A Vida com a Minha Irmã - Parte 2

Um conto erótico de Nicky Oliver
Categoria: Heterossexual
Data: 25/03/2018 02:22:44
Nota 9.81

Após aquela noite de masturbação com a minha irmã, não evoluímos nossa “intimidade” por um bom tempo. De vez em quando acontecia alguns momentos semelhantes, porém nós dois não passávamos de leves indiretas e provocações, sem nenhum fata diferente e relevante nos próximos 2 anos.

Nesse meio tempo, minha irmã teve seus 2 primeiros namoradinhos. Sendo o primeiro apenas na escola e o segundo, um pouco mais sério, em casa mesmo. Mas nenhum dos dois foram muito duradouros. Já eu, sempre sem jeito com as mulheres, apenas tinha trocado alguns beijinhos com umas meninas do meu colégio e apesar de ser mais velho que minha irmã, ainda não tinha tido nenhum namoro consistente.

Nessa época eu estava com 16 anos e a Bruna com 15. Estávamos enfrentando ao mesmo tempo os problemas da puberdade. E claro que minha irmã começou a desenvolver um belo de um corpo. A Bruna tem longos cabelos escuros levemente ondulados, uma pele bem branquinha, e um rostinho angelical estampando o sorriso mais lindo que meus olhos já viram, sempre transparescendo um ar sensual. Com essa idade a Bruna já apresentava pernas bem torneadas, um bundinha bem empinadinha e redondinha, uma cinturinha linda bem fininha, mas eram seus seios que chamavam atenção desde então, eles já eram bem fartos e arrebitados, chamando a atenção dos meninos de nossa idade por se destacar dentre as outras meninas.

Por todo esse tempo, nossas sessões de masturbação eram motivadas por revistas de fotos e de contos eróticos, afinal ainda não tínhamos internet na época. Sempre que conseguíamos algum “material” novo, aguardávamos com alegria a noite para mostrar para o outro.

As coisas começaram a mudar quando tivemos a oportunidade de assistir nosso primeiro filme pornô. Dessa vez quem trouxe para nós foi minha irmãzinha, dizendo que uma amiga havia lhe dado de presente. Nossa! Aquele dia ficamos ansiosos demais e as horas pareciam não passar até nosso momento noturno. Mas o momento finalmente chegou. Nossos pais nos deram boa noite e se recolheram. Esperamos uns minutos por segurança, trancamos a porta do quarto, colocamos o DVD para rodar, desligamos as luzes e cada um sentou na sua cama para assistir o filme.

O filme era nacional e a primeira cena começava com uma negra muito gostosa dançando e tirando a roupa, deitando-se em uma cama quando já estava despida. Logo chegava o ator, já pelado e com sua enorme pica em ponto de bala. Eles se beijam rapidamente e ela rapidamente começa a fazer um boquete para o ator. Era a primeira vez que eu via um boquete de verdade. Meu tesão foi a mil vendo aquela mulata babar todo o cacete daquele cara, mamando com vontade e sem frescura alguma.

Meu pau já estava dando sinais de vida. Aliás, meu pau tinha na época uns 16 cm, relativamente grosso, mas com uma cabeça bem grande parecendo um cogumelo quando estava duro. Tentando esconder a minha ereção, peguei um lençol, deitei-me em minha cama e me cobri.

- Uau, essa garota chupa muito. Coloca quase todo o cacete na boca. Que inveja, deve ser muito bom mamar em um caralho tão grande e gostoso como este.- Disse a tarada da minha irmã, coneçando com seus palavrões.

- Quero ver logo essa nega gostosa dando esse bucetão. Ela tem um rabo lindo e o cuzinho nem se fala.

- Até parece que tu não ia reparar no cuzão dela né safado. Do jeito que tu adora ver um cu, tô torcendo que ela faça um anal bem gostoso pra tu ver Maninho.

- Tomara mana, vou adorar.- Falei já perdendo um pouco da vergonha.

Logo o cara começou a chupar aquela delicia de mulher. Ai foi a minha vez de aproveitar a visão daquela linda buceta, inchada de tão excitada. Meu pau endureceu de vez e chegava a doer dentro da cueca. Não aguentando mais o tesão, coloquei minha não dentro da minha cueca discretamente e acariciava meu pênis vagarosamente.

Até que finalmente na próxima cena aconteceu algo que a briu uma janela para a perversão no meu cérebro. O ator colocou a mulata de quatro, deu uns beijos e mordidas na bunda dela e iniciou uma lambida no cu dela. Apesar de eu já ter uma paixão por cu, nunca tinha me imaginado lamber um, ainda mais com tanto empenho. Ele beijava, lambia e enfiava a língua muito fundo no rabo da mulher.

Não aguentando mais, foi a minha vez de pular a barreira da vergonha.

- Bruna, não to aguentando mais… posso fazer aqui?

- Fazer o que Nick?

- Você sabe mana…

- Tu quer bater punheta comigo aqui no quarto?

- Sim… mas é… é que se eu vor para o banheiro vou ter que parar de assistir o filme… e…

- Tu não tem vergonha tarado???

- Nós estamos de luz apagada… e faço tudo em baixo do lençol Bru… tu não vai ver nada… eu juro…

Minha Irmã começou com aquela risadinha safada de canto de boca que só ela sabia fazer.

- É um pervertido mesmo! Hahaha… tá bom seu safado… aproveita… mas se tu não se importar de eu fazer o mesmo…

- Tu vai… vai… fazer também?

- Ué? Se tu pode, eu também posso! Não?

- Claro…

Minha cabeça estava a mil!!! Como se não bastasse bater punheta do lado da minha irmã, ela também iria bater uma siririca do meu lado… Ela como sempre mais ligeira, também pegou um lençol, deu uma baixadinha no short e na calcinha e logo já tava tocando sua bucetinha virgem…

Eu mais acanhado, baixei meu calção e minha cueca também mas me limitava em caricias lentas no meu pau…

Olhei para a TV, e o cara finalmente ia meter na beldade negra...

- É agora maninho, realmente vamos ver um caralho fodendo uma buceta de verdade.

O cara colocou aquela delicia de mulher na posição frango assado e meteu seu pau gigantesco de uma vez só, iniciando um vai e vem sem piedade.

Escutei um geladinho vindo da cama da Bruna. Olhei para o lado, e graças à luz da tela da TV consegui ver o lençol dela se movimentando de leve na altura da xaninha dela. Deduzi ser o movimento dos dedinhos dela no seu clitóris.

Já sem vergonha na cara me entreguei ao prazer e comecei a bater minha punheta com vontade. Agarrei meu pau com força e comecei a socar a bronha com bastante força, subindo até a cabeça do meu pau e descendo até a base… tava socando tão forte que dava para escutar o barulho da minha mão batendo no meu púbis e do meu saco balançando… que delícia me lembrar disso.

- A coisa tá ficando boa ai eim Nick! Rsrsrsrs… dá para ouvir daqui…

Agora descaradamente não tava mais nem aí para minha irmã, muito pelo contrário, fazia questão que ela percebesse meu tesão.

- A punheta tá mesmo muito boa mana, ainda mais que eu to imaginando que to fudendo essa nega.

- Isso mano, se imagina rasgando o bucetão dessa nega… eu também to me imaginando sendo arrebentada por esse gostoso com essa pica maravilhosa e cabeçuda que ele tem.

De vez em quando ambos paravamos um pouco para não gozar tão rápido, mas logo os movimentos recomeçavam.

Foi quando iniciou minha perdição. O ator tirou o pau da buceta dela, colocou ela de 4 novamente, deu mais umas lambidas nas preguinhas do brioquinho dela, e começou a meter a cabeça do pau vagarosamente no cuzinho dela.

Vendo isso, soquei meu pau como nunca, dando claramente para Bruna ouvir o barulho da minha punheta.

- Isso mano, chegou a hora que tu esperava, vai ver essa nega dando o cu… se imagina lá maninho… se imagina metendo teu pau no rabo dela Nick… fode o cu dessa nega gostosa… goza mano… bate punheta e goza pra ela…

Aumentei ainda mais a velocidade da minha masturbação ouvindo as palavras safadas da minha irmãzinha.

- Nossa mano, como tu bate punheta forte e rápido… continua assim que tu vai gozar logo.

Meus movimentos se tornaram tão bruscos que o lençol que me cobria acabou caindo da minha cama. Assustado tentei pegá-lo sem interromper minha punheta, pois estava a instantes de gozar.

- Não pega… deixa o lençol no chão Nicolas… deixa eu ver… por favor… deixa eu ver tua punheta… - Enquanto a Bruna falava isso sua siririca se intensificou muito também.

Olhava para ela e socava meu pau agora a mostra para minha própria irmã. Essa minha exibição multiplicava meu prazer, mas ao mesmo tempo me motivava a esperar um pouco mais para gozar.

- Deixa eu ver também Bru…

- Ver o que mano?

- Tua bucetinha… quero ver tu se masturbar…

Sem nem titubear a Bruna joga longe o tecido que cobria sua intimidade, abre as pernas, vira a buceta em minha direção, e se masturba de uma maneira linda, fazendo movimento circulares muito intensos em seu clitóris esquanto olhava fixamente para o meu pau.

- Olha Nick, olha minha xoxotinha, to quase gozando… tu vai ver minha xoxotinha gozar.

- To olhando Bru… to olhando tua buceta…

- Eu também to olhando teu pau mano…

Lembrando que nos masturbávamos freneticamente enquanto conversávamos.

- Tua buceta é linda maninha.

- Quer ver ela mais de pertinho?

- Quero...

Então ela se levanta da cama dela, senta nos pés da minha cama, abre as pernas, e continua sua deliciosa carícia na sua xoxotinha.

- Olha maninho, ela tá bem pertinho de ti…

Terminei de baixar a minha cueca e fiz questão de exibir meu pau para minha irmã. Estávamos ali, irmão e irmã se masturbando a uns 60 cm de distância um do outro…

- Teu pau também é gostoso mano…

- Gostou?

- Sim… sim… sim…

- Vou gozar Bru… não aguento mais…

- Goza Nick… goza… deixa eu ver… amo ver porra… amo porra…

- Gosta de porra mana?

- Adoro… meu tesão maior é porra…

- To gozando… olha… olha meu pau… minha punheta… olha minha porra maninha…

E comecei a jorrar meu leitinho… socando forte meu pau… foram uns 5 jatos de porra… para cima, respingando em mim e um pouco nas pernas da minha irmã.

- Delícia mano… tu jorrou porra em mim… gozou na tua irmã, safado... Vou gozar também…

- Goza mana safada… goza olhando minha porra na tua perna… não disse que gostava de porra? Gozei em ti mesmo…

Quando a maior surpresa da noite acontece, a Bruna passa os dedos na minha porra e coloca direto na boca.

- Delicia de porra mano… vou gozar… que delicia… ahhhh… ahhhhh… to gozando com tua porra na minha boca mano.

- Goza safada… mexe nessa buceta…

- Ahhhhhhhh… aaaahhhhhhhh… gozeeeiiii… gozeii maninho..

Logo que acabamos, ficamos ali, arfando ofegantes, nos olhando, com um ar de cumplicidade e constrangimento.

- Mana… eu…

- Estranho né Nick? Gostoso mas estranho…

- Sim… eu gostei…

- Eu também… mas… mas somos irmão…

Abracei ela do jeito que estavamos. Dei lhe um beijo na buchecha.

- Vamos dormir mana…

- Tá…

Ela foi para sua cama, eu desliguei o DVD e a TV e me deitei também.

- Boa noite.

- Boa noite.

CONTINUA...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
25/03/2019 11:21:37
Muito bom
09/03/2019 15:48:19
Continua Sendo deliciosa
18/02/2019 19:12:50
Sensacional 😈😈😈😈😈
18/02/2019 03:05:02
Incrível
18/02/2019 03:04:43
Incrícel!!!
08/07/2018 17:25:00
Quase gozei sem me tocar lendo este conto
25/06/2018 02:24:54
Que tesãooooo
31/03/2018 15:35:01
Nossa q tesão
29/03/2018 19:51:01
Maravilhoso!!!
26/03/2018 12:42:45
Casada carente me passa seu email pra nos trocamos msg rsrs?!
26/03/2018 12:29:36
Pelo amor de Deus, gostoso...
26/03/2018 08:55:02
Ta ficando bom isso ai que maravilha
25/03/2018 15:48:37
Tomara qur tenha a continuçao
25/03/2018 10:57:33
peba que estou sem tempo de continuar com meus contos. mas em breve estarei de volta. nota mil para voçe e sua irmã.
25/03/2018 10:56:17
adoro contos com enredo . e o seu foi maravilhoso
25/03/2018 08:53:09
Sensacional!
25/03/2018 04:41:10
Precisamos da continuação...
25/03/2018 04:36:22
Nossa, I N C R I V E L ... Não vejo a hora de você dar leite pra ela direto da fonte, fico no aguardo do próximo, espero que não demore.