Casa dos Contos Eróticos

Amigos, amigos, sua mãe a parte (FINAL 2)

Autor: Pedro
Categoria: Heterossexual
Data: 14/11/2017 00:30:08
Nota 10.00
Ler comentários (2) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Ainda escutando o barulho da torneira do banheiro ligada, virei o colchão, eu não ia me deitar naquela sujeira, deitei com o pau ainda no efeito do Viagra, estourando de duro, era inevitável não olhar para o Vitor mas acabei ficando olhando para o teto e para porta do banheiro para evitar esse contato visual com ele até que Marcia sai do banheiro, ela também olhava fixamente para mim, provavelmente queria evitar de olhar para o filho mas ela já estava mais tranquila, quando viu meu pau completamente duro como se nada tivesse acontecido riu

- Meu deus, que isso, virou até o colchão, não vai ter uma pausa não ?

- Pausa? Nem comecei ainda

- Ai meu deus...

Marcia tapou os peitos com a mão e virou para Vitor com uma perna na frente da outra tentando se esconder.

- Vitor, pede uma pizza pra gente, você escolhe o sabor, não esquece de pedir refrigerante também, se quiser pedir alguma coisa pra você hoje ta liberado, tá?

- Tá.

Vitor se levantou e foi para sala pegar o telefone mal ele saiu do quarto Marcia correu e fechou a porta e trancou na chave, encostou na porta olhando para mim rindo e Vitor do outro lado da porta

- Mas mãe...

- Pede a pizza, quando ela chegar eu abro a porta

- Vai abrir mesmo né?

- Vou meu anjo, pede a pizza e da esse tempo da pizza chegar pra mamãe, ta bom?

Com uma voz desanimada Vitor responde

- Tá bom mãe...

Marcia veio andando em minha direção acelerando o passo, com as duas mãos atrás da cabeça e com o pau completamente ereto, olhei pra ela

- Temos quanto tempo?

- O suficiente

- Ah é? Então senta nessa rola agora de verdade

- Pode deixar

Marcia subiu no colchão veio andando comigo entre suas pernas, eu ali deitado com ela em pé só olhava pra cima e vi aquele mulherão, buceta raspadinha subindo para sua barriga, seus peitos maravilhosos e aquela cara de safada olhando pra mim enquanto prendia o cabelo que a deixou mais sexy ainda, Marcia começou a se agachar como se tivesse fazendo agachamento na academia, veio descendo apoiando as duas mãos no meu peito e rebolando com movimentos circulares, meu pau também acompanhava fazendo circulo encostado na sua buceta mas ainda não estava dentro dela, o único trabalho que eu tive nisso foi com a mão encaixar na entrada da sua bucetinha, quando ela sentiu que estava posicionado começou a descer, voltei com as duas mãos atrás da cabeça apenas curtindo aquela sensação maravilhosa, Marcia se arrumou pegando mais apoio com os pés, olhou pra mim mordendo os lábios com a cara de quem ia acabar comigo, jogou os peso nas mãos apoiadas no meu peito e começou a bombardear subindo e descendo no meu pau, sua bunda colidia contra o meu corpo e conforme ela sentava o ritmo ia aumentando e o barulho dos estalos aumentava, nos olhávamos olho no olho em uma conexão intensa, Marcia segurava os gemidos e a sentada ela evitava de gemer e soltava respiração com força junto com um leve gemido “Ah, Uh, Uh” e tome sentada, naquele momento eu estava no paraíso uma sensação indescritível com uma vista maravilhosa eu não sabia para onde olhar, a expressão de tesão dela era incrível, seus peitos balançando e aquela buceta engolindo meu pau, eu alternava olhando para tudo, uma loucura, até que Marcia começou a gemer sem segurar

- Que rola é essa senhor, puta que pa... aieeeee, uuh, aiiii, eu vou gozar, eu vou gozar, eu gozaaaar!!!

Marcia perdeu o ritmo das sentadas, começou a tremer as pernas, ela fechava as pernas ainda por cima de mim mas parecia fazer força para abrir novamente e voltar a quicar na minha rola mas acabava levantando poucos centímetros e caia novamente, logo começou a apertar os proprios seios e alternava passando a mão na buceta, completamente sem controle dos movimentos do seu corpo que ainda se tremia

- Me fode, me fode, fode essa buceta, não para não, aieeeeee, me fode

E conforme pedia para ser fudida foi caindo para trás, meu pau saltou de sua buceta fazendo ela dar um grito

- Aaaaah não para não, bota de volta!!!

Rapidamente me levantei ficando de joelhos na cama, Marcia com as pernas fechadas com uma das mãos acariciava seu peito e a outra entre as suas pernas acariciando sua buceta, abri suas pernas com uma certa resistência mas ao mesmo tempo que ela fazia força pra eu não abrir suas pernas ela pedia, implorava pra ser fudida com força, abri suas pernas com força e sem cerimonia apontei meu pau na sua bucetinha e soquei todo de uma vez, Marcia deu um gemido alto e levantou o quadril a segurei pela cintura mantendo seu quadril levantado, fui tirando meu pau lentamente, quando vi o inicio da cabeça empurrei novamente tudo com força, repeti o movimento po mais algumas vezes a cada socado Marcia ia ao delirio mas ela queria rola, rola ela teria, comecei a socar mais rapido a segurando pela cintura, ela se contorcia subindo e descendo com o quadril, seus peitos balançavam e isso me dava mais gás para aumentar a intensidade e foi isso que eu fiz me levando ao limite, Marcia gritava continuamente com sua voz tremula

- AAAAAAAAAAAAAAAAAAH... AIEEEEE, FILHO DA PUUUUUUTA

E antes dela terminar o xingamento eu gozei mas tava tão bom que eu continuei metendo, Marcia se contorcia na cama, alternava olhando pra mim, olhava para o teto virando os olhos, não tinha forças nem para gemer, puxava o ar para respirar com muita força e soltava logo na sequência se contorcendo, eu a segurava forte pela cintura para manter no meu domínio ainda mantendo o ritmo eu sentia a porra saindo, o ar não vinha e joguei a toalha soquei tudo e me deitei por cima dela completamente morto e logo cai ao lado, tentando me recompor até que uma buzina de moto toca, era a pizza, Vitor bate na porta devagar e com uma voz desanimada e arrastada

- Mãe, onde tem dinheiro pra pagar a pizza?

Marcia ainda ofegante não esboçou que iria responder, me mantive calado mas a espera dela responder e nada, Vitor pergunta mais uma vez com um tom de assustado

- Mãe?... Onde tem dinheiro... preciso pagar a pizza...

Marcia cansada disse bem baixo

- Na minha bolsa.

Mas era impossível dele ouvir, eu que estava ao seu lado mal consegui entender, respondi por ela em alto bom som

- Na bolsa dela Vitor!

- Ta tudo bem?

- Tá sim, pega lá a Pizza

Nisso me levantei e fui tomar um banho enquanto Marcia continuo deitada.

Sai do banho com a toalha enrolada na cintura e Marcia já um pouco recuperada estava sentada na beira do colchão com porra escorrendo pela sua buceta e alguns pingos no chão, me olhou sorrindo

- Mas oque foi isso garoto, quase morri.

Rindo me vesti botando só uma bermuda e a respondi

- E ainda nem é 00:00

- Ai eu você me mata

- Mato nada, você aguenta

Ela rindo se levantou me deu um beijo e foi para o banheiro

- Deixa Pizza pra mim, só vou tomar um banho

- Pode deixar

Porém fiquei parado na porta por alguns minutos sem saber como agir ao abrir a porta, uma situação complicada, mas decidi agir como se nada tivesse acontecido, botei camiseta e sai do quarto, Vitor sentado no sofá com o prato no colo fez um positivo com a cabeça me cumprimentando, retribui da mesma forma, fui direto para o refrigerante e bebi um copo de uma só vez e sem querer soltei

- Uh, só uma coca nessas horas!

Vitor me olhou rindo e ai que eu me liguei a margem que eu dei com essa simples frase, não vou mentir, por dentro eu ri bastante mas me segurei por fora, sentei em uma cadeira, não queria sentar perto do sofá, ficamos comendo em silêncio sem trocar olhares até que Marcia sai do quarto com vestido de dormir e um casaco, para minha surpresa agindo com naturalidade, falou com o Vitor se a pizza tava boa e tudo mais me deu um selinho e sentou ao lado do Vitor para comer.

Comentários

14/11/2017 06:39:28
Maravilhoso!!!
14/11/2017 06:02:47
Rsrsrsrs. Amei o conto e quero ler e ver fotos de todos outros caso o tenha. Adoro fotografar, filmar e fazer book desses melhores momentos. Caso interessar é só retorna: fotografoliberal@yahoo.com.br

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.