o ex da minha namorada ainda é o macho dela

-Sim, ele sabe, ele quer, na verdade.

Disse minha namorada Isadora, no telefone, eu não sabia com quem que era, mas parecia ser sobre mim. Depois de alguns minutos, eles pareciam ter se resolvido e ela desligou.

-Quem era?

-O Murilo, meu ex-namorado...

-E o que vocês estavam conversando?

-Ele vai vim aqui esse fim de semana... Porque eu to com saudades do pau dele...

-Decidiu chamar seu ex aqui, no meu apartamento, sem nem me consultar?

-E você vai brigar comigo?

-Não. – dei um beijo nela

Já tínhamos um relacionamento aberto fazia bastante tempo, ela já tinha fodido com vários amigos meus e até com alguns primos, eu adorava, mas com o ex namorado dela? Eu estava bem nervoso e inseguro, não sabia se eu de via aceitar, porém, ao mesmo tempo, ele era alguém de mais confiança, então era melhor que ela transasse com ele do que com um estranho, talvez fosse também uma “próxima fase” na minha cornitude, o que me deixava um tanto ansioso também.

Na sexta feira, eu mal consegui me concentrar na faculdade, ficava pensando no que os dois fariam, me peguei com uma ereção no meio da aula, o que me deixou bem embaraçado e demorou para abaixar.

Só saí de noite, fui direto para o meu prédio, quando estava prestes a entrar no elevador, um vizinho me para com uma risadinha:

-É, é melhor você subir logo! – disse debochando de mim.

Fiquei meio sem entender, apenas subi, curioso para saber se o ex dela já tinha chegado. Não foi preciso aguardar muito, assim que o elevador se abriu, estavam os dois, na frente da porta do meu apartamento, se pegando, beijos quentes, com diretos a tapas na bunda de Isa e alguns gemidos seus também, seria difícil de explicar se algum outro vizinho visse aquela cena, mas eu queria poder nunca atrapalhar, só deixar os dois lá, fazendo que quisessem, mas logo ela viu que eu tinha chegado, tentou se recompor e nos apresentou:

-Amor, esse aqui é o Murilo, acredito que nunca se conheceram.

Murilo tinha 1,86m, negros, musculoso, exalava um ar de masculinidade, que me deixava um tanto intimidado, ele me deu um aperto de mão com a esquerda, porque a direita estava na bunda da minha namorada, que ainda se mantinha agarrada nele. Fomos entrando, chegamos ao meu quarto, Isa mandou nós entrarmos, já ir tirando a roupa, porque ela ia se arrumar para ele.

Que vergonha, nós dois no quarto, nem nos conhecíamos, e ele começava a tirar sua camisa, um corpo forte e grande, depois tirou a calça e a cueca, aquele enorme mastro presto, talvez com 20 centímetros, sentou-se na minha cama, encostado na parede e esperou, eu, tirando a roupa envergonhadamente, torcendo pra que ele não começasse a rir de mim ou percebesse que eu já estava com uma ereção, o clima era desconfortável, ao menos para mim, ele parecia mais tranqüilo e quis puxar papo.

-Então, você paga as coisas caras dela para e ela fode com seus amigos?

-Sim, meio que isso... – dei uma risadinha para descontrair.

-Então hoje eu posso fazer o que eu quiser, né?

-Sim...

A conversa parou aí, ele parecia já ter sacado minha fantasia.

Isadora abriu a porta, finalmente, ela usava uma camisolinha linda, era rosinha, de seda, tinha comprado para ela semana passada e estava estreando agora. Ela tinha um sorriso safado na boca, ele se levantou, voltou a beijá-la, jogou-a na cama, parecia tão submissa, obediente, como se ele tivesse total controle sobre ela, e ela s ó quisesse ser dele. Murilo estava sobre Isa, usava sua mão para masturbá-la, as mãos dela pareciam muito ocupadas espalhadas na cama, esperando para fazer o que quer que ele pedisse.

O pau dele já começava a endurecer, ele apertava aqueles seios macios por cima da camisolinha, parou por um momento, pegou a camisola e rasgou-a brutamente, eu nem havia terminado de pagar e ele tinha rasgado, mas isso não atrapalhou em nada, pelo contrário, Isa ficou ainda mais animada, ela direcionava o pau na entrada de sua buceta toda molhada, parecia que não ia caber, mas não havia nada que pudesse Pará-la ali, ele começou a enfiar, ela tentava se contorcer, mas Murilo a segurava pelos braços.

Aquele caralho enorme preto sumindo naquela mulherzinha tão pequena e branquinha, esse contraste, essa superioridade daquele macho, aquela dominação natural, minha namorada virando uma vadiazinha pra outro cara, tudo aquilo me deixava em êxtase.

Ele socava forte, prendia os braços dela usando uma mão só, a outra ele usava para abusar do corpo dela, batia, estapeava, apertava, dava o dedo para ela chupar, puxões no cabelo, em um momento, ele aproximou seu rosto do dela, ela inconscientemente aproximou o seu também, quando ela ia tentar dar um beijo, ele deu um tapa em sua cara e ela voltou a cair. Tão vulnerável, talvez fosse o meu dever como namorado protegê-la, mas ela adorava apanhar, seus gemidos se misturava com o barulho dos tapas e das estocadas bruscas do Murilo.

Seus olhos brilhavam, uma satisfação que eu nunca vi na cara dela com nenhum homem, como se sentisse completa, ao mesmo tempo, devassa, eu nem sabia mais quantos orgasmos ela tinha tido, eu só tentava não tocar muito no meu pau para não gozar muito rápido,

Ele acelerou mais ainda, colocou a mão sobre o pescoço dela, como se a enforcasse, o balanço daqueles seios demonstravam a putinha que era, as estocadas pareciam que iam quebrá-la, ele enfiou o mais fundo que pôde e soltou toda sua porra dentro da bucetinha da minha namorada.

Eu não agüentei e gozei também, depois, acostumado com essa vida de corno, fui correndo chupar aquela buceta, enchi a boca de porra quase, mas antes que eu pudesse engolir, Isa puxou minha cabeça para um beijo, só que seu interesse era chupar todo aquele esperma do ex dela que estava na minha boca, não bastava ter a gala dele dentro de sua buceta, queria engolir também, fiquei admirado pela obcecação dela ao macho alfa. Depois desse ato de audácia, ela me beijou novamente e?

-Feliz aniversário de namoro, amor!

Até tinha me esquecido! Era o nosso primeiro aniversário de namoro, e esse tinha sido o presente dela pra mim, retribui o beijo e agradeci, feliz.

-Tá bom, corno, pode ir pro sofá agora. – disse Murilo.

Fiquei confuso

-Amor, esqueci de te contar, mas eu deixei o Murilo ficar aqui por uns dias porque o prédio dele ta reformando... – ela me fez uma carinha de safada e de coitadinha. – vai ser só por uns dias, eu juro, mas até lá, ele dorme comigo aqui na sua cama, você pode ir dormir no sofá...

Eu deixei, fiquei com medo de irritá-lo e magoar a Isa, eles foram tomar banhos juntos, eu não resisti e fiquei espiando.

-então você queria beber minha porra, porque não bebe direto da fonte? – disse Murilo enquanto Isa se ajoelhava para mamar.

Eu fiquei duro novamente, bati mais uma punhetinha sozinho vendo a cena, depois eu fui dormir no sfá, enquanto os dois dormiam de conchinha.

O filho da puta ficou lá por duas semanas, comigo pagando todas as despesas e a Isa lavando todas as roupas dele, ao menos ele retribuía todas as noites comendo a Isa em todas as posições e me deixando assistir.

Infelizmente, as pessoas do meu prédio começaram a desconfiar, eu tentei dizer que ele era um amigo meu, mas depois que o meu vizinho abriu a boca sobre os dois se beijando, eu acabei ganhando a fama de corno manso que hospeda os comedores e a Isa adorou os olhares maliciosos dos homens do prédio, ao menos isso nos trouxe algumas aventuras a mais.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
Lx-
18/03/2019 04:59:37
Dá mesmo prazer em ser corno. Conto bem escrito e excitante. A minha esposa também gosta de cuidar de seu macho fixo com submissão, me enviando fotos e videos, pois nunca estou presente. Leia os meus relatos sobre as aventuras dela. Se quiser trocar experiências e fotos, envia email para eq2007@bol.com.br
03/09/2018 22:33:07
Delicia
13/05/2018 01:45:23
Muito bom
30/03/2018 16:47:59
Hmmmmmm!!! Delicia!!!
30/03/2018 16:18:03
Maravilhoso gatas vamos tc chama no whats....ONZE.NOVE, SEIS, NOVE, NOVE, SETE, TRÊS, SEIS, NOVE,NOVE MARCOS BJS NAS PEPECAS..