Familia de putas e putos 34

Um conto erótico de gost46
Categoria: Homossexual
Data: 06/04/2018 09:47:39
Nota 10.00

Voltei num domingo e nos despedimos, com três gozadas seguidas, e muito carinho.

Cheguei em Fortaleza, na segunda feira num voo direto de Miami, onde minha mulher estava me esperando.

Ela estava linda e super sex, mas isso conto depois.

DANDO CONTINUIDADE:

Ela estava vestida de roupa de ginástica, pois tinha vindo direto da academia e como era um macaquinho, estava simplesmente provocante, mostrando a todos o quanto ela é gostosa.

Fomos direto pra casa e depois de brincar um pouco com as crianças, matando a saudade, fui banhar com ela junto.

Entramos no chuveiro e nem deu tempo de banhar direito, pois ela já abocanhou minha rola e iniciou uma bela chupada. Já estava com saudades da chupada dela, pois se tivesse um concurso para chupada de rola e de puta fudedora, com certeza, ela seria finalista e ficaria entre as três primeiras.

Já na cama, ela montou na minha rola e cavalgou gozando umas quatro vezes sem tirar de dentro, enchi sua buceta de porra.

Foi assim a semana toda, ate sábado quando embarquei para São Paulo, pois embarcaria no mesmo dia a noite, para Frankfurt e de lá, para Berlim.

Já estávamos no ultimo dia da convenção uma sexta feira e eu retornaria no domingo, quando fomos liberados. Depois de tomar banho e me aprontar, vesti no lugar de uma cueca normal, vesti um Jockstrap preta e fui a mais badalada LGBT da famosa Berlim, o Berghain.

Estava bem frequentado e com seus ambientes já com muita pegação. Já passava das 2 da madrugada e o lugar já estava carregado, com os reservados repletos de pessoas na putaria. Fui para um ambiente onde se pratica o sexo coletivo e ao chegar, vi um senhor bem musculoso numa esticadeira, que consiste em uma cadeira de couro, onde o cara se deita e as pernas e braços são presos por cintas de couro e fica como um leitão na hora de carregar, ou seja, os pés ficam presos pelas cintas às mãos e isso deixa completamente escancarado para ser comido sem parar. Tinha uma pequena fila revezando no seu cu e outros revezando suas rolas sendo chupados.

O tempo que passei nesse ambiente, foi de aproximadamente trinta minutos e nesse período, contei seis caras que enterraram suas rolas e outros tantos na boca. Estava excitadíssimo, ate que fui para outro ambiente, onde tem um corredor com varias portas e em cada porta, tem um cubículo com uma cama no meio e onde alguns são para pratica do Glore Role e outro você entra deita na cama tipo maca e coloca as pernas e bunda pra fora, baixa a cortina para não ver quem esta na cabine e tem um funcionário do clube que prende suas penas levantadas pra cima, e orientando a quem quiser comer você, pegar camisinha e se fartar. Lógico que escolhi entrar nessa cabine. Só tirei a roupa e como já estava preparado para levar rola, apenas deitei e coloquei minhas pernas pra fora. Senti as mãos do funcionário prendendo minhas pernas e eu fiquei escancarado esperando as rolas. Não demorou muito e já senti uma mão passando no rego de minha bunda e em seguida, senti o liquido de óleo lubrificando meu cu, no que assim que terminou a lubrificação, senti a cabeça da primeira rola encostando-se à porta do já sem pregas cu e entrando sem pedir licença. Depois de uns 10 minutos, já experimentava o terceiro que ao sair, já entra outro. Nossa!!!

Dei umas três gozadas e contei cinco machos e suas potentes rolas entrando e saindo do quente e ardido cu e só tinha 20 minutos. Depois de uma hora de penetrações e já exausto, pedi para o ajudante me soltar, pois já estava cansado e minhas pernas dormentes de tanto ficar pra cima e ter gozado umas quatro vezes. Limpei-me e sai para o salão, onde ainda estava bem frequentado, apesar do horário bem adiantado.

Voltei para o hotel com o cu ardido e dolorido, depois de contabilizar nove machos, sendo desses nove, uns quatro com suas rolas de calibre bem avantajados e uns dois, que alem de suas rolonas grandes, passaram mais tempo fudendo com força.

Voltei no domingo com minhas entranhas ainda doloridas, mas à medida que o tempo foi passando, senti meu cu pedindo mais. Sim amigos, o tempo vai passando meu corpo vai pedindo mais e mais, minhas gozadas no cu estão a cada dia, mais intensas e frequentes.

Hoje gozo no cu me masturbando com dedos, consolos, qualquer coisa que venha estimular e às vezes quando estou só, chego a gozar tantas vezes, que ate adormeço com o consolo enterrado de tão exausto e relaxado.

Resolvi retornar no meu medico, pois estava com essa ansiedade de ficar o tempo todo gozando no cu.

Marquei assim que retornei a Fortaleza e no consultório, o medico pediu novamente uma bateria de exames hormonais e ultra-som retal e genital.

No meu retorno, ficou constatado que os níveis de hormônios estavam ainda mais elevados, no que notamos também, uma queda forte dos pelos do corpo, mostrando que eu estava num processo de afeminização corporal. Só que eu não tenho excitação em homens e sim, em mulher. Um homem mesmo bonito passando na praia e uma mulher, eu olho para mulher e tenho excitação.

Acontece que meu corpo pede para gozar e esse gozo é no cu, ai vem e necessidade de sentir um macho me pegando com força me fazendo gozar e nessas horas, eu me sinto feminina.

O medico perguntou se esse fato estava atrapalhando minha vida e se estava interferindo no meu equilíbrio psicológico.

Como falei que apenas estava cada vez mais dependente de gozar no cu, pois estava mais intenso, ele me tranquilizou falando que isso era um privilegio, pois quem não gostaria de ter mais prazer no sexo?

Quando estava em Fortaleza, pelo menos duas vezes na semana, ia à sauna ou ao cine na rua major facundo, alem de estar também saindo com meu cunhado, íamos a um barzinho as sextas feiras e aproveitávamos, para ir ao motel fazer sexo. Minha mulher a cada dia mostrava mais amor por mim e em nossas horas de sexo, me colocava de bruços e comentava a flacidez do anel de couro e se excitava esfregando sua buceta na minha bunda e muitas vezes, me comia com os consolos que ela adora usar.

Minha vida sexual não podia estar melhor, mas minha necessidade de gozar estava só aumentando.

Minhas viagens tiveram uma pausa maior e passei quase dois meses em casa, no que Neuma adorou, pois fazíamos sexo todos os dias, tanto ela como eu chagávamos a gozar varias vezes.

Sandra também junto com Marcelo vinha quase todos os finais de semana passar conosco e sempre, fazíamos amor juntos, num relacionamento delicioso. Marcelo, já deva o cu em nossas relações amorosas na maior naturalidade e muitas vezes dividiram nossas porras com elas e entre nós dois.

Ate que tive uma bela surpresa, que me deixou abalado. Meu grande desejo, Guima, me ligou dizendo que tinha voltado para Uganda e me pediu para que se pudesse, lhe indicasse novamente para a Cia, ele ficaria eternamente grato pois estava precisando do emprego. Conversamos bastante e notei o quanto ele também estava saudoso.

Depois de uns contatos, ele foi chamado e retornou ao trabalho.

Fui chamado para ser instrutor de novos funcionários em São Paulo e iria ficar 20 dias, quando mais uma vez, recebi nova ligação de Guima me informando da contratação e que só assumiria o cargo, depois do remanejamento de motoristas e isso levaria uns 15 dias. Perguntei como ele estava com a família, no que me falou que tinha voltado só e a família só viria depois. Perguntei se ele não queria vir conhecer o Brasil e se seu passaporte estava ok.

Como ele usa o passaporte sempre, apenas emiti uma carta convite, para que ele pegasse o visto de entrada no Brasil. Mandei a passagem e marquei para coincidir com minha chegada a São Paulo.

Amigos foi uma felicidade enorme quando nos encontramos no saguão do aeroporto, no que imediatamente, fomos para o hotel, onde eu já estava hospedado e como sempre ocupo quarto de casal, ficamos mais confortável e mais a vontade.

Ao chegarmos, só deu tempo de tirar a roupa, pois fomos direto pra cama e me deliciar com aquele poste que iniciou minha condição de puta gozadeira. Meu Deus!!! Que maravilha sentir nas mãos aquela maravilha de instrumento do prazer, sentir a cabeça enorme e lisinha na boca, sem poder abocanhar tudo de tão grossa. Depois montar nesse macho vibrante e encostar aquela tora na porta do já conhecido e saudoso cu e sentir o flácido cu esticando ao Maximo, enquanto aquela tora entra vagarosamente se acomodando no faminto cu e entrando ate o estomago. Quanta saudade de me sentir mulher novamente. Ele também estava seco de amor, no que imediatamente iniciamos uma trepada violenta de todas as formas.

Meu cu expelia rios de liquido e sua tora, escorregava freneticamente entrando e saindo, mesmo estando bem justa no guloso cu. Eu estava extasiado, felicíssimo de estar sentado em cima de Guima e transpassado por aquela lança que me ensinou a ser uma mulher fogosa e gozadeira.

Já estava cavalgando alucinadamente, quando senti as primeiras ondas de gozo chegando forte, muito forte, o suficiente para em seguida explodir de vez uma dormência imediata no cu e na rola, o corpo começou a ficar em choque e minha mente entrou em transe.

Meu deus!!!

Não sabia mais o que estava passando, minha mente desligou e eu caio sobre seu corpo completamente sem ação, com um gozo continuo e ele aproveitando para estocar sua rola mais freneticamente no meu esfolado, melado, escorregadio e guloso cu. Com as estocadas de Guima, simplesmente não deu para parar de gozar e ai em seguida, veio uma explosão de gozo maior ainda, no que eu estremeci completamente e apaguei.

Demorou uns segundos ate que retornei a mim e eu já estava virado de costas e já com as pernas nos seus ombros, tinha aquela anaconda atolada ate o talo, num entra e sai frenético e sentindo já a sensação de que a cabeça da rola já estava no esôfago. Foi ai que a coisa entornou de vez, pois entrou mais um gozo, justamente quando senti sua rola inchar mais ainda e explodir com força, uma avalanche de porra quente nas minhas entranhas, onde mais uma vez, enlouqueci e apaguei de vez.

Cochilamos um pouco e tornei, com aquela tora amolecendo e trazendo no rastro, um rio de porra, misturado com minha secreção do gozo. Era realmente abundante, encharcou o lençol.

Eu ainda tremia abraçado a ele, beijava com carinho e amor. Lembrei-me do meu medico que tomasse cuidado em gozar continuamente, para não perder os sentidos, mas como eu conseguiria isso com quem sou feliz, com quem me sinto puta, me sinto mulher?

Depois conto como foi 10 dias com ele.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
06/04/2018 12:33:42
EITA, GOZAR E DESMAIAR. RSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS