Fui pego no flagra no meio do mato

Um conto erótico de Carlos Eduardo
Categoria: Homossexual
Data: 30/03/2018 10:12:29
Nota 7.50
Assuntos: Gay, Homossexual

Que coisa mais maluca me aconteceu ontem no mato.

Eu sou casado, tenho 40 anos, sou bi passivo (é assim que me descrevo), porém nem sei mais o que sou.

Encontrei um local meio afastado da cidade e resolvi fazer uma brincadeirinha, eu amo fazer isso e faço muito.

Esse local fica bem próximo a um centro empresarial, eu tenho que sair de uma avenida para uma estrada de terra até esse local que fica mais ou menos uns 800 metros dessa avenida.

Já tinha ido lá outras duas vezes.

O que costumo fazer nesse loca, eu levo meus brinquedinhos e fico pelado no meio do mato, é uma antiga estrada de terra que só tem acesso um um lado, se entrar com o carro nessa estrada não tem saída, pois alguém colocou um monte de terra no final dela que dá acesso a uma avenida, a mesma que eu sai para entrar na estrada de terra é meio confuso explicar sem mostrar um foto aérea do local.

É mais ou menos assim, você entra em uma estrada de terra movimentada que não dá muito para ficar a vontade, e entra em uma outra estrada de terra mais escondida que dá para fazer o que quiser, mais ou menos, porque é arriscado alguém também entrar nessa estrada de carro e pegar no flagra, e foi exatamente isso que aconteceu, só que de maneira meio estranha e queria compartilhar.

Realmente não sei mais o que teria de novo para mim fazer em matéria de sexo.

Já fiz de tudo, já transei com homens, mulheres, travesti, animais e consolos (adoro consolos).

Bem vamos aos fatos desse dia.

Ao sair da avenida para pegar a estrada de terra eu encontrei com uma pessoa, andando na mesma direção para onde eu estava indo, era um senhor negro, não sei precisar exatamente quantos anos ele tinha, pensei em parar para trocar uma ideia, mas fiquei com receio de dar merda e segui em frente.

Logo a uns 800 metros mais ou menos eu entrei na estrada secundária que não é movimentada, dá para perceber que entra carros ali, porém todas as vezes anteriores que estive lá não apareceu ninguém.

Virei o carro para a mesma direção que entrei, pois só dá para sair por ali, pois o outro lado está bloqueado por um monte de terra, o outro lado daria para sair novamente na avenida, se o monte de terra não estive ali.

Sai do carro e abri a porta traseira onde guardo as minhas coisas, brinquedinhos, calcinhas, camisinha, gel, enfim ferramentas de prazer.

Observei bem o local, para ter certeza que ninguém estaria por perto.

Tirei toda a roupa e coloquei uma calcinha fio dental vermelha deliciosa, que me dá um tesão danado vestir, e uma sainha preta por cima que acabei de comprar horas antes.

Nossa aquilo me deu um tesão danado, peguei um dos meus consolos, passei um gel e sentei em cima, enfiando ele inteirinho dentro do meu cu, que delicia, e comecei a socar uma punheta.

Sempre observando ao redor para não ser surpreendido por ninguém, meu maior medo é um carro entrar na mesma estrada e dar de cara comigo.

A frente do meu carro ficou voltada para a direção que entrei e eu fiquei na parte traseira do carro brincando gostoso com os consolos, se alguém aparece eu perceberia e daria tempo de pelo menos tirar a calcinha e a sainha e colocar a bermuda, e ver o que poderia acontecer.

Foi ai que pensei, onde será que está aquele senhor que estava vindo a pé na estrada, e onde ele estaria indo, fiquei meio apreensivo e parei de sentar no consolo, e comecei a observar ao redor com mais calma, não escutava nada e nem via absolutamente nada.

Bem voltei a sentar no consolo e socando uma bem gostoso, foi ai que resolvi olhar para a frente do carro e quem eu vejo vindo na estrada, o Senhor, nossa ai é que eu falo que estou precisando de ajuda, pois não sei mais o que fazer com relação a minha tara.

Simplesmente arrisquei todas as fichas, e não fiz absolutamente nada, sentei bem gostoso no consolo, fazendo com que ele desaparecesse dentro de mim.

Ele foi se aproximando pelo lado esquerdo do carro, e quando me viu, simplesmente me cumprimentou, dizendo boa tarde, e nem olhou para o lado, acho que ele, só conseguiu ver que eu estava sem camisa, não percebeu que eu estava de calcinha e sainha.

Quando ele se afastou um pouco, tentei chamar a atenção dele, disse assim, oi senhor, venha aqui ver uma coisa, ele continuou andando sem olhar para trás e falou assim, não posso estou trabalhando.

Ai falei assim venha te dou cinquenta reais, só para ficar aqui olhando, não precisa nem me tocar, ai nesse momento ele olhou para trás e disse assim, sai fora, eu sou macho, vai dar o cu para outro e foi embora.

Naquele momento eu já estava num tesão tão grande que acabei gozando gostoso.

Me limpei, me troquei e fui embora, saindo pelo mesmo local que entrei, cheguei na avenida e fui em direção a saída do local onde está bloqueado e o senhor já estava ali perto da saída, olhei para ele, ele olhou para mim e fui embora.

Juro que não sei o porque isso me dá um tesão danado, fico num estado que não sei explicar.

Por isso eu creio que não existe mais nada no que se refere a sexo que eu não tenha feio nessa vida.

Sei que preciso de ajuda, para mudar essa condição, mas isso tudo se tornou um vício que não sei onde irá me lavar.

Eu só queria compartilhar isso com alguém, para poder entender o que está acontecendo.

É isso, valeu.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
30/03/2018 16:21:15
NADA DE ESPECIAL. REPETIU MUITO A LOCALIZAÇÃO. APENAS ISSO.
30/03/2018 15:45:35
Nossa é uma delicia, meu coração bate forte demais. Só tenho medo de alguém que queira fazer algo errado como me roubar e que aconteça algo pior. O duro que hoje nesse feriado, já estou no tesão de ir lá de novo. To que não me aguento. E nossa já fiz cada uma em locais públicos, difícil até de acreditar. Vou contar mais depois em outro conto. Obrigado.
30/03/2018 11:44:47
Por que mudar? É uma delícia mesmo. Já dei muito em lugares desse tipo, uma vez achei uma obra abandonada numa estrada secundária. Voltei a estrada principal, ofereci carona pra um cara num ponto de ônibus, cantei ele pra me deixar chupá-lo. Chupei ele no carro mesmo. Depois peguei ele na escola profissional, levei pra obra e ele me comeu gostoso, na janela da obra voltada para a estrada, com (poucos) carros passando... uma delícia! Não para não, só tome os devidos cuidados. Dar pra alguém não é nem 50% do prazer que dar com perigo, e só 10% do prazer que dar na frente dos outros!