Casa dos Contos Eróticos

experiencias vividas internato

Um conto erótico de coqueiro
Categoria: Homossexual
Data: 21/07/2017 21:45:25
Nota 8.00

A minha vida teve muitas facetas pois meus pais quando tinha a idade de 14 anos resolveram me colocar em um colegio interno e me vi em um ambiente totalmente desconhecido e depois da minha iniciação tinha medo de me expor e ao chegar fui ficar em um quarto aonde tinha um colega e me lembro que sempre dormia com as costas para a parede e mantinha distancia de tudo e todos e aos poucos fui me enturmando e de cara me envolvi no futebol,e aos poucos fui saindo da defensiva e me enturmando.

Toda noite tinha uma cantina aonde podiamos comer algo e conversar fiado e meu companheiro de quarto me pediu para trazer um sanduiche e de cara dura disse o que eu ganho com isto e ele sorriu.

Na volta lhe dei o sanduiche e ele de pronto me abraçou pelas costas e senti seu corpo colado no meu,de imediato fiquei estatico e ele sorrindo disse ao meu ouvido vc tem uma bunda bem gostosa,mas como não reagi ele ficou roçando na minha bunda e confesso estava gostando e me sentindo bem.

Quando ele me soltou fui para a minha cama e nesta noite foi dificil conciliar o sono pensando no abraço do amigo Paulo e que tinha gostado.

No outro dia fomos para as aulas e somente o encontrei no almoço ,e ele sorriu e me senti incomodado abaixando meu olhar e a noite apos o banho fui para o quarto e logo ele chegou e veio me abraçar dizendo senti falta de vc.

Incrivel mas estava esperando ele me pegar de costas de novo e me deitei na cama e de costas para ele e senti ele apagar a luz e trancar a porta e veio se deitar comigo me abraçando gostoso.

Fiquei estatico e ele começou a passar a mão sobre meu corpo,pelas minhas coxas,alisando suave minhas nadegas sobre o pijama e me vi curtindo,e ele me colocou de bruços e sentou sobre mim e foi tirando meu pijama me deixando nu,senti seus dedos me tocando,e submisso fui deixando levar,abriu minha pernas e deitou seu corpo nu sobre mim,e seu penis deslisando sobre meu rego,que gostoso sentir o macho me dominando e me sentia molhado pela baba do seu penis e ele se colocou a porta do meu cu e foi pressionando e a cabeça entrou e que sensação gostosa e ele me fez ficar de 4 e começou a meter no meu cu,e no silencio foi tomando posse do meu cu e falando no meu ouvido vc sera o meu viadinho especial,este sera nosso segredo.

Foi acelerando e me encheu de porra e de pronto levou seu penis a minha boca que bebi um pouco da sua porra.

Nos fins de semana muitos alunos iam para casa e era o nosso momento de curtir e meu macho me satisfazia me comendo de todas as maneiras.

Mas um dia estavamos em aula quando vieram buscar o Paulo pois seu pai tinha falecido e ele estava voltando para casa,e me vi sozinho e sem um macho para me comer.

Após uns quinze dias estava sentado no parque depois do almoço quando o Otavio um garoto mais velho sentou ao meu lado e foi me dizendo que o Paulo tinha pedido a ele que cuidasse de mim e sorriu e foi me dizendo estou no apto 14 e estou morando sozinho e lhe espero a noite e quando dei por mim estava no seu quarto e de pronto ele me deixou nu,me colocou de 4 e veio com sua lingua buscar meu cu,que gostoso,me deixou solto e alegre e senti sua rola encostar na porta do meu cu e fiquei a espera e ele veio forte,socando pra valer,e me deixando sem ar,e me encheu gostoso e metia sem parar,que sensação de um viado sendo bem comido,me virou de costas,ergueu minhas pernas eas segurei e ele veio fundo me enchendo e me fazendo sentir a sua pegada,que foda,estava vibrando e curtindo meu novo macho Otavio e ele esporrou me enchendo de porra.

Voltei para o meu quarto feliz mas senti alguem me observando,e esta sensação se materializou no outro dia quando fui ao café e deparei com um aluno Pedro que sorriu para mim e me disse ao meu ouvido tambem quero comer seu cu ok

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
22/07/2017 01:35:58
AFF. VAI SER A PUTA DE TODOS DO INTERNATO. PAULO FOI O MAIOR BABACA, BOCA ABERTA. LAMENTÁVEL.