Casa dos Contos Eróticos

MINHA MÃE ME AMA DEMAIS.

Autor: Henrique
Categoria: Heterossexual
Data: 29/07/2017 22:36:43
Última revisão: 29/07/2017 23:44:31
Nota 9.90
Ler comentários (24) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Minha mãe Andréia sempre foi um amor de pessoa, mas depois do divórcio com meu pai, aos meus doze anos, ela se transformou naquilo que podemos chamar de “super-mãe”. Para começar, ela ficou completamente sozinha em uma cidade onde não conhecia ninguém, mas era onde eu recebia uma educação de qualidade. Com 34 anos, desempregada e com um filho pré-adolescente, qualquer outra mulher teria voltado para a sua terra natal, mas não a minha mãe, pensando em não me prejudicar ela sacrificou a própria felicidade fazendo o que era melhor para mim, em um grande gesto de amor.

A partir de então éramos só nós dois, um sendo a melhor companhia que o outro poderia ter, grandes parceiros. Nossa relação sempre foi recheada de carinho, mas depois daquele divórcio parecia que minha mãe havia depositado todo o seu afeto em mim, gerando praticamente uma relação de dependência amorosa. Tudo o que fazia era por mim, tudo em que pensava era em mim, e tudo o que queria era me ver feliz. Não é que ela tivesse parado de viver por minha causa, eu ate soube de alguns namorados que ela arranjou no novo emprego, mas nunca mais entrou em nenhum relacionamento sério, sinal de que na vida dela o único homem que realmente importava era eu.

...

Bem, olá leitor(a), seja muito bem-vindo(a), eu sou o Henrique, e o que venho te contar aqui é a história de como eu e minha mãe nos tornamos amantes aos meus 19 anos, um relacionamento incestuoso sincero e cheio de amor que dura até hoje. Porem, antes de prosseguirmos na leitura desse texto, eu preciso pedir que você tenha em mente a seguinte verdade o tempo todo: A minha mãe era uma mulher muito solitária, e eu era a única pessoa relevante em sua vida.

Isso é essencial para que você não a julgue, e também para que você compreenda melhor a nossa situação.

Além do mais, torna-se impossível você enxergar a beleza dessa mulher sem que antes eu separe pelo menos um paragrafo para descrevê-la, então que seja agora : Na época em que tudo aconteceu minha mãe tinha 41 anos, e era uma verdadeira Milf dona de casa. Cabelo preto e encaracolado, baixinha, branquinha, peitos grandes, pernas grossas e uma bunda enorme, maravilhosa. Ela tinha todos os atributos que amamos em uma mulher dessa idade, incluindo aquelas gordurinhas gostosas na cintura, uma gata, nota dez.

...

Agora voltando aos fatos.

Essa parceria entre mim e minha mãe, a qual te contei na introdução, começou a fraquejar quando eu fiz 17 anos, justamente na fase em que despertei para a vida amorosa e passei a sair com os amigos. Eu era imaturo demais na época para perceber, mas essa situação a machucava muito, ela estava sendo colocada de lado pela pessoa que mais amava, e faria de tudo para estar sempre presente na minha vida.

Ela decidiu que me daria todo o apoio que precisasse, e eu poderia inclusive levar uma ou outra menina para a nossa casa de vez em quando, “sem problemas”, era o que dizia. Minha mãe realmente se esforçava para ser a minha melhor amiga de todas as horas, e eu podia enxergar isso, então retribuía a amando ainda mais.

Acontece que eu nunca quis levar ninguém para casa por motivos de vergonha, acho que você pode entender isso, não é? Eu era jovem e ainda me sentia estranho ao falar de sexo com ela, imagine então levar alguém em casa para transar.

Bem, e eu mantive esse pensamento ate meus 19 anos, quando conheci uma menina de mesma idade chamada Gabriela...

Essa garota era demais, linda, loira, magrinha, legal, eu estava relativamente apaixonado, e sabia que ela também sentia a mesma coisa por mim, portanto, naturalmente queríamos transar.

Tudo aconteceu em uma sexta feira à noite, marcamos de nos encontrar na festa do peão que acontecia em nossa cidade e de lá partimos direto para a minha casa cheios de tesão. Minha mãe sempre garantiu que não haveria problemas em receber uma menina em casa, então decidi que nem a avisaria para evitar grandes constrangimentos.

Chegamos por volta das duas da manhã e fomos em silêncio para o meu quarto. Começamos a nos beijar e a tirar nossas roupas de pé mesmo. Envolvidos pela pegação, me deitei na cama com ela em cima de mim apertando bastante sua bundinha, ambos um pouco bêbados e rindo baixinho para não acordar a minha mãe.

Ela foi descendo a cabeça ate chegar no meu pau, enquanto alisava o meu tórax com as duas mãos. Abriu a boca e começou a me boquetear, fazendo um som de “hmm” a cada vez que passava o meu pau na sua garganta.

Agora, leitor(a), me responda: O que de pior poderia acontecer em uma situação dessas ?

Você provavelmente vai pensar algo como eu brochar ou então gozar muito rápido... Mas uma coisa muito mais constrangedora ocorreu.

Bem no momento em que a Gabriela abocanhava o meu pau a minha mãe invadiu o meu quarto com tudo e foi em direção dela, a empurrando de cima de mim. Eu fiquei desesperado em busca de algum lençol para me cobrir (coisa que não achei) e acabei arrastando a minha mãe de volta para o seu quarto peladão mesmo, mais perdido que cego em tiroteio, e ela só gritava descontrolada coisas como “Que porra é essa Henrique? Que vagabunda é essa ? Aqui não é motel” .

...

Depois desse papelão a noite estava arruinada. Morrendo de vergonha acabei levando a Gabriela de volta para a sua casa, pedindo mil desculpas pelo caminho, e voltei em alta velocidade fuzilando de raiva, decidido a brigar.

Entrei em casa com sangue nos olhos, puto de verdade, mas quando vi o estado da minha mãe imediatamente me bateu uma sensação de tristeza.

Tente visualizar isto: ela estava sentada na mesa da cozinha, no escuro, com o rosto entre as mãos, chorando bem baixinho. Poxa, só tendo um coração de pedra pra um filho não se sentir mal. Pus toda a brabeza de lado e decidi me sentar perto dela para acalmá-la.

Passados alguns minutos dela chorando e eu pedindo que respirasse, ela pegou nas minhas mãos e disse me olhando nos olhos que sentia muito, que ela não queria me prejudicar, que eu sou o amor da vida dela, que ela daria tudo por mim... e enfim, acho que você já sabe como são essas desculpas de mãe melosa. Eu só disse algo como "Tudo bem mãe, já foi, não tem mais motivo para continuarmos remoendo isso. Eu nem estou mais bravo". Isso aparentemente sossegou seu coração, como eu te disse na introdução, minha mãe era muito dependente de mim, eu ficar bravo com ela já era motivo pra fazer uma novela.

Foi ai que algo chocante aconteceu.

Já estávamos em paz de novo quando ela me perguntou com a voz bem baixinha, como se estivesse constrangida, e desviando o olhar "Você ainda esta com tesão?". Eu fiquei boquiaberto com aquilo, porra mãe, que tipo de pergunta era aquela ? "Er... mãe, deixa isso pra lá". Mas ela insistiu "Seja honesto comigo Henrique, eu te atrapalhei antes de você gozar não foi ? Você ainda esta com vontade, não é ?".

Eu fiquei meio sem reação, então só acabei falando que "sim né". Já fui soltando sua mão, porque aquilo estava ficando bem estranho, e fui indo pro meu quarto. Ela ainda me perguntou antes de sair se queria que ela telefonasse para a menina, para se desculpar, e falei rindo "Obvio que não".

...

Então tudo bem, eu já tinha trocado de roupas (vestia um samba-canção) e havia me deitado para dormir. Que noite bagunçada tinha sido aquela não ? Fui na festa do peão, empataram a minha foda da maneira mais constrangedora possível, briguei e me reconciliei com minha mãe... que loucura, será que tinha como a noite ficar mais agitada?

Bem... tinha sim: Acho que não havia se passado nem meia hora que me deitei, quando escuto a porta do meu quarto abrir.

Quando olhei só consegui enxergar a silhueta da minha mãe em meio aquela escuridão, e disse brincando "Não se preocupe mãe, não tem menina nenhuma escondida aqui", ela riu um pouquinho e me pediu que desse um espaço na cama. Achei estranho, mas já estava relativamente cansado então nem discuti.

Ficamos os dois lado a lado, olhando para o teto em completo silêncio, ate que ela sussurrou suavemente, tocando meu ombro "Você ainda esta com tesão, não é Riquinho?". Eu já fui reclamar "De novo esse assunto?", mas quando olhei pra ela, ou melhor, quando eu REALMENTE olhei para ela, percebi que minha mãe estava pelada do meu lado.

Eu não sabia como reagir diante daquilo, mas antes que pudesse fazer qualquer coisa ela rapidamente se deitou peladinha em cima de mim, me impossibilitando de sair da cama. "Shhh... calma Riquinho, eu só quero te recompensar pela noite de hoje", sussurrou no meu ouvido, antes de começar a lamber a minha orelha.

Um arrepio gostoso percorreu pela minha espinha naquela hora, mas apesar daquilo estar sendo bom eu tentei usar da razão com a voz tremula "Mãe, não precisa me recompensar, eu estou bem", mas ela não parou, "Deixa a mamãe te dar um pouco de carinho", e desceu a boca para o meu pescoço.

Seu corpo quente e macio estava em cima de mim, se esfregando no meu com as pernas e seios enormes ... sem falar, claro, daquela pressão gostosa da vagina dela apertando sobre o meu volume, que começou a crescer involuntariamente.

Minha mãe estava me beijando no pescoço, e eu só conseguia estremecer de prazer e espanto.

O que ela estava fazendo, perdeu completamente o juízo ? Merda, mas eu não conseguia reagir, seus toques eram bons demais. Eu sabia que aquilo tinha que acabar, que eu devia usar toda a minha força para a repelir, mas como é possível para um filho resistir a essa tentação ?

É óbvio que eu já havia me masturbado algumas vezes pra ela na adolescência, é natural para um jovem, mas aquilo era muito melhor do que eu jamais pude imaginar, e quanto mais eu me dava conta que aquela mulher em cima de mim era a minha mãe, mais aquilo me dava vontade de continuar. Comecei a passar as mãos pelo seu corpo, sentindo o toque delicado da sua pele, e os beijos do pescoço passaram para a boca.

Minha mãe e eu nos beijamos com muita paixão, mal posso descrever o quão incrível aquilo foi. Eu sentia o gosto doce da sua boca e endurecia de excitação enquanto nossas línguas se enrolavam. Começamos a girar pela cama trocando beijos e caricias, e permiti que o tesão me dominasse completamente. Ficamos nisso por bons minutos, até estarmos sem ar e ofegantes.

De tanto rolarmos eu acabei por cima agora, a olhando nos olhos. Minha mãe perguntou com uma expressão de preocupação "Você esta gostando disso?". "Nossa, mãe, eu não tô acreditando, isso parece um sonho...", falei todo afobado, e olhei para seu corpo nu "... você é perfeita demais".

Não havia exageros naquilo, a minha visão foi a de belíssimos bicos rosas naqueles peitos gigantes e macios, e de alguns pelinhos bem aparados em cima daquela vagina linda. Depois que confirmei estar gostando ela começou a sorrir, passou a mão suavemente pelo meu rosto e disse "Você também é lindo, você não faz ideia de quanto tempo eu te quero". Ouvir isso da boca dela mexeu comigo de uma maneira inexplicável, só falei "você é que não faz ideia do quanto eu te quero agora" e avancei para cima.

Eu beijava seu pescoço e passava a mão pela sua cintura, meio que tentando pegar na sua bunda que estava virada pro colchão, já ela, esfregava os pés nos meus, me fazia um cafuné na nuca e gemia o meu nome bem baixinho...

Do pescoço desci para os seios, onde me esbaldei. Esfreguei minha cara com vontade naquelas delicias, mamei nos seus mamilos duros por um bom tempo, como se quisesse beber leite, e apertava forte minha ereção contra a sua coxa... quase "fodendo", mas o melhor mesmo era ouvir sua a respiração ficando pesada conforme o prazer crescia.

Posteriormente, fui descendo calmamente a boca dos peitos para a barriga, da barriga para a vulva, e então comecei a beijar a sua vagina. "Mãe..." minha voz falhava de emoção ao encarar aquilo de pertinho, "Você é maravilhosa".

Que delicia, a buceta dela escorria a lubrificação, dei algumas lambidas e chupadas apenas para engolir seu suco...o gosto da minha mãe era maravilhoso, foi a melhor coisa que já provei, e seu cheiro era hipnotizante... chupei a sua região como se estivesse faminto por aquela carne, e posso dizer humildemente que fiz um trabalho nota dez.

Dava leves chupadas e lambia a pele dos seus lábios de várias direções, beijava sua entrada com carinho, dei atenção a cada mínima parte da sua vagina, e chupei seu clitóris pequenininho com muito cuidado, fazendo a pressão na medida certa... como recompensa, ela segurou a minha cabeça e começou a gemer bastante enquanto estremecia todinha, com um orgasmo.

Imagine a minha felicidade em dar um orgasmo para a minha mãe, que filho não ficaria feliz com isso, certo ? Seu rosto estava todo rosinha e ela sorria para mim com um olhar de malicia, "Isso foi muito bom meu bebê", e eu respondi sorrindo "mãe, você é gostosa demais, LITERALMENTE gostosa"...

Bem, era a minha vez de ir por baixo. Ela me pediu para deitar na cama de barriga pra cima, fez um carinho no meu volume duro, puxou o meu samba-canção ate meus pés, se deitou em cima das minhas pernas (seus peitos estavam na minha coxa) e então, me encarando diretamente nos olhos, abriu a boquinha e foi engolindo o meu pau bem devagarzinho ate o talo. Olha, não vou mentir, tenho só 17 cm de pau, mas caramba, minha mãe engoliu tudo, garganta profunda logo na primeira abocanhada, fiquei impressionado.

Ela ficou me chupando por uns 10 minutos, e te falo com orgulho que minha mãe é uma baita boqueteira : Lambia da base até a ponta, ficava girando a língua em volta da cabeça, descia dando beijinhos por todo o meu pau ate as bolas, chupava meu saco, pondo um testículo de cada vez na boquinha, e me punhetava... eu delirava de tesão, mas o que eu mais gostava era de ver que ela se masturbava junto enquanto me engolia, com aquele bundão lindo empinado para cima e sua mãozinha massageando a buceta.

Assistindo tudo aquilo, vendo minha própria mãe se deliciando com o meu pau na boca, eu não pude resistir, dei o meu leite grosso para ela. Gozei muito, enchi a boca da coitada, que engoliu toda a minha goza quente e lambeu o pouquinho que caiu pra fora. Ver minha mãe bebendo meu esperma foi atordoante, fiquei desnorteado com a beleza daquela cena.

Eu ainda estava com muito tesão, mas não sou de ferro né, tive que pedir um arrego de 5 minutinhos para me recuperar.

Então surgiu um dilema, o que fazer enquanto o tempo não passava ? Eu não perdi a chance, pedi para ela ficar de quatro na minha frente (admirei a visão da minha mãe de quatro pelada), me posicionei, abri bem a sua bunda enorme e comecei a lamber seu cu. Eu não contei para você no inicio leitor(a), mas quando eu me masturbava para ela na adolescência o que eu mais fantasiava era com isso, sempre achei aquelas nádegas fenomenais... Sentia um gostinho de suor viciante ao passar a língua no seu buraquinho que piscava, e lógico, ela estava la esfregando os dedinhos na buceta enquanto eu devorava sua bunda. Pra minha felicidade vi que escorria algo da sua vagina, era mais do seu delicioso suco, que transbordava, engoli tudo.

Depois de ficar duro um novo dilema, em qual posição faríamos sexo ? Como era a nossa primeira vez, eu queria que fosse especial, algo íntimo : Papai e Mamãe.

Ela se deitou de barriga pra cima, abriu as pernas e falou "vem" fazendo um sinal com as mãos, e eu me posicionei em cima dela. Você consegue ter ideia do quão maravilhoso é ver a sua mãe te chamando para come-la ? Não sai da minha cabeça...

Lá estávamos nós de novo, eu por cima, ela por baixo... fiquei dando alguns beijos em sua boca antes de penetrar, "bitocas" , e ao invés de já ir enfiando de uma vez fiquei pincelando sua entrada com a cabeça melada do meu pau. Pra cima, pra baixo, pro lado, pro outro, e ela mordendo os meus lábios a cada nova "bitoquinha". Então eu a penetrei suavemente, com calma, aproveitando bem aquela sensação de ser envolvido, e ela também aproveitava cada centímetro que eu me aprofundava.

Comecei a fazer o vai e vem, com cuidado, em um ritmo gostoso para os dois. Minha mãe podia ser uma Milf quarentona, mas a vagina dela era muito mais gostosa do que a de qualquer outra mulher que eu já transei. Eu ia o mais fundo que podia, dava tudo de mim, minhas bolas batiam no seu corpo, e eu só pensava duas coisas : A primeira era satisfaze-la , queria dar o máximo de prazer para ela; A segunda era "caralho, eu estou fodendo a minha MÃE ! ", ainda me sentindo em um sonho.

Ela me abraçou forte nas costas e cruzou as pernas atrás da minha cintura. Como gemia gostoso, dava pra gozar só de ouvir seus sons.

Me lembro dela falando "isso Henrique, faz amor comigo, come a mamãe" e eu respondia espontaneamente "eu te amo mãe", e era isso mesmo o que estava acontecendo, não era só safadeza ou putaria, eu estava fazendo sexo com a pessoa que eu mais amava, e ela também estava na mesma situação, era especial para ambos. Ficamos nisso por uns 20 minutos, sem exageros, e eu ainda nem estava perto de gozar, quando de repente ela começa a vibrar todinha e crava as unhas em minhas costas.. outro orgasmo, tinha feito a minha mãe gozar duas vezes.

Eu queria ir correndo para a janela e gritar pra rua toda ouvir "MINHA MÃE TÁ GOZANDO", mas ainda tinha um dever a cumprir.

Eu fiquei olhando pro rostinho dela que estava cor-de-rosa, toda suada e ofegante. "Nossa mãe, você é a mulher mais linda que eu já vi ". Ela sorriu e me deu mais um beijo de língua.

Ela estava decidida a me fazer gozar de novo, então era a minha vez de estar por baixo novamente. Eu fiquei deitado na cama e ela subiu em cima de mim, posicionou o meu pau na sua buceta e começou a sentar.

Engraçado, enquanto eu fiz tudo com calma e carinho, tanto no oral como na hora de meter, ela já veio com armas pesadas nas duas vezes, engolindo o meu pau inteiro no boquete e sentando com força na retribuição.

Seus peitos ficaram estrategicamente balançando na minha cara, e eu me sentia no paraíso. Do jeito que ela sentava não aguentei mais que 10 minutos de sexo, avisei com antecedência que estava perto de gozar e sabe o que ela falou ? "Goza dentro de mim, faz bastante na mamãe".

Eu sabia que era errado, mas qual é, era um pedido especial da minha mãe, além do mais , eu sou um bom filho obediente. Gozei fundo nela, gozei a mesma coisa que na boquete, enchi sua buceta de porra e praticamente urrei de prazer. Enquanto ejaculava uma, duas, três vezes, ela me beijava na boca, sentindo o meu leite entrando em seu ventre.

Ela saiu de cima de mim e começou a chupar meu pau com a bunda virada para minha cara, limpando todas as sobras de esperma com a lingua, e eu pude admirar o meu sêmen escorrendo da sua buceta.

No fim de tudo eu estava exausto, minhas pernas estavam fracas e meu pênis ardia, mas nunca na minha vida estive mais feliz que naquele momento, eu tinha acabado de fazer sexo com a pessoa que eu mais amava.

...

Nossa, você leu até aqui mesmo ? Por isso que eu gosto tanto de você leitor(a), você é demais.

Terminamos aquela noite com um banho juntos no meu chuveiro e depois fomos para o seu quarto dormir (afinal, o meu estava todo bagunçado, com cheiro de esperma e suor). Acontece que na manhã seguinte eu tive grandes revelações.

Acordei sozinho na cama dela, e quando fui procurar a encontrei novamente sentada na mesa da cozinha, de roupão, e com os olhos vermelhos como se tivesse acabado de chorar. "O que foi mãe?", perguntei extremamente confuso depois da noite maravilhosa que tivemos juntos. "Eu sou uma mãe horrível não sou?"... Apesar de já entender aonde aquilo levaria, eu perguntei "Não, mãe, claro que não, por que diz isso ?", e então ela se abriu.

A principio nós dois discutimos bastante sobre o ato de fazermos sexo, minha mãe parecia bem confusa com aquela situação apesar de ter sido ela quem me procurou. Ela me disse que aquilo era errado, que mãe nenhuma faria aquilo com o filho, que ela havia falhado como mãe ao se entregar a tentação. E eu argumentava que não tinha nada demais, que ninguém precisava saber, contanto que nós dois estivéssemos felizes nada mais importava, além do mais, eu a amava muito, o que tornava aquilo muito melhor do que uma transa vazia e sem carinho com um desconhecido.

Foi então que veio o grande baque, ela me revelou que realmente me amava, da mesma forma que uma mulher ama um homem, eu era o único motivo de alegria na vida dela e já fazia anos que nutria um amor muito forte por mim, mas nunca fez nada por considerar errado.

Pobrezinha, logo me caiu a ficha que ela não havia me interrompido com a Gabriela atoa, era uma mulher apaixonada que estava vendo o seu amor indo se deitar com outra, foi ciúmes.

Ouvir aquilo me comoveu de verdade, "eu também amo você mãe, te amo mais que qualquer pessoa", e a beijei, esse que foi o nosso melhor beijo ate hoje, onde demonstramos todos os nossos sentimentos através daquele gesto.

...

As nossas vidas mudaram completamente depois daquilo. Nós conversamos muito a respeito do nosso relacionamento , existia um problema óbvio ali : nós éramos mãe e filho, não podíamos assumir um compromisso em público, então como faríamos para o namoro funcionar? Além disso, existia um receio enorme da parte dela sobre como o nosso caso iria afetar a minha vida, eu não deveria deixar de formar uma família, ter uma esposa e filhos, não dava pra mim simplesmente ficar com ela e perder todas essas outras coisas.

Claro, no calor da emoção eu cheguei a sugerir que tivéssemos um filho juntos,mas foi um pensamento burro que não foi longe.

E esses foram dois dilemas muito presentes no inicio do nosso namoro, até que ela mesma decidiu que eu deveria ter uma vida como a de qualquer outro jovem, namorar alguma menina, continuar saindo por ai, ser "normal", e que ela teria que aceitar isso. Foi duro pra mim perceber que aquilo machucava a minha mãe, mas quanto mais eu penso nisso mais vejo que foi a melhor solução. Eu só prometi uma coisa, eu não me casaria com uma mulher que ela não aprovasse.

Acontece que acabei encontrando uma pretendente mais rápido do que imaginava...

E como seguimos hoje ? Já se passou 3 anos desde a nossa primeira vez, eu estou com 22 e ela com 44 anos. Nós estamos mantendo um relacionamento secreto, escondido de todas as pessoas, inclusive da minha atual noiva... a Gabriela. Pode parecer maldade, mas eu não tenho nada mais do que amizade e pena por essa menina, ela não faz ideia de que eu apenas a escolhi como minha procriadora, que não tenho absolutamente nenhum sentimento romântico por nós, e que é corna da própria sogra, mas preciso manter as aparências.

E assim estamos agora, aos olhos da sociedade eu sou um jovem noivo e minha mãe uma convicta solteirona, mas pelas costas do mundo nós expressamos nossos sentimentos mais sinceros um pelo outro, sempre tomando cuidado para não engravidar. Eu amo minha mãe, e minha mãe me ama demais.

Comentários

16/08/2017 10:38:48
Muito bom, quem me dera ter uma experiência dessas, fico até com inveja, parabéns aos dois e muitas felicidades.
14/08/2017 23:40:00
Gostei muito, parabéns!!!!
13/08/2017 21:39:16
Delícia.
13/08/2017 12:54:13
vou te dar 10 e quero explicar porque considero esse um dos melhores textos de incesto desse site, ou quem sabe até o melhor. adoro incesto, acho bem excitante parentes próximos sucumbirem aos desejos, entendo o tesão pelo fruto proibido, mas sempre achei ruim que na maioria dos contos ou filmes o sexo é banal, como se os parentes não tivessem amor um pelo outro, tudo se rsume a rola e bunda. mesmo que seja excitante um caso de mãe dando pro filho eu sentia falta de acreditar naquele sexo, na maioria das vezes nem parecem que sao parentes, já a sua historia deu atençao nessa parte, se na vida real acontece mesmo um incesto de mae com filho eu imagino que eles vao transar e vao sentir mesmo muito amor um pelo outro, porque são justamente mae e filho antes de macho e femea . por isso 10, muito bem escrito, excitante e bonitinha a sua historia
13/08/2017 10:13:57
Dez, sem mais.
12/08/2017 12:22:59
Muito bom!
11/08/2017 00:52:43
Gostei muito, você narrou muito bem, merece 10 !
10/08/2017 00:10:39
adorei, achei único, 10!
09/08/2017 21:40:08
Leio contos de incesto mas poucos me agradam. Este trata de amor carnal entre mãe e filho, achei mais trágico que a história de Édipo e Jocasta.
06/08/2017 19:37:08
já falaram isso mas não custa repetir, o sexo ficou carinhoso e delicado, diferente da maioria dos contos mãe e filho que o sexo é apenas putaria, eu adorei essa pegada de amor, esse é o melhor tipo de incesto, onde o amor prevalece, você tá de parabens
06/08/2017 17:12:49
Obrigado pelos comentários, isso faz a felicidade de qualquer autor.
06/08/2017 16:01:49
Delícia de conto, adorei, um dos melhores de mãe com filho. As partes em que você fica falando como está feliz por estar fazendo determinado ato sexual com a sua mãe foram as que mais mexeram comigo, se me permite dizer pareceram ser reais demais, como se você realmente quisesse fazer isso. Não que eu esteja descartando totalmente a possibilidade disso ter acontecido na vida real, mas suponho que seja só um conto. De qualquer forma, 10, maravilhoso !
01/08/2017 20:26:36
É um bom conto é bem escrito
31/07/2017 05:29:34
Parabéns Lindo Conto e que vocês sejam Felizes
30/07/2017 20:05:14
excelente conto notra 10. adorei tambem faço sexo com meu filho e seis exatamente cada detalhe que narraste. beijos gilma gilmasoares51@gmail.com
30/07/2017 14:55:16
Muito bom, um dos melhores que já li, excelente 100000
30/07/2017 14:35:46
10
30/07/2017 13:20:49
Delicia de conto muito bom adorei votado pena que a nota só posso dar 10
30/07/2017 11:01:56
Excelente, acho que é o primeiro conto que li que teve tanta dedicação com o final, ficou parecido com uma história de amor, incesto é bom demais.
30/07/2017 10:51:06
Parabéns,um conto excelente,bem narado,com sexo delicado e muito amorNada de errado,mas para ficar bom mesmo em sua vida seria encontrar alguem que entendesse esse amor e assim viveriam felizes para sempre com muito amor e muito incesto na familiaadestradorprofano@outlook.com
30/07/2017 07:26:10
muito bom merece mil
30/07/2017 00:43:58
muito bom!
30/07/2017 00:28:06
Amigo, quando eu vi o tamanho desse conto eu quase não li, mas paguei pra ver e valeu a pena. Tem começo, meio e fim, ficou muito convincente, parabéns.
29/07/2017 23:59:49
Merece mais que um 10, muito bom.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.