Casa dos Contos Eróticos

DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 23

Um conto erótico de Carlao
Categoria: Heterossexual
Data: 13/03/2018 00:39:40
Nota 10.00

DE VOLTA À PIZZARIA

CAPÍTULO 23

ATENÇÃO

ESSE É O VIGÉSIMO TERCEIRO CAPÍTULO DA FASE 2 DA SÉRIE “A PIZZARIA”. ANTES DE PROSSEGUIR COM A LEITURA, LEIA, NESTE MESMO SITE, A FASE 1 DA SÉRIE ORIGINAL (A PIZZARIA), DO MESMO AUTOR. OBRIGADO.

DE VOLTA À PIZZARIA

CAPÍTULO 23

Cansado pela foda matutina que acabara de ter no outro quarto com a Denise, acabei adormecendo ao lado da Vera. Talvez fosse 11:00hrs quando fui acordado com a mão da princesa dos olhos claros no meu pau, perguntando-me:

—Fiquei te esperando, mas você não veio, Edu.

—Daí acabei adormecendo.

—Mas o que aconteceu que você demorou tanto, querido?

Eu lhe respondi:

—Ah, Vera! Foi a sua irmã.

—Ela estava acordada? Perguntou-me.

—Sim, estava.

—E o que ela queria, Edu?

—Queria fazer amor. Respondi-lhe.

—Sei. E pelo visto vocês fizeram né, Edu?

—Sim, Vera. Tive que fazer. Justifiquei-me.

—Mas eu queria mesmo era com você, meu bem. Completei.

Rindo, ela me disse:

—Mas ela é a sua esposa, Edu. Tem esse direito.

Para agradá-la, eu lhe disse:

—Mas você não é minha amante, Vera.

—Você é esposa da mesma forma que ela.

Com parcimônia, ela observou:

—Mesmo assim, Edu. Direitos iguais.

Daí, eu lhe mostrei o tubo de KY, e de pau duro pensando no gostoso rabo da Ticiane, eu lhe disse:

—Mas eu trouxe o nosso “amigo”.

—Hummm.

Apresentando-se menos afoita, ela pediu-me:

—Mas agora eu quero que você me chupe antes, Edu.

—Já não precisamos ter tanta pressa, né?

Então, Vera deitou-se de bruços e ficou com o lindo rabão voltado para cima. Daí, fui até ela, e lhe abri as nádegas com as mãos. Mas, enquanto a minha língua passeava em torno do seu lindo cuzinho rosado, eu também pensava na bunda da sua filha. E ela só gemia:

—AIIIIII, Edu!

—Que delicia, meu amor.

Ao ouvir seus gemidos, eu beijava com sofreguidão suas nádegas gostosas, e mordiscava lhe a polpa da bunda, para, em seguida, retornar com a língua no seu precioso anel, até que, não resistindo mais, ela me chamou:

—Agora venha, meu macho!

—Coloque no meu cuzinho bem gostoso, daquele jeito que só você sabe fazer.

Primeiro untei o seu traseiro com o creme. Em seguida, espalhei-o no cacete, e fui montá-la. Gemendo de tesão, ela me dizia:

—AIIIIIIIIIIII Edu.

—Devagar, querido.

E quando a cabecinha adentrou, ela tremou o corpo, dizendo-me:

—UIIIII. Como é grossoooo, meu amor!

Mais uma vez vi-me todo dentro dela. E com a lembrança da Ticiane nua nos pensamentos, virei os seus cabelos da nuca para o lado, e comecei a beijá-la. Logo, Vera estava gozando com o meu pau atolado no cu, sentindo o meu hálito quente na traseira do seu pescoço:

—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

—Meu macho safado!

—Você me deixa doida!

Enquanto gozava embaixo de mim, Vera remexia sua bunda tentando levantar-me o corpo, com o pau enterrado no cu.

Não sendo mais possível resistir, também acabei gozando no fundo do seu canal:

—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

Eram 11:35hrs da manhã quando saímos em direção ao banheiro. Vera deixou o quarto vestindo calcinha, e eu aquele conhecido short.

Denise já estava na cozinha, sendo auxiliada pela Ticiane, no preparo do almoço. Logo que saímos do banheiro do corredor ela veio nos dizendo:

—O almoço já está quase pronto, Edu.

—Vocês ainda vão querer tomar café?

E, elogiando a sobrinha, nos disse:

—Foi a Tici que fez o café. Está muito gostoso.

Sorrindo, eu comentei:

—Bom, então eu vou querer sim.

—Nunca provei nada da Tici. Mas, pensei comigo: a não ser na minha imaginação.

Somente de calcinha, e com os seios de fora, Vera ainda nos disse:

—E ela é ótima cozinheira, Edu.

Corada ante a inusitada situação, pois, enquanto ela e a Denise já estavam vestidas, eu trajava apenas o short, e a sua mãe, com os peitos nus, somente calcinha, ela nos censurou dizendo:

—Acho que primeiro vocês dois deveriam vestir-se decentemente pra tomar café, mãe.

Entendendo o seu recado, sem dizer nada, puxei a Vera pela mão, e fomos até o quarto colocar nossas roupas.

Continua no próximo conto...

e-mail carlao1978@bol.com.br

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/03/2018 12:00:11
delicas os seus contos carlao nota dez
13/03/2018 08:04:48
Excelente.
13/03/2018 06:38:20
Como ele o cu da Ticiane !
13/03/2018 05:42:45
Muito bom
13/03/2018 05:25:50
Muito bom relato ! somente quem comeu um cuzinho gostoso e dado com paixão, sabe o prazer que desfruta. Sem palavras pra descrever ! nota DEZ.