Casa dos Contos Eróticos

O Primo Prometido II

Um conto erótico de JT
Categoria: Heterossexual
Data: 12/01/2018 12:40:20
Última revisão: 13/01/2018 00:05:45
Nota 10.00

Atenção: este conto é a parte 2! Se possível leia o primeiro!

.

.

.

Quando eu acordei no meu horário de costume perto das 5 da manhã, abri meus olhos e fiquei confuso com o lugar onde eu estava, mas ao olhar para o lado eu a vi, com sua pele de mármore nua entrelaçada aos lençóis e os cabelos ruivos bagunçados cobrindo o travesseiro. Mal pude acreditar naquela visão tão perfeita, minha Emily, tão linda com seu corpo bem definido de seios fartos, coxas grossas, bunda redonda e grande, senti meu pau dar sinais, mas contive meus pensamentos porque ela parecia tão serena dormindo, cai no sono novamente.

“Primo, obrigada pela noite, tive que sair cedo para trabalhar. Vejo você em breve, bjs”

Ao levantar da cama atordoado e a procura dela encontrei apena esses dizeres em um bilhete junto com uma bandeja com frutas e suco, coloquei minhas roupas e no caminho para minha casa comecei a pensar na loucura que era tudo aquilo, aquela menina nova se entregando pra mim e onde eu estava com a cabeça?! Céus, ela era minha pequena, minha prima! Eu cuidei dela! Precisava conversar com ela e resolver logo essa situação, não podia deixar isso ir adiante, era errado para ambos!

Liguei, ela não me atendeu... deixei recado na caixa postal pedindo para conversarmos. De qualquer forma a noite nos veríamos no aniversário de outro primo, na mesma chácara em que eu a beijei a primeira vez agora eu teria que terminar esse relacionamento errado.

- Oi JT! O que aconteceu?

- Emily a gente precisa conversar!

- A gente conversa de noite ta bom?! Eu to muito ocupada hoje! Te vejo de noite na festa do Teus ok?! - ela desligou tão rápido que eu só tive tempo de concordar.

Quando a noite chegou eu fui pra chácara com meu discurso pronto para resolver a situação, quando cheguei lá haviam diversos moços novos que eram amigos do Matheus o aniversariante, muita bebida, comida e música alta. Todos estavam felizes e se divertindo e eu fingindo que não esperava ansioso ela chegar, quando ela chegou eu percebi diversos olhares comendo o corpo dela, os moços eram da idade dela e sabiam apreciar uma obra de arte quando viam uma, ela estava linda com os cabelos ruivos cacheados soltos todo jogado para um lado, usava um vestido de tecido leve floral, uma sandália delicada e mesmo de longe eu senti seu perfume invadir meus sentidos, mas eu precisava me manter forte. Ela foi direto na direção do Matheus, deu um longo abraço e desejou felicidades, nosso primo orgulhoso em exibir a prima mais bonita de todas apresentou ela para os amigos, ela sorriu e deu beijinhos em todos. Quando ela saiu de perto os meninos estavam enebriados com a essência dela que cativava a todos.

- Oi JT! Quanto tempo!! – ela veio na minha direção com seu sorriso lindo e fingindo maravilhosamente bem, os parentes em volta de nós brincaram dizendo que eu não tinha costume de ir as festas de família, mantivemos uma conversa amena ali, mas meus olhos não saíam de cima dela! Ela estava tão linda e cheirosa, um decote maravilhoso!

Ela saiu de perto de todos com a desculpa que precisava de algo que estava no carro e eu soube que essa era a minha deixa, os carros estavam todos estacionados em uma área com pouca luz embaixo das árvores. Eu cheguei ao carro logo após ela, não tive tempo de dizer nada, quando percebi sua boca estava colada a minha.

- Emily! É sério a gente precisa conversar! Por favor! – eu a afastei de mim e vi seu rosto ficar preocupado sob a luz do luar. – Lily... a gente não pode continuar isso! Nós somos primos, eu sou mais velho, não sei onde eu tava com a cabeça quando deixei tudo isso acontecer...

- Tua cabeça tava no meio das minhas pernas JT, você é um idiota mesmo! Eu aqui toda boba, me arrumei pra você, pra ser dispensada! Tudo bem então, você não quer... – ela passou a mão pelos cabelos nervosa, estava com lágrimas nos olhos, mas não chorou. – Eu vou respeitar sua decisão. Vou ignorar o que aconteceu! Boa sorte primo...

Ela me deu um beijo no rosto e voltou para a festa com passos rápidos, imaginei que estava correndo para não chorar na minha frente, eu não suportaria vê-la chorar, meu amor por ela era tão grande, mas era errado e eu havia tomado a decisão certa. Passei um tempo do lado de fora sentindo o gosto dela na minha boca e pensando na noite que tivemos, seu corpo quente colado ao meu, o gosto do seu mel... minha Emily... Eu estava enlouquecendo em pensamentos e percebi que havia feito algo muito errado em dispensar ela, eu amava ela, precisava dela! Voltei correndo para a festa para falar com ela, mas quando entrei ela estava no canto conversando com um dos meninos que era amigo do Matheus, quando ela me viu entrar começou a passar a mão pelo braço dele, mordia o lábio, ria para o menino.

O ciúmes tomou conta de mim, comecei a ficar nervoso e inquieto. Ela estava conversando com aquele pivete e fazendo charme na minha frente, eu não podia tolerar. Virei de costas e comecei a conversar com as outras pessoas, quando fui olhar de novo para onde ela estava ela já havia saído e estava indo em direção aos carros estacionados puxando o moleque pela mão. Meu sangue subiu e eu fui atrás.

Quando cheguei aos carros ela estava encostada em um jipe e o menino estava com as mãos em sua cintura, aquela cena me deu tanta raiva que eu bateria naquele moleque se ele se aproximasse mais dela.

- EMILY! Vem aqui por favor! – falei entre os dentes de tanta raiva que estava sentindo.

- Estou OCUPADA Justin! Não percebeu não?! – ela sorriu e colocou os braços em volta do pescoço do menino.

- Emily por favor não me faça ir até ai!! - Passei a mão nervosamente pelo rosto, ela percebeu que eu estava nervoso de verdade e pediu para o moleque voltar para festa e que ela iria jaja porque tinha um probleminha para resolver...

- Tá com algum problema JT?! – ela fez beicinho e usava um tom irônico na voz, fiquei furioso a peguei no colo e a levei até meu carro com ela esperneando no meu ombro, mandei ela entrar no banco de trás, ela quis até dizer algo, mas desistiu e entrou no carro e eu entrei logo atrás. Agora estávamos a sós onde ninguém poderia nos ver.

- Você não pode fazer isso comigo! Não assim Emily, não agora!

- Você acabou de dizer que não me quer! E aquele rapaz fofo quer, então não vejo problema nenhum de ir pra casa com ele e fuder a noite toda!!!

- Porra Emi!! – bati as mãos espalmadas nas minhas pernas com força, estava com tanta raiva só de pensar em outro homem encostando nela. Eu estava tremendo de nervoso e ela me olhou tranquila e com um movimento rápido se sentou em meu colo de frente pra mim.

- Me come aqui JT! – ela roçava seu rosto ao meu, pegou minhas mãos e colocou na sua bunda, gemia no meu ouvido. – Me fode agora ou eu vou saber que você não me quer!

- Não faz assim Emi... – ela passou a mão pelo meu pau duro dentro das calças e começou a abrir meu cinto e calça. Tirou meu pau pra fora e começou uma punheta deliciosa com sua mão quente e pequenina, passei a mão na sua nuca e a puxei para um beijo voraz, cheio de sentimento de raiva e tesão. Levantei seu vestido em busca de seu sexo e ela estava sem calcinha e toda molhada já, a penetrei com dois dedos e ela gemeu no meu ouvido.

Eu estava quase gozando em suas mãos quando ela se encaixou em mim e desceu lentamente pelo meu pau me engolindo inteiro, me olhava nos olhos e mordia os lábios, quando eu estava todo dentro dela ela gemeu alto delirando de prazer, eu dedilhava sua buceta enquanto ela começava os movimentos lentos de subida e descida, saboreando o momento.

- Olha pra mim JT! – ela ergueu meu rosto de seus seios. – Eu vou sentar no teu pau pra sempre! Você vai me comer todo dia! Eu vo dar pra você em todos os lugares! – ela quicava forte sua bunda em mim em cada final de frase. – Porque eu te amo!!

- Eu também te amo Emi! – nossas bocas se juntaram em um beijo apaixonado e nossos movimentos se aceleraram, ela gemia e grudava as unhas no banco, eu continuei dedilhando sua buceta até que senti seus espasmos em um gozo forte, mas ela não parou, continuou cavalgando em mim e me dizendo besteiras ao ouvido, não demorou muito eu disse que ia gozar, ela se ajeitou como pode e caiu de boca no meu pau, chupando com vontade com sua boca de veludo e me punhetando, gozei enchendo sua boca de porra e ela engoliu e limpou meu pau todo.

Ela se sentou novamente no meu colo de frente pra mim, com um sorriso nos lábios e me encheu de beijos. Descemos do carro olhando em volta e voltamos para a festa, de longe eu vi quando Emily dispensou o rapaz que pareceu chateado, mas ele não insistiu. Logo ela estava dando tchau para todos e eu disse que ia aproveitar para ir também, quando chegamos aos carros ele segurou minha mão entrelaçando os dedos.

- Vamos pra casa JT! – ela sorriu e me beijou gentilmente os lábios, levou sua boca até meu ouvido. - Eu quero que você me fode na banheira!

Ela entrou no seu carro e eu no meu e partimos para viver nosso amor proibido.

*

*

*

Espero que tenham gostado, não esqueçam de ler e avaliar os outros contos também! Um abraço e até o próximo!

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
12/01/2018 15:32:33
Muito bom. Que situação em!!! Que importa e o tesão se existe amor.