Casa dos Contos Eróticos

A minha estória com Lúcia... 11°Capítulo - Ana Teresa, eu e Cláudia

Autor: Lúcia Jota
Categoria: Grupal
Data: 12/10/2017 19:20:03
Última revisão: 20/10/2017 22:35:55
Nota 10.00
Ler comentários (5) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

ANA TERESA, EU E CLÁUDIA

A minha estória com Lúcia... 11° Capítulo

Nessa noite quando Ana estava nos espiando sem que tanto eu como Cláudia tenhamos dado por isso, ela irrompeu pelo quarto a dentro ao ouvir Cláudia falar que adoraria um dia participar numa transa a três, e também que sentia muita vontade de chupar a buceta de Ana que ela conhecia muito bem de vista, mas que nunca tivera o gostinho dela em sua boca

Agora, naquela noite Cláudia depois que perdeu o cabacinho ficou muito assanhada e sensual, me deixando cada minuto mais louco.

Ana tinha se ajeitado na cama no meio de nós. Eu que antes já pensava em ir para minha casa tive de recuar nesse meu pensamento. Estava cansado demais, o calor era intenso e eu estava muito suado, precisava tomar um novo banho. Enquanto eu estava debaixo de água, tanto Ana como Cláudia andavam já pela casa, Cláudia toda nua e Teresa apenas com uma minúscula calcinha.

Logo que saí do banheiro eu pude ver as duas andarem pela casa exibindo seus peitinhos durinhos, voltei a trás para passar uma tolha e secar um pouco meus cabelos. Quando voltei, já as duas estavam na sala. E para minha surpresa, as duas estavam nuas no sofá e como era seu desejo já Cláudia mamava deliciosamente nos peitos de Ana enquanto esta gemia e se masturbava, depois mudaram de posição e foram para o chão fazendo um 69 de fazer inveja, eu me aproximei sem fazer barulho e enquanto apreciava a cena fui tirando a toalha que eu tinha enrolada em mim

Quando elas me viram, eu já estava batendo uma deliciosa punheta, cheguei bem junto das duas que me viram assim com meu pau bem duro, e sem falar nada de imediato me vieram chupar. Com Ana e Cláudia disputando avidamente minha rola, eu me estava sentindo no paraíso

Ana muito mais experiente deixou a menina se deliciando sozinha e veio me beijar na boca me perguntando no ouvido se eu queria experimentar também o cuzinho virgem de sua filha adotiva. Eu que já tinha comido aquela buceta virgem, respondi na hora que era o que eu mais queria naquele momento

Voltou ao sofá onde Cláudia continuava esfregando sua bucetinha e a mandou sentar com as pernas abertas, foi até aquele momento a visão mais maravilhosa que tive daquela linda bucetinha rosada e perfeita. Sem perder tempo me ajoelhei na sua frente e comecei a chupá-la com força e tesão depois de a deixar bem molhadinha me sentei no sofá com minha rola bem dura apontada para cima.

A própria Ana teve o cuidado de pegar uma camisinha nova e colocou no meu pau, para logo de seguida conduzir Cláudia até ela encaixar sua buceta em minha rola e sentar-se. enterrou tudo até as bolas, num misto de dor e tesão ela chorava e ria ao mesmo tempo enquanto era fodida por mim. Ana talvez pelo tesão que estava sentindo parecia que em choque ao ver a menina ser fodida daquele jeito.

Então a puxei para mim e comecei a beijar sua boca, mas muito pouco tempo depois direcionei minha boca para os peitinhos de Cláudia que estavam duríssimos de tesão.

Ana então voltando ao clima começou a mamar na menina que se contorcia em cima da minha rola, depois de ter gozado várias vezes Cláudinha trocou de lugar com sua mãe adotiva que logo se veio sentar na minha rola enquanto a menina agora já muito mais afoita beijava e mamava seus peitos

Depois de comer as duas, fomos para o quarto e para cama de Ana onde teríamos mais conforto, Cláudia logo se deitou de costas e de pernas abertas se oferecendo para mim. Mais que depressa iniciei um delicioso papai-mamãe com ela, era indescritível a sensação de estar comendo aquela menina que apesar de ter já dezanove anos continuava parecendo uma linda adolescente com corpo perfeito.

Para desespero de Ana ao ver que dessa vez a gente tinha esquecido de colocar uma camisinha no meu pau, comecei a despejar jatos da minha porra em sua buceta, ela nunca havia sentido nada igual, pois antes a gente tinha tido o cuidado de não esquecer a a camisinha. Mas agora podia sentir pela primeira vez o leitinho quente de um homem invadindo suas entranhas. Eram jatos de porra, ela gemia e se contorcia de tesão, depois de a comer, Ana que se masturbava.

Depois do pânico de pensar que Cláudia poderia engravidar ao receber toda aquela porra dentro de si, consegui de certa maneira que se acalmasse e de imediato veio chupar a buceta da menina para sentir o gosto da minha porra que ela conhecia bem e que escorria daquela buceta gostosa.

Mas enquanto isso a danadinha já com total desembaraço lambia e limpava minha rola, deixando-a completamente seca, o que com certeza aprendeu com Ana quando assistia aos filmes que elas costumavam ver na internet.

Enquanto me refazia ficava apreciando Ana lambendo toda a minha porra da buceta de Cláudia, que depois a foi ajudar a gozar, desta vez foi Cláudia que mudando de posições foi chupar e masturbar buceta de Ana, parecia estar realizando um sonho, quando Ana sentiu a língua da menina logo gozou na sua língua e nos seus dedos.

Depois desta iniciação fomos os três para o banho, onde na banheira ainda dei banho e chupei minhas duas putinhas, claro que elas retribuíram dando-me um banho e me secando com suas ávidas línguas, Cláudia ainda me chupou até eu encher sua boquinha de porra que ela engoliu e adorou o gosto. Nem preciso dizer que depois deste dia às coisas entre mim, Ana e Cláudia mudaram muito para melhor. Sempre que o Dr Vasco vai de viagem lá tenho eu de ir em sua casa satisfazer a patroa e sua filhinha adotiva

Depois que comi a ninfeta na primeira vez eu estava me preparando para ir para casa. Foi quando apareceu Ana. Aí o cenário mudou radicalmente, eu acabei comendo a menina e também a coroa. E acabei passando noite lá em casa.

Durante a noite muita coisa aconteceu naquela cama, até que chegou o momento que Ana desesperadamente cheia de tesão falou:

" Chegou a hora meu anjo" . Se dirigindo para Cláudia

" Agora você vai dar seu cuzinho para o nosso amante "

Para minha surpresa e de Ana a safadinha respondeu:

" Desde que vi a senhora dando o seu naquela noite para Fernando, que eu desejo demais fazer a mesma coisa, eu sei que vai doer. Mas do jeito que a senhora estava gostando deve ser delicioso "

Ficámos sem palavras, tanto eu como Teresa, a menina queria mesmo se sentir arrombada como eu fizera antes com Ana.

Ana tentou lhe explicar que a sua situação é diferente. Ela era novinha e nunca tinha levado rola naquele buraquinho, e que eu ia ser o primeiro homem a comer seu cuzinho virgem e rosado, como minha rola é grossa ela deveria pensar melhor se era mesmo isso que queria. A guria não exitou nem um pouco e de novo falou:

" Eu sei que vai doer, mas meu desejo vai superar a dor, vai Fernando. Come logo meu cuzinho virgem, ele é todo seu"

Quem pode resistir a um apelo daqueles? Ninguém... Eu acho.

Comecei então, ali na cama mandei a menina se colocar de bruços e ela empinou sua bunda pra facilitar, passei minha língua com vontade, aquele cú era saboroso... Uma delícia, eu estava louco de tesão só em lamber, dava para ver como era apertadinho,

Molhei meu pau com minha saliva, tentava entrar mas não conseguia. A saliva não era o bastante, então meti de vez novamente em sua boceta, Cláudia soltou um gritinho gostoso. Quando saiu, meu cacete vinha todo molhadinho.

Aí enfiei a cabeça, enquanto enfiava ia segurando minha rola para controlar a intensidade, quando finalmente entrou a cabeça Cláudia fazia muito esforço para conseguir controlar a dor que estava sentindo. Mas ali eu não tive nenhum só. Quando já tinha entrado bastante, talvez mais de metade eu dei uma forte estocada e Cláudia ficou com a totalidade de minha vara dentro de seu cuzinho. Sua coragem estava superando nossas expectativas. Ela tinha uma rola enorme dentro do cuzinho virgem e até que nem reclamava. Será que a safadinha já tinha experimentado com algum brinquedo e nunca confessou para ninguém?

Começei a bombar devagar, sentia seu cuzinho piscando e apertando meu pau,xisso me deixava louco, um pouquinho e eu tirei para de novo enfiar em sua buceta toda melada.

Voltei para o seu cuzinho todo molhado. Enquanto estivera metendo na buceta eu também ia passando meu pau todo melado na entrada de seu cu, até que eu sem pidade meti tudo de uma vez só. Fiquei parado uns segundos para depois comecar um vai e vem delicioso. Aumentei a velocidade e comecei a bombar mesmo violentamente, como Cláudia se rebolava toda em meu cacete eu depressa estava perto de gozar aí ela falou bem assim:

" Nossaaaaaaa!!! Estou toda arrepiada "

"Goza amor... Goza no meu cuzinho vai!"

"Quer leitinho no cuzinho quer amor?"

" Simmmmm quero! E muito..."

Gozei selvaticamente, e empurrei toda a minha gala para o seu cuzinho, que delícia,nunca tinha provado um cuzinho virgem sem camisinha, a sensação foi inesquecivel. Abracei-a forte e dei um beijo bem gostoso.

Ana assistiu a tudo sem nunca interferir. Apenas se masturbava ali no nosso lado.

No dia seguinte acordamos os três completamente pelados naquela cama gostosa. Cláudia acordou um pouco mais tarde que nós dois. É mesmo só com alguns beijos meus no seu rosto e na sua boca ela foi começando a abrir os olhos. Quando eu ali lado a lado com Ana lhe perguntei como tinha sido sua noite ela só respondeu:

" Foi linda e maravilhosa, acho até que foi um sonho... Foi triunfal!!! "

Isso me deixou muito orgulhoso, comi a patroa e sua filha adotiva virgem e ambas adoraram, apesar da dor que Cláudia provavelmente tenha sentido.

Fui tomar meu banho matinal enquanto as duas ficaram na cama deitadas mais um pouco, mesmo debaixo de água conseguia ouvir o que elas estavam falando. Uma frase de Cláudia me chamou a atenção:

" Tia... Quem adoraria ter feito o mesmo que eu fiz essa noite com Fernando era a Vanessa... Ela tem se queixado muito do namorado. Quer transar, mas ele sempre recusa por ela ainda ser menor. "

Agora depois de ouvir aquilo eu fiquei querendo saber mais sobre essa Vanessa. Enquanto Ana foi tomar também seu banho eu pedi para a menina ficar mais um pouquinho na cama comigo, se deitou com seu rosto sobre meu peito, enquanto ia alisando meus pelos do peito. Colocou também sua perna direita sobre meu pau. Ficámos assim por minutos nos acariciando quando eu lhe perguntei sobre Vanessa, quem era essa pessoa. Me falou que era a sua melhor amiga, a única com quem costuma falar e também sair de quando em vez. Eu perguntei então se era bonita assim como ela. A safada estava entendendo onde eu queria chegar e falou:

" É bonitinha sim... E está esperando fazer dezoito anos em breve para transar pela primeira vez. Seu namorado tem medo de transar com ela por ser menor de idade "

Quando eu falei que adoraria conhecer essa sua amiguinha ela falou que só se fosse na sua companhia.

Então pedi que um dia que fossem sair as duas ela me convidasse para eu a conhecer. Meio a medo falou:

" Tá bom... Mas se você transar com ela, eu também quero."

Eu respondi que apenas gostava de a conhecer, nada mais que isso. Mas a verdade é que Cláudia sabia muito bem o que eu pretendia.

Quando Ana voltou do banho nós desviamos a conversa e Ana tomou seu lugar na cama, e a safadinha foi tomar seu banho.

Continua...

Escrito por: F. Jota

Publicado por: Lúcia & Jota

Comentários

13/10/2017 15:03:20
Uma deliciaaaaaaaaa
13/10/2017 11:27:23
Continue assim! Está ótimo!
13/10/2017 11:11:20
Maravilhoso!!! Estou adorando cada vez mais!!!
12/10/2017 21:05:37
Segue escrevendo camarada, estao muito bons teus relatos. Excitantes, despertam a imaginacao e outras partes do corpo tb. Pessoal nao comenta muito pq quando chegam ao final do relato estao todos com as maos melecadas e correm pro banho. Acredite, muita gente esta vendo e adorando eles. Continue por favor sortudo.
12/10/2017 19:26:45
Vai gente!!! Quero muito vossos comentários. Obrigada

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.