Fomos observados

Um conto erótico de Marta
Categoria: Heterossexual
Contém 1090 palavras
Data: 06/10/2017 16:32:27
Última revisão: 06/10/2017 16:50:25

Algumas semanas depois de ter me exibido para meu filho, eu já nem lembrava mais do ocorrido. O nosso tempo era corrido, sempre saindo cedo e voltando tarde para casa, pois todos nós tínhamos muita coisa para fazer e ficávamos pouco tempo em casa. O pouco tempo que nos restava estávamos sempre todos juntos, então não existia espaço nem para pensar sobre isso.

Depois de um tempo comendo mal por conta da correria, meu marido resolveu fazer um jantar para nós, pois achou que precisávamos nos acalmar um pouco. Quis inovar com uma noite italiana. Para aproximar mais a família todos nós fomos para a cozinha preparar o jantar. Logo de início o Pedro (meu marido) abriu uma garrafa de vinho, como não tenho costume de beber, bastou duas taças para eu ficar mais alegre do que o normal. Tudo estava muito engraçado. Nos sujávamos de molho e ríamos muito.

Durante o jantar o Pedro resolveu bombardear nosso filho com perguntas sobre namoradas e meninas. Eu fiquei calada por achar que aquilo era uma conversa mais de pai e filho, apesar de eu estar junta. De repente, acho que o Artur ficou desenvergonhado por achar que estávamos bêbados e começou a falar muito mais do que o normal. Notamos que ele é muito tímido com as meninas, logo era um garoto na puberdade e nunca tinha ficado com nenhuma garota ainda.

Pedro que já estava alterado e começando a enrolar a língua, achou por bem que deveria começar a explicar ao menino sobre relacionamentos, mas não tardou e já estávamos falando de sexo.

Quando chegamos nessa parte, o Artur começou a ficar mais interessado e começou a fazer perguntas várias perguntas até que ele veio com uma pérola:

- Pai, como você e a mamãe fazem sexo?

O Pedro, apesar da falta de vergonha começou a gaguejar e não conseguiu falar. Eu tomei a frente e disse:

- Filho, eu sei que você sabe como é, já abri sem querer uma página no seu computador e tinha um vídeo de sexo na tela, o nosso não é muito diferente daquilo.

Ele ficou corado, talvez não achou que eu responderia tão naturalmente. Para não avançar as coisas, resolvi acabar com a conversa e nos recolher.

No caminho para o quarto o Pedro resolveu brincar e apertou minha bunda, quando olhei ele estava olhando para o Artur e rindo, o Artur riu de volta e entrou em seu quarto. Apesar de ter sido uma brincadeira, achei aquela apertar muito gostosa, acabei me despertando para fazer um amorzinho gostoso e sabia que o Pedro também queria.

Como esperado, assim que entramos, o meu marido começou a me beijar e me amassar. Fiquei excitada e começamos a nos pegar e nem percebi que não tinha fechado a porta. Como estávamos alterados pela bebida, fizemos mais barulho do que o normal, inclusive nos gemidos. Para aproveitar e me excitar, abaixei sua bermuda e comecei lambendo o saco que estava bem lisinho no dia. Era uma delícia brincar com suas bolas na minha boca. Subi e chupei seu pau deliciosamente, ele só conseguia gemer. Como de praxe, fiquei logo molhada e subi nele. Adoro cavalgar.

Retirei toda minha roupa e as joguei no canto do quarto, deixei só um abajur aceso e sentei gostoso no meu amor. Aquela piroca maravilhosa me penetrando era tudo que eu queria. Rebolei bem devagar durante um tempo, até que resolvi nos ajeitar um pouco na cama e foi quando percebi que a porta estava meio aberta e no corredor escuro avistei uma silhueta nos observando. Não sabia a quanto tempo ele estava ali, mas sei que se estivesse mais de 5 minutos já tinha visto muita coisa.

Na hora fiquei meio congelada, não sabia o que pensar, foi então que lembrei o dia do sofá e tive uma ideia inusitada: Queria mostrar para ele como é que transávamos. Falei para o Pedro que queria fazer diferente e fui até o interruptor do lado da porta ligar a luz. Na hora uma claridade passou pela porta e o iluminou um pouco, rapidamente ele grudou na parede do outro lado do corredor. Eu acabei fingindo que não vi, mas sabia que ele conseguia ver meu corpo inteiro nua. Estava recém depilada, toda minha xoxota estava à mostra, melada e vermelha pela trepada que estava acontecendo. Parei um pouco perto da porta como se estivesse procurando algo, achei excitante me exibir e deixa-lo me ver por completa. Voltei para meu macho, dessa vez por cima com os joelhos na cama, empinei minha bunda e enfiei aquele pau delicioso na minha bocetinha melada e quentinha, escorregou deliciosamente me tocando no fundo.

Nos arrumei de uma maneira para que a visão a partir da porta fosse muito clara. Meu cuzinho estava para cima e eu estava rebolando cada vez mais forte. Notei que meu marido achou um pouco estranho a intensidade repentina de tesão, mas ignorou e continuou a brincadeira. Comecei a falar alto, de uma maneira que fosse possível ouvir. Comecei a gemer cada vez mais e então pedi:

- Amor, mete seu dedo bem gostoso no meu cuzinho?

Meu marido sem pestanejar meteu logo dois de uma vez e eu dei uma mistura de grito com gemido e na mesma hora olhei para trás, diretamente para ele. Ele colou na parede de novo, mas dessa vez eu não fingi, fiquei encarando-o, na hora me veio um tesão louco e sorri com a maior cara de safada que eu consegui fazer. Ficamos naquela situação por alguns segundos até que ele percebeu que eu sabia que ele estava ali e resolveu se aproximar mais da porta, ficando mais visível.

Meu marido fudeu sem dó minha buceta, arregaçou e arrombou com vontade meu cuzinho com seus dedos, eu estava completamente em êxtase com a situação. Quando olhei para a porta de novo, vi que ele estava com o pinto duríssimo, dava para ver pela sua bermuda do pijama. Então me começou a subir um fogo pela barriga, fui ficando cada vez mais quente e uma onda de prazer tomou meu corpo naquele momento. Gozei em uma intensidade tão grande que ao invés de gemer, gritei. Meu marido me acompanhou e gozou logo em seguida. Ficamos um pouco deitados. Eu por cima com minha bunda toda exposta. Olhei para trás e vi que ele ainda estava lá.

Depois de respirar um pouco, levantei e andei até a porta. Olhei fixamente para ele, com semblante de quem estava completamente extasiada.

Cheguei perto...

olhei...

sorri...

e então sussurrei:

- Boa noite... meu amor.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 36 estrelas.
Incentive Marta De Almeida a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de Solepa

Essa é a mãe mais safada que eu já vi.

0 0
Foto de perfil de Almafer

Muito bom maravilhoso nota mil Maravilha parabéns

0 0
Foto de perfil genérica

Nossa essa chegou a merecer uma ...

Muito bom...

0 0
Foto de perfil genérica

Uau que delícia...O interessante é prazeroso que tudo ocorre naturalmente. Parabéns tô adorando.

0 0
Foto de perfil genérica

Nossa chega fiquei de boca seca...delicioso imaginar essa cena

0 0
Foto de perfil de Melga38

Parabéns, este conto subiu o clima. Essa de exibicionista incestuosa, provocando o filho foi muito excitante. Sem preocupação moralista, assumindo integralmente a fantasia de deixar o filho com muito tesão. Preparando o terreno para dar para ele. É o que pressenti. em escrito e bem descrito com detalhes.

0 0
Foto de perfil genérica

Aplausos, aplausos, bravo, bravo....que delicia de contos, nota 10...

desejo muito falar com vc.... e-mail... theo_ozga_vitury@hotmail.com

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil genérica

Que sequencia deliciosa, estou torcendo que esse menino consiga alguma coisa, parabéns querida, excelentes contos, tive um caso de incesto tb, dá uma olhada lá, se quiser manter contato meu eskype e email é rogerbahia22@hotmail.com

0 0

Listas em que este conto está presente

CONTOS da Marta
Histórias diversas de Marta Almeida