Como virei Alana Parte 2

Um conto erótico de AlanaCD09
Categoria: Homossexual
Data: 20/03/2018 21:02:17
Nota 10.00
Assuntos: crossdresser

Pessoal! Obrigada pelos comentários, aqui escrevo a parte 2 e gostaria muito da opinião de vocês, esse é o primeiro conto que estou escrevendo e o feedback de vocês é essencial, vamos lá...

Depois de alguns minutos Gabi saiu do banheiro, ela se arrumou super produzida, paramos para comer e quando terminamos coloquei o sobretudo para sairmos.

-Aninha! Pegue um desse.

Gabi estendeu a mão e me deu um comprimido redondo e pequeno.

- O que é isso Gabi?

- Não faça perguntas sua bobinha, tome, confie em mim, você irá gostar das sensações, mas demora, você terá que tomar todos os dias.

-Gabi, o que é isso?

- Para de fazer perguntas, já falei confie em mim, pensa só você já está vestida como mulher, esse comprimido não é nada comparado com sua caracterização agora.

Eu olhei para Gabi, que colocou outro comprimido na boca e engoliu. Eu pensei um pouco, achei que Gabi queria apenas se divertir e como éramos irmãos ela não poderia querer meu mau até porquê ela também tomou um comprimido, então eu também coloquei o comprimido na boca e engoli com um copo d’agua e ela sorriu pra mim, pegou na minha mão, abriu a porta do quarto e quando coloquei o pé para fora senti uma mistura de medo com adrenalina, eu não pensava em nada, apenas sentia, Gabi me puxava e eu tomava cuidado para não cair não tinha me acostumado ainda com aquele pequeno salto, pegamos o elevador e saímos do hotel, a recepcionista nos viu e ficou olhando com uma cara de dúvida aliás Gabi não tinha entrado ali com outra mulher rsrsrs.

Na calçada cada passo que eu dava eu sentia aquela roupa raspando em todo o meu corpo, eu achava que todas as pessoas iam reconhecer que eu não era mulher, eu tinha a sensação que todos iam olhar pra mim, estávamos andando ali normalmente e conforme o tempo foi passando eu me sentia mais segura e logo já estava andando com mais confiança e sem tropeços por causa dos sapatos novos, comecei a pisar mais firme no chão e com isso comecei a rebolar mais.

- Ana, que bom que você veio comigo, eu queria a companhia de uma amiga e ninguém

melhor que você pra estar aqui nesse momento.

Eu sorri, via uma felicidade no rosto da minha irmã que eu ainda não entendia muito bem.

- Fico feliz Gabi, obrigada por me trazer com você, farei tudo que for preciso para te agradar nessa viagem.

- Que bom Aninha! Então. Vamos comprar algumas roupas pra você já que você não trouxe nada.

Eu fiquei um pouco aliviado, íamos comprar roupas e tudo iria voltar ao normal, eu ia me sentir um pouco mais à-vontade mas ao mesmo tempo senti um vazio dentro de mim, aquilo tudo ia durar apenas uma tarde?

Gabi parou na frente de uma loja de lingeries, e disse.

-Você vai me ajudar a escolher.

-Gabi, como irei escolher lingeries pra minha irmã?

-Não, você não entendeu, você irá me ajudar a escolher o que você quer pra você, eu não tenho tantas roupas assim pra te emprestar, e até o final da viagem ainda vamos sair muito juntas.

Eu não sei o que senti naquela hora, que confusão, mas eu tinha que dizer algo...

-Isso não, como que eu vou ficar aqui desse jeito, todos os dias?

Eu disse isso no impulso, eu estava tentando esconder minha excitação.

- Não vamos discutir, agora pouco você disse que faria tudo que fosse preciso para me agradar, fique calma, um mês passa voando e vamos nos divertir tanto que você nem vai ver o tempo passar e eu quero curtir a viagem com uma amiga e essa amiga será você.

Gabi me pegou pela mão e foi me arrastando pra dentro da loja, eu nem reagi e entrei. Lá tinha várias lingeries, camisolas, eu não sabia pra onde olhar, mas por onde meus olhos passavam eu via uma lingerie mais linda que a outra.

Gabi que escolheu a maior parte das roupas, levamos alguns pijamas com shorts curto, baby doll vários conjuntos todos eles tinham calcinha fio dental, as cores eram bem variadas, amarelo, roxo, azul, tinha branca, preta e Vermelha também e todos eram muito sensuais, estávamos levando também algumas calcinhas de lycra para o dia-a-dia e 2 camisolas, uma curta vermelha com calcinha fio dental e outra preta longa também com calcinha, os tecidos eram finos e lisos, na loja só pude experimentar os sutiãs e as camisolas, os quais serviram muito bem, e quando eu fiquei no provador apenas de calcinha e experimentei as camisolas, eu me arrepiei toda, me olhava no espelho com aquela maquiagem, cabelo e com aquela roupa eu era uma mulher, passei a mão em todo o meu corpo, fazia pose, me empinava, me admirava, agora eu sabia o porquê as mulheres demoravam tanto para provarem roupas, meu pau queria ficar duro mas estava muito bem preso e eu só sentia o prazer dele pulsando dentro daquela calcinha, levei a mão até ele por cima da calcinha e senti ela úmida, eu estava molhada, eu estava sentindo um enorme prazer, me recompus e quando sai do provador vi que Gabi já tinha comprado algumas coisas ela já estava com uma sacola nas mãos daquela mesma loja, achei estranho mas não disse nada, deveria ser coisas pra ela, fomos para o caixa, pagamos e saímos, parece que ninguém lá percebeu que eu não era mulher, com isso me senti confiante e fomos para outras lojas de roupas e eu sempre pensando nas sensações que tive ao colocar aquelas camisolas, aquilo não saia da minha cabeça. Em outras lojas compramos vestidos, calças, blusas, camisetas, todo o tipo de roupa e tudo bem feminino, compramos maquiagem, cremes e perfumes, na volta passamos em um restaurante onde comemos, Gabi não deixou com que eu comesse muito e só permitiu que eu comesse comidas leves, disse que mulher comia pouco, mulher se preocupava com o peso, eu concordei, demos risada e voltamos ao hotel, já era tarde para a hora que saímos, eu estava cansada e com o pé doendo mas por dentro sentia uma satisfação que nunca antes tinha sentido, tirei toda aquela roupa e maquiagem e entrei no chuveiro, passei um creme depilatório que Gabi tinha comprado pra mim, fiquei lisinha e no meio do banho comecei a pensar em todos os momentos daquele dia e quando pensei naquelas camisolas comecei a sentir aquele mesmo prazer, meu pau estava duro, eu fechei os olhos e me imaginava apenas de camisola, comecei a rebolar e a me masturbar com aqueles pensamentos, quando gozei foi algo único, eu me senti feminina, fiquei mais confusa com aquilo e terminei meu banho, sai do banheiro de roupão e Gabi já falou:

- Aninha, passe aqueles cremes para ficar macia, passe-os todos os dias, ali tem creme para mãos, pés e corpo, use todos, depois coloque um baby doll para dormir, amanhã será um bom dia.

Gabi sorriu e foi tomar banho enquanto eu me arrumava como ela pediu, passei os cremes, vesti uma calcinha e ajeitei meu pau pra trás, depois coloquei o baby doll, escovei meu cabelo, pena que eu estava sem maquiagem, mesmo sem aquelas linhas no rosto eu ainda me sentia muito feminina com aquela roupa, eu me desejava. Gabi saiu do banheiro séria e me perguntou:

-Aninha, você se masturbou?

Eu fiquei sem graça.

- Si sim Gabi, como você sabe? O porquê está séria?

-Eu vi um pouco de porra no chão.

Eu fiquei vermelha, como Gabi tinha prestado atenção naquilo?

- Eu não aguentei, eu acho que gostei de me vestir com suas roupas, de sentir todas essas sensações novas, é tudo novo pra mim e não consegui me segurar mas não pense que sou gay, eu estou confuso com essas sensações mas gosto de mulher.

Minha irmã olhou pra mim e ficou alguns segundos quieta sem dizer nada, parecia uma eternidade aqueles segundos e de repente.

-Aninha, você tá um arraso nesse baby doll, você estava linda hoje, você rebolou muito sabia?

Eu fiquei vermelha na hora e Gabi continuou a falar

- Você é uma mulher e será para o resto do mês mas mulher não bate punheta. Vi que você adorou se vestir assim e poderá aproveitar ao máximo isso nos próximos dias até voltarmos pra casa e tudo voltar a ser o que era, então vou te ajudar a aproveitar mas você não poderá mais se masturbar assim.

- Como farei então, não posso lutar contra isso.

- Calma, com o tempo irei te ensinar algumas coisas, agora toma.

Gabi me deu mais um comprimido daquele e eu tomei sem dizer nada, não tinha sentido nada de diferente durante o dia então não vi problema, dessa vez ela não tomou, depois assistimos um pouco de TV, conversamos e a maior parte da conversa foi de assuntos femininos, depois desligamos a TV e decidimos que era hora de descansar, nós duas de baby doll duas meninas indo dormir, demos boa noite uma para a outra. mas ainda fiquei um bom tempo acordada,como foi difícil pegar no sono com aquela roupa, com aquelas sensações e tudo aquilo que tinha ocorrido durante o dia, minha cabeça não parava de pensar e senti um vazio ao refletir que aquilo acabaria assim que voltássemos para casa, não sei o porquê mas pensei também naquela sacola que Gabi tinha comprado na loja de Lingerie, o que era aquilo? Comecei a ficar curiosa rsrs, pensei em como seria os próximos dias, demorei muito mas enfim consegui dormir.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/03/2018 19:53:43
Oi gata, estou adorando tudo, eu só queria comentar algo. Sem querer ser estraga prazeres, até por que me faz sentir muito bem lendo essa estória, e também porque estou apenas fazendo conjuctaras do que vai acontecer. Imagino que o remedinho é hormônio feminino ou anti-andrógino, caso seja para que uma pessoa se torne mais feminina seria necessário a utilização das duas substâncias concomitantes e também pela duração da viagem (de apenas um mês) é curta pra que o Matheus se torne Alana de forma, digamos mais definitiva... Apesar disso, QUE NÃO TEM A MENOR IMPORTÂNCIA, estou adorando... Beijus querida, continue com sua história e desculpe a intromissão....
22/03/2018 20:14:50
Sua irmã está te moldando, e pelo que estou percebendo você está se adaptando muito bem, cada dia mais feminina, estou te acompanhado igual novela, continue .. ansiosa
22/03/2018 02:21:31
Maravilhoso!! Não demore por favor
21/03/2018 08:23:27
Excelente, continua.

Listas em que este conto está presente

Feminização-Sissy
Melhores contos de feminização