Casa dos Contos Eróticos

O Príncipe do Tráfico - RD Cap 6

Categoria: Homossexual
Data: 14/11/2017 14:04:36
Nota 9.86
Ler comentários (5) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

A morte é como um pesadelo, fria e escura. Talvez seja a pior sensação a se sentir.O medo que penetra eu seu corpo, paralisando todos seus orgãos. Seu cérebro processa por alguns segundos uma dor forte, que vai se diminuindo ao fechar os olhos... Mas o pior de tudo, é ficar preso em seu próprio corpo por alguma razão.

Em um sono profundo, lembrei de tudo que havia vivido. Talvez a unica forma de vencer aquele medo, era tentar sair dale. Tinha que haver um caminho, e em meio aquela escuridão, avistei uma luz que se aproximava cada vez mais de mim. Bom, não sei o que é pior. Morrer, ou voltar para o inferno.

Abrir os olhos de uma maneira que não conseguia enxergar, por causa da luz que era muito forte. Eles doíam demais... Conseguia ver alguns vultos brancos, em meio aquela luz.

- ELE ACORDOU... Disse alguém com desespero.

- Yuri, consegui me ouvir? Sou eu, o Ricardo.

Aquela voz parecia longe demais, mas conseguia sentir algo familiar. A voz pedia que não me mexesse, que ficasse quieto... Tentei mover meu braço, mas sentia uma dormência em meu corpo.

- Porque não consigo sentir meu corpo? Perguntei com dificuldade.

- Calma, irá sentir logo,logo. Descansa um pouco. Disse Ricardo.

- Onde eu estou? Perguntei.

- Você lembra o que aconteceu? Disse Dr. Ricardo.

Naquele exato momento, era como se passasse um filme em minha cabeça. Abrir os olhos de uma vez, e entrei em desespero.

Eu – ELE ATIROU EM MIM...

Ricardo – Calma, clama. Não fica nervoso. Yuri, Calma...

Ouvir ele pedir um medicamento, e logo senti uma pequena picada em meu braço direito. Apaguei... Depois de algumas horas, acordei e pude enxergar melhor, minha consciência havia voltado. Chamei a enfermeira e pedir um copo d’água. Uma mão veio com o copo em minha direção, e quando olhei, me deparei com o Ricardo.

Eu – Ricardo?

Ricardo – Olá! Tá mais calma agora?

Eu – Estou sim. Lembrei que hoje pela manhã levei um tiro do seu irmão. Nossa, acabei de lembrar que tenho uma sessão fotográfica hoje... Preciso ligar pra loja.

Ricardo – Infelizmente sim. Mas, não foi hoje.

Eu – Como assim?

Ricardo – Não sei como te falar isso, mas você ficou em coma por quase 2 anos. Conseguimos entrar em contato com sua familia. Seus pais se mudaram para o Rio. Vem todos os dias te ver... Desculpe falar tudo de uma vez só pra você, mas não tem outra maneira de contar.

Eu – O que? Dois anos? NÃO PODE SER ...

As lagrímas sairam, e a unica coisa que sentia naquele momento era ódio de mim mesmo. Como fui idiota.Não sabia o porque daquela oportunidade de estar de volta, mas sabia que apartir daquele dia tudo seria diferente. Meu sentimento por Rodrigo já não existia mais, mas meu ódia, era seu novo amor.

Ricardo – Fico feliz por ter acordado, belo adormecido!

Aquelas últimas palavras do Ricardo, me fez lembrar de quando seu irmão me salvou do tiroteio no morro.

Eu – Quando vou poder sair daqui?

Ricardo – Em algumas semanas. Seus pais chegaram, vou deixar vocês conversarem um pouco.

Era algo surreal, meus pais estavam ali do meu lado. Não podia acreditar que depois de tudo que passei só, ainda tinham a cara de pau de me chamarem de filho.

Mãe – Filho, meu filho... Eu sinto muito meu amor.

Pai – Nos desculpem meu filho. Sei que não fomos pais de verdade, mas estamos aqui para consertar um pouco dos nossos erros.

Eu – Consertar? Vocês sabem pelo menos o que passei? Vocês me jogaram na rua, como se eu fosse um objeto sem valor. Agora querem consertar...?

Mãe – Sabemos qui o que fizemos foi errado Yuri. Não estamos tirando esse erro da gente. A unica coisa que pedimos esse tempo todo, era que acordasse e tivéssemos a chance de consertar nossos erros, meu filho.

Eu – Talvez seja facíl pra vocês me pedirem compreensão, coisa que você não tiveram por mim. Eu só pesso a vocês uma unica coisa, me deixe em paz. Voltem para onde vieram e esqueça que um dia tiveram um filho. Porque o filho de vocês, está morto...

Uma Semana Depois

Eu – Agradeço a todos vocês por terem cuidado de mim esse tempo todo, sou muito grato por isso.

Havia chegado o grande e esperado dia, eu iria ter alta. Arrumei todas as minhas coisas e segui em direção há portaria do hospital. Ao chegar do lado de fora do Hospital, tive a pior decepção de minha vida. Ricardo estava aos beijos com um rapaz. Não podia acreditar... Foi o primeiro efeito colateral que tive. Quando estamos mortos, deixamos de ser importantes para as pessoas.

Me aproximei do do carro e disse:

- Ricardo...

Ricardo ao reconhecer minha voz, cortou o beijo e se virou de maneira brusca.

Ricardo – Yuri...

Sai sem rumo. Ele saiu do carro e veio correndo atrás de mim, deixando seu namorado. A unica coisa que tinha em mente, era sair daquele lugar, era esquecer o que tinha visto... Logo avistei Edna que tinha ido ao meu encontro.

Eu – Edna vamos sair daqui agora...

Edna – O que houve? Você está bem? Calma...

Ricardo – Espera Yuri. Vou te explicar tudo, tá bom?

Eu – Não precisa me explicar nada Ricardo. Pode voltar pros amasso com seu namorado. Esquece que existo...

Ricardo – O que queria que eu fizesse? Eu sofri muito no começo, porque além de ser seu médico sentia algo por você. Eu me culpei muito por tudo o que aconteceu... Não pense que foi facíl pra mim. O Diego apareceu em minha vida, e ele me fortaleceu com tudo o que estava acontecendo. Ele me ajudou a superar!

Eu – Superar? O que por exemplo?Eu perdi dois anos da minha vida por culpa do seu irmão... Se não tivesse ido pra sua casa, ou me relacionado com você, nada disso teria contecido. Enquanto isso, você estava tentando superar!!! Me poupe de suas explicações...

Peguei Edna pelo braço e sai andando, deixando Ricardo na calçada com suas duas mãos entre a cabeça...

Quando voltamos a vida, percebemos que o medo que sentimos não existe mais. Somos capazes de qualquer coisa, somos uma versão melhor de nós mesmos. Eu iria me vingar, alguém tinha que pagar... Tive a chance de voltar a vida, e não deixaria que ninguém atirasse de mim. “Antes de sair em busca de vingança, cave duas covas.” –Confúcio. Era uma frase que temia, e respeitava. Mas naquele momento, eu cavaria quantas covas fosse preciso... Se esperão por Romance, sinto dizer que estão no lugar errado.

Continua...

Comentários

16/11/2017 09:52:23
Vixe
14/11/2017 16:57:49
Tensooooooo
14/11/2017 16:30:13
Coitado do Yuri eu disse que essa historia com os gêmeos nao ia prestar, afinal os dois no fim era tremendo p** no c*. Q ele vá embora desse lugar sme afaste dessa gente vil e recomece esquecendo essa vingança.
14/11/2017 15:47:15
Nossa quanto tempo, mas adorei esse cap.
14/11/2017 14:30:30
Hum interessante. Vamos rever tudo, primeiro Yuri fica parecendo uma puta atrás do Rodrigo e ai do nada aparece Ricardo e da um de bom moço e por culpa dos dois irmãos o Yuri fica em coma e agora que finalmente ele acordou depois de 2 anos ele vai atrás dos dois para se vingar? Que burrice, menino supera isso. Muda pra outra cidade vai viber sua vida, já ouviu falar que " O Ódio é um veneno que vc mesmo bebe". Nao adianta nada. Claro que no lugar dele eu ia fica com muita raiva, no maximo meteria a mão na cara do Ricardo, mais é burrice destruir a própria vida pra se vingar

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.