Casa dos Contos Eróticos

CALMA FILHÃO! ME DEIXA LUBRIFICAR PRIMEIRO 2/2

Nem esperei o fodido tesudo terminar de falar e quando dei por mim, minha boca já estava lambendo a cabeça daquela pirocona. Movimentei bastante minha mandíbula , afim de conseguir enfiar aquela tora grossa na boca. Com muita dificuldade, consegui. Porém em poucos segundos minha garganta já estava lotada de leite grosso e as pernas de papai também. Gozamos feito loucos devido o tesão de anos acumulado. Como estava ajoelhado mamando papai, minha porra toda acertou suas pernas peludas. Sr. Marcos urrava e eu uivava de tanto prazer.

Claro que nossos cacetes continuaram duraços. Aquela primeira leitada era só par darmos conta do principal: Meu descabaçamento. Eu ainda era virgem e bem inexperiente, o contrário de meu pai, que hoje sei (aliás sabemos, meu mano também já sabe), é o maior safado e extremamente experiente no que diz respeito a sacanagem.

Depois daqueles jorros intermináveis de sêmen e muitos gemidos, levantei-me olhei bem dentro dos olhos do coroa e beijei seus lábios com muita intensidade e desejo. Papai correspondeu ao beijo da mesma forma.

_ Filho!!!!!, Como esperei por este momento! Mas eu jamais me aproveitaria de você, sem sua maioridade. Esperei até hoje, seus 19 anos, pois queria ter a certeza de que estaria me relacionando com um homem feito. Devido a nossa proximidade, por morarmos juntos a anos, resolvi tomar essa iniciativa, percebo pelas nossa conversas e por suas atitudes que é um homem lúcido, sem preconceitos e que acima de tudo. Sabe o que faz. Estou errado?

_ Meu paizão gostoso!!! O que mais me encanta e me faz te admirar é sua retidão e seu caráter. Sei que foi dificílimo segurar seus desejos, mas eu nunca aprovaria ninguém que se aproveitasse de uma criança, principalmente meu pai.

Valeu a pena seu sacrifício, pois a partir de agora seremos um casal. Sou seu e te quero só pra mim.

Meu pai afagava meus cabelos e apenas prestava muita atenção à minha resposta. Continuei:

_ Teremos muito tempo para conversar sobre tudo que quisermos, mas o que quero agora é o senhor dentro de mim. Estou ardendo de desejo. Meu cu anseia por seu tacão peludo. E agora sei como foi bom, nunca ter me relacionado com ninguém. Quero ver meu cabaço, na ponta de sua “lança”. Só preciso que me oriente, pois quero que seja bem especial, como tudo, até agora. Não tenho vergonha do senhor, então tenho que lhe dizer, que não sei bem o que fazer. Só sei que estamos tão excitados que nem aquela gozada abaixou nossos cacetes.

- Filho. Antes de darmos sequência, preciso lhe confessar algo: Não posso ser só seu.

_ Não? Por quê? Existe outra ou outro?

_ Sim. Existe. Quero que me ouça, pois tenho uma proposta pra você e se aceitar ficaremos ainda mais completos

Já estava enciumado e disposto a não aceitar nenhuma proposta. Estava disposto a lutar apenas por nós dois. Mas.....

_ Acalme-se. Não precisa me olhar desta forma. Te conheço e sei que já está pensando bobagens. Trata-se de Toco, seu irmão. Tenho por ele este mesmo sentimento, mas como Ian não é tão decidido como você. Ainda não assumiu ser gay e estou aguardando tal momento. O que está prestes a acontecer, pois contaremos a ele o que está nos acontecendo. Não acho justo esconder de seu irmão e de sua mãe nosso envolvimento. Tenho certeza que o tesudinho do seu mano está louco par nos pegar. Canso de ver seus olhares pra cima de nós dois. Essa pose de machão dele é só para disfarçar. Acho que ele também pensa como você pensava. Não tomará nenhuma iniciativa, a não ser que contemos a ele sobre nosso amor.

_ Nossa, pai!!!!! Assim o senhor me mata mais ainda. Sempre quis rebolar na rola de meu irmão também. Quero muito vocês dois pra mim. Mas pai.... ? Tem certeza que o Toco é gay?

Nem eu nem sua mãe, somos pais ausentes, Sempre os respeitamos, mas a muitos anos que eu e sua mãe sabemos sobre vocês dois e que o Ian, não se revelaria tão fácil como você. Deixe comigo, ok?

Falávamos e falávamos, mas nossos cacetes só pulsavam e meu cu estava febril. Ele pedia “tora”.

Para não decepcionar meu cuzinho, quem tomou a iniciativa fui eu e de cara intimei meu pai? Ajoelhei-me na cama,

abri a bunda com as duas mãos, expondo meu botãozinho fechadinho e bem cabeludo e com uma voz carregada de tesão pedi:

- Sr. Marcos, sou virgem e inexperiente, mas também sou instruído e sei que todo mundo quer preliminares antes do sexo em si. Eu não. Quero sua rola me “carcando o toba” agora. Preciso perder este cabaço, agora. Estou louco para libertar meu buraquinho. Temos uma vida inteira para beijos, chupadas entre outros. Quero esta piroca socada no meu cu já. Agora. Vem paizinho. Cumpre seu papel de macho. Me descabaçe, vem!

Hummmmmmmmmmmmm!!!!! Uschhhhhhh!!!!!!!

Papai, se punhetava feito um animal, babava de prazer. Meu diferente pedido o excitou ainda mais. Se demorasse mais uns minutinhos o coroa gozava de novo. Decidiu a cumprir seu papel de machão, ele se aproximou. De repente papai parou, olhou para meu cuzinho, para seu cacete e se lembrou do lubrificante.

_ Nossa filhão.!!! Sabe porquê eu queria uma farmácia aberta? Para comprar lubrificante. Seu buraquinho é tão estreitinho ( seu dedo já bolinava meu rego pedinte e peludo) e olha o tamanho da pistola do pai. Não quero te machucar. A não ser que......

De cu aberto, rebolando e quase perdendo o juízo, implorei:

- Ischhhhhhhhhhhhhh!!! UIIIIIIIIIIIII! Hummmmmmmmmmmm! A não ser o quê, pai? Pelo amor de Deus!!! AAAAAAAAAAAAAAIIIIIIIIIIIIIIIII PAIZÃO! Não quero mais esperar. Faça qualquer coisa, mas me fode logo. AAAIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII! HUUMMMMMMMMM! Fode, fode, fode! HuMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM! Mé dá rola!!! Quero tora na bunda!!! Por favoooooorrrrr!!!!!!!! HUUUMMMMMMMMMM!

_ Hoje vai conhecer uma outra utilidade da saliva. Quer saber , filhão? Já fodi muito sem lubrificante e sempre foi bom pra mim e para os parceiros. Vamos lá, putinho!!! Vou estourar estas preguinhas já, já! OOHHHHHHHH cuzinho que pisca heim filho! Isto tudo é para ser preenchido de cacete?

Isschhhhhhhhhhhhhh! AAAAAIIIIIIIIIIIIII!

Soltei as bandas de meu cu virei-me para trás, agarrei a tora de papai, e puxando-a em direção ao meu toba, gritava e implorava:

_ Fode pai!!!! Fode!!! Anda logo! Atole essa caceta em meu cu. Atole. Huuuuuuuuuuuummmmmmmmmmm! Se demorar vou gozar de novo. Soca esse “porretão” em minhas entranhas e acabe logo com meu cabaço. HUmmmmmmmmmm! AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!

_ CALMA FILHÃO! ME DEIXA LUBRIFICAR PRIMEIRO.

Custei a esperar. Muito impaciente e sedento pela rola de papai fiquei olhando o coroa dar uma cuspidona de respeito em seu cacete e outra em meu cu, que novamente encontrava-se bem arreganhado para agasalhar aquela tora gigante .

Papai esfregou aquela cusparada na cabeça de sua rola, esfregou rapidamente o cuspi em meu cu, deu uma dedada bem imponente e SOCOU A ROLA.

Se doeu? Claro. Mas o desejo era tão intenso e a adrenalina era tanta que nem senti muito. Apenas empurrei mais ainda a bunda contra aquele cacete e rebolei feito louco.

Papai, delirava. Ao mesmo tempo estava estupefato. Como eu estava aguentando aqueles vinte e sei lá quantos centímetros grossos de carne na bunda pra perder o cabaço.

_ Filho!!!Que disposição para rola tem esse seu toba! Nunca vi nada igual?! Hummmmmmmmmmmmmm! Mas está bom DEMMMAAAAISSSSSSSSSSSS”” Rebola, putinho do pai!!! Rebola!!!!!

_ Que delíciaaaaaaaaaaaaaaaa! Não se preocupe. Hummmmm! Ischhhhhhh! Se quiser enfiar o resto, mande ver. Sem dó! Tá maravilllhhhooooooossssooooo!

Claro, que aquela trepada foi a primeira de infinitas outras e que também foi só para eu perder o cabaço, pois mesmo tendo gozado antes não aguentamos muito e novamente esporramos feito lobos no cio. A diferença é que desta vez foi meu rego que além de largo pra caralho estava inundado de porra paterna. OOOOHHHHHHHH, COISA BOA!

Depois de um dia inteiro de sexo, fomos tomar banho, comer alguma coisa e deitar. Nossa primeira noite como casal.

Estava exausto me logo adormeci, só me lembro do último comentário e última pergunta do coroa:

- Filhão! você vai querer me ver foder seu irmão ou vai esperar pela segunda vez?

- Nossa pai! Não sei responder isso agora. A única coisa que sei é:

Não vejo a hora de meter com os dois. Se o Ian for bom como o senhor, ganhei na loteria, sem jogar.

_ e esse rabinho, não está nem dolorido?

_ Sabe que não, pai! Amanhã vou querer experimentar seu pau e um ou alguns de seus dedos. Não quero deixar nenhuma prega para outro. Quero ter a certeza que foi o senhor quem fez o serviço completo.

Só me lembro da expressão de surpresa de papai e de suas palavras.

_ E eu preocupado, com lubrificante....

Comentários

13/03/2018 18:57:31
Delicioso conto fiquei durao e melado aki lendo, quer coisa melhor q ter um amor e putaria assim com pai e irmao aff morto de inveja aki....rs
12/03/2018 22:29:00
O CONTO FOI INTERESSANTE. PENA QUE NÃO CURTO SURBUBAS. E SEI QUE VAI OCORRER. LAMENTÁVEL. IMAGINEI ALGO APENAS ENTRE ESSES DOIS.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.