Casa dos Contos Eróticos

Raphaelo 13

Assim que deu o intervalo entre uma aula e outra, um garoto branquinho, de cabelos loiros, cara de almofadinha e com uma mecha de cabelo vermelho e jeitinho meio afeminadinho levantou-se e sentou ao lado de Raphaelo. A princípio Raphaelo pensou com ele: "Deve ser o gayzinho da turma, bom então ta tudo bem, vamos nos identificar de cara.”

Ledo, engano...

O garoto chegou e se apresentou disse se chamar Valter. Parecia um pouco arrogante e esnobe em seu jeito afetado de ser. Raphaelo para ser cordial, se apresentou falou seu nome e foi ai que Valter Stuart Prado, como ele mesmo se intitulou, abrindo a boca para pronunciar seu nome de tal forma, que parecia até que ele era um Lorde Inglês. E então Valter dísse:

- Where do you come from? - Where do you live? (De onde você vem? Onde você mora?)

Raphaelo sem entender nada e humildemente respondeu: - Daria pra você falar em português? - Eu não sei falar em inglês.

A pequena bicha aproveitou para zoar dizendo:

- Gente o herdeiro da Vecnor, não sabe falar em inglês. Pode isso?

(A turma toda riu).

- Você sabe falar alguma língua que não seja seu Tupi Guarani, queridinho?

- A língua dos animais. Na minha aldeia não só falamos o Tupi como conseguimos entender os viadinhos, quando eles querem se aparecer.

Valter ficou fulo da vida, a turma toda agora ria dele. E então puto disse:

- Pois eu falo fluentemente, quatro idiomas, e tenho muita educação.

- Bem se vê que você é muito educado. Só me surpreendo de saber que você fala 4 línguas, achei que fosse 5.

- O que você quer dizer com isso queridinho? (Respondeu Valter ironicamente).

Raphaelo se levantando, desabotoou a calça na frente de todos mostrando só a frente da sua cueca branca e apertando em seu pau mole por dentro da cueca disse: - Eu acho que essa língua aqui você fala muito bem. Não só fala como chupa. (A turma toda tava rindo, e um gaiato lá do fundo disse: - Ai Valter, fala essa língua agora poliglota). Raphaelo aproveitou e já respondeu ao gaiatinho.

- Pelo jeito ele deve falar muito com a língua dele em você também né não?

Ai que a turma veio a baixo, o bobão do fundão calou a boca na hora e os colegas do lado e da frente já caíram na pele dele.

A bichinha saiu do lado do Raphaelo murcha de volta pro lugar dela, e enquanto Raphaelo já estava sentando duas garotas com cara de patricinha esnobes disseram:

- Que absurdo, temos que fazer um abaixo assinado contra esse nojento sem classe. (Pra que elas falaram isso?).

Raphaelo nem chegou a encostar a bunda na cadeira e já levantou de novo, e abaixando as calças agora mostrou a bunda para as duas e disse:

- Porque não aproveita e já faz seu abaixo assinado aqui? Coloca seus nomes no meu rabo piranhas frescas. Ou preferem assinar aqui na frente? (Raphaelo disse isso já levantando a calça, é claro que ele não iria mostrar a piroca pras duas garotas, ele até já tinha ido longe de mais). As duas garotas se levantaram pálidas e foram sentar-se do outro lado da sala. Com isso a turma toda já tava indo ao delírio, aquilo era demais pra quele bando de bostinhas burgueses que nunca viram alguém tão afrontoso na vidinha medíocre e chata deles. De cara com tudo isso Raphaelo ganhou inimigos, admiradores, e até amigos. O professor de matemática chegou e a turma toda ficou em segundos quieta. Uma menina com cara de roqueira e doida sentou-se ao lado de Raphaelo, ele já olhou ela de lado e pensando: “Pronto, mais uma puta pra me encher o saco, hoje eu to bem!"

Mas ela logo se apresentou como Carol (Carolina) Ele cumprimentou ela sem nenhum interesse. Ela percebeu e disse:

- O que é? - Calma que não sou igual à purpurinada não, nem amigo daquela coisa eu sou. Só adorei ver você enfrentar a galera dos merdinhas.

- Então você não é da turma deles?

- To longe de ser babaca igual a eles, to mais pra ser como você, o rebelde da turma.

Raphaelo riu e disse: - Acontece que não sou rebelde, apenas não deixo me fazer de otário.

- É isso ai cara.

Eles conversavam baixinho enquanto o professor escrevia no quadro. Raphaelo relaxou mais e viu que Carol afinal parecia ser legal.

No intervalo, Carol saiu com ele, e foram para o refeitório, enquanto estavam na fila conversando prontos para pegar o lanche deles, a bonita Valter soltou a gracinha dela:

- Agora ta perfeito gente, o sem classe e a estranha agora são amiguinhos. Pediu pra tomar uma resposta de Raphaelo, e ele tomou:

- Olha Carol a bichinha pão com ovo, gosta de falar dos outros né! - Aliás, pão com ovo não porque ela é uma... Como é mesmo o sobrenome de calçada dela?

- Stuart Prado. (disse Carol rindo)

- Isso Stuart Mortadela Prado. Ela é nobre. É a bichinha pão com mortadela defumada.

Valter subiu no céu e voltou de ódio e bufando disse:

- Perdi a fome, me recuso a lanchar com gente escrota e desqualificada.

- Vai mortadela, vai lá comer sua mortadela fatiada. Beijinho lixo tóxico. (Nem é necessário dizer que o povo na fila já ria e zoava com a cara da bicha. Chamando ela de mortadela, apelido esse que doravante seria seu por definitivo).

Os dois sentaram-se para comer tranquilamente e vieram mais dois meninos sentar-se com ele. Raphaelo já olhou os dois de lado e desconfiado. Era Pierre, um menino que veio da frança e falava um português atravessado com sotaque, cabelo ruivinho, com sardas no rosto, alto e branquinho de olhos verdes. O outro era Fred. Frederico um menino mulatinho, nem alto nem baixo, cabelos crespos de carapinha, baixinhos, um sorriso lindo de dentes brancos. Eles faziam partes da turma dos rejeitados. Carol por ser diferente e não aceitar aquela soberba toda deles era de família muito rica, mas mesmo assim era considerada a estranha por causa da bichinha alegre que comandava a turma, sempre sendo a amostrada da turma. Pierre era o francesinho que não falava direito, e era posto de lado. Fred era um negro lindo, mas era o único negro riquíssimo, filho de um empresário dono de vários postos de gasolina. Mas mesmo assim por ser o único negro da sala no meio dos branquelos ricaços, era posto de lado por eles. Pierre e Fred eram amigos inseparáveis. Carol andava como Diego, um branquinho de cabelos lisos e arredondados como se fosse cabelo de índio. Por também curtir rock como ela e não curtir moda e toda aquele universo imbecil branco, ele também era excluído, Raphaelo só iria conhecer Diego dois dias depois, ele estava em casa se curando de uma forte gripe. Os demais 23 alunos eram compostos de patricinhas e mauricinhos nojentos e esnobes. Eram num total de 28 alunos naquela sala incluindo agora Raphaelo.

No resto do dia, ninguém mais veio atazanar Raphaelo. Ele depois do lanche ficou sentado com Carol na frente na mesa do canto direito e atrás deles Fred e Pierre.

E assim nascia amizade dos 4 mosqueteiros contra a "ordem das patricinhas e mauricinhos de merda, liderada pela Cruela gay Valter."

Na saída Raphaelo veio conversando com Lucas e contando tudo:

- Se tivesse lá, eu te defenderia meu loirinho. Quebrava a cara desse viadinho e depois socava rola no rabo dele. Queria ver ele agüentar a jamanta do papai aqui. OU ia pedir arrego, ou ia ficar mansinha e não ia te perturbar mais.

- Deixa de bobeira seu doido. E, além disso, sei me virar muito bem.

- Isso você sabe mesmo, meu amigo. Você é especial Raphaelo.

- Poxa Lucas você é como um irmão pra mim sabia. Especial é você na minha vida.

- Sabia sim, o que seria de você sem mim, até tive que vim trabalhar pra você. (Disse Lucas rindo, e arrancando risos de Raphaelo no carro). Mas por dentro Lucas pensava com ele mesmo: "Se tu soubesses que queria ser mais do que um irmão; enfim... Tenho que compreender que o melhor é você ser feliz meu pequeno anjo loiro).

Os dois chegaram em casa. Raphaelo foi tomar banho, e almoçar. Descansou e foi mergulhar na piscina mais tarde. Fazia uma tarde de sol gostosa. Ao longe, sem que Raphaelo notasse Lucas via ele e admirava aquele lindo corpo branco, já ficando rosadinho do sol. Os cabelos loiros molhados caídos sobre o rosto. Ele sabia que não poderia ter Raphaelo e respeitava ele. Mas olhar ele, não tirava pedaço e não era nenhum crime admirar a beleza do seu amigo. Ele foi para seu quarto, Raphaelo viu ele passando e sentado na espreguiçadeira tomando um suco ele lançou um sorriso para Lucas, que retribuiu e entrou para seu quartinho. Ele fechou a porta, ligou o ar, afrouxou a gravata e, pois a piroca pra fora já meio dura e sentado na beira da cama com as pernas esticadas, ele começou a tocar uma com desejo e tesão pensando em Raphaelo. Como ele amava Raphaelo, e por respeitar Raphaelo, ele sabia que só poderia ter ele dessa maneira, em seus pensamentos e nada mais. E de olhos fechados lembrava-se do corpo molhado de Raphaelo na piscina e tocava com vontade sua punheta. Assim que sentiu que ia gozar abriu mais as pernas e colocou seu pau grande e grosso de cor mulata e com a cabeça bem pretinha empinado para frente e então esporrou, vários jatos com fúria. No chão muitos pingos de leite gostoso e ainda morninho vindo daquela bela rola gostosa. Ele se levantou com o pau para fora balançando e foi ao banheiro se limpou depois voltou para o quarto com um pano de chão úmido de água e desinfetante para limpar o chão. Já tinha guardado sua deliciosa piroca dentro das calças, e ela já estava abaixando e voltando ao seu estado de repouso. Depois de limpar tudo ele lavou bem suas mãos e saiu de encontro a casa para ir na cozinha pegar seu almoço, passando pela piscina, Raphaelo não estava mais lá e ele deu graças a Deus. Se ele visse Raphaelo novamente, só de cuequinha, era provável que ele voltasse para o quarto pra ter que tocar mais uma tamanho era o desejo dele por Rafael. O amor de Lucas por Rafael era platônico sempre a distancia e sempre respeitando Raphaelo, ele nunca ousaria dizer uma gracinha para Raphaelo. Nunca, jamais.

A noite Raphaelo disse a Paulo que tudo foi bem na escola, preferiu não contar do que passou, sabia que Paulo iria querer arrumar um carnaval, ia até querer falar com a dona do colégio. E Raphaelo queria se defender por si só, sem precisar ter Paulo pagando mico de papai no colégio dele. Se caso viesse ocorrer algo mais grave ai sim ele falaria com Paulo.

Os dias foram passando, Raphaelo sempre com seus amigos, na escola. Agora tinha um professor também de inglês e espanhol. Que dava aulas para ele todos os dias em casa, de segunda a sexta. Ele estava aprendendo rápido, Não queria mais ser humilhado por ninguém, além disso, ele necessitava muito, suas aulas no colégio de inglês e espanhol eram de nível avançado e ele só não ficava totalmente boiando porque os seus amigos do quarteto fantástico lhe ajudavam em tudo.

Lucas guardava seu amor por Raphaelo, e eles eram bons amigos, a ida para escola, ou para o balé bem como a volta, era uma diversão dentro do carro. Raphaelo nem andava no banco de trás como um burguesinho esnobe, ele ia à frente ao lado de seu motorista e amigo, e era uma felicidade só.

Na escola teria uma apresentação principal, que seria organizada e custeada pela empresa de Paulo, que nesse meio tempo já estava também custeando as obras do colégio. Raphaelo teria um personagem principal, a própria velha Marry em segredo ordenou que o professor de artes colocasse Raphaelo como protagonista e na hora da escolhas tal e qual foi à surpresa da maldita Valter que fazia teatro em cursos caríssimos e achava que tinha que ganhar personagem principal. Bom... Ela até teve um personagem principal, mas teria que dividir o palco em quase todas as cenas com Raphaelo, e isso ia dar uma treta das boas...

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

OLHO EU DE NOVO AMADOS, MAS UM CAPÍTULO DE RAPAHELO PRA VCS. DOIS EM UM DIA. É PRA VCS SE DIVERTIREM MAIS UM POUCO.

NÃO DEIXEM DE LER TAMBÉM MINHA HISTÓRIA "NA PAZ DO SEU SORRISO".

BJOS DE RENATO.

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

Comentários

12/07/2018 09:34:46
Muito bom esse capítulo... O amor platônico de Lucas por Raphaelo tá lindo, ainda mais ele respeitando o Raphaelo e não se permitindo atacar... Um sinal de respeito e grande amizade. Raphelo na escola mostrando que não é nenhum otário e botando a bichinha mortadela no lugar dela... Além disso, fazendo amizades... Muito bom!!!
27/04/2018 21:00:30
Faelsilva chegou...
27/04/2018 21:00:01
THIrjthiago ja deu e agora é só consequencias...
27/04/2018 20:58:16
Bernadeth isso ira acontecer...
27/04/2018 20:57:37
Sharon Martins em homenagem ao seu pedido que é uma ordem, no proximo capítulo lá vem as medidas da rolaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
27/04/2018 20:55:49
vit.will: bem afrontoso kkkk
27/04/2018 20:55:48
vit.will: bem afrontoso kkkk
27/04/2018 20:54:47
guardian : muitas possíbilidades que estão vindo para dar uma mexida nesse conto.
27/04/2018 20:48:46
Little Boy o capítulo chegou, vai ser publicado hoje.
06/04/2018 18:56:37
cade a continução
12/03/2018 07:53:55
Vai dar merda!😂😂😂😂😂😂😂😂 mas ta muito bom!
11/03/2018 18:25:23
Tomara que se enfrentem no palco
11/03/2018 03:17:08
Excelente capítulo Raphaelo colocando esses filhos da mãe no seus devidos lugares.Só estou sentido falta da parte hot entre Paulo e Raphaelo, eles ultimamente só dormem.E já que colocou Lucas tocando uma em homenagem a Raphaelo deveria ter colocado os cms afinal detalhou ser uma bela rola mas não colocou as medidas.kkkkkk
11/03/2018 01:42:17
gostei da maneira e atitude de Raphaelo ao ser esnobado, mostrando que não é desaforado e sambando no cara da sociedade..
11/03/2018 01:00:41
arrow: Aguarde e veja as próximas loucuras que virão.
11/03/2018 01:00:12
arrow: Isso não vai acontecer, como falei. Ele mantem um amor platônico por Rapahelo. Ele não canta Rapahelo. Ele sabe bem onde é o lugar dele. E mesmo amando Rapahelo ele mantem Rapahelo na base da amizade.
11/03/2018 00:59:22
Escola.... Ensino médio. Que ambiente terrível. Aff. E Raphaelo se safou muito bem. Que interessante saber isso do Lucas. E ver como ele lida com esse sentimento. Finalmente um pequeno vilão para tretas. hahahah. Mas olha, esse tipo de escola de pessoas "ricas", nem falo mais nada. Porém acho que sairão situações bem interessantes daí. Que bom que ele encontrou amigos no colégio. pessoas da idade dele. E olha, essa vida de riqueza, que loucura. Mas acho que o conto não ficará na descrição disso, até porque ele tem que fazer todas as aulas e tudo mais. Aguardar o desenrolar. Tantas possibilidades de enredo por aqui. Muito bom.
11/03/2018 00:58:21
VALTERSÓ: acredito que isso não acontecera meu querido. Pois Lucas sabe o seu lugar e como disse na história, ele mantem uma especie de amor platonico por Raphaelo, mas ele respeita a todo o tempo Rapahelo. E Também Raphaelo só ve ele como amigo. Rapahelo é apaixonado por Paulo.
11/03/2018 00:56:20
Bruninhooo: A loucura real que vc tanto gosta.
11/03/2018 00:55:35
Um digno loop esse capítulo. Ansioso para o próximo cap.
10/03/2018 23:52:27
Surpresa total, o Lucas tem uma paixão encubada por raphaelo, quer saber estou adorando tudo isso kkk, só espero que ele não prejudique o raphaelo.
10/03/2018 23:17:09
EXCELENTE. MAS... FICARIA MUITO CHATEADO SE LUCAS INTERFERISSE NO AMOR MESMO QUE PLATÔNICO ENTRE RAPHAELO E PAULO. CERTEZA QUE LUCAS ENCONTRARÁ ALGUÉM A SUA ALTURA. TB NÃO CONCORDO MUITO COM ESSE LANCE DE RAPHAELO SENTAR-SE NO BANCO DA FRENTE DO CARRO. É BOM NÃO MISTURAR AS COISAS. LUCAS É FUNCIONÁRIO DE PAULO E RAPHAELO. LUCAS PODE ENTENDER QUE RAPHAELO ESTÁ DANDO ABERTURA PRA OUTRA COISA E ISSO PODE NÃO DAR EM COISA BOA. TB FICARIA MUITO CHATEADO SE PAULO FOSSE PREJUDICADO COM ISSO. NÃO SERIA JUSTO.
10/03/2018 21:55:47
Loucura total esse capítulo kkk

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.