Faturando a Chilena depois da balada no intercâmbio

Um conto erótico de random_guy
Categoria: Heterossexual
Data: 18/03/2018 00:43:12
Nota 10.00

Essa história aconteceu um bom tempo atrás, quando eu tinha 21 anos.

Decidi ir fazer um intercâmbio na Europa antes de terminar a faculdade. Meu pensamento era bem simples: a hora que eu terminasse a faculdade não iria mais conseguir fazer um intercâmbio. Como eu estava prestes a me formar, era agora ou nunca. Acabei escolhendo ir para a Alemanha, numa cidade perto de Munique. A cidade era bem pequena, mas a universidade de lá era bem conhecida e tinha alunos de diversos lugares do mundo. Pra facilitar a vida dos intercambistas, a universidade reunia o pessoal em um mesmo prédio. Isso permitia conhecer estudantes que estavam fazendo intercâmbio de maneira mais fácil, além de incetivar a interação entre a galera, já que todo mundo dividia a cozinha e acabava conversando na hora que ia comer alguma coisa.

Acabei ficando no mesmo andar que uns brasileiros que já estavam na Alemanha há um bom tempo. Fui apresentado ao lugar e fui conhecendo o pessoal do andar. A turma era bastante diversificada, tinha de tudo um pouco: gente do Brasil, Finlândia, França, República Checa e Aústria, só pra citar alguns. Também tinha uma chilena, que assim como eu tinha recém chegado para iniciar o semestre de estudos. Ela era baixinha, morena e com um par de peitos bem fartos. No começo não dei muita bola pra ela: apesar de ser bonita, eu queria mesmo era me aventurar com as meninas da Europa. Idiota, eu sei, mas comer as menininhas da Europa contariam mais pontos na hora de se vangloriar pros amigos e era nisso que eu estava pensando na hora.

Passado algumas semanas eu não tinha pegado ninguém. A tarefa tinha se mostrado mais difícil do que parecia a primeira vista. Isso fez meu interesse pela chilena aumentar. Isso e o fato de que ela já estava ficando um tanto famosa no prédio. Ao contrário de mim, ela estava pegando geral. Diversos caras já haviam transado com ela, que não parecia estar nem aí com a fama. Pelo contrário, até gostava, já que fazia com que o pessoal se interessasse ainda mais por ela. Lembro de um pessoal falando, em tom de brincadeira, que ela podia ter um mapa com os países dos caras que ela já tinha dado. Nessa hora pensei comigo mesmo: se ela tem esse mapa, o X do Brasil vai ser por minha conta.

Passaram mais algumas semanas e eu fiquei esperando pacientemente o momento do bote. Conversava cada vez mais com ela e já dava pra ver que era só ter o momento certo que ia rolar. Eis que em um Sábado o pessoal marcou de ir pra uma balada da cidade e ela aceitou ir também. Fui junto com o pessoal e fiquei perto dela quase o tempo todo. A maioria do pessoal se separou da gente (acho que o pessoal percebeu minhas intenções) e quando vi ficamos só nós dois na pista de dança. Dançar não é meu forte, mas eu já tinha tomado umas boas e tinha um objetivo bem traçado, então fiz meu improviso. Dança pra cá, dança pra lá, ela começou a se esfregar em mim e percebi que o jogo tava ganho, virei ela e tasquei um beijo. Ela não resisitu, só beijou junto e ficamos lá por um bom tempo.

Conforme o beijo foi esquentando fui avançando minha mão boba aos poucos. Ela não resistiu pra nenhum dos meus avanços, então fui avançando mesmo: passei a mão na bunda, que foi pro peito e depois coloquei a mão por debaixo do vestido. Já tava com o tesão a mil, mas como a pista não tava tão cheia cheguei no ouvido dela e falei: "vamos pro prédio?". Ela só olhou com cara de safada e acentou com a cabeça que sim. Eu ia ser o próximo da lista a comer a chilena.

Chegamos no prédio e percebi que meu colega de quarto estava no meu apartamento. Como não sabia se ela também tava faturando alguém, falei pra irmos no apartamento dela. Ela também dividia o apartamento e a guria não estava. A chilena tava com medo da colega voltar antes, mas a vontade de dar falou mais alto e ela acabou aceitando ir pra lá. Entramos no apartamento e já começamos a nos pegar de novo. Fomos nos beijando até a cama; caimos deitados e ficamos lá nos amassos por mais alguns minutos. Levantei e já fui tirando a camisa. Vendo isso ela se ajoelhou na minha frente e desabotoou minha calça. Tirou meu caralho pra fora da cueca e começou a chupar. E que chupada! Ela com certeza sabia o que estava fazendo. A carinha de safada que ela fazia quando olhava pra cima me deixou louco. Comecei um vai e vem frenético, literamente fodendo a boca dela com meu pau. No ápice do tesão tentei fazer ela engolir o pau todo, mas ela só conseguia colocar metade pra dentro.

Depois de um boquete desse, tinha que retribuir. Joguei ela em cima da cama e tirei o vestido que ela estava usando. Beijei ela de novo e fui descendo em região a boceta. Parei perto da virilha, pra dar aquela provocada e dava pra perceber que ela tava com o tesão a mil. Ela estava com a boceta encharcada e quando comecei a chupar já senti ela começando a se contorcer. Ela segurava minha cabeça com força, enquanto eu estava lá dando prazer pra ela, o que me deixava com ainda mais tesão. Chupei aquela boceta até ela gozar, então decidi que era hora de penetrar ela que já tava mais do que lubrificada.

Na hora que fui pegar a camisinha, percebi que não tinha trazido. Puta merda... Tava com o tesão à mil e tinha esperado quase um mês por aquele dia, então por mim ia ser no pelo mesmo. Falei pra ela que tava sem camisinha, e ela só fez uma cara de safada e disse que tomava pilula pra essas coisas. Trouxe ela pra beirada da cama e posicionei o pau na entrada da boceta. Meu tesão já tava lá no alto, mas fiquei provocando ela um tempo. Dava pra ver que ela queria ser penetrada o quanto antes, mas fique uns 2 minutos ameçando, até que finalmente coloquei pra dentro. Fui bombando cada vez mais forte quando percebi que ela ia chegar no segundo orgasmo. Eu tava quase gozando, mas consegui segurar a tempo dela gozar pela segunda vez. Quando falei que ia gozar ela pulou da cama na mesma hora e se abaixou na minha frente: a safada queria que eu gozasse na cara dela. Eu já estava me segurando e ver ela com a boca aberta foi o ápice, gozei praticamente na mesma hora. Um jato acabou indo na cara dela, mas o resto foi tudo pra dentro da boca. Quando acabei de gozar ela abriu a boca e mostrou seu prêmio antes de engolir e me dar uma piscada. Aquilo foi o suficiente pro meu pau nem amolecer.

Já estava me preparando pro segundo round, mas ela tava com medo que a colega de quarto ia chegar a qualquer momento e preferiu deixar pra outro dia. Fiquei um pouco chateado, porque minha ideia era comer o cu dela na segunda transa, mas pensei comigo mesmo: "haverá outros dias, hoje já valeu". Acabou acontecendo, mas essa é uma história pra outro conto.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
18/03/2018 09:47:49
Muito bom
18/03/2018 04:29:26
Excelente conto continue