Amante de Casado

Um conto erótico de Dan_emin
Categoria: Homossexual
Data: 26/03/2018 15:23:11
Nota 8.50

Essa história aconteceu em um período que eu não estava querendo me envolver com ninguém, mas também não queria sair com qualquer um por motivos de segurança. Sempre fui um pouco receoso com isso.

Depois de alguma semanas sem nada e um tesão enorme, não resisti e entrei nessas famosas salas de bate papo; mas somente com a intenção de um papo sacana pra apimentar minha punheta de mais tarde.

Entrei com o Nick que sugeria bem minhas características: branco, alto, corpo liso, magro/malhadinho e a fim de um cara ativo.

Logo um cara com Nick “KSD TSÃO” começou a puxar assunto. Fiquei meio sem saber se aceitava ou não o papo, mas o cara sabia conduzir bem a conversa e quando vi já estava passando meu contato pessoal pra ele, coisa que nunca faço.

Recebi mensagem no whatsapp e ao abrir vi que era ele. O primeiro pensamento foi que valeu a pena. O cara era boa pinta e parecia bem gostoso. Tinha 44, cabelo castanho escuro, pele branquinha e corpo aparentemente bem legal.

Ele também gostou da minha foto e logo engatou num papo falando que tava doido pra comer um cuzinho, mas tinha que ser cara macho, sem dar pinta porque era casado. Eu disse que também era discreto e logo mandamos mais fotos pra nos conhecermos. Ele mandou uma foto só de cueca e perguntou se eu topava no dia seguinte à tardinha.

Perguntei se podia ser mais tarde, porque entraríamos no motel em plena luz do dia, mas ele disse que só dava à tardinha porque era o horário que ele saía pra correr e aí não levantaria suspeitas. Depois de relutar um pouco acabei cedendo e ficamos combinados.

No dia seguinte, que era um sábado, encontrei ele no ponto que combinamos. Ele usava um short de caminhada, tênis, boné e uma camiseta leve e eu percebi que era mais gostoso ainda do que nas fotos.

Ele entrou rapidamente no carro e eu já fui partindo enquanto nos cumprimentávamos, pois estávamos perto de sua casa. Essa adrenalina, confesso, me deu um pouco de tesão.

Fomos conversando e nos apresentamos enquanto ele ia dando as instruções do motel que iríamos e eu percebi que ele era um cara bem de boa, o que me deixou mais tranqüilo. Era administrador, casado, uma filha e assim como eu bem reservado.

Chegamos ao motel e eu fui ao banheiro enquanto ele ia deixando suas coisas numa mesinha. Voltei e ele estava de pé me esperando. Sem falar muito nos atracamos em um sarro, dando uns beijos de leve.

Fomos tirando nossas camisas e voltamos a nos agarrar sentindo nossos corpos, o tesão era demais. Empurrei ele de leve pra sentar na cama. Tirei seus tênis e em seguida o short e a cueca enquanto ele me observava.

A visão daquele macho branquinho, peludo e das pernas grossas fez meu cuzinho piscar de tesão.

O pau dele era mediano, mas bem bonito, reto e com uma cabeça rosada. O que chamava a atenção era o sacão, o maior que já tinha visto. Os pelos estavam aparados e o saco depilado, o que me deixou a visão mais atraente ainda.

Subi lambendo suas coxas brancas e peludas até chegar à virilha, arrancando-lhe um gemido leve. Enfiei o pau até a garganta e levei minha mão enchendo com seu saco, o que fez ele dar um gemido gostoso de tesão e fechar os olhos.

Mamei com vontade seu pau enquanto pegava naquele saco gostoso por um tempo e, então, subi lambendo seu peitoral até chegar a sua boca.

Ele foi se chegando pra trás até deitar-se na cama e eu voltei a mamá-lo enquanto ele só curtia a mamada e elogiava minha performance. Quando saí do seu pau e caí de boca nas bolas o cara foi a loucura e passou a falar sacanagens, elogiando minha boca.

- Safado, que mamada boa

- Porra, que saco gostoso – falei sugando uma bola e batendo punheta pra ele.

- Gostosa é essa boca, caralho...que delícia, mama gostoso demais.

Depois de mamá-lo vários minutos e deixá-lo bem doido, fiquei de joelhos na cama e ele veio pra cima de mim de joelhos também me agarrando e sarrando o corpo em mim.

- Quer dar pra mim?– ele perguntou falando surrado no meu ouvido.

- Quero - falei e me posicionei de 4 pra ele.

Ele pegou uma camisinha que tinha ao lado da cama e foi colocando na rola, mas até encaixar no meu cuzinho, que estava bem fechado por semanas sem sexo o pau dele já estava meio mole e não entrava. Tentamos algumas vezes e nada. Percebi que ele já estava pensando em desistir, na certa acostumado a comer só a mulher sem camisinha, e tomei uma atitude. Não podia sair daquele quarto sem ser fodido por aquele macho.

Virei de frente pra ele ajoelhado e agarrei sua rola com uma mão enquanto minha língua deslizando por seu pescoço foi parar em sua orelha.

- Quer me comer, macho gostoso?- falei provocante – Vai me foder todo, porra? Deixar meu cu arrombado? – falei e percebi que surtiu efeito na hora, pois a rola dele ficou muito dura de novo

- Vou seu puto, te arrombar todo.

- Então vem safado, mete em mim – falei dando uma apertada no sacão dele e voltando a ficar de 4.

Ele foi apontando a rola sem demora no meu cuzinho enquanto eu em contrapartida tentava me ajeitar pra facilitar entrada. A rola dele não era grande, então sem muito custo ele foi empurrando ela toda dentro até que senti seu sacão colado em mim, me dando um tesão gigantesco.

Ele logo começou um vai e vém gostoso e eu como percebi que o cara gostava de uma foda sem afetações entre machos fui provocando.

- Porra, fode safado – falei gemendo grosso sentindo ele me pegando.

- Toma pirocada, safado rabudo- ele falou me segurando forte pela cintura e bombando – toma nesse rabo de macho.

Ele bombava e eu gemia, totalmente entregue ao prazer. Virei para trás olhando ele bem nos olhos e passei a mão no seu peitoral.

- Fode com força, porra... isso – eu completei conforme ele aumentava a força – mete vai

- Safado, toma pica – ele falou bombando com tudo no meu cu até parar com o pau todo atolado dentro.

Não me fiz de rogado e abaixando o tronco levei minha mão até o seu sacão e fiquei massageando.

- Que sacão gostoso, deve tá cheio de leite – falei provocando e mexendo de leve a bunda na rola enquanto massageava as bolas.

- Tá tesão, cheio de porra pra vocÊ – ele falou e voltou a bombar pouco a pouco.

Eu deixei minha mão entre minha bunda e seu saco de modo que cada vez que ele empurrava a rola fundo eu sentia a textura gostosa do seu saco pressionado enquanto ele por sua vez urrava sentindo as bolas comprimidas

Depois de me fuder bastante nessa posição enquanto gemíamos e falávamos sacanagem, ele anunciou que ia gozar e eu aproveitando a deixa comecei a me punhetar enquanto ele bombava sem parar.

- Vou gozar lá no fundo do seu cu, safado.

- Goza, tesão....enche meu cu de leite

Mal terminei de falar e ele começou a urrar e gozou tanto que senti até a camisinha esquentar. Não precisei nem bater muito com ele engatado em mim pra gozar muito também.

Começamos a rir, com ele ainda engatado em mim, leves pela gozada. Fiquei parado e fui ajudando a tirar a rola de dentro com cuidado para não soltar a camisinha.

Ele tirou e me mostrou como um troféu ela cheia e eu ri da situação. Tomamos um banho, enquanto ele falava que tinha adorado a foda e eu dizia o mesmo, pois tinha sido realmente uma química muito boa apesar de mal conhecermos.

Deixei ele próximo de onde tinha pegado e nos despedimos com a promessa de repetirmos.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/10/2018 15:24:15
Achei bacana. Duas pessoas que queriam transar e pronto. Práticos e objetivos. E melhor ainda quando há química!
26/03/2018 21:11:53
MUITO COMPLICADO. CARA CASADO, ENRUSTIDO. QUER CARA MACHO PRA NÃO DAR PINTA MAS É GAY.