquela segunda-feira. Fiquei responsável por levá-los a escola. Acordei e notei que o Zedu havia me deixado bem confortável. Ele era muito carinhoso.

Letícia: - Yuri! (acenando para o amigo)

Yuri: - Oi? Onde vai tão cedo?

Letícia: - Meu irmão desistiu da faculdade, e a minha mãe decidiu investir em um curso de modelos para mim.

Yuri: - Sério? Parabéns.

Letícia: - Sim. E você, está responsável pelos diabinhos?

Yuri: - Sim. Deixar eles na escola. A rota só começa a funcionar semana que vem.

Em sua casa, Mundico recebeu uma visita que o surpreendeu. Era Juarez, que decidiu saber como o colega estava. Eles ficaram conversando muitas trivialidades, então, Mundico tentou ser sincero e fez uma pergunta importante.

Mundico: - O que você está fazendo aqui?

Juarez: - Quis saber como você estava. É proibido?

Mundico: - Não é que, qual é, você sabe que nunca fomos amigos.

Juarez: - Mas eu me preocupo com você. Sei que fui um idiota, e confesso, que tinha inveja de você, mas…

Mundico: (cortando Juarez) – Não sou mais uma ameaça para você.

Juarez: - Eu não quis dizer isso.

Mundico: - Será?

Juarez: - Sim. Eu quero te ajudar, Mundico, não vou ficar em paz…

Mundico: - Como assim?

Juarez: (nervoso) – Eu gosto de você sim, você que nunca prestou atenção.

Mundico: - Desculpa, mas você sempre foi tão arrogante.

Juarez: - Era uma defesa. Bem, já que você não me quer aqui. (saindo)

Mundico: - Espera.

Juarez: (se encostando na parede) – Ufa. Por essa eu não esperava. Idiota. Idiota.

Fui deixar os pequenos diabinhos na escola, e segui para o meu estágio. O George fotografia um casal de noivos, dois homens, na verdade. Fiquei muito animado, afinal seria a primeira vez que eu faria algo do tipo. Chegamos cedo no local das fotos, um hotel belíssimo chamado 'Tropical'. Ficava perto da Ponta Negra, uma praia famosa aqui em Manaus.

George: - Yuri. Coloca os refletores nas extremidades, por favor.

Yuri: - Pode deixar.

George: - Agora, Pedro e Maurício. Fiquem posicionados meio de ladinho.

Yuri: (prestando atenção em tudo)

A sessão fotográfica saiu como o planejado, o sol ajudou um pouco e o George conseguiu fotos ótimas, ele até me ensinou algumas dicas para fotografar quando o sol estiver forte. O casal também adorou as imagens, eles estavam de férias na Amazônia e pediram para George registrar alguns momentos.

Maurício: - É a coisa mais linda.

Pedro: - Verdade. Estamos lindos. Obrigado, George e Yuri.

Maurício: - Vocês foram incríveis.

Pedro: - Já vou mandar umas para o Phelip e a Priscila.

George e Yuri: (sem entender)

Pedro: - Ah, são meus irmãos. Eles combinaram toda a viagem, e na última hora cancelaram, por isso, decidimos tirar as fotos. Ainda bem que recebemos a indicação.

George: - Vou tratar algumas fotos e mando para vocês hoje a noite.

Maurício: - Tudo bem. Tenho certeza que ficarão lindas.

Era tão bonito ver o amor dos outros casais, e saber, que eu também tinha aquilo. Alguém que me amava não importava a situação. Naquela noite, eu e Zedu, decidimos ir ao cinema. Compramos os ingressos, a pipoca e refrigerante, na verdade era para mim, o meu namorado odiava pipoca, ele sempre comprava sanduíche.

Zedu: - Como está se sentindo?

Yuri: - Hum?

Zedu: - O que você está sentindo… digo, voltando para a escola? Sabe, depois da premiação, a gente meio que nunca mais viu ninguém…

Yuri: - Bem, com você ao meu lado. Eu tenho coragem para tudo.

Zedu: - Mesmo? Até de chupar o pequeno Zedu, aqui?

Yuri: - (jogando pipoca em Zedu) – Bestão. (beijando o namorado)

Zedu: - (retribuindo o beijo)

José Lucas: - O quê? (lagrimando) – Meu irmão é bicha? Não. Não pode ser… (esmagando uma lata de refrigerante e derramando todo liquido)

Gostou do capítulo? Gostaria de pedir que vocês que acompanham e gostam dessa história votassem, curtissem e comentassem. Dessa forma, sinto que eu estou indo na direção certa. Se você é tímido pode me mandar uma mensagem por email escrevoamor@gmail.com

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
08/04/2018 01:31:23
PRIMEIRAMENTE AINDA NÃO FICOU CLARO O COMPORTAMENTO DE JUAREZ. PELO QUE ME DIZ RESPEITO CREIO TER SIDO ELE O RESPONSÁVEL PELO ACIDENTE QUE TIROU MUNDICO DA PROFISSÃO DE BAILARINO PRA VIDA TODA. AINDA SIM, GOSTARIA DE UMA OPINIÃO DE OUTROS MÉDICOS. NÃO SERIA JUSTO COM MUNDICO. OUTRA COISA É A BABAQUICE DE BRUTUS. NÃO TEM NADA QUE TROCAR TELEFONES COM KELLEN. DE LONGE JÁ DEVERIA PERCEBER QUAIS AS REAIS INTENÇÕES DA GAROTA. MAS COMO TODO BRUTS É BABACA, ESSE NÃO PODERIA SER DIFERENTE. NÃO PERDOO TRAIÇÕES NEM APÓS A MORTE. TB ACHO QUE PASSOU DA HORA DE YURI E ZEDU ASSUMIREM PRO MUNDO ESSE RELACIONAMENTO ANTES QUE AS COISAS SE COMPLIQUEM. E PELO VISTO JÁ VÃO SE COMPLICAR COM JOSÉ LUCAS. AQUI ANSIOSO PELO PRÓXIMO CAPÍTULO.
PLT
07/04/2018 22:45:43
Nunca fiquei tão ansioso pra algo, entrei no site todas as noites haha. Ainda cm medo sobre a questão do brutos e sua namorada, ainda mais com esse desfecho de hoje... muito bom capitulo, agora sei que o Zedu realmente ama o Yuri, antes eu acabava achando que era só sexual mesmo, bobagem a minha