Casa dos Contos Eróticos

VI DUAS MOÇAS TRANSANDO DURANTE A TEMPESTADE

Categoria: Heterossexual
Data: 12/10/2017 22:44:12
Última revisão: 12/10/2017 22:50:45
Nota -
Ler comentários (0) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Eu não tinha prestado atenção à forma das costas das meninas Amish até que uma delas mencionou isso.

Eu estava na varanda da quinta que comprei com o avanço da minha última novela. Foi um local perfeito para trabalhar no novo livro. Era junho e eu estava a meio do terceiro capítulo. Eu estava na varanda aberta e estava prestes a escrever mais mil palavras quando os ouvi chegar.

Pelo menos uma dúzia de jovens mulheres amishs, suando no sol do verão, com bonés brancos, vestidos pastelos até os tornozelos, formaram um desfile de bicicleta pela casa. Eles riram e chamaram de um lado para o outro. Elas não me importunaram.

Pararam na salgueira salgada na beira da estrada. Não estava longe do celeiro onde estacionei o carro e mantive todo o lixo descompactado. A árvore lançou uma enorme sombra sobre a estrada naquele momento do dia.

As jovens mulheres ficaram de pé sobre suas bicicletas e conversaram em fogo rápido holandês. Tive a sensação de que a conversa estava cheia de piadas sujas. Havia muitos rostos corados, expressões chocadas e bocas cobertas.

Todos eram lindos. A maioria poderia ter sido as donzelas do escudo Viking Teutonic. Suas maçãs do rosto eram altas e firmes, seus pescoços eram bronzeados e suas mãos pareciam fortes o suficiente para encolher os pescoços sem esforço. Eu podia ver algumas de suas pernas, fortes de todo o trabalho da fazenda, passeios de bicicleta e caminhadas, expostos pelos joelhos de seus vestidos descansando sobre os joelhos dobrados. Seus bezerros eram difíceis, e eu me perguntava se eles haviam raspado as pernas.

As fofocas morreram quando se separaram em pequenos grupos. Dois ficaram para trás. Eles poderiam ter sido irmãs. Falaram mais, mas o tom era diferente. O volume e a velocidade caíram. O mais curto dos dois esfregou os dedos sobre o guidão de sua bicicleta. O outro sorriu um sorriso impertinente.

Eu pensei que eles estavam falando sobre namorados ou maridos. O idioma do corpo estava tudo lá. O mais alto riu, e então fez um gesto para o outro seguir enquanto ela se afastava. O outro sorriu e seus bezerros soltos em pedra bombearam os pedais da bicicleta para recuperar o atraso.

Não pensei neles por uma semana ou mais. Fiquei bem no quinto capítulo quando vi a Amish Girl Parade novamente. Eles cruzaram suas bicicletas carregadas de cesta, sem se preocupar em parar pelo salgueiro naquela manhã nebulosa. Eles eram pássaros atravessando as nuvens, apenas visíveis por momentos. O pequeno e fofo brotou do nevoeiro e passou o passado, dando-me um breve olhar antes de voltar a cabeça para ligar.

"Não se perca".

Uma voz veio da névoa por trás dela. "Eu não vou". O alto entrou em vista, assim como o curto desapareceu perto do salgueiro. "Eu vou seguir esse doce e pequeno burro seu".

Eu quase deixei cair meu chá.

Eu assisti para eles todos os dias depois disso. Logo aprendi a separá-los, apesar dos bonés e dos vestidos correspondentes. O alto era Gina. O curto era Myra. Não havia irmãs. Eu não podia dizer se Myra tinha um pequeno burro doce porque os vestidos pouco lucrativos tiraram todas as curvas de seu corpo. Fiquei intrigado com o que estava embaixo dos vestidos lisos. Eles mostraram apenas pescoços, tornozelos, antebraços e, às vezes, bezerros adoráveis. Os vestidos deixaram muito para a imaginação. Eles escondidos em vez de revelados. Eles estavam envolvendo papel.

Perguntei se as pernas estavam raspadas, se seus arbustos fossem cortados, se o estômago fosse plano, se seus seios estivessem cheios, se seus quadris estivessem largos e se soubessem como dar uma bofetada. Lembrei-me de que não tinha sido demitido mais de um ano. Lembrei-me de quarenta. Lembrei-me do romance.

Voltei-me a fazê-lo. Eu fiz um bom progresso até a tempestade uma semana depois. Foi uma boa tempestade de agosto. Uma tempestade que separa o céu e a terra que você sentiu vir por horas antes do tempo. Eu assisti-lo da varanda durante todo o dia, enquanto ele rolava do oeste como um exército romano que esmagou tudo à vista. Ele enxugou tudo em seu caminho, deixando apenas para puni-lo com um cobertor úmido de umidade que fez banho sem valor. As tempestades voltaram uma hora depois, ficando mais forte que os tiros de canhão e empurrando uma parede de água em todo o que eu podia ver.

Ouvi o riso entre os trovões. Eu me sentei a tempo de ver Gina e Myra, molhadas como patos felizes, passam pela casa. Seus vestidos estavam encharcados e presos em seus corpos como tatuagens em tons pastel. Eu podia distinguir o doce e pequeno burro forte de Myra e os pesados ​​seios de Gina.

Suas pernas estavam salpicadas de lama. O capô de Gina já havia desaparecido. Eles pararam no salgueiro, abandonando suas bicicletas no meu quintal quando a chuva dobrou em gotas e ferocidade. Eles atravessaram os ramos de salgueiro mais baixos, caindo no chão do peso da água, e desapareceram de vista, rindo como ninfas.

Abaixei-me da varanda e passei rapidamente até a árvore. A grama molhada fez meus passos silenciosos. Eu caí na minha barriga e baixou rastejando até a borda dos ramos do salgueiro.

Estava escuro lá embaixo, mas eu podia ver o suficiente. Gina sentou-se de costas contra o tronco da árvore, os pés plantados, as pernas abertas e o vestido puxado até a cintura. Myra estava em seus cotovelos e joelhos, ainda vestindo seu capô e lamber a cara da boceta de Gina.

Lightning brilhou. Por um momento, tive uma imagem Polaroid perfeita. Gina riu, segurando o tronco da árvore para apoio enquanto Myra lambeu e engoliu em seu puss de chuva-espirrado.

Eles mergulharam de volta à escuridão. Meus olhos lutaram para se ajustar enquanto eu os ouvia rir e falar sujo holandês. Relâmpagos brilharam. Outra Polaroid. Gina, com a mão presa na cabeça de Myra, curvou sua boca no rosto da namorada quando Myra engoliu seu clitóris e abobrou três dedos dentro dela.

Trovão rugiu. Mais flashes Polaroid. Vi-os a beijarem-se com a Gina a manchar a boca. Eu os vi apalpando os seios uma da outra através de seus vestidos encharcados. Por um momento, pensei que me tinham visto. Gina congelou depois de um relâmpago. Myra deu a volta. Elas olharam diretamente para mim. Meu coração parou. Eu não respirei.

Elas riram. Elas disseram algo em Holandês e voltou a beijar e acariciar. Foram vários segundos antes de eu decidir respirar novamente. Eu comecei a rastejar baixo para trás. Eles pareciam ser feito, e eu não queria deixar nenhum sinal de que eu estava lá.

Myra me deteve. Ela levantou-se e revirou um dedo desaprovador para Gina. Seu holandês tomou um tom severo. Gina sorriu e caminhou até o tronco da árvore. Ela se sentou contra isso novamente quando Myra levantou-se e tirou o vestido molhado. Ela manteve o capô ligado.

Seu traseiro era tão perfeito como eu imaginava. Eu pensei que eu poderia saltar um quarto de fora dele. Suas pernas eram tão fortes quanto qualquer ciclista profissional, e os arcos de seus pés faziam qualquer arquiteto babar. Ela ficou com as mãos nos quadris. Havia outro flash de luzes polaroid. Eu podia ver Gina através do quadro A das pernas de Myra. Ela esfregou o clitóris e sorriu para a amante dela.

Myra ficou na cara da Gina. Gina agarrou o rabo perfeito com as duas mãos e enfiou a língua na boceta de Myra. Myra preparou as mãos no tronco da árvore e rosnou mais holandês sujo. Gina empurrou a boceta de Myra na cara dela, manchando a boca e o queixo com suco. Ela alcançou e bombeado dois dedos em seu, fazendo tapas molhado sons com cada impulso.

Myra gemeu e ofegou, agarrando seus seios e molhando sua boceta no rosto de Gina. Ela se abaixou e afastou a mão de Gina de sua boceta. Ela deslizou a mão de Gina e pressionou os dedos de Gina contra o buraco.

Eu parei de respirar novamente.

Outro relâmpago. Gina lambeu o clitóris de Myra enquanto ela arrumava dois dedos molhados na bunda. As pernas fortes de Myra tremiam quando ela veio. Seus gritos eram mais altos do que o trovão. Ela selou o chão com um pé e seus quadris girado quase fora de controle como ela empurrou seu belo traseiro para baixo nos dedos de Gina, obtendo cada onça última fora de seu orgasmo.

Houve outro trovão, mas mais suave agora. A tempestade estava se afastando. Eu abaixei rastejando para trás, quase o comprimento da casa. Percorrei o canto de trás e depois passei furtivamente pelos cantos distantes da casa. Olhei em torno da última. Elas estavam saindo de debaixo dos galhos. Ambas estavam vestidas. Elas não disseram nada. Olharam ao redor, examinando a casa. Me abaixei na hora certa.

Ouvi-os rir. Eles estavam se aproximando dos degraus da frente da casa. Voltei um pouco mais, pronto para correr e me esconder atrás da casa. Elas se aproximaram. Eu dei um passo atrás. Eles estavam falando nos degraus da frente. Houve sussurros e mais risadinhas. Houve silêncio. Houve uma risada absoluta, e então eu os ouvi pedalando em suas bicicletas pela estrada molhada.

Esperei até serem pequenas manchas na estrada antes de sair da esquina. Eu estava encharcado aos ossos, e não apenas da água da chuva. Eu derrubei para os degraus da frente, e então eu parei.

Elas deixaram uma nota no trinco da porta da varanda. O papel deve ter ficado seco em uma das bolsas. Ele dizia: "Wij zagen u". Olhei em volta para elas. Elas já haviam desaparecido.

Entrei e sentei-me na minha roupa molhada no meu computador. Encontrei um tradutor holandês online. Eu traduzi a nota.

"Nós o vimos".

Estou aguardando a próxima grande tempestade.

VER CONTO E FOTOS ERÓTICAS: https://www.facebook.com/Contos-e-fotos-er%C3%B3ticas-/

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.