Casa dos Contos Eróticos

No Sofá da Sala Enquanto Todos Dormiam

Autor: Garoto 1988
Categoria: Heterossexual
Data: 01/11/2017 15:17:02
Última revisão: 21/11/2017 22:51:59
Nota 10.00
Ler comentários (4) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Quem nunca se imaginou ou sonhou que comia a irmã gostosa?! Pois eu comi a minha e vou contar o inicio meio e fim dessa história.

Tudo começou quando ainda era muleque, devia ter uns 6, 7 anos quando meus irmãos e eu espiamos ela tomando banho pela fresta da porta que tinha na parte de baixo. Nunca vou esquecer daquela imagem sensacional dela de costas com a água e espuma escorrendo pela sua linda bunda e de frente com sua bucetinha cabeluda enquanto ensaboava os seios que já eram grandes para uma jovem de 14, 15 anos.

Com essa imagem na minha mente toquei muitas punhetas pra ela. E os anos que se seguiram foram de muitas caças a calcinha dela pra sentir seu cheiro e seu gosto na minha boca. Tinha vezes que ela esquecia a calcinha no banheiro e eu ficava me perguntando sera que ela faz de proposito para os irmãos cheirar e gozar com elas ou até nelas?!

Pois os anos passaram e com uns 16 anos apareceu uma outra oportunidade de ve-la pelada. Por algum motivo ela começou a tomar banho na ducha da piscina do quintal de casa o que era estranho já que o seu quarto tinha um banheiro agora. Passada algumas semanas de banho a céu aberto eu bolei um plano para ve-la nua. Consistia em deixar a luz do banheiro acessa para ajudar a iluminar onde ela estava e me esconder do outro lado do quintal que era dividido por uma muro. Mas infelizmente o plano não saiu como o esperado, o céu estava nublado ou era lua minguante, não lembro, fazendo com desse pra ver apenas a silhueta do seu corpo branco, sem muitos detalhes, só deu pra ver que a sua buceta continuava cabeluda pela escuridão da região. Mas foi aí que a minha sorte mudou e aconteceu o que me levaria a ter o orgasmo mais gostoso da minha vida. Eu havia deixado a luz do banheiro acessa com o chuveiro ligado como se estivesse no banho e em determinado momento ela chamou por mim e claro não obteve resposta. Após ela terminar seu banho sai do esconderijo para entrar em casa, quando ia entrando me deparei com minha mãe de costas assistindo novela na TV da cozinha, então lentamente abri a porta do meu quarto e entrei. Pensava ter sido silencioso o suficiente mas o fim dos banhos no quintal da minha irmã me mostraram que não. Logo imaginei que minha mãe havia contado ter me ouvido entrando logo depois dela ter tomado banho, ela ligou isso com o fato de não ter tido resposta minha do banheiro e parou com os banhos.

Algumas semanas depois enfim tive a melhor noite da minha vida.

Era madrugada todo mundo já havia ido dormir, e estava eu no segundo andar de casa assistindo TV na sala, zapeando entre os canais de filmes erótico da SKY. Então ouvi a porta do quarto da minhã irmã se abrindo e rapidamente troquei de canal mas minutos depois ouvi o som da porta de novo, deduzi que ela foi beber água na cozinha. Que nada. Ela estava era fazendo reconhecimento do local. Sem me tocar disso até então voltei para os canais eróticos e minha punhetinha que meu pau duro que nem uma rocha estava pedindo. Mas minutos depois tive que interromper por outro som de porta se abrindo, troquei de canal até que ouvisse o som da porta novamente. O que não aconteceu. Pra minha surpresa ela começou a subir as escadas e o que eu vi me fez na hora ter pensamentos pervertidos com ela.

Ela com toda a gostosura das suas pernas carnudas, bumbum grande, seios fartos, cabelos lisos e loiros vestindo um baby doll de seda subiu as escadas e foi logo na janelinha da porta que dava para sacada, e disse:

- Nossa como está quente hoje! No meu quarto está um calor infernal mas aqui em cima até que está batendo uns ventinho bom.

Então ela se dirige até o outro lado da sala e enquanto ela passava na frente da TV com aquele corpo deliciosamente natural eu pude perceber que seus mamilos estavam acessos. Ao terminar de desfilar sua maravilhosa bunda pela sala, ela chega na janela e diz:

- Acho que vou tentar dormir aqui que está mais fresquinho.

- Por que você não liga o ar condicionado do seu quarto? Perguntei a ela.

- Estou sem cobertor e o ar deixa meu quarto muito frio. Respondeu ela enquanto se dirigia para o sofá.

Após se acomodar no sofá ela perguntou:

- O que você está assistindo de bom?

- Nada. Nesse horário é dificil ter filme bom passando. Respondi mentindo com o pau meia bomba que o filme erótico havia me causado.

Alguns minutos depois ela se virou de bruços para tentar dormir, deixando aquela maravilhosa montanha redonda de carne empinada pra cima.

Meu pau que já estava meia bomba voltou a dar sinal de vida com aquela linda imagem. Mas logo lembrei que não adiantava nada já que minha irmã ali acabava com qualquer chance de bater uma punhetinha gostosa. Então decidi dar uns 15 minutos até meu pau amolecer e ir dormir. Quando meu pau já estava mole eu decidi perguntar para minha irmã se ela queria que deixasse a TV ligada.

- Julia, você vai fica assistindo?

A resposta dela foi o silêncio. Por 3 a 5 vezes mais perguntei aumentando o tom da voz a cada tentativa. Pensei, não é possivel alguem dormir assim em tão pouco tempo. Então disse:

- Vou desligar então. E desliguei mas sem me levantar do sofá.

Esperei por uns 15 segundos e liguei novamente. Não teve nenhuma manifestação no outro sofá. Novamente pensei, não é possivel que ela já está dormindo. Então me ocorreu que pudesse estar fingindo dormir esperando que eu fosse apalpa-la, ainda mais porque estava de baby doll de seda o que facilitava as apalpadas. Nisso meu pau começa dar sinal de vida, e a cada centimetro a coragem para tomar uma atitude também aumentava. Depois de avaliar os prós e contras resolvi arriscar. Já com meu pau duro e de lado na cueca para não fazer muito volume me levantei e fui até ela para uma ultima conferida. Toquei no seu ombro e balancei levemente, susurrando por 2 vezes:

- Julia, você vai ficar assistindo aqui?

Mais uma vez nenhuma resposta, parecia até que estava morta. Tudo indicava que ela dormia ou fingia, mas naquele momento não importava se era fingimento, eu só queria sentir aquela buceta nas minhas mãos. Me ajoelhei na beira do sofá e olhando para ela atento a qualquer sinal de despertar passei a mão de leve na sua bunda. Nenhum sinal de vida alem da sua respiração. Isso me motivou a arriscar mais, e dessa vez alisaria as pernas. Com cuidado coloquei minha mão proxima ao calcanhar e fui subindo deslizando levemente, ao sentir a pele macia da sua panturrilha e coxa meu pau latejava como nunca. Decidi então que seria mais ousado, e comecei a dar leves apertos nas coxas e bunda, apos alguns apertos resolvi arriscar e colocar minha mão por dentro do short. Com a mão direita puxei o short de seda pra cima e com a outra enfiei por baixo do short. Que gostoso que foi sentir a bunda dela nas minhas mãos, a vontade era muito grande de apertar mas o medo ainda minha continha. De repente a TV emite um som mais alto que me faz travar, congelar literalmente, nem respirava de tão nervoso, alguns segundos depois quando o volume volta ao normal retiro minha mão bem devagarinho e volto para o sofá. Uns 5 minutos depois com meu pau ainda duraço resolvo tentar mais uma vez. Me ajoelhei diante daquela bunda e comecei a cheirar suas coxas que tinha um perfume muito agradavel. Sem perceber o instinto levou meu nariz ate a virilha dela, e em movimentos circulares com o nariz eu tentava atrair o cheiro que exalava da sua buceta, sem sucesso. Então levemente puxei a parte do short proxima da virilha pra cima, e dei uma inspirada pelo nariz mas novamente sem sucesso, talvez por causa do perfume que exalava das pernas. Sem sucesso em sentir o cheiro da minha irmã comecei então a dar leves lambidas em sua coxa, que evoluiram para leves chupadas. Depois de um tempo resolvi tentar sentir seu gosto. Puxei seu short pra cima e passei meu dedo levemente na buceta mas não consegui sentir nenhum gosto, então resolvi enfiar o dedo, coloquei uns 3cm dentro e tirei, cheirei antes e isso bastou pra deixar meu pau a ponto de explodir de tanto tesão, chupei meu dedo como criança ao experimentar a cobertura de um bolo, só que esse bolo eu não poderia comer. Como uma criança, eu não me contentei com uma só vez, e queria mais. Enfiei meu dedo novamente umas 4 vezes em longos 10 minutos tamanha era minha precaução. Com toda aquela situação o meu pau pulsava implorando para entrar naquela buceta. Então resolvi tentar, tirei meu pau pra fora do short e com cuidado me posicionei, puxei seu short para o lado com a mão esquerda e com a direita conduzi meu pau até a entrada da sua buceta e fui enfiando bem devagarinho, com a metade do meu pau dentro da buceta a sua bunda já encostava no meu quadril, então parei, esse seria meu limite pra não acorda-la com as bombadas. Comecei então a bombar bem devagar sem por mais que a metade. Passado uns 5 minutos ainda não tinha gozado, acho que pelo nervosismo e por estar bombando devagar demais, comecei a acelerar o ritmo pra poder sair logo dali. Com algumas bombadas um pouco mais forte foram suficientes para ouvir a frase mais inesquecivel que já ouvi sair da boca da minha irmã:

- Enfia tudo. Enfia tudo na minha buceta.

Parei na hora, meu coração parecia que iria sair pela boca. Me movi para trás fazendo meu pau sair da sua buceta. No que ela disse:

- Não pára, tá gostoso.

- Acho melhor não. Respondi gaguejando com todo nervosismo de um cabaço.

Nisso ela levanta a cabeça olhando pra trás com uma cara de safada meio frustrada e diz:

- Você ficou um tempão se aproveitando da sua irmã agora quer parar? Agora que começou ficar gostoso?

- É que pensei que estivesse dormindo. Respondi gaguejando e sem graça me sentindo um pervertido.

- Seu safado, estava só fingindo pra ver o que você iria fazer mas não pensei que fosse tão tarado ao ponto de me comer.

Em seguida começa mover suas mãos em direção ao short abaixando-o e deixando amostra a sua linda bunda branca.

- Anda safado, não pára não.

- Posso mesmo? Perguntei ofegante com coração ainda acelerado do susto.

- Sim, põe logo. Ela responde enquanto abria sua bunda com as mãos me deixando em estado de êxtase com aquela visão que até então só tinha visto pela tela do PC.

Nesse momento minha vontade era só cair de boca na sua buceta e cuzinho. Mas a inexperiência me fez acatar de imediato o pedido da minha irmã e comecei me posicionar para penetrar nela, seguro meu pau com a mão e vou guiando até a entrada da sua buceta. Quando a cabeça do meu pau começa roçar na sua buceta sinto sua mão pressionando meu abdômen, me travando.

- Peraí, você não quer chupar ela antes? Pergunta com uma cara de quem ansiava por uma resposta positiva.

- Quero.

Recuo pra achar a melhor posição e cair de lingua mas ela se move pra frente puxando as pernas que não eram longas devido aos seus apenas 1,60 de altura o que facilitava o movimento, e se vira de frente pra mim. A cena que viria a seguir parecia ocorrer em camera lenta de tão linda e excitante. Ela levanta as pernas meio flexionadas e termina de tirar o short, começa então abaixa-las que descem se abrindo e param flexionadas.

- Vem. Pede ela, ansiosa por minha lingua.

Essa cena foi tão surreal pra mim que meu pau deu duas latejadas fortes, eu ainda não podia acreditar que aquilo estava acontecendo comigo. Então, sem tirar os olhos da buceta da minha irmã sentei no sofá e fui abaixando o short e cueca. Lembro que a minha vontade ali era cair de boca logo como um esfomeado diante de um prato de comida. Mas o instinto de um irmão caçula diante da irmã mais velha conteve naturalmente qualquer atitude bruta da minha parte. Me direcionei então calmamente em direção as pernas da minha irmã, que tinha uma buceta muito convidativa para um oral, era depilada em volta dos lábios e tinha uma pelugem rasteira em forma de U em cima. Comecei com beijos e leves chupadas na vagina, evoluindo para linguadas simulando penetração enquanto apertava suas coxas. Nisso olhei pra minha irmã, que com olhos fixados na escada dedilhava seu grelinho. Parei o que fazia com a lingua e deslizei minha mão direita ate seu cuzinho para acariciar com os dedos em movimentos circulares. Logo em seguida comecei a chupar seu grelinho. Com a lingua espalmada envolvendo todo o grelo, alternava movimentos circulares com movimentos pra frente e pra trás, ao mesmo tempo que massageava seu cu querendo explora-lo com meu dedo. Mas sendo seu irmão caçula tive receio de enfiar, porém a vontade de penetra-la com o dedo levou meu dedão a encaixar na sua xana enquanto massageava seu cu. Notei então que ela já não olhava para a escada e sim para mim enquanto acariciava seus seios com as mãos. Isso me levou a querer senti-los tambem, deslizei então minha mão esquerda por debaixo da blusa até seu seio direito massageando em movimentos circulares guiado pela mão dela que estava por cima da blusa. Minha lingua relaxada absorvia as pulsadas do seu grelinho, que agora não ligava mais pra nada, com a cabeça jogada pra trás, olhos fechados e a boquinha aberta, movimentava seu quadril em direção a minha boca denunciando toda sua excitação.

- Seu pau. Me fode com seu pau. Disse ela sussurrando entre gemidos.

Subi então em cima dela ficando cara a cara com ela, que olhando nos meus olhos perguntou:

- É a sua primeira vez?

- Sim. Respondi dando um sorriso sem graça.

- Quanta honra e responsabilidade você está me dando, hein guri.

Nisso ela tira o seio esquerdo pra fora como se quisesse uma mamada e como imaginava o seio dela era tão bonito quanto o resto do seu corpo. Sem perder tempo segurei seu seio com minha mão e cai de boca, mas não sabia se chupava, mordia ou lambia, então intercalei por 1min lambidas, mordiscadas e chupadas. Senti então que o seu quadril se movimentava para cima roçando seu grelo na cabeça do meu pau. Era o sinal pra eu resolver dar logo o que ela queria. Peguei meu pau e coloquei na sua buceta lentamente, comecei bombando de leve, minha irmã respondia mordendo os lábios e dando leves baforadas no meu rosto. A medida que aumentava o ritmo as baforadas ficavam mais intensas. Ela joga a cabeça para trás e com as mãos na minha bunda força bombadas mais fortes, com minha mão direita agarro seu peito que começava a balançar, apoio meu cotovelo esquerdo ao lado da sua cabeça e começo chupar seu pescoço. Sendo virgem, bastou 1min de bombadas mais fortes para ficar a ponto de explodir dentro dela. Só que não queria que acabasse tão rapido. Para prolongar esse momento um pouco mais forcei meu corpo pra trás saindo de dentro dela, entre suas pernas com as mãos apoiadas em seus joelhos olhei para escada fingindo ter ouvido algo.

- Acho que ouvi um barulho.

- Do quê? De porta?

- É. Respondo.

Pego o controle pra reduzir o volume da TV e me aproximo da escada fingindo querer tentar ouvir algo, ficando ali por uns 3min até meu pau ficar meia bomba.

- Não era nada. Disse me voltando para ela.

Sentada ela tira o short que havia vestido e vai se ajeitando na posição que estava.

- Tira a blusa também pra eu ver seus peitos.

Ver seus peitões balançando enquanto ela retirava a blusa foi o suficente pra levantar meu pau de novo. Me coloquei entre suas pernas e levantando as pernas dela a deixei em posição de frango assado. Enfiei meu pau e segurando as suas pernas com as mãos nas dobras de trás dos seus joelhos comecei a bombar lentamente. Nisso lembrei que nos filmes os caras ficam brincando com o clitóris quando estão nessa posição. Deslizo então minha mão esquerda até seu grelo. Quando vou olhar que cara minha irmã faria ao começar estimular seu grelo percebo que essa posição me proporcionava uma cena maravilhosa, minha irmã com os braços pra cima abraçando a almofada que servia de apoio a sua cabeça deixava seus peitões livres balançando no ritmo das bombadas. Ver aqueles peitões que enchiam minha mão, balançando, me deixava louco. Mas antes de deixar meu corpo cair sobre o dela pra voltar a chupar seus peitos, noto que ela olha fixamente para o meu rosto com uma cara de safada, como se estivesse se deleitando com a expressão de prazer estampada no meu rosto. Em um movimento com a perna ela leva seu pé direito em direção a minha boca, encaixando 3 dedos dentro.

- Fecha a boca maninho. Disse se gabando por me deixar de boca aberta.

Como um bom fã de pezinhos femininos chupo os dedos do seu pé enquanto olhava pra ela.

- Gosta do sabor do meu pé?

- Gosto. Respondo e logo em seguida dou uma dentada.

- Aii.. Reage ela recolhendo seu pé.

Para logo depois o usar para me empurrar pressionando seu pé contra meu peito me fazendo cair pra trás. Sem entender sua reação fiquei parado observando enquanto ela se movia em minha direção. Após puxar minhas pernas para deixa-las esticadas, ela engatinha até meu pau o agarrando.

- Agora a maninha vai cuidar de você. Disse olhando para o meu pau após beijar a parte de baixo da cabeça.

Em seguida ela solta o meu pau que cai sobre a barriga e senta em cima sem fazer o encaixe. Depois de alguns movimentos pra estimular seu clitóris ela desaba com seus peitos na minha cara. Seguro-os firme dando umas boas sugadas. Tirando minhas mãos dos seus peitos ela se posiciona pra fazer o encaixe. Segurando o meu pau por trás ela põe na entrada da sua buceta e vai descendo até entrar tudo. E então começa a cavalgar aumentando a velocidade gradativamente até seus peitos começarem a pular, que iluminados com a luz da TV deixava tudo mais excitante.

- Avisa quando for gozar.

Faço com a cabeça que sim, enquanto admirava seus peitos pulando. Depois de um tempo estiquei os braços para apalpar. Nisso ela se inclina pra frente apoiando as mãos no apoio de braço do sofá para facilitar minha investida nos seus peitos que encheram minha mão. Foi aí então que ela começou a fazer uns movimentos pra frente e pra trás com o seu quadril digno das cenas da rainha das cavalgadas Abella Anderson. Se continuasse assim não iria aguentar muito. Foi coisa de um minuto para meu pau começar a pulsar.

- Ahhh.. vou gozar, vou gozar, vou gozar.

Ela então puxa seu quadril pra frente deixando escapar e rapidamente engatinhando pra trás vai até meu pau agarrando forte a cabeça e apertando. Minha irmã sedenta agora sentia meu pau pulsar em sua mão. Após cessar as pulsadas ela relaxa sua mão deixando minha porra ebulir da cabeça do meu pau, bem concentrado a porra começa escorrer e ela com uma lambida na base do meu pau vai subindo sem deixar escapar nada abocanhando a cabeça e sugando até extrair a ultima gota.

- Hmm.. delícia.. hmmm. Dizia após engolir minha porra e dando mais 3 boas sugadas na cabeça.

Ao mesmo tempo que admirava ela se deliciar com meu pau sem pudor algum, me perguntava qual o motivo dela ter fingido estar dormindo. Nisso ela olha pra mim com um sorriso no rosto e depois de alguns segundos.

- Que foi safado? Tá me olhando assim porque?

- Nada não. Respondi.

- Pelo seu pau está duro ainda imagino que é porque quer outra.

- Não. Na verdade até quero. Mas é que não entendi ainda você ter fingido que dormia para me testar.

- Ah isso foi por.. Lembra umas semanas atrás que não estava saindo agua no meu chuveiro e passei a tomar banho na ducha da piscina no quintal?

- Lembro sim.

- Então, mamãe pediu que eu parasse de tomar banho lá porque um dia estava na cozinha e após me ver saindo do banho ouviu você abrindo a porta dos fundos e em seguida a porta do seu quarto.

- Ela me ouviu? Que vergonha.

- Sim. Foi por isso que não respondeu quando perguntei se tinha shampoo, né danadinho? Deixou a agua do chuveiro caindo e foi se esconder no quintal pra me espiar.

- Foi o jeito que achei pra deixar a luz do banheiro acessa pra iluminar onde você estava. Respondi envergonhado.

- Ah, e ela tambem já tinha me dito uma vez que viu vocês me espiando no banheiro. Por isso resolvi tirar a dúvida se era curiosidade em ver uma mulher pelada ou se você desejava a sua própria irmã.

- Hum, então foi isso. Bom, agora a gente já pode partir pra outra.

- Até que queria porque não cheguei a gozar, mas acho melhor deixar pra próxima. E eu não preciso dizer pra ficar de boca fechada se quiser que tenha uma próxima vez, né?

- Não. Respondi sorrindo.

- E já vou avisando pra se preparar que na próxima vou trepar no seu pau e só vou sair de cima de você depois de gozar. Disse enquanto já vestia o short do baby doll.

Tempos depois após uma foda, ela me confessou que tinha contado para o namorado o que a nossa mãe a havia alertado e me achava um tarado por a espiar. Pra sua surpresa ele disse que fazia a mesma coisa quando muleque e que só não investiu na tentativa de comer sua irmã por ela nunca ter dado abertura e a incentivou a me seduzir. Diante desse relato ela contou que passou a ficar excitada com a possibilidade de estar a desejando, mas tinha dúvidas das minhas intenções por isso resolveu me testar. E foi por causa desse ultimo fato que resolvi começar contando minha história com a polêmica pergunta: Quem nunca se imaginou ou sonhou que comia a irmã gostosa?

Gostou? Dê sua nota e deixe um comentário. Isso serve como incentivo para escrever mais contos. Abçs

Comentários

17/11/2017 09:55:05
Muito bom conto, quando existe uma boa maldade no olhar, ou mesmo vontade, conseguimos perceber, tanto a mulher percebe quanto o homem, por isso eu gosto mesmo de provocar, fazer a mulher querer sentir tesão, gozar com vontade e confesso independente se tem compromisso ou não, se é tímida, religiosa, mulher de família ou simplesmente curiosa, se tem desejo e vontade eu provoco mesmo, quem sabe não se solta e aprende a sentir prazer e a viver um desses contos maravilhosos que vemos aqui, se quiser me chama whts ((um, Nove) nove, dois, três, três-vinte e sete, nove oito) vou adorar te ajudar!!!
06/11/2017 14:59:13
Delicia de conto sou louco pra meter na minha irma tambem tenho muito tesao nela
04/11/2017 16:20:22
ótimo conto.....realmente as irmãs são as melhores......
02/11/2017 08:29:44
ótimo conto cara,tenho certeza q tem mais contos sobre vc e sua irmã,q tal nós com tarde mais sobre este relacionamento seu com sua irmã.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.