Casa dos Contos Eróticos

Meu marido não me deixa usar calcinha

Autor: Liz
Categoria: Heterossexual
Data: 21/10/2017 20:28:32
Nota 7.50
Ler comentários (3) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Meu marido não me deixa usar calcinha

Continuação do conto: https://www.casadoscontos.com.br/texto/Meu nome é Liz, sou noiva de Carlos que desde que éramos namorados não me deixa usar calcinha. Não só isso mas ele também só me deixa usar vestidos e saias curtos o que frequentemente causa acidentes e me faz mostrar mais do que eu gostaria, mas eu já me acostumei e quase não fico envergonhado quando alguém acabe vendo a minha xoxota, que é toda depilada pois Carlos não me deixa nem ter uns pelinhos para me cobrir um pouco. Quando ficamos noivos eu comecei a fazer depilação à laser e na nada do casamento eu já não tinha mais nenhum pelo abaixo do pescoço. Para o casamento eu havia escolhido um vestido bem transparente, com um aplique de renda cobrindo os meus seios e uma saia toda rendada embaixo. Eu obviamente usei o vestido somente com meias 7/8 e cinta-liga brancas por baixo, mais nada.

No dia do casamento, Ana e Clara foram comigo no salão onde eu fui fazer o cabelo e a maquiagem. Terminada essa parte eu tirei o roupão e fiquei nua na frente das minhas amigas, que já estavam acostumadas em me ver nua, e das moças do salão, que também já haviam me visto nua (eu fazia depilação à cera lá). Só que Clara era lésbica (ou bi, sei lá) e era a primeira vez que eu estava nua na frente dela desde que havia feito com ménage com ela e Carlos e eu via que ela estava me devorando com os olhos. Na hora de me ajudar a prender as meias na cinta, Clara claramente (ha ha) passou a mão na minha xoxota, e de uma maneira não muito discreta e eu percebi que Ana e a cabeleireira viram o que aconteceu, o que me deixou envergonhada e molhada. O vestido estava no limite do que seria aceitável, fiquei com mais vergonha de imaginar que todos estavam olhando a minha bunda durante a cerimonia, mas ai lembrei que as minhas primas malas iam ficar morrendo de inveja. Depois da cerimonia eu e Carlos fomos nos trocar para a festa, eu aproveitei e chupei ele, o que me deixou com mais tesão ainda. Eu coloquei um vestido colado azul com um dos ombros nu e fomos para a festa, lá eu percebi que as minhas primas estavam comentando que eu devia estar sem nada por baixo do vestido, eu aproveitei e beijei elas antes de todo mundo, com a minha boca recém esporrada. A festa foi até as 4 da manhã, durante todo o tempo eu não parava de pensar na pica de Carlos dentro de mim, mas quando chegamos no hotel nós dois apagamos de cansaço. Na manhã seguinte ele acordou e começou a me masturbar e acariciar os meus seios, eu fiquei encharcada, pronta para transar, mas o alarme do celular tocou, havíamos dormido demais e já estava na hora de ir para o aeroporto. Passamos rapidamente no chuveiro, eu vesti um vestido de algodão e sandálias, pegamos as malas que já estavam prontas e fomos de táxi para o aeroporto. Fizemos check-in, passamos pela segurança, embarcamos no avião e durante toda esse tempo eu pensando como eu queria ser comida, mas a gente ia ter mais 9 horas de voo. Pelo menos, quando estava todo mundo dormindo Carlos me masturbou por baixo do cobertor e eu tive pelo menos uma gozadinha.

Carlos havia decidido que iriamos passar a lua de mel nos EUA, a primeira parada na Flórida. Comecei passando vergonha no aeroporto, tivemos que ficar um bom tempo na fila da imigração e com o ar-condicionado forte eu fiquei com os faróis acesos, o que dava para ver claramente pois o vestido era muito leve, depois eu chamei muita atenção para pegar a mala, pois tive que me reclinar e o vestido subiu. Fomos pegar o carro alugado, na hora de sair passamos por uma cancela para autorizar a saída com o carro e eu estava sentada com o vestido levantado até a cintura, agi normalmente, como se não estivesse com a xoxota à mostra. Chegamos no hotel, deixamos as malas, tomamos banho e transamos. Estávamos com fome e pedimos comida no quarto, desse vez Carlos que atendeu a porta só de shorts e eu fiquei nua deitada na cama fingindo que estava dormindo, eu até fingi me mexer um pouco no sono e abri as pernas para dar uma visão melhor para o atendente.

Depois de comer decidimos descer para o piscina do hotel. Carlos me deu um mini-bikini mas só a parte de baixo, eu perguntei sobre o resto e ele disse que não seria necessário pois estávamos em um hotel só para adultos que aceitava topless. Eu coloquei uma saída de banho semi-transparente e descemos para a piscina. Havia mais umas 4 garotes de topless, todas muito bonitas, mas nenhuma com um bikini tão pequeno quanto o meu. Deitamos na cadeira para tomar sol por uns 20 minutos e depois disso entramos na água, ao sair da água meu bikini estava transparente, todos podiam claramente ver os lábios depilados da minha xoxota. Carlos quis me exibir mais e por isso caminhamos até a praia, que também permitia topless e onde havia várias mulheres sem a parte de cima do bikini, mas eu estava morrendo de vergonha por causa do meu bikini extremamente indecente. Da praia voltamos ao hotel e fomos para o spa. Primeiro passamos pela linda sauna turca com paredes cobertas de azulejos e bancos de mármore e pedra. A sauna era mista e nudez não era permitida, mas o meu bikini estava totalmente transparente. Eu deitei no banco e coloquei a cabeça no colo de Carlos e de novo eu fiz o truque de fechar os olhos e abrir as pernas "sem querer" expondo a minha boceta completamente para quem estivesse passando, eu não estava vendo, mas Carlos me contou que umas 10 pessoas passaram por nós e que dois caras sentaram do lado oposto e ficaram vendo a minha boceta. Em seguida fomos para a área do banho de lama, era um terraço aberto, nós compramos dois potes de lama coloria, a atendente nos sugeriu tirar a roupa pois a lama poderia mancha-la, deixamos as nossa roupa de banho no armário e fomos para a área de aplicação de lama e passamos lama no corpo um do outro até estarmos cobertos do pescoço para baixo, eu dei extra atenção ao pênis de Carlos, que ficou duro. Depois deitamos em espreguiçadeira e ficamos no sol até a lama secar. No espaço havia outro casal, mas de rouba de banho e um grupo de 3 garotas nuas conversando, rindo e se cobrindo um pouco com uma tolha. Ao final levantamos e tiramos a lama em uma ducha instalada perto das paredes de vidro que cercavam o lugar. Nos vestimos e voltamos para o quarto onde transamos de novo e acabamos dormindo sem jantar.

Na manhã seguinte acordamos bem cedo por causa do fuso horário. Eu coloquei o biquíni mais indecente que eu tinha, o tecido era somente uma redinha que não cobria nada, e por cima somente uma saída de banho. Tomamos café no restaurante do hotel e fomos de carro para uma outra praia. Chegando lá eu tirei a saída e estava praticamente nua em público, meus lábios depilados e meus mamilos claramente visíveis através da rede do biquíni. Carlos me disse para deixar a saída no carro. Eu joguei ela no banco de trás e a partir desse momento eu ia ter que ficar praticamente nua até a gente voltar. Como era muito cedo a praia estava quase vazia, para o meu alívio. Carlos falou para corrermos um pouco pela orla, que era o único lugar que havia gente pois várias pessoas estavam fazendo os exercícios matinais. Toda vez que passava alguém por nós eu ficava com o rosto pelando de vergonha. Paramos em uma praça com alguns aparelhos de ginástica, nós paramos um pouco lá. Carlos fez um pouco de flexões na barra e eu resolvi provocá-lo. primeiro eu me alonguei de frente para ele colocando uma das pernas em cima de uma barra horizontal, a minha bocetinha toda aberta para ele ver. Depois fiquei em pé de costas para ele, com as pernas um pouco afastadas e toquei o chão com a palma da minha mão. Deu para ver o resultado na sunga dele. Mas não podíamos fazer nada ali. Caminhamos um pouco mais e chegamos em uma cerca com uma placa dizendo "Clothes Optional", essa era a parte da praia reservada a nudismo. Nós dois tiramos a roupa e entramos. No meu caso eu estava até me sentindo mais "vestida" por não ser mais a única pessoa nua e foi legal ter Carlos também sem roupa. Apesar de ser uma praia de nudismo qualquer "demonstração de afeto" era proibida, então simplesmente curtimos. A praia estava bem movimentada, com várias pessoas em diferentes níveis de nudez, várias completamente nua. Uma hora eu vi uma moça com 4 piercings nos lábios da xoxota, aquilo me deixou muito chocada, eu discretamente apontei para Carlos, ele deu um sorriso: "Isso me parece bem interessante, acho que eu podia colocar em você 4 piercings assim", eu e minha boca grande.

Voltamos para o hotel e descansamos pois de noite íamos sair. Eu coloquei um minivestido azul tomara-que-caia que era somente um tubo de tecido que ia dos meus seios até um dedo abaixo da minha bunda, na verdade eu tinha que ajustar ele muito bem para conseguir cobrir os dois. Fomos primeiro à um barzinho, sentamos no bancos altos do balcão, um de frente para o outro. Eu estava com um das pernas um pouco dobrada, apoiando na trava do banco e a outra esticada, a parte de baixo do vestido havia subido e eu estava sentando com a minha bunda direto no banco e a minha xoxota completamente exposta, mas eu agi naturalmente, bebendo o meu drink e conversando com Carlos. Nos levantamos para sair, só que o meu vestido tinha subido, deixando a minha boceta e a minha bunda à mostra, Carlos não de deixou ajeitá-lo, saímos comigo nesse estado e eu tive que andar no meio da rua com o vestido levantado e eu só pude abaixá-lo quando chegamos em uma baladinha que ficava à dois quarteirões de onde estávamos.

Eu percebi porque Carlos havia escolhido aquele local, logo na entrada havia uma grande sala com um mastro de pole dance onde duas garotas estavam dançando enquanto os seus namorados assistiam. Na sala seguinte havia um grande bar com alguns sofás e divãs, o salão era bem pouco iluminado, só tinha luz na parede do bar e os sofás divãs estavam na parte mais escura, alguns com casais trocando carícias. Em seguida havia a pista de dança, bem grande e também com pouca luz sendo que a principal iluminação vinha de uma piscina com luzes no fundo. Começamos a dançar e eu estava muito quente , rebolando como uma putinha, chegando perto e depois esfregando a minha bunda no pau dele enquanto Carlos enfiava a mão no meu vestido e me masturbava. Uma garota estava olhando bem para mim e quando eu me afastei um pouco de Carlos ela chegou mais perto e tocou a minha mão, eu me virei e ela me beijou e eu correspondi, ela então agarrou a minha bunda e eu peguei no seio dela, tudo isso com Carlos e o namorado dela olhavam. Ela então se virou para o namorado e eles começaram a se pegar, eu e Carlos fomos para o bar pegar uma bebida.

Enquanto esperávamos eu apoie os cotovelos no balcão, empinei a bunda, e afastei um pouco as pernas, o que fez o meu vestido subir. Eu senti algumas pessoas passando a mão na minha bunda, uma chegou a passar o dedo na minha boceta encharcada, eu não disse nada pois estava adorando. Na verdade eu estava tão quente que decidi ir até a piscina, tirei o vestido, entreguei para Carlos e entrei na piscina. Eu nadei inteiramente nua até o fim da piscina e voltei. Eu sai da piscina, água escorrendo pelo meu corpo e a luz da piscina me iluminando, eu era o centro da atenção de centenas de pessoas. Carlos me agarrou assim que eu cheguei perto dele, ele passou a mão por todo o meu corpo, me bolinando na frente de todas essas pessoas, eu estava louca de tesão e disse no ouvido de dele: "Me come, aqui e agora", ele me encostou contra a parede e me fodeu na frente de todos. Depois que ele gozou em mim, eu coloquei o vestido, que estava molhando, colado no meu corpo e transparente e saímos para o hotel. No dia seguinte iriamos embarcar para a segunda parte da lua de mel.

Comentários

29/10/2017 03:30:29
q delicia!!! venham pro RJ !!!!! carioca-80@hotmail.com
22/10/2017 06:37:29
Amei o seu conto e adoraria ler outros com fotos. Adoro filmar,fotografar e fazer book. Caso interessar é só retornar: fotografoliberal@yahoo.com.br
22/10/2017 02:47:09
maravilha! susy.msa@hotmail.com

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.