Casa dos Contos Eróticos

Modern Romance Parte 04

Autor: Alec97
Categoria: Homossexual
Data: 23/10/2017 23:45:31
Nota 9.67

Começo de semana! Lá estava eu naquele trânsito terrível de novo, mesmo tendo saído cedo de casa tentando evitá-lo. Mas algo me deixava determinado, estávamos quase no fim do semestre, eu iria ficar um tempo sem ver o Edu, não sei como seria pra sair com o Matheus se não temos bem um local "discreto" pra ficar junto. Eu estava precisando de respostas, e apesar da companhia do Matheus ter ocupado um pouco minha cabeça, eu não tinha me livrado de toda a desordem que tem nela.

Estranhamente cheguei cedo, pude ficar um bom tempo com meus fones de ouvido, uma das poucas coisas que me acalmam e descansa minha mente baarulhenta. Eu sentava quase sempre no fundão, nesse dia as cadeiras estavam um pouco apertadas no pouco espaço lá atrás, lá vinha Edu passar por todas elas pra sentar ao meu lado, tanto que ele meio que bateu sua bunda no meu ombro ao passar

- Foi mal aí pela bundada - Disse ele rindo com um ar de timidez

Por fora eu ri, mas por dentro eu era um vulcão ativo, que bunda gostosa da porra, por que Héteros tem que ter bundas tão boas? eles nem vão precisar.. Ou será que vão?

- Eita, quase me leva - Falei puxando papo

- Hahaha, tenho bunda grande né? as meninas sempre falam - disse ele

- Não sei, mostra aí que eu avalio. - Falei em tom de brincadeira mas com toda verdade kk

- KKKKK mostro não viado, você nunca vai ter contato com essa bunda - Disse ele

Pra mim mais parecia um desafio, eu sou de Áries, e ele também, quem me conhece sabe que eu não sei parar até conseguir o que eu quero, e á de quem me desafie.

Cada vez mais me parecia claro, havia algo diferente, dessa vez ele estava me provocando, mesmo ele sabendo que é o que eu curto, ele estava fazendo todos esses joguinhos, a custo de quê? ele estaria realmente curioso, ou só curtindo com a minha cara? Não sei, mas eu estava pegando fogo, ele não deveria brincar com isso, posso estar perdendo pra ele agora, mas eu posso mudar isso rapidinho. Iria entrar no jogo dele e vai ser pra ganhar.

Logo a aula acabou e estávamo indo embora, ao que tudo aparenta Matheus faltou aula, ele também não me responde no Whats, não posso reclamar, de certa forma não tive que explicar pra ele por que iria almoçar com o Edu e não com ele.

Fomos nos servindo, Edu como sempre levando á sério sua dieta, e eu 100% nem aí. Mas não éramos muito diferente de corpo, eu me sinto bem do jeito que estou, e não vou mudar meus hábitos alimentares, pelo menos não agora.

Era realmente legal almoçar com o Edu, eu adoro a intimidade que temos, a forma como a gente fala de sexo tão abertamente. Eu sempre me aproveito nessas horas, e o provoco, ele as vezes é apenas um moleque, ele pode ser manipulado. Como quando falando de paus, ele admitiu que o seu ia até o umbigo. Quando falei que não era um cara que ficava com o pau melado demais quando dava uns pegas, ele admitiu que tinha um pau babão. Era uma delícia saber todos esses pequenos detalhes, me faziam sonhar acordado, me faziam ficar louco de desejo. Aquele garoto com cabelo meio espetado e loiro, com esse jeito de moleque, tudo sobre ele me dava vontade de fazê-lo meu, de protegê-lo.

Ao terminar de almoçar, já estávamos a ir embora, naquele dia não haveria aula no segundo horário.

- Vou só ali no banheiro, me espera - disse ele

- Mas tô indo também. - respondi

- Pois pronto, eu mijo, tu balança e seca. - falou ele me zoando

- Pode deixar que eu limpo com a boca - respondi o encarando com um sorriso

Antes quando ele falava essas coisas, eu ficava na minha e tentava fingir que não ligo, hoje eu entro na brincadeira. "deu o cu num foi?" "dei, e dei gostoso" , "e aí, gozaram muito na sua cara?" "sim, na minha boca também."

Logo ele viu que me zoar assim não funcionava mais, de primeira ele ficou meio intrigado, dava pra ver no seu rosto, depois ele apenas ria. Infelizmente o episódio no banheiro não ocorreu, essas porras são sempre em tom de brincadeira mas as intenções ficam guardadas. Não minto, todos esses episódios me faziam homenagear ele á noite, se é que me entendem kk

Eu gostava do Matheus, gostava de verdade, não o traí nenhuma vez, se é que sonhar é traição. Mas eu não podia levar ele tão a sério enquanto ele não me assumisse. Eu entendo o lado dele, já estive nessa. Mas não fui feito pra ficar escondido nas escuras, essa vida não é pra mim, foi uma vez pra nunca mais. Agora sou mais livre, forte e independente. Ele tem que me alcançar pra me ter de verdade. Eu tinha esses pensamentos enquanto me lembrava da sua ausência e falta de notícias. Talvez eu tenha desenvolvido uma auto defesa que nada poderia bater, talvez, só um hétero ali, mas a gente se recupera.

Quase na semana de prova, tivemos um teste laboratorial, e quem estava sem as roupas adequadas? Ele mesmo, Edu, de bermuda ele não poderia fazer o teste. Eu já tinha a calça reserva na minha mochila, essa não seria a primeira vez que ele faz esse tipo de leseira, o que seria dele sem mim?

Fomos ao famoso banheiro do laboratório pra ele se trocar, ele mal entrou lá, e já abaixou a bermuda até os pés. Eu até tentei não olhar, mas ele era tão lindo...

- Não baba não, nem se apaixona. - Disse ele me provocando

- Magrelo desse jeito? impossível kkk - Falei tentando mostrar resistência, a maior mentira, ele era do jeito que eu queria, nem muito forte, nem muito magro, com uma leve bundinha empinada e tornozelos grossos.

Ele vestiu a calça e fomos ao laboratório, e eu voltava a pensar em como ele mudou desde o primeiro semestre, ele jamais faria algo assim sabendo que eu curto caras alguns meses atrás. E hoje ele faz de propósito, ele sabe que ele me deixa louco, eu precisava contra atacar, minhas defesas estavam caindo. Na classe sentado do meu lado, ele de repente apoio o cotovelo em mim, enquanto estamos conversando cara a cara e rindo das nossas besteiras de sempre.

- Sai viado. - falei pedindo pra ele não se apoiar em mim com vontade de dizer, fica

- pera aí man, fica de encosto só um pouquinho.

Lambi o cotovelo dele pra provocar como se estivesse lambendo a cabeça de seu pau, mas por incrível que pareça, ele não recuou, ele pra se vingar apertou o bico do meu peito, e a gente só rindo da situação.

- Mas é baitola mesmo - falei

- Olha quem fala kkk - respondeu

E esse era nosso relacionamento, eu devia me iludir menos, mas não tem volta. Mesmo que eu parasse ele não deixaria de me dar mil expectativas, e me provocar sempre que tivesse a chance. O que o fez mudar? o que o fez começar a dar essa "confiança" em mim? eu ter começado a sair com o Matheus? eu pensava em 100 teorias, mas só o tempo poderia dizer. Matheus apareceu dias depois, eu estava meio chateado com ele, mensagens visualizadas e não respondidas. A forma como ele não se importou e de repente voltou como se nada tivesse acontecido, e ainda não quis dar explicações. Tivemos uma certa briguinha, quando penso nisso hoje, eu até admito que foi poor besteira. Mas isso nos afastou um pouco.

Duas semanas, muitas provocações, fim de semestre! aleluia!

Pela primeira vez, Edu me chamou pra ir nas festas que ele frequenta. Eu nunca fiquei tanto tempo me arrumando, procurando uma roupa certa, mexendo no cabelo e tudo mais pra ficar bem bonito , de uma forma que ele repare mais em mim. Vesti uma bermuda jeans preta, ela não era apertada, mas sabia dar destaque nas minhas pernas e bunda kk, vesti uma blusa branca qualquer e saí, já estava quase na hora de me encontrar com ele.

Ao chegar, lá estava ele, bermuda, camiseta azul dandoo destaque em seus braços fortes, e quase mostrando seu peito que também era lindo e rosado (meus pensamentos já deduziam como era lá em baixo rs)

- Iaê viado - disse ele ao me ver

- Iai namorado -respondi fazendo ele sorrir

- vamo indo logo, que as mina tão me esperando

- você quer dizer aqueles dragão que você pega, né? kk - falei zoando

- xiu, olha o cíumes - falava ele querendo imitar uma bicha, como se eu falasse assim

- iai, tem algum amigo legal pra me apresentar? - perguntei

- Tem um, não sei se ele curte, dá o teu bote e vê no que dá, vou cuidar dos meus - responde ele.

Tudo pra ele era um bote, ele realmente era uma cobrona, só queria que ele me atacasse hehe

A festa até tava legal, muitos efeitos, muitos show de luzes. As pessoas não me atraiam muito, não via caras tão legais. O amigo que o Edu me sugeriu me pareceu curti, pela forma que ele me olhava de vez em quando. Eu podia tê-lo, mas eu estava com esse receio. Eu realmente queria o Edu, ele era tudo que eu queria naquele momento. Iria passar pouco mais de 2 meses de férias sem vê-lo, eu queria que aquela noite valesse á pena.

Não levou muito tempo, o Edu tira a camisa pra se exibir, eu ficava tipo, sério que esse cara que eu morro de amores? kk ele era tão oposto ao que eu sonhava em quesito de maturidade e modo de agir. Talvez no fim nós não queremos realmente o que dizemos querer, vocês entenderam rs. Mas eu não podia negar ele dançava bem, ele até rebolava nos funk, eu tentava não viciar tanto nos olhares, poderia ficar excitado vendo aquilo, não ia ser legal. Num momento tocou uma música da Britney, Gimme More. Eu fui pra perto do Edu e começamos a dançar juntos, ele estava quase colado em mim, sabia realmente sensualizar com aquela cativante batida eletrônica. Ele fazia uma cara de safado enquanto se mexia passando a mão no corpo, eu estava ficando sem ar alí, e estava já com o pau meia bomba, aquilo não acabaria bem se ele percebesse. Mas ele percebeu, pois uma hora ele bateu a mão "acidentalmente", ele não fez questão de esconder nem disfarçar que percebeu, ele deixou isso claro quando olhou nos meus olhos e sorriu. Eu apenas retribuí o sorriso, mesmo estando meio desconcertado. Ele sabia que estava me seduzindo, e eu não sabia mais como esconder. Mais duas músicas e eu vi uma cena, no meio da multidão daquela calourada, era o Matheus, ele também estava lá, estava com outro cara. Eles não se pegavam, ele não teria coragem de fazer isso no meio da multidão, mas eu saquei que estavam juntos. Num momento de raiva, ciúmes, e egoísmo da minha parte quando ele me viu, eu puxei o amigo do Edu e o beijei, e ele me retribuiu. O Edu até parou de dançar, percebi que ele ficou um pouco perdido vendo aquilo, logo então ele disfarçou dando uns gritos.

- Hmmmmm, olha só os bonitinhos, Alec pegador

Os outros caras foram na onda, estavam todos muito bêbados, e eu acredito que eu também já não estava respondendo por mim mesmo. Logo procurei de novo o Matheus olhando para os lados, mas ele havia desaparecido. Passaram se 1, 2, eram 3h da manhã.

Edu não parava de beber, não sei como ele estava de pé ainda, eu já tinha parado, estava a caminho de ficar sóbrio

- peraê que vou ali mijar - falou o edu com uma voz meio engraçada

- cê sabe onde fica o banheiro? me leva lá - e fui com ele, sempre somos nós no banheiro, mas juro que é sem segundas intenções rs

Ao sair do banheiro, com o Edu, a gente se depara com uma cena meio inusitada, o Matheus estava dando uns pegas no amigo do Edu num lugar mais afastado da festa, ele viu que eu vi ele. Eu apenas continuei andando, o Edu até veio me perguntar o que tinha acontecido entre eu e o Matheus pra ele estar com outro, e eu disse que era pra gente curtiir e não falar sobre isso. Voltamos, e dançamos até umas 4:30. Mas eu já não tinha mais o mesmo clima de antes, o Edu me olhava de vez em quando sério, isso devia estar estampado na minha cara, eu estava meio desapontado mesmo, mas não surpreso. Também tinha caído na realidade que iria passar um tempo longe do Edu, e nessa noite em que ele ficou com mais de 3, seria impossível ele ser meu. Logo disse a ele que já iria embora, daí ele puxou meu braço

- Fica viado, já já tá amanhecendo - pede ele

- tô cansado Edu, valeu aí mas já vou - respondo

- fica triste por causa daquele Matheus não - Achei fofo ele dizer isso com a voz meio rouca de bêbado

-Não amigo, tô bem. Vou indo, até o próximo semestre. - Falei me despedindo

- Peraê que vou te levar lá fora. - Saímos lá fora, a rua não tinha quase ninguém, além do segurança, meu uber já estava próximo.

- Vai sentir saudade não - falei brincando olhando pra ele meio sério

- Quem vai sentir muita saudade de mim é você, faço uma aposta - fala ele me olhando sério.

Comecei a rir e a tentar mostrar pra ele que não sentia nada. Enquanto eu falava e falava, o impossível aconteceu, ele interrompeu minha fala com um beijo.

Isso é real? Será que eu bebi demais? Eu abro os olhos, sim é real. Ele segurava minha cabeça com sua mão no meu cabelo, pareceu ter sido um beijo super longo. Eu podia sentir um enorme frio na barriga, como se estivesse caindo de um penhasco. Eu queria que aquele momento durasse pra sempre. Daí ele saiu daquele beijo, eu estava desconcertado, todo o muro e resistência que eu tinha havia caído, eu estava sem palavras. E ele rindo, com um ar de deboche, sorriu pra mim e disse

- Bem feito pra você. - Essas foram suas últimas palavras, me dando as costas e voltando pra festa. Me deixando lá sozinho. Eu estava perdido em mim mesmo, nos meus pensamentos, não estava entendendo bem o que estava acontecendo. Eu só voltei a realidade 1 minuto depois quando o rapaz do uber buzinou. E esse foi o fim do semestre, ele tinha razão quando disse que eu ia sentir saudade dele, e ele provou isso de uma forma tão rude e ao mesmo tempo mágica, eu poderia nunca mais falar de novo, da forma como ele me deixou sem palavras. Não tem nada que eu queira mais nesse momento, do que outro beijo, quero que ele me faça acreditar que tudo é possível, ele tem esse poder. Enquanto isso, eu fiquei a noite toda acordado me perguntando, o que será de nós dois agora?

É isso pessoal, estou dando uma adiantada, pois não sei quando terei tempo de novo. Não deixem de dizer o que acham, o que estão sentindo agora ^^ , bjão

Comentários

24/10/2017 17:05:14
Não demore, please!!!
24/10/2017 01:28:53
CARACA, MATHEUS É MUITO BABACA. ALEC TB É E EDU MUITO DO SAFADO. MUITA GENTE VAI SOFRER MAS CREIO QUE MUITA GENTE VAI SER FELIZ TB. VEREMOS.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.