Casa dos Contos Eróticos

Loucos Desejos -7- Fuga

Autor: Mrpr2
Categoria: Homossexual
Data: 14/11/2017 21:03:28
Nota -
Ler comentários (0) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Loucos Desejos -7- Fuga

Diego me ligou fui a seu encontro em um parque onde o encontro tocando violão o que nos trás lembranças do passado, começamos a conversar lembrar de nossa historia imbuídos por tanta emoção afaguei os cabelos lisos de Diego coloquei minha mão atrás de sua cabeça e a trouxe para mais perto beijei sua testa e encostei nossas testas.

_ Você é um cara muito especial Diego, gosto muito de você e por isso quero te ver bem, promete para mim que vai ficar bem, que vai voltar para a clinica e que nunca mais vai chegar perto dessas “coisas”?

_ Eu não quero voltar para la Beto, eu estou limpo eu juro, eu te amo e não quero ficar longe de você, eu so preciso de você!

Diego colocou as mãos uma de cada lado do meu rosto e me beijou.

_ Vamos voltar, sair daqui encontrar um lugar longe da minha família, longe desses problemas de drogas de tudo e viver juntos so nos dois...

_ Eu sabia que você estava metido nisso!

Gritou Eloa, irmã de Diego.

_ Eloa o que você esta fazendo aqui?

_ Estamos super preocupados com sua fuga da clinica te procurando por todos os lugares seu irresponsável!

_ Como assim? O Emilio levou ele para sua casa ontem, não foi?

Olhei para Diego que abaixou a cabeça.

_ Eu entrei peguei algumas coisas e sai, eu sabia que se ficasse la eles me levariam de volta para a clinica.

_ Tem ideia de como nossos pais estão garoto?

_ Eu não vou voltar pra la, não vou!

_ Vai! E será agora!

_ Por favor Eloa estou bem!

_ Se estivesse bem não precisaria ter fugido e muito menos estaria metido com esse ai. Alô pai encontrei ele, esta aqui no parque.

Ignorando o irmão que implorava com as mãos juntas e olhar cheio de lagrimas, Eloa ligou para seu pai, mas enquanto ela ligava Diego saiu correndo deixando seu violão para trás. Tentei ir atrás, mas Diego entrou em uma área de mata fechada do parque e sumiu. Comecei a ligar para todos os nossos amigos para caso alguém o visse nos ajudasse a encontrar estava me sentindo péssimo.

Em questão de minutos os pais de Diego chegaram ao parque e não demorou muito para a mãe dele tentar me agredir sendo impedida por seu marido.

_ Se acontecer alguma coisa com meu filho nem sei do que sou capaz de fazer com você!

_ Eu estava quase convencendo o seu filho a voltar para a clinica se não fosse a Eloa.

_ Mentira vocês estavam combinando de fugir juntos!

_ Cala a boca sua empata...

Um raio corta o céu e em seguida um barulho de trovão ecoa por todo o lugar.

_ Chega não é hora de apontar culpados logo vai chover, o Diego esta por ai desamparado cheio de sentimentos que não vai ajudar em nada a não ser fazer com que ele se afunde ainda mais e tenho certeza que não é isso que nenhum de nos quer para ele.

_ Com certeza não é o que eu quero! Já liguei para todos que eu conhecia se alguém souber dele vão nos avisar.

_ Vai pra sua casa o Diego esta sem celular e provavelmente com pouco dinheiro já que eu bloqueei os cartões dele, mas ele é esperto e provavelmente encontrara um jeito de entrar em contato com você. O que temo agora é essa chuva eu tinha visto no noticiário que teríamos uma tempestade.

_ O Diego tem medo de tempestade estávamos ate falando sobre isso hoje.

_ Meu irmão não é mais uma criança!

_ Não Eloa, mas neste momento com Diego confuso como esta isso não ajuda além disso se for realmente uma tempestade como na ultima vez alguns pontos da cidade pode ficar alagados e... bom nem quero pensar no que pode acontecer.

Eu estava chegando em meu prédio quando encontro com Marcia na esquina.

_ E então alguma noticia do seu amigo?

_ Não ainda não e agora com essa chuva tudo pode ficar ainda mais difícil, estou indo para casa caso ele tente entrar em contato comigo esse numero de celular é novo se ele tentar ele vai ligar para o fixo.

_ Quer que eu fique com você

_ Se não for te incomodar seria bom, ter você comigo neste momento.

Entramos no prédio e a chuva que já estava caindo se intensificou ainda mais, liguei a tv para acompanhar qualquer noticia. La fora a intensidade da chuva, dos ventos e dos raios aumentavam eu me preocupava ainda mais meus pés inquietos e minhas mãos apertadas deslocando os dedos demonstravam meu nervosismo. Marcia fez um chá e se ofereceu para me fazer uma massagem enquanto conversava comigo tentando me tranquilizar.

Sentei ao lado do telefone em uma cadeira ao contrario colocando meus braços sobre o encosto apoiando meu queixo em meus braços enquanto Marcia começou a massagear meu pescoço enquanto conversava comigo.

Marcia pediu para eu relaxar e soltar os braços. Marcia pegou em minha mão e a massageou e foi subindo pelo meu braço ate chegar à manda de minha camiseta em um impulso retirei a camiseta e a atirei no sofá, Marcia elogiou meu corpo e voltou a me massagear. Mesmo estando preocupado com Diego sentir o toque das mãos macias e quentes de Marcia percorrendo meu corpo estavam me excitando. Estando atrás de mim suas mãos desceram dos meus ombros pela frente do meu corpo encontrando meus mamilos que já estavam pontudos.

_ È... Bom... Acho melhor parar, quer mais chá?

Disse Marcia saindo de trás de mim e indo ate o bule.

_ Me desculpe não tive a intenção...

Tentei me explicar me levantando da cadeira procurando a camiseta no sofá.

_ Não, não é totalmente normal isso. Significa que esta percebendo meu toque e gostando.

_ Sim estava muito boa a massagem disse eu de pé olhando.

Se aproximando de mim saindo de trás do balcão que separa a cozinha da sala Marcia segura em minhas mãos e diz.

_ Não precisa se explicar, sei que esta preocupado com seu amigo, senti sua tensão só não quero que confunda as coisas e nem que pareça que estou tentando me aproveitar da situação.

_ Pode ficar tranquila, quero que saiba que só de estar aqui já esta me ajudando muito.

Com minhas mãos ainda cobertas pelas de Marcia e meus olhos olhando os seus fomos nos aproximando como se estivéssemos sendo atraídos como imãs. Cada vez mais próximos nossos rostos ficavam, nossas bocas foram pouco a pouco se abrindo ate que nossos lábios se encontraram e nos entregamos a um beijo que foi se intensificando a cada instante.

Aos poucos fomos nos dirigindo ate ficarmos ao lado do sofá e nos sentamos, continuávamos a nos beijar e a acariciar um ao outro. O cheiro de Marcia era muito bom suave doce, meus lábios percorriam seu pescoço, meus dentes apertavam suavemente os lóbulos de suas orelhas fazendo com que Marcia gemesse baixinho. Suas mãos subiam e desciam pelos meus braços dando leves apertões, iam para as minhas costas e do alto do meu pescoço descia ate em baixo me causando arrepios deixando todos os pelos do meu corpo arrepiados.

A chuva la fora não cedia, os raios e trovões continuavam a iluminar e ecoar no céu, nossas respirações a cada instante mais ofegantes e nossos carinhos mais intensos. Minhas mãos foram de encontro com os botões da blusa de Marcia e começaram a desabotoa los...

Continua...

Gostou? Deixe seu comentário sobre o que você espera para os próximos capítulos...

Autor: Mrpr2

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.