Enchi o cuzinho da minha Preta de porra.

Vou começar nos descrevendo, sou alto 1,90, 95 kg, ombros largos, branco, mãos grandes, corpo normal, coxas grossas, uma piroca particularmente bonita, 17 cm, cabeça roxa, grossa. Ela é uma negra com um tom avermelhado, baixinha 1,55, boca carnuda, olhos grandes e expressivos, seios pequenos que acho perfeitos, cintura fina, quadril largos, coxas grossas bem torneadas, uma raba grande e empinada que me deixa louco, a xota é linda com um grelo avantajado.

Um dia fomos á um motel novo, eu tinha levado alguns brinquedos, uma algema, venda e um plug anal com cauda que ela ainda não havia usado. Chegamos e tomamos banho, deitamos na cama, Alícia me puxou pra cima dela, nos beijavamos gostoso, minhas mãos percorrendo seu corpo, apertando sua cintura, seios, coxas... o beijo lento, mordida no lábio, a respiração ficando ofegante, ela começando a gemer baixinho. Ela se contorceu e gemeu mais longo quando mordi sua orelha. Minha piroca endurecendo encostando na bucetinha dela, eu sentindo ela molhada, aquele grelo grande gostoso, e ela rebolava louca pra que eu metesse logo. Eu sabendo disso brincava, rebolava junto com ela, tanto pra não entrar quanto pra ela sentir minha rola esfregando o grelo ou quase entrando, ela adora mais fica cada vez mais nervosa e ansiosa, gemendo cada vez mais longo.

Alícia angustiada em não sentir minha rola dentro dela fala:

-Mete! mete na sua putinha.

Ela fala com jeitinho toda mole do jeito que ela sabe que gosto, mas eu ri, balançando a cabeça negando o pedido dela, e começo a beijar seu pescoço, descendo pelo ombro, braço, sempre apertando sua cintura e fazendo ela sentir meu pau. Quando dei a primeira lambida lenta no peito ela gemeu, se contorceu, e gostou ainda mais quando chupei o bico com força e depois mordi, passei algum tempo entre os seios, lambendo, mordendo e chupando, ela segurava minha cabeça, apertava meu corpo contra o dela, e rebolava mais tentando encaixar a piroca dentro dela.

-Mete na sua puta.

Disse ela agora um pouco mais firme, mas ainda mole.

Voltei a descer beijando seu corpo, barriguinha, quando cheguei perto da xota ela já se arqueava e gemia segurando minha cabeça, ansiosa pra que chupasse logo, mas eu passei perto, deixei a barba encostar na buceta já melada e fui pra coxa, mordi e ela gemeu, lambi da parte interior da coxa até a buceta e quanto mais perto eu chegava mais longo era o gemido e mais ela se contorcia, lambi até o labio externo e passei para a outra coxa, repeti e de novo ela se contorceu e soltou um gemido longo. Abri bem suas pernas, olhei com prazer ela nos olhos, sorri com cara de safado, apreciei e olhei aquela xota linda, grelo grande, labios externos e internos pequenos, toda molhada, eu sabia que ela ansiava ser lambida e chupada com força naquele grelo, mas não o fiz, não de primeira, mordi um lado da sua bundona, passei a lingua no cuzinho, e senti ela piscar o cu na minha lingua, lambi mais forte e segui lambendo devagar e forte até o grelo, repeti, e ela sempre se contorcia, repeti mais uma vez mas agora chupei o grelo e o gemido foi recompensador, chupei ela com gosto. Olhava pra ela as vezes e observava ela com a boca aberta, gemendo e segurando minha cabeça. Meti um dedo enquanto chupava forte e rapido o grelo, outro dedo, dedava a xota e chupava, até ela gozar gemendo alto, rebolando e fechando as pernas tentando sair, mas eu segurei ela pelas pernas e continuei lambendo cada gota daquele mel, pretinha de gosto doce.

Depois daquela gozada intensa, ela ficou um tempo deitada, fumamos um cigarro, e ela veio me mamar, aquela boquinha carnuda, delineada quente, segurou a piroca com delicadeza, que já babava, ela adora quando minha piroca esta babando, lambeu a cabeça, sentindo o gosto de rola, depois foi pro saco, lambia e colocava um bola na boca, boquinha quente, molhada, depois lambeu do saco até a cabeça da rola,e abocanhou tudo, eu sentia a garganta dela e a saliva escorrendo, tirou da boca e observou como a pica ficou babada, e aquele fio de saliva da pica até a boquinha dela, acho que gosta do resultado e voltou a mamar, colocando tudo na boca, e depois chupando, babava e tocava uma punheta com a mãozinha macia dela com o pau na boca, eu gemia, e as vezes tirava a rola da boca dela e batia em seu rosto e ela como boa putinha abria a boca e colocava a lingua pra fora pra que eu batesse.

-Chupa minha puta, coloca tudo na boca!

Ela obedecia, eu gemia, fechava os olhos, e apertava o bico do peito dela, ou dava tapas no seu rosto. Até que ela subiu engatinhando,sorrindo, cheia de saliva em volta da boca

-Você adora se lambuzar na piroca não é cachorra?

-Uhum, gosto. Disse ela fazendo biquinho

Nos beijamos, segurei em sua cintura ela ela rebolou pra encaixar a rola, sentou devagar até sentir meu pau todo dentro dela encostando no fundo, fazendo uma carrinha de quem se satisfez, sorrindo com os olhos fechados, e começou a sentar, colocou um seio na minha boca e eu apertava a bunda dela de um jeito que a abria e empinava ela. Ela fodia gostos em cima de mim, e a cada tapa ou quando apertava forte a bunda dela ela gemia mais forte e contraia a buceta. Quando não estavamos nos beijando eu chupava um peito. Mandei ela lamber 2 dedos meus, e ela fez com gosto porque sabia o que eu faria, mandei babar neles, depois peguei firme na sua bunda com a outra mão e a abri, coloquei os dedos babados por minha puta, no seu cu, e massageava, forçando e fazendo movimentos circulares, só de tocar no cuzinho ela geme mais alto, contrai com força a xota e fica mais quente. E assim ela gozou deixando meu pau melado.

Mandei ela ficar de 4, algemei ela, bati na bunda, lambi o cuzinho, apertava e batia naquela raba gostosa.

Meti na buceta pegando pela cintura com firmeza, ela apertava os lençóis da cama quando vinha a gozada, eu mordia suas costas, batia na bunda, e dedava o cu dela. Abri bem a bunda dela dizendo:

-Pisca o cu!

Cuspi no cuzinho dela, do jeito que ela gosta, e voltei a dedar e meter na buceta, perguntando:

-Vai dar o cuzinho hoje ?

-Vou... respondeu ela ofegante entre um gemido e outro

-Quer que eu encha esse cu de leite?

-Quero... ahh.... enche tua vadia de porra! Alícia respondia entre gemidos fortes, anunciando mais um orgasmo.

Ela gozou e amoleceu, deitou pra frente se jogando, mandei ela ficar de 4 de novo, peguei o plug, e coloquei devagar no cuzinho dela, tirei e coloquei mais um vez, mas reparei que ela estava ,mole de mais naquele momento, mandei ela ficar com o plug, libertei ela, fumamos um cigarro, a fiz andar com o plug de cauda pelo quarto, reparava na xota que continuava melada.

Após algum tempo recomeçamos, com ela de 4 na beira da cama e eu de pé, tirei seu plug, a fiz sentir o buraco que o cuzinho estava, ela adora isso, lambi e chupei o cuzinho dela enquanto fazia questão dela se tocar. Deixei bem molhado e coloquei a cabeça da rola na portinha, segurei na cintura dela, e comecei a meter devagar, centimetro a centimetro, ela apertando meu pau, a cada vez que ela piscava mais engolia minha rola pra dentro daquele rabo gostoso.

-Ta gostos sentir minha rola abrir teu cuzinho?

- hmmm ta sim

-Vai gozar pelo cu?

-Vou... ahh... mete filho da puta, me fode vai.

Quase gozei com essa ordem, mas não atendi o pedido de primeira, meti tudo e tirei devagar, cuspi, quando ela sentiu chegou a gemer, meti de novo agora um pouco mais facil, meti tudo, e dei um tapa, ela gemeu e jogou o cabelo pra tras, comecei o vai vem, ritmado, quase tirando tudo e depois metia até ela sentir meu corpo colado no dela.

-Quero que vc toque uma enquanto meto.

Alícia prontamente levou seus dedos até o grelo e esfregava eles, com a outra mão apertava os lençóis, o primeiro orgasmo veio, e o meu que eu ja me controlava fazia tempo, estava dificil controlar. Ela deitou de barriga pra cima, abri suas pernas chupei o grelo dela, lambi ela todinha, depois voltei a meter no cuzinho dela. Gemiamos, suávamos, Ela metia 2 dedos na xota e eu metia ritmado me controlando, chupava um seio e apertava o pescoço dela, e ela pediu:

-Mete forte vai!

-Estou quase gozando... falei gemendo

-Então enche a sua putinha de leite... disse ela esfregando o grelo com mais força.

Passei a meter forte, e ela gozou e me puxou pra beija-lá, continuei metendo com força eu estava quase gozando quando ela disse que gozaria de novo, nem 1 minuto depois da ultima gozada, agora sem tocar a xota, um orgasmo anal, e que sensação maravilhosa sentir aquele cuzinho piscar e sugar minha roal com força, isso só me incentivou a meter com toda força que pude e dizendo:

-Vou gozar.. .ahh vou encher seu cu de porra

Alícia gemia alto, forte, me apertava os braços, gozamos juntos, e caímos exaustos. Nos beijamos, mas tínhamos hora pra ir, tomamos banhos juntos, mas saí primeiro, enquanto me secava ela gemeu no box, quando a olhei ela estava agachada gozando de novo e rindo.

-Você gozou sozinha sua egoista?

-Aham... disse ela sorrindo e ofegante

-Gozou sem se tocar?

-ah..aham... ela parecia estar gozando novamente enquanto se apoiava com as duas mãos nas paredes.

Eu ria, e ela pedia pra não tocar nela, eu a levei pra cama, e voltei a chupar ela, e ela gozou mais uma vez, agora ejaculando um pouco, que delícia de mulher.

Fomos embora, mais tarde ela me fala pelo wpp, que ja tinha chego em casa há algum tempo, e estava na sala com alguns parentes, a avó e tias, quando uma delas comenta, o que era aquilo no short dela, Alícia ficou super sem jeito e foi se lavar, reclamou comigo que gozei de muito dentro do cuzinho dela, e que estava vazando leite ainda, eu ri e pedi desculpas pela vergonha, mas perguntei se ela gostou de sentir meu leite escorrer do rabo, e ela adorou apesar de se sentir envergonhada.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
22/03/2018 23:48:44
delicia