Descobrindo os prazeres da podolatria

Um conto erótico de Blue
Categoria: Heterossexual
Data: 31/03/2018 05:59:57
Nota 10.00

Se perguntarem a alguém que me conheça bem quais as palavras-chave que poderiam me definir, com certeza o termo centopeia ou algo do tipo apareceria. Isso por que desde sempre fui louca por sapatos. Tenho muitos, de todos os tipos e uso e curto cada um deles.

Acho que até para valoriza-los, sempre fui vaidosa com meus pés e panturrilhas. Pois é, em vez de eu usar os sapatos para ressaltar determinadas coisas em mim, me cuido para promover o sapato! (Depois disso acho que fica claro que outra palavra-chave certa seria “louca”).

Mas isso tudo sempre foi uma coisa muito minha, sinceramente não achei que chamaria a atenção de outras pessoas (a não ser as chatas do trabalho que ficam comentando que vou com um sapato diferente todo dia). Claro que sempre soube que existiam pessoas que sentiam tesão por pés, mas confesso que nunca tinha parado para pensar a respeito, quiçá achar que cruzaria com alguma delas e que lhe chamaria a atenção.

Sempre brinquei que tem alguns fetiches que não alcanço a razão de ser. O pé sendo “normal” está tudo ok. Nunca olhei para o pé de alguém e pensei: nossa, que pé! A não ser que a pessoa tenha um pé muito feio, aí sim me chama a atenção (não de forma positiva, claro!) Por outro lado, sou uma pessoa que se sente atraída por mãos. Gosto de homens de mãos grandes e fortes. Acho que faço uma ligação disso com uma pegada mais intensa, talvez.

Certa feita, encontrei com um colega em um show. Nos conhecíamos da mesma praia de veraneio, tínhamos amigos em comum, mas nunca paramos para trocar uma ideia. Como eu estava sozinha (adoro música, se quiser ver o show e não tiver companhia, vou só mesmo) e ele também, ficamos lá perto do palco conversando trivialidades. Perguntei pelos amigos dele, ele pelos meus... “papo padrão”.

Depois começamos a falar de música, e claro, a conversa daí deslanchou. Para minha surpresa, tínhamos um gosto relativamente parecido. Falamos da transformação que houve com a Nação Zumbi depois da morte do Chico e de outros sons ditos regionalistas que curtimos. Depois passamos a falar dos clássicos da MPB que já tínhamos tido a oportunidade de ver, bem como os do Rock Clássico internacional.

Confesso que o papo estava tão bom que, quando o show começou, lamentei um pouco. Mas esse sentimento passou logo, pois o show do Lenine foi lindo. Quando acabou, fomos saindo do teatro e falando do show. Quando chegarmos à rua, nos olhamos e estava na cara que nenhum dos dois queriam que aquela conversa parasse por ali.

- Você toparia continuar o papo em outro lugar?

- Até topo, mas só se for num desses bares aqui do lado, pois meus pés estão me matando!

Ele olhou para baixo e elogiou meu sapato. Nisso eu já abri um sorriso de orelha a orelha e falei que era a primeira vez que usava. Sabia que não era estratégico ir para um show com um sapato novo, mas ou eu inaugurava ele naquele dia ou eu morria. Rimos da minha maluquice e ele perguntou:

- Você é uma daquelas mulheres-centopeias com milhares de sapatos?

- Milhares ainda não, mas um dia chego lá!

- Essas mulheres costumam ter pés bonitos.

Essa afirmação soou quase que como uma pergunta. Meu sapato era fechado, então ele não tinha como saber como eram. Então, comecei a brincar com ele...

- Que nada! Tenho joanetes, unhas encravadas e calcanhares mais rachados do que o solo do sertão!

Ele viu na minha cara que estava zoando ele, mas que também estava sacando a sua curiosidade. Fomos andando, achamos um barzinho legal e voltamos ao papo sobre música. Estava tão à vontade, que estiquei as pernas na cadeira ao lado da minha.

- Por que não aproveita e tira os sapatos?

- Jamais!!! Quando eu me proponho a uma coisa, vou até o fim!

A sugestão dele, se não fosse pelos comentários anteriores, teria passado totalmente desapercebida. Mas comecei a ficar com uma pulga atrás da orelha. Quando estava pensando nisso, fui interrompida pelo garçom, avisando que o bar já estava encerrando. Nos olhamos e de novo aquela sensação de não querer parar por ali. Pagamos a conta e fomos andando para o estacionamento. Ao chegarmos no meu carro:

- Parece que a noite foi curta para conversa ne?

- Verdade, foi uma noite muito agradável. Nos conhecemos há tantos anos e nunca paramos pra conversar, e em uma noite parece que tentamos tirar todo atraso!

- Sabe que não precisamos nos despedir agora...

- Não vamos achar lugar nenhum aberto e ficar conversando no carro aqui é pedir para sermos assaltados.

Ele ignorou minhas ponderações e apenas me respondeu com um beijo. Recostada no carro, sentia seu corpo quente junto ao meu, sua boca na minha, num beijo lento e intenso. Passamos a noite nos deliciando com a mente um do outro, agora parecia que era a vez de fazer o mesmo com o corpo. Sentindo sua barba roçando no meu pescoço, seguida da sua língua, minha pele arrepiada e a respiração ofegante já entregavam minha excitação.

Ele, esfregando sua pica dura na minha boceta, segurou meu rosto, me olhou nos olhos e:

- Para minha casa ou para a sua?

- A que for mais perto!

Depois ele me agarrou com vontade, apertando minha bunda e retribui cravando as unhas em seu pescoço e mordendo seu lábio inferior. Entramos no carro e fomos para meu apartamento. Enquanto eu dirigia, ele passava a mão em minhas coxas e subia meu vestido. Não demorou muito para sentir minha calcinha molhada, a colocou de lado e foi mexendo no meu grelo. Confesso que não sei como conseguia guiar o carro me contorcendo e gemendo daquele jeito. Quando finalmente entrei na garagem e estacionei o carro, relaxei de vez e com isso, o inevitável aconteceu: gozei gostoso na mão daquele safado.

Subimos sarrando gostoso no elevador e não sei como aguentamos chegar até o apartamento. Aos entramos fomos tirando a roupa devagar. A cada passo que ia dando em direção ao quarto, uma peça de roupa caia ao chão. Ao chegar à beira da cama, ele já estava nu e eu de lingerie, ah, e com os sapatos.

- Não vai tirar os sapatos?

- Não, você vai.

Sentei na cama e deitei o corpo logo em seguida. Levantei uma das pernas e senti suas mãos agarrando minhas coxas, alisando minha panturrilha, até tirar meu sapato devagar.

Ao ver meu pé ele me olhou com uma cara que não saberia como descrever. Levantei a outra perna e ele fez o mesmo, mas já desnudando meu pé logo de cara. Esfregava um em seu peitoral, enquanto o outro no seu rosto. Quando percebi que ele estava virando o rosto para abocanha-lo, bati em sua bochecha de leve, olhando-o safada enquanto mordia minha boca.

Ele puxou meus pés e segurou firmemente. Chupou meus dedos vagarosamente, oscilando com mordidas firmes. Por mais que eu não entendesse a podolatria, estava adorando aquilo. Puxei meus pés devagar e fui descendo pelo seu peitoral, sua barriga, sua pica. Comecei a punheta-lo com os pés, enquanto me tocava para ele. Sua cara de tesão era deliciosa de ver e isso só me deixava com mais vontade de provoca-lo.

Subi os pés pelo seu corpo, deixando-os próximos ao seu rosto, com as pernas totalmente fechadas e pedi para ele meter em mim. Minha cama alta deixava minha buceta na altura de seu quadril. Ele apenas afastou minha calcinha e posicionou a cabeça do seu pau na entrada da minha buceta. Apertou minhas coxas com força e começou a me penetrar.

Minha buceta, molhada do jeito que estava, recebeu aquela pica grossa com facilidade. Senti ela abrindo a cada centímetro que entrava, quanto eu gemia enlouquecida, arranhando meus seios. Aquela posição permitia que ele metesse bem fundo em mim, e ele fazia do jeito que eu gosto: com força!

Aos poucos ele foi abrindo minhas pernas e continuou metendo. Ao abri-las pouco a pouco, a sensação de tê-lo dentro de mim ia mudando e era delicioso sentir isso. Mais gostoso ainda ficou quando ele começou a mexer no meu grelo. Aquilo foi demais para mim e gozei, histérica, pela segunda vez.

Nem tinha me recuperando e senti o safado me virando na cama e tirando minha calcinha. Fiquei com os pés no chão, pernas bem fechadas e toda empinada. Ele metia na minha boceta com vontade, enquanto batia na minha na minha bunda. Quanto mais ele batia, mais eu gemia e rebolava na sua pica. Dessa vez foi ele que não aguentou muito e jorrou tudo dentro de mim.

Senti seu corpo suado desfalecer sobre o meu. Sua respiração cansada no meu ouvido e os batimentos acelerados me davam uma satisfação incrível. Ficamos assim por um tempo, com os dedos entrelaçados, trocando poucas palavras ofegantes. Depois nos deitamos na cama e ficamos a noite inteira continuando aquele papo maravilhoso, interrompido por outras fodas ardentes.

Espero que tenham gostado!

Beijos, Blue!

Babyblue.contos@gmail.com

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
04/04/2018 01:30:07
Deliciaaa
31/03/2018 08:48:08
Delicia!!!! Bj e parabéns