Casa dos Contos Eróticos

Sexo sem culpa

Autor: Paulo Silva
Categoria: Heterossexual
Data: 12/02/2018 23:04:35
Nota 10.00
Ler comentários (1) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá, meu nome é João (ficticio), tenho hoje 52 anos e moro atuamente no interior de Minas Gerais. O que vou relatar não é ficção, mas acontece realmente. Tomei coragem para mostrar ao publico minha historia depois de ler que esse tipo de coisa acontece com mais frequencia que imaginava.

Casei cedo, por volta de 20 anos. Tive um casal de filhos, e morei com eles até o mais velho estar com 10 anos. Depois disso a relação com minha esposa desmoronou, nos divorciamos, saí de casa e fui morar sozinho. Mas sempre que podia visitava meus filhos e saíamos para almoçar aos domingos e assim fomos vivendo. Tive outra mulher, com quem não tive filhos, e depois de dois anos de convivência fomos cada um para seu lado... Meu filho, hoje com 29 anos, casou-se e também foi morar em outro bairro da cidade. Minha filha, com 31 anos, se tornou uma linda mulher, não muito alta, mas muito bonita, pele clara, cabelos pretos lisos, um corpo de dar inveja para as outras mulheres até mais novas, atraía sempre os olhares principalmente masculinos pelas suas curvas, que eu também me pegava apreciando de vez em quando. Daiane, que sempre foi muito mais ligada a mim, teve uns dois namorados e nunca conseguiu se dar bem com eles, preferindo ficar sozinha. É dela que quero falar neste relato, mais adiante esclareço tudo.... Sempre saíamos juntos em pequenas viagens, passeios, fins de semana. Com 27 anos ela tinha economizado para dar entrada na compra de um apartamento e morar só, e quem sabe conhecer alguém e viver junto...Certo dia, num almoço, ela me convidou para morar com ela, já que morava sozinho também, dividiríamos as despesas e tudo ficaria melhor para nós dois, já que chegamos a conclusão que não iríamos morar com ninguem. Isso me atrapalharia as noitadas esporádicas... Aceitei, mas deixei claro que se um dia ela achasse alguém que gostasse e quisessem viver juntos, eu iria procurar outro lugar para morar e eu poderia, por vezes, estar fora uns dias...E assim mudei-me para o apartamento dela, onde já havia um quarto menor, preparado para mim. Foi uma época muito boa, sempre estavamos juntos, assistiamos a filmes e acabamos por termos uma boa vivencia em menos de tres meses...Começamos a ter uma intimidade maior de convivencia, como na época em que morava em casa. Assistiamos a tv com nossas roupas de dormir, muitas vezes ela acabava dormindo no meio dos filmes e eu sempre a acordava e mandava ela dormir na sua cama..Notei que a cada dia estávamos bem mais proximos e sempre que tinhamos que nos despedir, nos abraçavamos demoradamente , era muito gostoso, porque ela se chegava toda e encostava seus peitos gostosos em mim, adorava aquilo, me despertava uma sensação muito gostosa e voltei a ter aquelas vontades de estar de novo nos braços de uma mulher, mas como, com minha filha? Um dia, já cheio de vontade, num desses abraços, não resisti e acabei passando minha boca em seu pescoço e senti que ela não recuou, mas fiquei sem jeito e parei. Saí, e quando voltei notei que ela veio para me abraçar com a desculpa que sentiu saudades, e cada abraço daqueles me deixava com mais desejo por ela, mas não sabia como ir mais a frente naquilo, porque já sentia muito desejo e entendia que ela também passou a ficar desejosa daqueles abraços, cada vez mais demorados e a minha boca andando mais naquele pescoço rosa e de pele macia. Interessante é que cada vez que a beijava no rosto, ela evitava que nossas bocas se encontrassem para um beijo...Não forcei, mas um dia perguntei, já abraçado a ela, se tinha receio que eu a beijasse, porque evitava minha boca. Ela disse, meio sem jeito que nem tinha percebido isso, que nunca gostou muito de beijos, talvez fosse por isso, e rimos...E continuamos com aqueles abraços de 'amigos', cada vez mais demorados e mais proximos nossos corpos. Tudo caminhava bem lentamente, sei lá, não tinha coragem de avançar sem um sinal positivo dela. E ela parecia gostar daquilo até ali, sei lá...Dias se passaram e nós naquela coisa que só deixava cada vez mais o desejo aumentar. Uma noite, cheguei antes dela, tomei um banho e coloquei meu pijama e fui assirtir tv, pouco mais tarde ela chegou e já fomos nos abraçando, mas desta vez estava disposto a fazer um teste mais completo, de até onde iríamos com aquilo. Nos abraçamos para 'matar a saudade' e coloquei minhas mãos em sua cintuta, emquanto minha boca deslizava por seu pescoço, ela agora já não escondia que sentia um tanto de prazer naquilo, que eu percebia através de sua respiração mais rápida. Abaixei minhas mãos e abracei sua bunda delicadamente, ao mesmo tempo que puxava seu corpo mais para próximo do meu...Como estava excitado com aquilo, logo que nossos corpos se encontraram, ela pode sentir meu penis, já meio ereto na sua parte mais íntima e recuou...Recuei também e a olhei nos olhos, estava com o rosto meio vermelho e meio sem jeito até para conversar. Como que de acordo nos afastamos um pouco, e ela rapidamente perguntou se eu queria um café. Disse que sim sem mesmo saber se era aquilo que eu queria...

Ficamos assistindo tv normalmente. Mais tarde, já quase na hora de cada um ir para o seu quarto, tomei coragem e falei: Vamos dormir, mas antes quero mais um abraço bem gostoso. Ela estava com alguma coisa nas mãos e deixou em cima do sofá e veio para o abraço. Baixinho falei para que ela não se afastasse, pois tinha gostado muito de nosso último abraço, e além de tudo estava mesmo precisando muito 'sentir' aquele abraço com ela. Para minha surpresa, ela veio se encaixou como uma luva e deixou meu penis roçando nela e fomos nos abraçando cada vez mais com muita vontade...Agora estava com as mãos em suas costas e perguntei se podia colocar as mãos por baixo da blusa, ela fez com a cabeça que sim...Entrei com minhas mãos em suas costas e fui deslizando bem suave por toda a região, dado momento vim para a lateral onde se iniciavam seus seios...Ela percebeu minha intenção e me deu um beijo gostoso e demorado no rosto, que me pareceu um incentivo a continuar. Não esperei e passei a mão em seu peito de leve, por cima do sutiã, senti que ela movimentou o corpo um pouco com isso. O abraço estava sendo o mais longo que já tínhamos dado...Ela disse olhando para baixo: vamos parar por hoje e vamos dormir? Ainda encontrei coragem para perguntar: Mas podemos continuar amanhã? Ela disse que sim, me pediu desculpas e me deu boa noite. Não conseguia dormir com aquelas lembranças na cabeça e não tive outra saída, acabei me masturbando e pensando naquilo tudo e logo gozei com uma sensação muito boa, como havia sentido poucas vezes...No dia seguinte, nos abraçamos rapidamente e nos demos bom dia. Ela saiu para o trabalho e fiquei até mais tarde, já que não tinha nada urgente para fazer. Resolvi dar uma olhada em seu quarto e remexendo em sua coisas, encontrei bem escondido um penis de silicone, mas era bem fino e comprido, estranhei, era fora dos padrões que as pessoas sempre escolhem quando querem uma peça dessas...Achei também um creme bem cheiroso, bem proximo da outra peça, parecendo que os dois eram usados em conjunto. Deixei tudo em seus lugares e fui fazer o que precisava. Quando voltei ela não tinha ainda chegado e aproveitei para colocar um pijama bem fino para saborear de novo tudo aquilo de ontem. Mais tarde ela chegou, mas veio com uma colega de trabalho para tomarem um lanche e eu, já de pijama fui para o quarto ver um pouco de tv. Passada uma hora, mais ou menos, ela vei me avisar que a amiga já tinha ido embora, e veio logo abrindo os braços. Nos encostamos como sempre e desta vez já subi com a mão para acraciar seu peito e para surpresa minha, não usava o sutiã...não mostrei surpresa, e ela nem se incomodou também, mas sentia que a cada passada com a mão em seu peito ela respirava cada vez mais fundo e se encostava mais ainda o corpo todo...Não resisti e perguntei se podia botar a boca neles, ela olhando para baixo disse que sim, e logo estava sugando aquele peito delicioso, e sentia que ela estremecia às vezes...será que tinha tido orgasmo? E para parar com tudo, ela sempre perguntava se eu queria um cafézinho, dizia que sim e íamos para a cozinha e ela voltava a falar das coisas do dia a dia, sem que se sentisse envergonhada, achava aquilo estranho. Não estava mais aguentado essa situação e mais tarde numa conversa, perguntei a ela se gostava mesmo dos nossos abraços, disse que sim com um sorriso tímido no rosto. Fui adiante na conversa e perguntei se ela não sentia necessidade de algo mais nessas horas, olhou meio sem jeito e respondeu que sim, mas se sentia inibida por causa da nossa situação. Aproveitei a conversa para tentar tirar o máximo de informações e proveito para as próximas ocasiões...Falei para ela que todo homem precisava, de vez em quando, colocar para fora aquilo que o corpo fabricava, ela fez que sim com a cabeça, e falou que se ela pudesse ajudar que ela faria de alguma forma. Cheguei mais perto dela no sofá, bem lado a lado, passei a mão pelo seu ombro e disse que ela podia ajudar muito, sem fazer nada que não quisesse ou gostase. Afinal era minha filha e iria até onde achasse que devia. Ela me perguntou como seria, meio sem graça disse que existiam muitas formas de fazermos sem que fosse feita a penetração e ela falou que sabia, mas será que eu não ia achar que ela era uma safada? Falei que não, e que isso era mais comum do que ela podia imaginar.

E já que estavamos bem próximos, deixei a mão chegar em seu peito e já puxando a mão dela para cima do meu short do pijama...Ela sentiu que estava com o penis meio duro e deu um sorriso, e falou que gostaria de fazer aquilo no banheiro para que não sujasse nada na sala...E fomos para o banheiro e lá chegando falei para abaixar o tampo do vaso e sentar. Pediu para apagar a luz e deixar a porta entreaberta para que não ficassemos totalmente no escuro. Baixei meu short e ela pediu para tira-lo, o que fiz. Peguei a mão dela e coloquei no meu pau, ela logo começou a acariciar sem muito jeito. Depois de alguns minutos senti que não iria segurar por muito tempo aquilo e avisei que se ela quisesse também eu faria carinho com minha mão em sua bucetinha. Disse que hoje ela preferia resolver a coisa para mim, e outra hora faríamos sim...Pedi que ela colocasse meu pau na boca, ficou meio sem jeito, falei que ajudaria bem, e ela fez, o que me deixou quase sem respiração de tanta satisfação. Com meu pau em sua boca, comecei a fazer movimentos de entra e sai, sentia ela passando a lingua e avisei que não ia aguentar por muito tempo, estava muito bom...Então ela pediu para eu gozar no vaso dessa vez. Levantou-se e ficamos os dois em pé e ela me masturbando bem rápido, quando senti que ia gozar, avisei e ela mudou de idéia e pediu para gozar nas mõs dela, o que fiz com muito gosto e senti quela me olhava nos olhos enquanto eu me contorcia...Abri a torneira da pia para que ela lavasse as mãos, e logo em seguida me limpei o restante e lavei as mãos também, coloquei a roupa e saímos do banheiro e ela me falando: quer um cafezinho? Sim, vamos lá...E nos despedimos com muito carinho e fomos dormir...Estava bem satisfeito com o andamento de tudo. No dia seguinte, como se nada tivesse acontecido, cada qual foi fazer suas coisas com um longo abraço. Na rua, e ansioso para voltar para casa e continuar com aquela aventura gostosa, lembrei de comprar camisinhas, caso as coisas mudassem, e mesmo não mudando eu as colocaria na hora de gozar, como uma cortezia..Quem sabe se com a camisinha ela não aceitaria que eu gozasse em sua boca? Nesaa noite entendi que ela não estava disposta a qualquer coisa de sexo, pois me disse que ia me convidar para ver um filme que tinha visto já o trailer. Aceitei e assistimos o tal filme, bem escolido, um tema romantico, mas com alguma cenas bem quentes, que quando passavam ela me dava um sorriso curto, quase que disfarçado, mas entedi bem as mensagens de cumplicidade. Para não contrariar a sua decisão, ao final do filme a convidei para um lanche antes de irmos dormir, o que foi aceito uma muita conversa fiada depois. E chegou a hora de dormir, ainda cheio de vontade de ter mais sensações deliciosas, ouvi o seguinte: vamos dormir, amanhã pode ser que seja melhor, não é? Depois de um abraço bem apertado e super gostoso, sem mais nada, fomos dormir...Dormir? Com esses pensamentos na cabeça? Não conseguia pensar em mais nada..voltei para a sala e fui ver tv até achar alguma coisa que me desviasse a atenção daquele desejo..Quando estava desligando a tv e indo para o quarto, aparece minha filha perguntando o que estava fazendo acordado até aquela hora. Expliquei que tinha ido para a cama e não pegava no sono, ela comentou que tinha dormido um pouco e que acordou com um barulho e tinha perdido o sono...Será que fui eu que te acordei guardadndo as coisas da cozinha? Não, nem daria para ouvir, estava com a porta fechada...Ficamos nos olhando e nada de nenhum dos dois achar uma palavra par dizer...Só sei que quando vimos estávamos abraçados e cheios de tesão para continuar aquela coisa deliciosa. Ainda peguntei da sua hora no dia seguinte, ela me disse que só iria trabalhar depois do almoço, que ela tinha direito de faltar um dia no mes, como toda mulher tem...No abraço ela sentiu de novo minha vontade e logo falou que se fosse para fazer que seria a vez dela ter prazer. Perguntei aonde ela queria ir. Vamos para seu quarto,falou...Só não repara, quero ficar debaixo do lençol, fico com vergonha ainda...Mas olha, vou só deixar você me pasar a mão e me fazer ter prazer, nada mais dessa vez, tá bem? Sim, respondi, já imaginando que tinha que ter paciencia, e que tudo ia acontecer bem devagarinho, não tinha como apressar...Tiramos as roupas embaixo do lençol, e a abracei com carinho, deslizei as mão pra seus seios, que delícia..Depois de fazer muito carinho abaixei um pouco mais o lençol e coloquei a boca..Senti ela se contrair e enquanto sugava suavemente seus seios, fui chegando em sua bucetinha, fui passando a mão devagar e depois de um tempinho fiquei rodeando seu clitóris com o dedo médio, foi onde ela pediu para ir devagar..Ai, que paciência tinha que ter, minha vontade era já de estar dentro dela, mas tinha que entender o seu tempo.

Depois de uns minutos senti sua respiração mais acelerada, e ela falava baixinho: 'Está gostoso...está gostoso...' Foi o sinal para acelerar mais um pouco e em menos de um minuto ela estava procurando meu penis com sua mão, e logo que o pegou começou a me tocar um punheta maravilhosa, bem agradável, ainda comentei que hoje era o dia dela e não o meu, mas ela respondeu que poderia ser dos dois, não é? Falei que sim, tudo que ela quizesse...Mais dois minutos e ela disse que não dava mais para segurar, falei baixinho em seu ouvido: goza, meu amor, com tudo que vcocê tem direito...Não fiz mais nada além do dedo circulando no mesmo lugar, de repente senti ela contrair o corpo enquanto dizia: ah, como foi bom...bom mesmo...Disse para ela descansar um pouco, mas ela disse que ia acabar para mim, falei que tudo bem então. E o lençol já estava quase nos pés e nem tínhamos percebido isso. Me sentei na beirada da cama para ficar mais fácil, mas ela disse para continuar deitado, e logo se curvou em direção ao meu penis, passando a língua e depois, bem devagar movimentando com a boca. Reparei que isso a deixava bem relaxada, e avisei que eu não tinha muito controle quando era chupado, e podia gozar a qualquer momento. Ela parou e continuou com as mãos e antes que pudesse avisar comecei a gozar, virei o pau para um lado e ela mais que depressa segurou o penis entre as mãos, como da ultima vez e sorrindo agradeceu pelo prazer que teve, eu também agradeci. Ficamos ali mais uma meia hora, talvez, só com carinhos nos nossos corpos. Queria que tomassemos banho juntos para ver melhor seu corpo na claridade, mas ela preferia tomar o banho sozinha, o que respeitei, sabendo que, se tivesse paciência, chegaria o dia...Passaram tres dias que ela não dava sinais de querer algo, quando olhei para ela para perguntar, parece que ela adivinhou e me disse: quem sabe amanhã, tá? Fiz que sim e fomos ao lanche da noite, falando das coisas do dia. Agora, pela manhã aqueles abraços quase não existiam e eram trocados por um delicioso beijo de língua, coisa que antes ela dizia que não gostava...De novo noite e após pouca conversa nos abraçamos, ela me disse que estava gostando muito do que andava acontecendo, era muito gostoso, que ela nunca tinha sentido tanto prazer...Falei que o melhor ainda estava para acontecer, era só ela querer. 'Ah, mas tenha paciencia, tá bem?' Claro, toda que seja preciso, desde que não paremos com os carinhos. Ela me disse que hoje só mais tarde poderíamos pensar nisso, pois a amiga dela viria para pegar algo com ela. Até que amiga foi rápida, pois ainda ia para a faculdade. Vimos um seriado que gostávamos, e ela de vez em quando esticava sua mão para eu pegar, fiquei pensando como eram diferentes os pensamentos de mulher e homem...Eu querendo logo partir para alguma atividade e ela normalmente conseguia deixar para a hora que queria. Acabado o seriado, ela disse que iria colocar uma roupa mais fresca e voltou de short e blusa, me peguei olhando para suas pernas, tão bonitas e roliças, ela percebeu e perguntou se eu nunca tinha visto, debochando. Respondi que sim, mas agora via com outros olhos, parece que gostou da resposta, disse que podia alisar suas coxas, se quisesse. Nem respondi, comecei a alisar bem devagar sua pernas, elogiei a maciez de sua pele, Levantou e apagou a luz pricipal e acendeu um abajur ao lado do sofá..E se esticou para facilitar o passar das mãos...Falei que ia colocar o short do pijama e ela ficou alegre, imaginando...Voltei depressa para não esfriar o clima e continuamos a coisa. Já enfiei as mãos em seus peitos, eram durinhos ainda , e muito gostosos de se sugar, e ela sentia muito prezer nisso, dava para perceber pela sua respiração que ficava acelerada. Pedi que ela tirasse a blusa para poder ver seus seios, e ela aceitou e retirou bem devagar...detestava aquela lerdeza, mas não queria estragar tudo...Fiquei sugando seus seios e passando a mão em suas coxas e ia cada vez mais para cima, ela já estava bem excitada com isso (e eu também...).

Ela perguntou se podíamos parar um pouco, ela queria pegar uma coisinha...Falei que sim e ela pediu que eu tirasse minha roupa e deitasse, e esperasse...Tirei o que tinha e ela falou que já voltaria...Voltou enrolada na toalha do banho, e na cama tirou a toalha e me deixou ver todo seu corpo maravilhosamente lindo...Gostou? perguntou. Claro que gostei, respondi. Deitamos e começamos a nos acariciar onde fosse melhor para cada um. Ela virou-se para a mesinha de cabeceira e pude ver aquela bunda linda no seu todo, que loucura me passou pela cabeça...Ela se virou de volta e me mostrou uma camisinha, e me perguntou se eu aceitaria usar, disse que sim, e que seria uma loucura de prazer entrar sem nada, não ficaria em paz se fizesse assim. Ela me contou, enquanto colocávamos a camisinha, que tinha feito sexo com seu segundo namorado por algumas vezes, mas depois que tudo terminava vinha nela um arrependimento...Nunca tinha sentido prazer com ele, era mais para não perde-lo, mas ele depois que conseguiu fazer sexo com ela, deixou de trata-la bem e até esquecia que ela existia...Não demorou muito para que tudo acabasse e ela nunca mais teve vontade de tentar com mais ninguem. Perguntei se ela já tinha feito sexo anal, disse que não, que as amigas diziam que era muito dolorido e ficavam envergonhadas depois...Expliquei que tudo tem sua técnica, e que se um dia quizesse experimentar, eu poderia penetra-la sem medo. Mas ficaria por conta da vontade dela. Então me disse que aquela noite ela seria minha, e eu poderia gozar lá dentro, mas com a camisinha....E me falou que podia acender a luz, se quiser...Disse que assim estava bem, dava para nos vermos e isso era o suficiente. Ela se deitou com os joelhoes para cima, afastei suas pernas, mas ela pediu para colocar um gel na camisinha para facilitar a penetração, pois sempre sentia desconforto sem ele...Pedi que passase o gel, me ajudaria a ficar mais durinho, e ela fez com muito carinho e me pediu para ir...Foi uma sensaçaõ muito gostosa ao ficar cara a cara com ela e bem por cima, pedi que ela pegasse meu pau com sua mão e me mostrasse a direção certa para a penetração, ela ajeitou a posição e me disse que assim estaria bem, devagarinho pude sentir meu pau entando apertado por aquela bucetinha bem apertadinha e fui entrando bem devagar. La no meio do caminho comecei a entrar e sair devagar para sentir se podia ir mais, e olhei para aqueles olhos lindos e vi um sorriso suave que me fez enfiar o resto que faltava...ela me abraçou e falou que estava bem assim, que podia prosseguir. Comecei o entra e sai num ritmo bem suave para poder sentir toda aquela sensação de estar dentro de uma mulher, era uma delícia. Aos poucos ela começou a se remexer e pediu que fizesse mais rápido, e ficamos nos beijando de língua enquanto transavamos. Ela disse se eu me importava se ela gozasse primeiro, disse que não, que era o certo, mas o ideal é que chegassemos juntos ao final, mas isso levavaum tempo para acontecer...Baixinho ela gemia, muito baixo como se estivesse com vergonha. Não comentei nada e já senia que não demoraria para chegar ao fim daquela transa gostosa também e me segurei para não acabar antes dela...De repente ela soltou um 'aiiii.' e se contorceu, senti que tinha tido um orgasmo, mas continuei, e deixer vir o meu também. Foi uma delícia, um momento bom...Finalmente nos separamos, e senti meu corpo um pouco suado e descolando do dela, também um pouco suado...Mas ela fez questão de ficar abraçada um pouco mais e aceitei...Ela disse que gostou muito, era bom estar comigo, eu sabia entende-la bem, disse que sim, que também tinha gostado muito.Na verdade depois de tudo, quem tinha um certo arrependimento era eu, mas não comentei. Ficamos em silencio, acho que recordando os últimos momentos..

E nossa vida seguia assim, nossas carícias cada vez diferente da outra e era ela quem escolhia como fazer, e o dia também. Uma noite de comum acordo resolvemos fazer um anal. Mas lembrei que quando fazia, tinha sempre que ter uma preparação bem longa para não ter arrependimentos...expliquei para ela como tinha que ser, então, de acordo, resolvemos adiar e começar uma preparação, antes de ir em frente. Mas ela logo interrompeu e me pediu para não ficar zangado com uma coisa que ela ia me contar, disse que eu iria entender, se gostasse mesmo dela...Começou me contando que ela e aquela sua amiga, que vinha ve-la algumas vezes, uma noite, depois de muitas confidencias entre elas, a amiga contou que tinha feito um anal com o namorado, mas que tinha sido muito ruim, mas que ela gostava muito dele e queria que tudo desse certo e pediu a ajuda dela para prepara-la para a próxima sessão de anal com o namorado, já que ela tinha lido bastante sobre a mecanica da coisa e sabia que ele queria, mas nem sabia como começar a coisa. Ela contou que ficou muito sem jeito, mas eram muito amigas e perguntou como podria ajudar naquela situação, foi onde a amiga mostrou um penis de silicone bom fininho que ela tinha comprado especialmente para o preparo, mas não sabia como pedir isso ao namorado.Estava pedindo a ela para fazer as primeiras introduções anais, para quando chegasse a hora já tivesse uma boa dilatação. Ela disse que ajudou a amiga, mas nunca passaram daquilo pois as duas não sentiam vontade uma pela outra, era só uma ajuda que uma só não tinha como fazer direito...Por isso tinha encontrado aquele penis nas coisas dela, pensei...Falei que não ficaria zangado, com certeza entendo a situação, que é incomum, mas acontece. Pedi a ela que me contasse com detalhes como foi feito tudo e senti que ela contava tudo com detalhes, e tinha prazer nisso. Pedi a ela para pegar seu gel, que gostaria de começar a dilatação dela hoje mesmo...Ela voltou com o gel, e disse que ia ficar de ladinho para ficar mais fácil..Já com o dedo médio untado, procurei seu anus e logo que encontrei tentei inseri a primeira parte do dedo, mas senti que ela estava travando a entrada, pedi para ela relaxar e devagarinho voltei com o dedo e de novo apontei a entradinha de seu cuzinho e eixei assim por uns segundos, e ela já se preparando falou que assim estava bem, podia continuar. Devagar novamente apontei a primeira parte do dedo e senti que não havia mais empecilho, então muito devagar fui enfiando meu dedo, e voltava e ia de novo até que ela me disse que não era tão ruim como ela havia pensado, mas falei que isso era o dedo, um penis era mais grosso e mais comprido, no que ela concordou, mas adiantei que fazendo este exercicio de vez em quando, em duas semanas ela estaria preparada. Voltamos as nossa brincadeiras mais normais, mas toda vez que podiamos, faziamos uma preparação do anal, que estava indo muito bem...E ela gostava de fazer a preparação antes da transa e dizia que ajudava a chegar ao prazer...Falei para ela que o prazer era todo meu, e rimos muito...Minha atividade sexual, que até bem pouco tempo estava meio parada, agora estava sempre em dia, me deixando muito feliz e até mais tranquilo. Tinha horas que parava e ficava pensando em tudo, uma loucura que nem podia ser contada a ninguem, pela nossa situação. Tinha que ficar entre nós somente, falei para ela uma vez.

Passado umas duas semanas de 'treinamento' ela mesma resolveu que gostaria de experimentar o anal, concordei com ela, mas avisei que não tinha ainda feito a preparação que precisava, mas vamos lá. E agora? como começar uma penetrção anal com o penis? Fomos procurar uma literatura e chegamos à conclusão que o melhor seria 'de ladinho'. Tinha comprado um gel próprio para isso e não fiz economia...e fizemos uma última preparação com o dedo. Chegada a hora, a dificuldade era a posição...não dava certo como tínhamos lido,era difícil para os dois. E nós já ansiosos para ver io resultado e estava demorando a tomar forma, mas ela bem esperta descobriu que era melhor ficar de barriga para baixo e colocar um travesseiro bem abarixo da barriga, assim empinaria a bunda e ficaria mais fácil..Quando vi aquela bunda bonita não acreditei que estava ganhando aquele presente...E vamos nós: Tudo bem lambuzado tentei a entrada de seu anus, mas ainda estava difícil, escorregava muito, até que numa das tentativas acertamos e ficou logo na entrada, lembrei de dizer para relaxar, senão não iria. Vai logo, está muito gostoso já onde está..disse. Apenas um pequeno esforço e ela quase gritou: 'Entou, entrou...faz que está muito bom..' E lá fomos nós por quase dez minutos no entra e sai, ela não disse uma palavra, mas eu disse que não ia dar para segurar muito, era muito gostoso aquel entra e sai, ninguem aguenta muito..Ela disse que por ela podia gozar ali mesmo, mas não tive coragem e retirei em cima da hora e acabou lambuzando sua bunda tão bonita com muito esperma...Ela pediu que pegasse papel toalha para limpa-la, e logo depois quis ficar mais um pouco na cama. Disse que não era tão ruim como falaram, mas também não era aquela maravilha, era só uma forma diferente de sentir prazer...Preferia as outras maneiras.. Agora que tínhamos saciado (em parte) nossos desejos proibidos, nos permitámos pelo menos um encontro semanal para essa finalidade..E isso já acontece há quase dois anos e meio...Vamos ver quem desiste primeiro....

Comentários

13/02/2018 11:17:07
Um conto real a assim mesmo muito bom.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.