PUTINHA POR UMA NOITE

Um conto erótico de RALIMA
Categoria: Heterossexual
Data: 18/03/2018 01:38:41
Nota 9.57
Assuntos: Heterossexual

Sempre tive uma enorme curiosidade sobre a vida das mulheres da noite. Eu acabara de terminar um namoro e resolvera curar a dor de cotovelo numa cidade do litoral. Era uma pequena cidade mas bem agitada por conta da beleza logo na primeira noite resolvi dar uma volta pela praia alguns quiosques costumavam fechar mais tarde por conta dos turistas e sempre por perto era fácil encontrar algumas meninas em busca de um cliente que lhes garantisse o almoço do dia seguinte.

Os modos nada discretos e a pouca roupa denunciavam o comercio de corpos bem jovens, a maioria dos clientes apareciam em carros e logo saiam, a maioria dos homens preferiam as boates por acharem mais seguras.

Pela manhã, na volta da praia passei na frente de uma delas, uma mulher varria a calçada enquanto outra trazia o lixo para fora não resisti e parei para perguntar se algum responsável estava na casa. Elas se entreolharam muito desconfiadas...insisti, a que trazia o lixo mandou que eu aguardasse, entrou e alguns minutos voltou me pedindo para acompanha-la. subi os degraus de mármore amarelado e entrei pela porta de madeira envernizada, era um grande salão com um palco ao fundo nas laterais mesas a maior parte da decoração era em tom avermelhado.

De uma escada surgiu uma jovem senhora, devia ter seus 40 anos, vestia um jeans surrado e uma blusa de decote generoso.

_ bom dia, minha funcionária me disse que queria conversar comigo? Do que se trata?

Me apresentei. Fui direto ao ponto queria uma experiência diferente, uma noite animada ,,,

De inicio a moça que chamava Monique riu. Mas percebendo minha insistência passou a dar uma maior atenção a minha história. Quase uma hora depois já havíamos combinado sobre minha passagem pela casa. estaria lá por volta das 6 para conhecer o restante das meninas.

Meu dia demorara a passar de tanta ansiedade, escolhi uma lingerie provocante, uma roupa sexy e claro preservativos , deixei o hotel com uma pequena bolsa.

As seis horas em ponto cheguei na boate, algumas meninas ensaiavam coreografias sensuais outras apenas de lingerie se reparavam para receber os clientes, Monique não demorou a chegar, apresentou-me as meninas e pediu que uma delas me acompanhasse até um dos quartos..

Os primeiros clientes em geral eram homens casados, costumavam frequentar a casa sempre no fim da tarde após o dia de trabalho. Eram em geral fieis a suas meninas... depois das 9 em geral chegavam turistas e homens sem compromisso, a maioria em busca de aventura. Naquela noite o movimento seria grande, pois chegara muitos turistas, já pronta desci para o salão.

Eu vestira uma lingerie preta rendada e bem provocante, sandálias de salto fino prateadas deixara o cabelo preso em um rabo de cavalo e uma das meninas inventara de me emprestar uma máscara que cobria a região dos olhos. Bastou cinco minutinhos no bar que logo um homem me encoxou, falando algumas obscenidades no meu ouvido. Sem maiores pudores empinei a bunda quase nua e pude perceber o volume em sua calça. Depois de faze-lo beber alguns drinks levei-o para um canto mais discreto. O sem vergonha queria mesmo uma trepada e logo depositou uma nota em minha calcinha. Subi pela escada dos fundos, era um quarto simples mais bem arejado e decorado com flores, espelho no teto e paredes vermelhas. Em poucos segundos eu estava nua sendo chupada pelo desconhecido.

Não era nenhum príncipe mas tinha um volume considerável e para a primeira foda da noite abrira meu apetite. Não demorou muito a se satisfazer, tomou seu banho de saiu do quarto deixando o pagamento pelo serviço.

Enquanto eu me preparava para voltar ao salão, uma camareira trocava as roupas de cama. Era um lugar bem organizado e limpo.

Na volta ao salão passei pelo escritório de Monique para deixar o dinheiro.

Não demorei muito a conquistar outro cliente, esse menos tarado era extrovertido e conversou muito entre um drink e outro, queria um bom sexo oral e certamente lhe proporcionei o melhor e de brinde ainda tomamos uma chuveirada regada a chupadas que me fizeram gozar.

Meu terceiro cliente daquela noite quente foi um negro bem dotado. Esse sim valeu pela putaria. Logo de cara me jogou na cama de 4, sem maiores cerimônias abaixou minha calcinha e desabotoou meu sutiã, me comeu de quatro, com uma potencia que me fez gemer alto. Me senti a verdadeira puta. Ele não tinha meias palavras, ainda de quatro senti meu rabo ser alargado por aquela bitola sedenta de sexo. Vi estrelas. Enquanto a mão pesada me puxava pelos rabelos e me mandava rebolar. Apesar da dor, senti um enorme tesão.

Aquele negão não se satisfazia. Gostava de uma boa putaria, me enfiou o cacete na boca até que o leite escorreu pela camisinha pequena para aquela pica gigante. Depois me fez sentar em seu colo, eu sentia a pica no meu útero enquanto ele apertava meus peitos duros de tesão. Foram três horas de trepadas intensas. Eu estava esfolada. Era um africano recém chegado à cidade, trabalhava em uma multinacional. Gostava de se servir das meninas, as vezes trepava com duas ...

Naquela madrugada voltei para o hotel arregaçada. Minha vidinha de puta por um dia valera a pena.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
04/06/2018 09:56:44
Muito bom bellomotta1@gmail.com
12/05/2018 23:53:26
Me pareceu q isso foi apenas um sonho... mas foi ótimo nota 10
18/03/2018 12:51:37
Que tesao!!!
18/03/2018 12:16:24
Bom conto...bem relatado
18/03/2018 09:13:00
Adoro casadas novinhas e noivas..Whats ( vinte dois) nove,nove,nove,três ,cinco, um, três , um , três .
18/03/2018 05:06:53
Ótimo muito bom você é 1000
18/03/2018 01:59:47
Uaaaau! Que delicia