Algumas aventuras

Um conto erótico de jorlin
Categoria: Grupal
Data: 30/03/2018 01:53:49
Nota 9.00

Estamos casados há muitos anos, Na relação já passamos por inúmeros problemas, mas sempre superamos. Estruturamos nossa cumplicidade e intimidade, que nos rendeu algumas aventuras prazerosas e excitantes. Casamos com a idade certe entre os vinte e trinta anos Não fui seu primeiro namorado, mas fui seu primeiro homem tirei sua virgindade, sua personalidade e seu corpo sempre me atraíram e depois de tantos anos de casados ainda me atrai. Claro ciúmes existia, na verdade ainda tenho, ou melhor, ainda temos um pelo outro, mas soubemos como trabalhar isso; você deve está se questionando como assim: simples ele sempre foi um mulher de atrair olhares, além de seu corpo seu jeito comunicativa atrai o desejo dos homens e vendo isto me foi nutrindo fantasias. Na época ainda não havia internet, lia muitos contos e relatos nas revistas, quem se lembra das revistas Brazil, Ele e Ela, Private e outras. Recordo bem de um conto chamado Amor na gruta, que contava a historia de um casal em lua de mel pro causa de uma chuva entram em uma gruta e em seguida aparecendo três homens para se protegerem da chuva, e pelo modo dela está vestida de shortinho atrai o desejo deles, bom comprava as revistas levava para casa, ele não gostava de ver as fotos mais gostava de ler os contos e isto a excitava. Assim passávamos a viajar, passear, por exemplo, quando íamos à praia, nunca procuramos usar roupas vulgares demais, porem roupas chamativa para ocasiões sempre dependendo do momento se estávamos com a criança ou com familiares, não que isto impedisse de uma leve exibição, mas teríamos de observar para quem se exibir observando o comportamento do espectador. Quando estávamos somente os dois em algum passeio como na praia pagar um peitinho era normal, um maiô ou um biquíni, mas ousado também, em uma quiosque ou bar de praia um shortinho ousando é bem chamativo. Sempre gostei de sair para dançar, um vestido de tecido leve é ideal para ela sentir o pau duro de alguém que ela estivesse dançando, sempre permiti que ela dançasse com outros homens.

Narrando algumas aventuras nossas não que tenha sido em ordem dos acontecimentos: Certa vez ainda praticamente no inicio do casamento, fomos ao litoral, à casa ao lado que estávamos havia dois homens trabalhando e percebemos eles a observando, às vezes ele estava apenas de biquíni, ou de saída de banho ou shortinho às vezes de vestidinho, como ficamos uns dez dias notamos os olhares e até as vezes falamos oi, bom dia, boa tarde. Puxar conversa com eles foi fluindo naturalmente, ate que uma tarde sai como eles para ir a um boteco, na volta resolvi chama-los para tomar um cerveja e assar uma carne, nesta mesma noite no decorrer das danças e o álcool, eles fuderam e assim foram mais 6 dias e noites e cada vez mais ousado, chegando a tomar banhos juntos, beijo na boca, até mesmo segurar seus paus enquanto eles iam urinar. Uma outra vez estivemos em uma inauguração de uma balada, quando fui ao banheiro ou pegar alguma bebida ao retornar ele estava estada e havia um cara abaixado ao lado dela passando a mão em suas coxas ele percebeu eu chegando saiu fora, quando saímos na fila para pagar a comanda ele estava atrás de nós, ele não acreditou quando eu disse vamos brincar um pouco como ele não estava de carro disse vocês podem me levar a meu apartamento, disse vamos, lá ele quis fechar a porta do quarto com ela eu bati não deixei fudemos gostoso com ela explique a ele que tudo teria de ser na minha frente, teve um momento inusitado foi quando ela foi fazer xixi ele foi atrás e ela chupou o pau dele sentada na privada.

Outro lance muitos excitante aconteceu no nordeste em um show que acontecia na praia, a noite muita gente aquela muvuca eu uns garotos próximos a nós que querendo o não querendo se encostava-se a ela soltei ela um pouco eles sacaram e começaram a encoxar e bolinar, saímos da muvuca e encostamos em um quiosque fechado eram cinco uns três que tinha camisinha a penetraram, mas não era para gozar todos deveriam gozar nos seios dela e assim fizeram, íamos algumas vezes a clubes de swing gostávamos muito dos labirintos uma por ter muitos homens e ao andar era muito bolinada, muitas vezes saia com as coxas gozadas, teve um lance que ele sentada em meu colo sem vestido só de calcinha, mas propositalmente aquelas tipo short apertada para eles não enfiarem os dedos, muitos homens que passavam gozaram em cima dela, adorávamos quando ela ficava de vestido preto que ficava completamente machada de porra muitos limpavam seus pau me seu vestido, em casa ficávamos olhando aquela decoração.

O que mais nos excitávamos era sair para dançar, quanto mais populares os locais melhor, casas de forrós, de samba, gafieira, não danço essa ultima, mas ela gostava e gosta ainda de dançar com negros maduros, era normal ela retornar a nossa mesa com as coxas esporradas ou com gosto de pau e porra na boca. Atualmente temos um amigo mulato que tem um comercio no litoral, casado coroa que as vezes trás parentes de amigos de confiança todos casados, com confiança deles e nossas, a deixam com suas porras escorrendo pelas coxas, já chegou a aguentar oito deles e comigo nove em um final de semana.

Outro excitante aconteceu aproximadamente há cinco ou seis anos atrás quando encontramos com ex aluno dela em um shopping, no período ele estava para casar, fomos em seu casamento, mas vamos ao fato, ele quando nos viu nos cumprimentou e dizendo “professora continua linda” ela brincando com ele comentou você e fulano e fulano pensa que não percebia ficavam me secando tentando ver minha coxas ou quem sabe a calcinha, ele me minha frente ficou sem graça, ela perguntou o que iria fazer aquela tarde e noite... já sei vai namorar, ele disse hoje até que não estamos nos preparando para o casamento a semana que vem demos uma folga no namoro por estes dias, convidamos ele para ir a nossa casa tomar uma cerveja e jantar. Em casa conversamos mais assunto sobre o casamento em um momento ela perguntou se eles tinham feitos exames, ele inocentemente respondeu os exames que fizeram estava tudo bem com ambos e que pretendiam terem filho logo ela me olhou e senti o que ela pensava, ela levantou me deixando com ele na sala foi tomar um banho. Neste mio tempo preparei uma boa dose de uísque para nos dois, até puxei a assunto se na escola as molecadas observavam ela se comentavam, ele dizia, o senhor sabe que sua esposa é u mulherão as vezes ela ia de sai ou vestido que nos deixavam loucos, eu afirmava é sim see eu fosse ciumento já teria feito besteira dizendo ondes vamos a macharada fica de olhos nela, se me afastou um pouco já vai macho conversar com ela e cantar, ele me conta os caras entram de sola. Ela me retorna a sala usando um shortinho curto branco, e um camisetinha tipo regata verde claro sem sutien sentou-se a mim Fernando, sim este é o nome de seu ex aluno, sua coxa encostada a perna dele a outra encostada a minha, ficamos conversando preparei mais uma dose para cada e comecei a provocar a conversa com ele sobre os desejos dos alunos nela, brinquei dizendo que ela me contava e muitas vezes os provocavam mesmo coloquei minha mão na coxa dela e alisando disse a Fernando, põe a mão na coxa dela sente, não demorou muito ele ficou de pé tirou seu pau para fora encostando no rosto dela, deu inicio a uma bela chupada e ao mesmo tempo eu beijava seu rosto sentindo as bochechas dela estufada senti quando ele começou a gozar em sua boca, seu pau era grosso escuro, ele é moreno escuro, seguimos para cama Sentido dono da situação ele a fudeu com pegada forte, ao me ver beijando ela depois de um tempinho antes ter gozado em sua boca ficou mais ousado, chegando ate´dizer se soubesse que o corno não se importava dela dar pra outros já a teria fudido a muito tempo a essa altura já a chupando forte ao pescoço e seios e a mordendo as vezes, ligou para sua casa dizendo para não se preocuparem que iria chegar só no outro dia a fudendo varias vezes e fazia questão de limpar seu pau em nosso lençol, Fomos ao seu casamento sua esposa ficou gravida logo apos casarem, vei a nossa casa algumas vezes no espaço de quase dois anos já se achando dono da situação e cada vez mais ousado até que mudou de trabalho e cidade. Era comum ele gozar em sua mão e mandar ela lamber na minha frente.

Outra situação até humilhante aconteceu quando conhecemos em um bar da feijoada um mecânico mulato grandão e travamos amizade, a farra era sempre aos sábados depois da feijoada e bebidas no final da tarde seguíamos para a oficina, na primeira vez somente ele, e em outras vezes ele levou um amigo, houve uma vez que foram cinco a mais conosco, sentíamos que ela estava virando uma escrava sexual ai paramos. Claro houve outros casos já contamos em outros contos aqui

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
30/03/2018 23:08:49
Eu tbm lia muitas revistas com relatos eróticos, principal e a favorita era a Private, isso era bem antes de existir a Internet. Quanto ao seu relato, muito bom, só que ao digitar, vc trocou muitas letras e palavras, as vezes tinga que reler prá entender o frase. Em seu resumo, algum caso que vc contou parece verídico e outros não. Vai levar uma nota razoável por alguns casos verídicos!
30/03/2018 09:09:32
Bem escrito, mas talvez por falta de costume de ler várias situações num conto só, achei muito genérico e com pouco espaço pra imaginações. Mas sua iniciativa em vir relatar já é louvável
30/03/2018 07:43:59
muito bom o resumo das situações. talvez cada uma delas se transforme num conto inteiro. Tente.
30/03/2018 03:03:50
Tua gata é o máximo, o tipo de fêmea que adoraria ter tido na minha vida. Eis meu e-mail/skype: envolvente47@hotmail.com . Espero vocês.