DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 24

Um conto erótico de Carlao
Categoria: Heterossexual
Data: 14/03/2018 19:08:03
Nota 10.00

DE VOLTA À PIZZARIA

CAPÍTULO 24

ATENÇÃO

ESSE É O VIGÉSIMO QUARTO CAPÍTULO DA FASE 2 DA SÉRIE “A PIZZARIA”. ANTES DE PROSSEGUIR COM A LEITURA, LEIA, NESTE MESMO SITE, A FASE 1 DA SÉRIE ORIGINAL (A PIZZARIA), DO MESMO AUTOR. OBRIGADO.

DE VOLTA À PIZZARIA

CAPÍTULO 24

Já estávamos no sábado, e o Bruno deveria chegar à tarde para ver a Denise. Todavia, após o almoço Ticiane decidiu ir para a casa da sua irmã, na cidade vizinha, a fim de fazer algumas tarefas domésticas que eram do seu encargo, já que pretendia descansar no domingo.

Enquanto isso, Vera e Denise foram cuidar da casa, e eu fui dar umas voltas na rua, para conversar com os amigos.

Quando retornei, o carro do Bruno já estava estacionado próximo à calçada, e eu deduzi que ele havia chegado para ficar com a Denise.

Ao entrar, pelo fato de a porta do nosso quarto estar semiaberta, deduzi que os dois estavam lá dentro, pois escutei vozes de ambos. Então, fui até a cozinha tomar água, e a Vera lá estava cuidando das louças.

Ela foi logo me dizendo:

—Nossa, Edu! Eles estão há uns quarenta minutos no quarto, e deixaram a porta entreaberta.

—Fiquei até com vergonha de passar lá perto.

—E vesti-me melhor, pra que ele não ficasse me olhando, amor.

Realmente, eu havia estranhado o fato de a minha cunhada vestir-se daquela maneira dentro de casa, ainda mais mexendo na cozinha. Vera usava um enorme vestido vermelho que lhe cobria todo o corpo, e estava com os cabelos presos por um coque.

Sem fazer observação alguma, acerca do seu inusitado visual, continuei a conversa iniciada, lhe dizendo:

—De repente eles vão transar né, Vera?

—Com certeza, Edu!

—Imagina ele vir de tão longe pra nada. Argumentou.

Daí, eu lhe sugeri:

—Vamos lá espiar os dois?

—Tá doido, Edu?

—Isso é invasão da intimidade deles. Não podemos. Justificou-se.

Mas, eu lhe expliquei:

—Ele é voyeur Vera.

—Você sabe o que é isso né? Perguntei-lhe.

—Acho que sim, Edu.

—Ele sente prazer em espiar, e em ser espiado, Edu. Seria isso?

—Sim, Vera. E a vagabund.....opss... a Denise também não se importa em ser vista. Expliquei-lhe.

—Vamos lá ver os dois, Vera.

—Você não quer mesmo? Insisti.

Sorrindo, ela me disse:

—Tá bom seu doidinho.

—Mas eu vou por sua conta e risco tá.

—Mas vamos bem quietos, Edu.

Então, saímos em silêncio, pé ante pé, até chegarmos ao quarto onde eles estavam. Conforme Vera havia me dito, a porta estava entreaberta, pois, sequer fora fechada com o trinco.

Então, eu a empurrei levemente, e sem adentrarmos vimos a Denise nua sentada na cama. Igualmente nu, Bruno estava em pé, enquanto a minha mulher segurava lhe o enorme cacete, e o chupava.

Quando também os viu assim, Vera levou sua mão à boca, e baixinho, me disse estupefata:

—O que é isso, Edu!

—Meu Deus!

Bruno estava de costas para nós, e de frente para os pés da cama de onde a Denise o chupava. Certamente de propósito, ele ficara de lado para que eu e a Vera pudéssemos observá-los melhor.

E, dessa maneira, presenciamos a Denise segurar lhe o imenso mastro duro com as duas mãos, enquanto o abocanhava.

Vera comentou comigo:

—Nossa! Como é enorme, Edu!

—Como ela aguenta tudo isso?

—Que loucura!

Daí eu revelei à Vera.

—O cacete do primeiro namorado dela, é maior ainda, Vera.

—Jura, Edu?

—Você também “viu eles”?

—Vi sim, Vera.

—Transamos várias vezes juntos.

—A esposa dele também gostava de sacanagem.

—Humm.

À essa altura, Denise já havia percebido que nós os espiávamos, e falou algo baixinho para o Bruno que, infelizmente, não pudemos entender o que seria.

Então, nós o vimos afastar-se da Denise, e ela também virou o seu corpo, ficando deitada de costas na cama. Depois, abriu as pernas, arreganhando lhe a buceta. Agora, ambos estavam postados lateralmente para nós, com o Bruno facilitando ainda mais, para que eu e a Vera o víssemos segurar o enorme pau duro, enquanto o balançava na nossa direção.

Em seguida, Bruno cuspiu na cabeça do cacete, e espalhando a saliva ao entorno do pau, deu um tapinha próximo à barriga da Denise, como se sugerisse para ela virar-se mais um pouco.

Excitada, a Vera me falou baixinho:

—Ele vai comer ela agora, Edu.

—Sim, Vera. Fique olhando, que primeiro ele irá roçar o pau na buceta. Avisei-a

Então, Denise virou-se de frente para o macho, e agora sentada na borda da cama, tornou a abrir as pernas, e ele foi. Antes, conforme eu dissera à minha cunhada, Bruno pincelou a enorme cabeça na entrada da gruta da Denise para, em seguida, roçar lhe o grelinho, até que, lentamente, começou a penetração.

Vera ficou doida de tesão quando o viu soltar seu corpo sobre a Denise, enterrando lhe a tora na buceta. Agora, ao vê-lo mexer com a bunda, percebemos que ele estocava forte a buceta da sua irmã.

Gemendo muito alto, logo Denise estava gozando:

—Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

—Aiiiiiiii BRUNOooooooooooooooo

—Que cacete gostosoooooooooooo

Não resistindo mais, Bruno tirou rapidamente a enorme vara da buceta da Denise, e a levou próxima ao seu rosto. Ao vê-lo assim, prestes a gozar, Denise abriu os lábios e recebeu o gozo do macho na face, além de alguns jatos dentro da boca.

Depois, Denise ainda lambeu lhe o pau, enxugando o que restara.

Nessa hora, olhei para a Vera que, admirada, me disse:

—Nossa! Que foda louca foi essa hein, Edu.

Continua no próximo conto...

e-mail carlao1978@bol.com.br

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
15/03/2018 12:17:13
Puro tezao, muito bom.
15/03/2018 10:11:12
muito bom
14/03/2018 22:43:05
Excelente.