GAROTA DE PROGRAMA NOVINHA - GRANDE FLORIANOPOLIS -SÓ HOTÉIS

Eu me casei muito cedo, pouco depois de completar dezenove anos. Eu tinha acabado de entrar na faculdade quando conheci o verdadeiro amor da minha vida... Foi paixão fulminante, algo tão avassalador que me cegou completamente. Transamos no dia em que nos conhecemos no laboratório da faculdade, digo, nos conhecemos no laboratório da faculdade durante nossa primeira aula prática do curso de odontologia e transamos no laboratório mesmo, logo após a aula inaugural que eu nunca soube exatamente do que se tratou. Ficamos os dois nos fundos da enorme sala repleta de equipamentos e nos escondemos atrás de um grande refrigerador. Quando todos saíram da sala e o professor apagou as luzes meu príncipe encantado me fodeu, ele ergueu minha saia, afastou para o lado a minha calcinha e ali mesmo em pé e me pegando por trás meteu forte na minha boceta que escorria descontrolada, foi então que eu percebi que estava totalmente perdida. Minhas intimidades deixaram claro que aquele mastro que me penetrou precisava ficar ali para sempre! Eu conheci o céu, planei acima das nuvens e ao pousar sabia que tinha encontrado meu futuro marido. Me casei três meses depois, contra tudo e contra todos. Papai principalmente, ficou furioso e quase me bateu!

Meu nome é Beatriz, moro em Tijucas-SC, sou uma garota alegre e pelo que dizem muito bonita ... E não, não sou modesta, rsrsrsrsr. Me acostumei desde novinha a ser chamada de gostosa quando ando pelas ruas, os homens são assim mesmo e eu não reclamo. Sou morena um pouco mais alta que a média e tenho o padrão brasileiro de beleza. Olhos castanhos, cabelos longos e pretos e um quadril matador. Minha bunda é meu cartão de visitas e não existe homem, menino, pai de família ou velho babão que consiga ficar indiferente quando eu passo, seja na rua, nos shoppings ou qualquer outro lugar em que eu entre... Na academia com calças legging sou um escândalo, eu sei disso, aceito e até que gosto, eu confesso....

Eu e o Fernando nos separamos seis meses depois do casamento. Ele se mostrou apenas um inútil viciado em todas as drogas que conseguia botar as mãos. Vendeu tudo que eu tinha para manter seu vício, arruinou a minha vida e quando foi preso envolvido em roubos e assaltos eu até respirei aliviada. Eu estava livre! Mamãe nunca falou nada para o papai, mas eu já devia muito dinheiro para ela. Quando a situação com o Fê ficava difícil ela me emprestava grana em segredo...Papai pagou um bom advogado para cuidar dos papeis da separação, mas foi duro, muito duro comigo depois disso.

Eu voltei para a casa dos meus pais, mas agora eu tinha que pagar aluguel pelo meu quarto e trabalhar para cobrir minhas despesas...A faculdade já era. Minha vida mudou totalmente mas eu nunca fui uma coitadinha e nunca tive medo de enfrentar a vida. Nem tive raiva do papai, ele estava certo afinal.

Tentei vários empregos. A vida pode ser dura com as pessoas. Empregos não faltam, mas salários miseráveis também não... Um dia recebi um convite de uma amiga. Uma proposta indecorosa mas que me atraiu, eu estava ficando cansada de dar murros em ponta de faca.

Essa minha amiga era uma garota de programa, nunca desconfiei disso até ela me dizer... Quando ela contou como vivia e o que fazia eu de início me assustei, mas ela era muito amiga mesmo disse que faria comigo coisa que só as amigas verdadeiras fazem. Deixaria eu acompanhar ela por uma semana só para me mostrar que a coisa toda além de divertida podia ser muito lucrativa.

Foi a semana mais louca da minha vida. Eu não queria acreditar que era possível viver assim. Toda noite eu e essa minha amiga nos deslocávamos para Florianópolis, quase uma hora de viagem... Então nos permitiam discretamente entrar em um bar de luxo dentro de um hotel cinco estrelas. Sentávamos em uma mesa de canto e ainda nos davam um drink de graça... Em pouco tempo homens chegavam na nossa mesa. De todos os tipos, idades e um mais galanteador que o outro. Sim, é claro, queriam nos foder! Mas sempre dispostos a pagar muito. Nas primeiras vezes só minha amiga topava, eu dava uma desculpa qualquer e os cavalheiros sempre respeitavam. Então a minha amiga subia, uma ou duas horas depois descia e me mostrava de quinhentos até mais de mil reais! No terceiro dia, eu estava pronta, motivada e com coragem e avisei isso com antecedência para minha amiga. Eu estava preparada para subir até as suítes dos gentis cavalheiros...Ela riu, disse que já sabia disso mas que eu teria que lhe dar cinquenta por cento do que conseguisse. Eu começava a perceber como as coisas funcionam...

Meu primeiro cliente parece que foi selecionado pelos deuses, minha amiga deu uma mãozinha já que na realidade era um conhecido dela. Ela riu para mim e disse:

-Você tem que ir com esse cara para se iniciar de maneira perfeita! Ele está vindo, deixa comigo...

O cara de meia idade, muito seguro de si cumprimentou minha amiga com muita intimidade. Mostrou alguma curiosidade perguntando meu nome:

-Sou a Marly, me apresentei...

Sim meu nome de guerra passou a ser "Marly" naquele instante. Então minha amiga me jogou nos braços do seu cliente:

-A Marly está começando hoje...Que tal?

O cliente não se mostrou muito interessado:

-Bom para ela...Mas eu quero subir com você meu amor, só você me entende...rsrsrsrsr

A minha amiga então jogou a cartada certa:

-E que tal nós duas?

O cliente era duro na queda:

-Ok! Mas só pago por uma...

A minha amiga sorriu, deu um beijo na boca do cara e me puxou pelo braço. Subimos os três para a suíte do cara gostoso, já no elevador ele meteu a mão por baixo da saia da minha amiga e ela logo estava gemendo e beijando o como se o mundo fosse acabar ali mesmo.

Na suíte ela já foi tirando a roupa assim que entrou, só de calcinha e sutiã me sinalizou para fazer o mesmo. O cara foi para o frigobar e voltou com bebidas. Estourou uma garrafa de champanhe e jogou por cima de nós, depois começou a nos lamber como um cão sedento...

Em pouco tempo passou a se interessar mais por mim e não demorou me elogiar falando para a minha amiga:

-Essa tua colega é especial minha querida... Eu vou comer a bunda dela ainda hoje!

Involuntariamente um tremor cruzou meu corpo e ele percebeu:

-Calma novata! Você vai gostar e nunca mais vai querer foder sem dar a bunda! Rsrsrsrsrsrs!!!

Todos riram, inclusive eu porque não queria parecer por fora...

A noite foi uma loucura, o cara nos fodeu de tudo que foi jeito. Quando meteu o enorme pau na minha boca eu pensei que iria desmaiar por falta de ar. Aquilo tudo encheu minha boca até doer meu maxilar. Meteu fundo na minha garganta e quando gozou parecia um cavalo despejando litros de porra, quase me afogando... Mas eu gostei, aquele leitinho morno tinha gosto de pecado, se pecado tem gosto, e um cheiro másculo que me fez engolir com prazer, ele até comentou:

-Você é novata mesmo?

Depois, um pouco mais tarde, sim! Ele comeu a minha bunda...Eu vi estrelas, pensei que estava toda rasgada e teria que ir para a assistência médica assim que aquilo tudo terminasse. Mas a coisa toda acabou se mostrando bastante prazerosa, em pouco tempo a dor insuportável se transformou em um prazer inédito para mim e antes dele gozar eu pedia por mais:

-Mete forte! Arromba meu cu seu cachorro! Asssimm...AAHHHiiii....

Quando o cara muito cansado desabou no sofá, depois de ter gozado meia dúzia de vezes recheando eu e a minha amiga com litros de porra deu a noite por encerrada. Só teve forças para pegar a carteira e colocar mil reais na mão da minha parceira. Eu me vesti e percebi então que só tinham se passado pouco mais de duas horas. Recebi apenas duzentos e cinquenta reais, foi o que minha amiga me deu mas achei muito bom! Isso eu costumava levar uma semana para ganhar em serviços bem menos interessantes... Ao mesmo tempo percebi que trabalhando sozinha podia faturar os mil reais só para mim...

Eu virei puta naquele dia! Garota de programa...Por favor!

O tempo passou. Minha vida melhorou e minha família não me questionou. Para todos os efeitos eu arrumei um serviço noturno cuidando de uma velhinha doente de uma família rica. Agora eu passava as noites fora, tinha dinheiro de sobra e dormia quase o dia todo. Paguei o que eu devia para a minha mãe, em segredo é claro. Então ela me contou. Meu ex tinha saído da prisão. Me procurou em casa e o papai colocou um revolver na cara do infeliz que correu apavorado. Lamentei perder a cena, sou um pouquinho sádica...Aceitei e me acostumei com minha nova vida...Todas as noites eu fodia e era muito fodida... Sempre uma experiência nova, caras interessantes, uma ou outra tranqueira. Uns poucos porcos que queriam praticar as mais variadas perversões comigo, destes eu escapava com maestria. Só para terem uma ideia, certa vez um doente queria porque queria defecar nos meus peitos...Na noite tem de tudo! Aprendi truques de putas velhas. Sabia fingir um desmaio na hora necessária. Podia até fingir uma overdose, o que bastava para apavorar os respeitáveis cavalheiros que se arrepiavam mijando nas calças ao imaginar serem pegos nos seus quartos com putas viciadas mortas e a polícia envolvida nas suas vidas tão certinhas... Mas acima de tudo, geralmente era apenas muita diversão, dinheiro fácil e gozo abundante!

Uma noite eu estava com a arapuca armada, bebendo com cara de paisagem em um bar muito exclusivo na cobertura de um hotel fantástico com vista para o mar quando um velhote, rico só pelo jeito de se portar, arrogante ao extremo, se aproximou:

-Venha comigo minha pequena! Vamos subir que eu preciso lhe mostrar como é a vida realmente boa...

Eu me levantei e dei o braço para o pateta arrogante... Eu já estava acostumada, caras assim pagam bem, querem mostrar que podem pagar, me servem como luvas perfeitas. Claro, a suíte do cara, doutor Macedo como pediu para ser chamado era a melhor do hotel. Eu já tinha estado nela, sabia que era grande, com vários cômodos e com um decoração primando pelo luxo e pela ostentação, se bem que de um mal gosto atroz A banheira de hidro parece uma piscina... Tem um cara que adora me foder na banheira, às vezes quase me afogo, mas faz parte...

Eu entro atrás do cara, jogo minha bolsa no imenso sofá e ele:

-Eu estou com um amigo minha querida...Espero que não se incomode, mas amigo meu é como irmão! Eu quando te vi no bar percebi que você é uma mulher para vários talheres...Você não se importa, não é?

Ele não esperou minha resposta, apenas chamou:

-Mário! Eu já voltei e tenho um presentinho para nós.... Ouviu Mário?

Um cara alto e bem apanhado entra na sala. Tem exatos quarenta e cinco anos mas parece ter bem menos que quarenta. Corpo bem cuidado, cabelos negros, tem os olhos arregalados como se estivesse muito assustado e fica parado com cara de pateta...É o meu pai!!!!!!!!

O doutor Macedo então anuncia:

-Vou mijar, já volto...Não comece sem mim Mário...

Depois sai apressado da sala, aposto que a próstata dele é maior do que uma maçã, estranho mas me lembro de ter pensado exatamente isso naquele tão delicado momento...

Eu estou parada sem saber o que falar, é claro... Papai se aproxima se movendo como um zumbi e consegue aparentemente com muito custo falar:

-O que é isso? O que você está fazendo aqui?

E finalmente, juro que quase chorando:

-Você é uma puta??????

Eu então me surpreendo comigo mesma. Papai é um cara duro, severo e eu sempre o respeitei muito, mas agora eu já era adulta e nos últimos meses tinha amadurecido muito. Meu casamento e a péssima experiência de viver com um drogado viciado mesmo que por pouco tempo tinham me dado muita força, não desânimo, e minhas atividades mais recentes me amadureceram na marra:

-Eu acho que quem deve explicações e o senhor...PAPAI! Segundo a mamãe me falou era para você estar em Curitiba tratando de negócios, não correndo atrás de ...PUTAS...aqui em Florianópolis?????

Ele pigarreou e percebeu que naquele momento, naquele quarto e naquela bizarra situação ele não tinha o mesmo poder que costuma ter sobre mim... Um pouco vermelho e muito desconfortável:

-O Macedo é o meu chefe...Ele que apronta essas coisas e eu o acompanho porque ele gosta da minha companhia nestas putarias, no nosso ramo temos que ficar bem com os clientes, os investidores e claro estar sempre bem com nossas chefias. Eu preciso das boas contas que o Macedo me passa...

Eu resolvi cortar na hora o papinho, eu sou muito nova ainda, mas já estou cheia do cinismo dos homens, eles tem desculpas e mais desculpas para meter seus paus em todas bocetas que conseguem e pretendem que nós as mulheres reservem nossas bocetas com exclusividade só para eles e mais ninguém:

-Francamente pai!!!!! Então você só está aqui porque quer ficar de bem com o velhote, quer puxar o saco do patrão.... E agora? Vai me foder papai????

Meu pai percebeu o tamanho real da encrenca. Pediu, implorou e eu cheguei a sentir pena dele, SQN:

-Olhe minha filha... O doutor Macedo não pode saber que você é minha filha! Eu não posso administrar isso, vou virar chacota, vou perder prestígio e a minha carreira acaba! Desapareça! Agora! Eu digo que você foi embora, cansou de esperar, o velho vai se demorar, está se entupindo de viagra, esperando fazer efeito...Vai embora agora!

Eu resolvi fazer papai sofrer um pouquinho, nem sei bem porque, mas tal pai tal filha e ele sempre foi muito duro comigo, eu até agradeço por isso, nunca fui uma menininha desamparada, meu pai mesmo me ensinou a ser forte, então:

-Bom...Eu posso até ir embora, mesmo comprometendo meu profissionalismo pai...Sabe nessa profissão temos que ser muito profissionais... Mas se vocês querem desistir dos meus serviços tudo bem! Basta me pagar e eu vou embora...São mil e quinhentos!

Eu estava me contendo para não rir com a cara que o papai fez! Ele parecia não acreditar:

-O que???? Sua louca! Mil e quinhentos???? Você acha que eu vou ser extorquido pela minha própria filha???? NÃO MESMO!!!!

Eu sempre cobro mil, mas com o papai achei que podia cobrar um pouquinho mais...RSRSRSR!!! Eu nunca me diverti tanto, estava até assustada comigo mesma:

-Então está bem papai, eu vou contar para o doutor Macedo que sou sua filha, vou contar para a mamãe o que você faz com as garotas e vou deixar todos saberem no condomínio que sou uma putinha. Está bem para o senhor????

Papai é um executivo de alto gabarito. Um homem acostumado a negociar com grandes investidores e sabe muito bem quando a situação está escapando do controle, quando está prestes a perder o negócio:

-Está bem! Está bem sua chantagista! Uma puta!!!!! Minha filha é uma puta!!!!!!! Mas eu não vou te pagar dinheiro nenhum, não tem cabimento. Você está livre de pagar o aluguel neste mês.... Tá bom?

Eu estava agora rindo, era uma sensação nova ter o papai na palma da mão, não podem me culpar por isso, um pequeno prazer para uma garota que trabalha duro:

-Só este mês não! Três meses! Ou nada feito!!!!!

Papai estava suando, vermelho e quase desesperado quando antes de ter a chance de contra argumentar, e acreditem, conhecendo ele eu sabia que o papai levaria longe aquela negociação, a patética figura do doutor Macedo entra na sala. Pelado, barrigudo e com um pinto duro como pedra apontando para mim:

-E aí crianças...Porque estão vestidos ainda????? Vocês estavam discutindo???? Eu ouvi gritos!

Eu apenas olho bem dentro dos olhos do papai e começo a me despir. O vestido de alcinhas nos ombros escorre pelo meu corpo deslizando assim que eu solto simultaneamente as duas alças em um movimento estudado para parecer uma menina bem safadinha. Nos quadris eu rebolo um pouquinho para ele passar e finalmente cair nos meus tornozelos. Eu me livro da peça usando os pés e cuidando para que não enrosque nos meus scarpins, com salto dezoito! Estou semi nua! Meias de seda com ligas rendadas pretas, calcinha que deixa quase toda a bunda de fora com um pequeno triângulo semi transparente na frente deixando minha pepeka saliente e toda depilada bem visível. O sutiã meia taça trava uma briga com meus avantajados seios que parecem exigir liberdade. O início das minhas aréolas se mostram sedutoras, sei que os homens simplesmente não resistem a isso... Meu pai calado e o chefe dele:

-Olhe Mário! Vai dizer que esse pedaço de pecado não promete acabar com nós dois hoje nesta noite de merda! Sou ou não sou o maior filho da puta que você conhece????Rsssrararar.... Vamos homem!!! O que acontece com você? Vai ficar ai parado? Nem parece meu companheiro preferido de putarias...

Está bom, eu estava quase com pena do papai, mas quem cavou aquela cova foi ele mesmo... Eu pensei em torturar um pouquinho mais meu papai e me aproximei sedutoramente, passei meus braços pelo pescoço dele e deixei-o pensar que lhe daria um beijo na boca, ele estava quase tremendo quando eu levei minha mão para baixo e peguei firme no pau dele...Sim, é claro! Estava duro e nestas horas eu percebo que as vezes os homens não podem mentir, o pintinho deles é sempre verdadeiro, não importa o que aconteça, mesmo quando a putinha que se apresenta é a própria filha. Pobre papai...

Sem aviso o velho Macedo vem por trás e lasca um tapa forte na minha bunda, odeio quando fazem isso, parece que estão marcando território, afirmando propriedade...Então agarra meus seios e força o sutiã para baixo fazendo meus peitos saltarem. Ao mesmo tempo começa a babar no meu pescoço e a morder de leve meu ombro. Eu queria me divertir mais com o papai, mas o velhote estava bem mais ativo, o papai é claro estava meio contido... Logo o doutor Macedo me puxa para o sofá, sem muita cerimônia me faz ajoelhar na sua frente e mete aquele pau duro na minha boca. Eu estou ali para fazer minha obrigação, não me cabe refugar nada então entro na dança de cabeça. Literalmente, porque ele começa a foder minha boca puxando minha cabeça e empurrando num entra e sai louco. Aquele pau meio desagradável vai fundo, toca na minha garganta e sai para repetir de novo a mesma operação incontáveis vezes. Eu estou babando muito e o pau solta aquele licor cristalino em quantidade. O gosto não é desagradável, mas já provei melhores. Consigo perceber o meu pai bem próximo, ergo os olhos e nossos olhares se cruzam, ele está desolado vendo sua filha chupar o pau do chefe safado, mas está agora pelado e tem o pau muito duro... Vai falar o que então? Pela primeira vez vejo o pau do papai. Eu gostei, sei lá, me pareceu gostoso e me peguei querendo chupá-lo também, sentir seu gosto e desejei mesmo que ele enchesse minha boca de porra, tenho certeza que vou apreciar o gosto. Mas as coisas não são assim, o velhote goza na minha boquinha, segura forte minha cabeça e despeja sua carga na minha boca. Eu faço o que sei fazer, aprendi que o melhor é engolir rápido sem pestanejar, às vezes é muito bom, às vezes não tanto...Os homens tem diversos sabores, uns são agradáveis, quase doces, outros azedos e ácidos...O velhote não era dos piores, quase gostei...Então as coisas ficaram delicadas, o chefe do papai todo engraçadinho:

-Vai Mário, quero ver você fodendo essa boquinha....Não é uma coisinha linda essa menina? Viu como ela chupa um pau gostoso...Vai Mário! Você está meio estranho hoje, está indisposto? Aquele camarão do almoço te pegou?

Papai desconversou:

-Não é nada não! Sim essa putinha é tudo de bom...Vem cá cadelinha, pega no pau do papai...vai!

O safado resolveu me trolar agora...Eu então peguei aquilo com vontade, eu queria muito mesmo e o levei à minha boca já bem judiada pelo pau do velho. Em outras épocas quando eu era mais nova sonhei com isso...Ficava na siririca imaginando o pau do papai, cheguei a sonhar que papai entrava em meu quarto e metia o pau enorme na minha boquinha, geralmente eu acordava toda suada, assustada e com a calcinha molhada...

O pau do papai, grande, grosso e cheio de veias pulsantes preencheu minha boca mas ele não forçou nada. Papai não queria fazer sua filhinha sofrer, papai não sabia de nada, inocente! Eu queria aquilo na minha garganta e com um prazer meio sado ouvi o velhote resmungar:

-Vai Mário! Mete isso com vontade, a putinha aguenta bem, pode judiar CACETE!!!!!

E o papai meteu, meteu fundo, forte e sem mais nenhum pudor. Eu aguentei como pude, mas aquilo estava bom, eu agarrei as bolas que pulavam descontroladas e comecei a massageá-las devagar enquanto usava minha língua com muita dificuldade para circular a glande inchada que quase me afogava. Papai gemeu, soltou o primeiro gemido longo e gutural que teve o poder de me fazer tremer toda. Lá estava eu chupando o pauzão do papai, uma puta, uma vadia servindo os dois homens no hotel como uma qualquer atrás do seu dinheiro sujo... Meu pai fez questão de gozar na minha boca, eu acertei, tinha o melhor gosto que eu já tinha provado na vida e eu sabia que isso aconteceria de tanto que eu queria, queria muito mesmo, mas ele completou terminando no meu rosto todo, cabelos e seios. Papai gozou uma grande quantidade de porra e o velhote que não sabia ficar calado:

-Muito bem Mário! É assim mesmo que elas gostam, olha o rostinho dela cheio de porra, não é uma bela visão?

Papai parecia não ouvir mais nada, meteu de novo o pau na minha boca e disse:

-Agora limpe cadela!

Eu olhei para ele e não reconheci o olhar de pai. Percebi, agora ele estava com uma puta e eu com meu cliente...Fiquei feliz com esse pensamento, parecia ser mais fácil assim...

Limpei direitinho o pau do papai e nem tive tempo de me limpar melhor. O velho já com o pau duro novamente, viagra opera milagres, sentou-se no sofá, me puxou para seu colo, eu montei nele com as pernas abertas. Segurei aquele cacete grosso, levei bem apontado para a minha entradinha e deixei meu corpo desabar em cima, minha boceta bem molhada e lubrificada pelos meus próprios fluídos se abriu e aceitou a invasão sem outra opção. Aquilo entrou rasgando, abrindo seu próprio caminho e só parou quando tocou meu útero. Eu gritei, mais por costume, isso excita os caras:

-AAAIIIIHHHH....AHHHHH!!!!

E o velho todo orgulhoso:

-Pensou que hoje pegaria moleza não é putinha?

Eu faço minha parte:

-Que pau grande! AIHHHIIII...Assim você me arromba toda!

Não me custa nada atender bem um cliente, quem está pagando merece o melhor de mim...Mas eu queria, ansiava na verdade por sentir o pau do papai dentro de mim, isso eu sabia que seria meu prêmio naquela noite de pecado. Eu não tinha mais nada à perder mesmo...

Então o velhote começou a me erguer pela cintura e me deixar cair em cima do pau ainda mais duro agora. Eu ajudava no movimento usando minhas mãos apoiadas nos ombros dele. Um orgasmo foi se formando nas minhas entranhas. Eu sabia que vinha e seria forte mas usei todas minhas forças para me controlar, putas só gozam quando o cliente manda! Então o doutor Macedo dispara:

-Vai Mário! Pega ela por trás agora!!!

E dizendo isso me abraçou forte me imobilizando. Percebi na hora, ele queria que o papai me enrabasse, queria me colocar numa DP e eu me arrepiei toda. Queria muito gritar:

-Isso pai!!!! Mete no meu cu! Arrebenta meu rabo com o teu pauzão!!!

Mas tudo que fiz foi sabiamente procurar me acomodar da melhor forma possível e me abrir toda empinando bem a bunda. Eu não podia ver o papai, mas pude imaginar seus conflitos e adorei a situação. Aos poucos senti as mãos do papai na minha bunda, um tapinha, depois outro e finalmente um muito forte que estalou fazendo eco na sala! Papai estava me disciplinando... Depois veio o dedinho, doeu mas eu sabia que era só o começo. Gostaria de dizer que o papai foi cuidadoso, mas ele não foi! Estava com raiva e acho que com razão, era demais para um pai, fui capaz de perceber isso...

Papai foi metendo os dedos no meu rabinho, primeiro um depois dois. Estava usando um lubrificante frio, quase gelado, os caras estavam preparados para foder putinhas, estavam ali só para isso mesmo... Quando ele meteu dois ou três dedos, não sei ao certo e começou a torce-los de um lado para outro eu sofri um pouco, mas foi pior quando ele achou que eu já estava pronta e começou a cutucar meu buraquinho, agora não tão buraquinho, com a ponta da sua ferramenta. Ele foi rude. Eu percebi aquilo entrando de maneira dolorosa, é sempre assim, e comecei a gemer. De início baixinho mas depois um pouco forte, aquilo é uma dor angustiante, eu sei que passa logo, sei que a sensação de estar sendo rasgada é psicológica mais até hoje ainda sinto no sexo anal algum sofrimento e não tem jeito. Quando a cabeça inchada como uma ameixa madura entra eu grito de verdade! Os homens gostam dessa parte, o velhote riu e eu escutei o papai também soltar um grunhido de satisfação...Depois meu pai deixou aquele pauzão deslizar para dentro de mim até o fundo. Deslizar é apenas uma maneira de falar, porque aquilo entrou arranhando e me alargando enquanto eu sentia um calor forte se espalhando pelas minhas entranhas. As bolas do papai prensadas na minha boceta me tranquilizaram, a coisa ficaria por aí mesmo...Ainda bem! Foi quando o velhote achou certo recomeçar a bombar na minha boceta. Eu posso ganhar mil e quinhentos reais em duas horas num luxuoso quarto de hotel, mas não se enganem, o trabalho não é fácil não. Ali não existe amor meus amigos. É pau puro! E assim foi... O velhote e o papai me foderam direitinho, no pior sentido da palavra e dos dois meu pai foi o mais implacável. Não estou reclamando, mesmo porque depois de alguma dor e muito prazer eu estava novamente flutuando. Dois mastros grandes dentro de mim, enterrados até os talos, sensações mágicas me fazendo gemer e gritar e correntes elétricas percorrendo meu corpo em todas as direções me deixaram do jeito que eu gosto, doidinha de tesão! Entro num estado de êxtase e deixo rolar, nada mais importa, nada pode me perturbar quando estou assim ! Então nesse momento mágico o desgraçado do velhote meteu seus dentes no meu mamilo esquerdo me trazendo de volta à terra:

-AHHHIIIIHHHH!!!!!!! Seu filho da puta!!!!!!!

Então, só então o papai foi um pai:

-Calma Macedo! Não machuque ela. Assim a segurança do hotel vai bater na nossa porta, ela está gritando muito!!!

O velhote resmunga:

-Então tape a boca da cadela, Mário!

Papai não teve coragem de fazer isso, então segura forte nos meus peitos impedindo o velho de mordê-los e em pouco tempo os dois gozam urrando feito animais. Eu entendo que posso gozar também e deixo meu orgasmo aflorar livre e sem escrúpulos. Descarrego tudo que está represado no centro da minha alma, se é que tenho uma, e me deixo soltar toda mole. Sinto ainda o papai tirar seu pau de dentro do meu ânus enquanto ao mesmo tempo o velho já está forçando o cacete dele meio mole e babado na minha boca, eu faço o que me cabe fazer...

Depois sou dispensada e vou para um banho reparador e merecido. Aproveito a banheira, acho justo pelo que eu passei...Quando me julgo limpa o suficiente, não que eu me sinta realmente limpa, eu me visto e fico parada exatamente como uma puta ao fim do serviço, esperando o meu pagamento. Os dois já estão vestidos, cansados e bebem como que para esquecer seus pecados, suas esposas, filhos e filhas...Quem sabe o que aflige esses safados? Papai evita me encarar... O doutor Macedo me empurra umas notas de cem novinhas. Eu conto e são exatos mil reais...Então escuto o papai:

-Vá lá Macedo! Não seja pão duro, a menina foi muito especial...Não foi?

Estranhamente isso me enche de orgulho, não faz sentido mas é assim...

O velhote concorda com um sorriso quase que simpático e me entrega mais cinco notas de cem. Eu sorrio, beijo os dois no rosto e me vou, hoje dou por encerrada a noite, afinal não é todo dia que uma garota transa com seu próprio pai... Quando o beijei na saída discretamente sussurrei no seu ouvido:

-Vou querer repetir a dose seu gostoso...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
02/04/2018 14:31:50
Excelente conto, muito bem escrito, fabuloso, nota 10...
30/03/2018 10:50:09
Bem narrado e com um encontro surpreendente! Não apenas as passagens sexuais, mas os sentimentos e reflexões dos envolvidos. Sensacional
30/03/2018 06:31:31
Tem continuaçao das suas noites rsrs e tem fts suas ?!°
29/03/2018 23:27:52
Exelente conto.escreva pra mim quando for em Floripa quero te conhecer pois morei lá. jc45sms@hotmail.com
29/03/2018 21:35:46
excelente conto
29/03/2018 19:35:24
Excelente!!!