Casa dos Contos Eróticos

Eu quero você! - Vol.4-"O Término, a briga e a traição"

Um conto erótico de Mateus
Categoria: Homossexual
Data: 27/06/2017 18:26:08
Nota 8.75

Terminei com Olivia numa segunda feira, ela chorou e eu também, não foi falsidade, eu realmente gostei dela, mas ela concordou que não estava funcionando. Me despedi dela com um beijo na bochecha. Entrei no carro, respirei fundo, olhei no espelho do retrovisor, limpei as lágrimas, peguei meu celular e liguei para o Nicolas, foram cinco toques antes dele atender.

—Alô? - Não era a voz dele.

—Acho que liguei errado... - comecei dizendo.

—Mateus? - era a voz do Pedro.

Desliguei na hora, joguei o celular no banco de trás com ódio, porque o idiota do Pedro que tinha atendido o celular do Nicolas? Porra, depois de tudo o que foi falado, ele estava com o manezão sarado?

Sai cantando pneu, puto da vida.

—Era o Mateus! - disse Pedro para Nicolas.

—E ele desligou? - perguntou Nicolas apreensivo.

—Sim! - disse Pedro.

O que eu não sabia naquela hora, era que Nicolas estava tirando umas fotos para um site e o cara que tirava as fotos tinha se interessado por Pedro para fazer um bico como modelo. Só que eu não consegui raciocinar naquela hora que algo desse tipo poderia acontecer. Imaginei milhões de coisas e fiquei puto muito puto. Não fui na faculdade aquele dia, 13 ligações perdidas de Nicolas. Mas eu não queria falar com ele de jeito nenhum.

Não fui a faculdade aquela semana, sim, estava fugindo dele que não parava de me ligar.

No final de semana eu resolvi sair de casa, fui a uma boate com Rodrigo, já tinha bebido antes de sair de casa. Já estava naquele nível quando cheguei a boate. Eu sabia que veria ele lá, estava me preparando. E foi batata, lá estava ele, todo de preto, lindíssimo. Ele me olhou com os olhos baixinhos, não deixei ele chegar perto, fui para a área de fumante, acendi um cigarro encostado na parede. Ele apareceu na minha frente.

—Oi sumido - ele disse baixinho me olhando nos olhos.

—E aí? - eu disse no tom mais arrogante que eu consegui.

—Sumiu da faculdade, não atendeu minhas ligações... Você tá bem? A Olivia falou que vocês terminaram...

—To bem - eu disse tragando meu cigarro.

—Mateus...

—O que você quer?

—Me diz você! - ele falou me empurrando na parede- Você tá me tratando assim porque o Pedro atendeu meu celular aquele dia?

Eu ri debochado, queria machucar ele.

—Não, não é nada disso.

—Então o que foi...

—O que foi o que!?

—Porra Mateus, fala logo... O que tá rolando?

—Nada, só percebi que não temos muito em comum, acho que você realmente era uma diversão pra mim...

Ele me olhou ofendido.

—Idiota - ele disse - Que idiota eu sou de pensar em você de uma maneira romântica. Eu não fiz nada com o Pedro, imbecil! Eu estava ajudando ele com a carreira de modelo, não faço o que fiz com você com todos os caras... Fiz o que fiz porque estava apaixonado por você...

Ele foi saindo, eu puxei ele pelo braço, ele me deu um soco na cara, nem forte. Saiu puto da vida. Mas as coisas estavam para piorar, Olivia estava ali, ouvindo tudo, ela apareceu na minha frente e não disse nada, só me deu outro soco na cara.

—Idiota - ela disse antes de sair com ódio.

Nas semanas seguintes, na faculdade, Olivia não olhava pra mim, Nicolas muito menos, e ainda por cima eu estava com o olho muito roxo e o lábio cortado. Me sentindo um bosta. Contei tudo ao Rodrigo que me aconselhou a dar tempo ao tempo, eu já tinha magoado os dois e nada que eu fizesse agora ia dar em coisa boa.

Eu ia a faculdade, ficava na minha, sentava ao fundo, quieto.

Um dia eu estava saindo da aula, quando senti alguém puxar meu braço, era Pedro. Ele sorriu quando eu olhei pra ele.

—Cara, você tá precisando sair pra beber- ele disse.

—Não diga - falei meio grosso.

—Vamos, eu pago!

Eu nem pensei, juro que nem pensei em nada. Ele entrou no meu carro e fomos ao primeiro bar que eu encontrei, bebemos cervejas, conversamos. Descobri que ele era um cara legal afinal.

Fui levar ele pra casa, ele me chamou pra fumar um, eu fui. Bolei um, acendi, traguei e passei pra ele. Ele tragou me olhando.

— E agora, como vai a vida de solteiro?

—Uma bosta - eu disse sincero.

Ele riu me passando o baseado.

—Só tá assim porque você não sabe enxergar as possibilidades...

—E quais são essas?

Pedro ficou de pé, arrancou a camiseta na minha frente, seu corpo era assombroso, tão perfeito, tão cheio de músculos, eu estava carente, bêbado, chapado e com raiva do mundo, ele estendeu a mão, peguei nela, ele me puxou, nossas bocas ficaram juntas, ele sorriu pegando o baseado da minha boca, tragou soltando a fumaça na minha boca, nos beijamos, a língua dele entrando na minha boca, ele pegou a minha mão e levou até o volume de sua calça jeans, senti seu pau duro como pedra, apertei com vontade, ouvi ele gemer, olhei pra sua cara.

—Vem - ele disse me levando pro quarto dele.

Eu fui, arranquei a minha camiseta, sentei no colo dele, beijei sua boca com sede, passando a mãos nos braços fortes dele, suas mãos desceram pelo meu corpo, ele apertou a minha bunda, me senti domado, dominado, chupei seu pescoço mordendo levemente, ele sugava meus mamilos, mordendo, nos encaramos, ele me fez ficar de pé, arrancou minha calça enquanto eu tirava meu tênis, fiquei de cueca na frente dele, Pedro me virou devagar, eu estava de boxer preta, ele foi descendo a minha cueca, eu estava nu na sua frente, ele mordeu minha bunda arrancando um gemido meu. Ele se livrou da minha cueca.

—Que bunda linda, meu Deus - ele disse todo cafajeste.

Abri a bunda pra ele com as mãos, abri pra ele ver meu cu, olhei pra tras provocando ele, mostrando meu cu. Senti sua boca se aproximar, uma linguada e eu perdi a compostura, deixei ele chupar meu cu, abrindo a bunda e rebolando pra ele. Pedro era bom naquilo, socava a língua com facilidade no meu cu virgem, sentia sua saliva me umedecer, meu corpo se arrepiando com o toque de suas mãos, ele entrou com um dedo, gemi baixinho deixando ele continuar, ele socou dois dedos, gemi ainda mais, sentia ele entrar com os dedos, depois ele me virou, meu pau duro na cara dele. Ele socou me olhando nos olhos, chupava como mestre, a minha rola invadindo sua boca, sua garganta e ele babando nela, ele apertava a minha bunda, abrindo ela e dando tapas me deixando com um tesão enorme. Os olhos dele brilhavam de malícia enquanto meu pau endurecida cada vez mais.

Ele ficou de pé, beijou a minha boca tirando seu cinto, abriu o zíper, olhou pra mim antes de tirar a Calça, estava com uma boxer branca, o pau duro marcando, ele mandou eu ajoelhar, enfia sua cara na minha cueca, ele mandou, eu obedeci, lambendo o tecido da cueca, mordendo o pau duro por cima do tecido, ele tirou a cueca, seu pau duro latejava, as veias pulsando, ele olhou pra mim, abri a boca deixando ele penetrar a minha boca, senti o gosto do seu pau, afundei a minha boca com sede de pau naquela rola, ele segurou a minha cabeça, fodendo com força, segurando meu nariz e me deixando sem ar, meus olhos cheios de lágrimas, ele enfiava seu pau na minha garganta, me foda pra valer, sem dó, sem piedade, puxando meus cabelos de forma agressiva, enfiando seu pau duro na minha boca, me fazendo babar, a saliva escorria pelo meu peito, eu tentava sair, mas era aí que ele gostava mais, afundava minha boca naquele pau com força.

—Baba bastante nesse pau, tô mandando você babar nesse cacete! Vai porra, vai moleque, chupa essa rola, eu sei que você gosta!

Ele não era gentil, mas eu não precisava de gentileza, eu queria aquilo agora, eu precisava daquilo agora. Deixei ele me usar, afogando minha boca com seu pau, segurei seu saco com as mãos, ele gostou daquilo, mas mesmo assim encheu a minha cara com tapas fortes. Tirou seu pau da minha boca, empurrou minha cabeça pra trás, eu de boca aberta, ele cuspiu bem no meio da minha boca, mandou eu degustar, eu não era mais eu ali, ou era o eu que eu tentava evitar, abri a boca e pedi mais, como uma puta, ele me deu mais. Me levou pra sua cama, colocou uma camisinha, me deitou de lado, me agarrou por trás, encaixou seu corpo no meu.

—Eu sou virgem - eu disse baixinho.

Ele riu maravilhado.

—Que delícia - ele disse no meu ouvido - Vou fazer esse cu ser meu!

Dizendo isso seu pau foi entrando em mim, mordi a mão para não gritar, doía e ele invadia, mas eu queria aquilo, eu não tinha nada a perder. Aguentei firme enquanto ele me penetrava. Quando ele entrou por completo percebi ele se ajeitar, agarrar meu corpo, beijou a minha boca e então, a primeira bombada, perdi o ar, ele era forte demais e sua rola estava tão dura que eu sentia ela me rasgar facilmente. Ele bombava tão rápido e furioso, me segurando, não tinha carinho nenhum ali, era tesão, ele entrava forte e determinado, segurando meu corpo com força, eu gemia sentindo seu pau cada vez mais dentro de mim, senti ele colar o rosto no meu.

—É assim que se mete, tá entendendo? Porra, se eu soubesse que ia te transformar na minha putinha não tinha perdido tempo, olha como eu tô te comendo, olha como meu pau tá te rasgando, rebola pra mim! REBOLA PORRA! REBOLA ESSE CU NO MEU PAU!

Eu rebolava, sentia ele comer meu cu com força, seu hálito quente no meu cangote, sua boca chupando minha orelha enquanto ele falava todo o tipo de putaria, o quanto ele sonhava em me foder, que minha cara nunca o enganou, sempre soube que eu era uma puta, que agora que ele descobrira que eu era assim não ia me deixar em paz, e eu mandava ele meter, eu só queria aquilo, queria seu pau dentro de mim, queria que ele alimentasse o meu vazio, me enchendo com sua caralha. Pedro era arrogante, mandão, macho alfa, metia tão forte que me fazia morder a mão para aguentar, não pensava em Nicolas, não pensava em ninguém, só queria que ele me matasse de tanto foder, eu precisava daquilo, aquilo ia me manter de pé.

Quando ele me colocou pra cavalgar eu já tinha perdido qualquer compostura, rebolava esmurrando o peitoral forte dele, observava cada músculo dele reagindo ao meu rebolado, sua cara arrogante, sua boca vermelha, os olhos vermelhos, o maxilar forte, as mãos dele me segurando, me fazendo sentar mais e mais selvagem, pedindo mais, mandando eu dar tudo, rebola, ele mandava, rebola, eu rebolava, levei tapas doidos na bunda, na cara, eu cuspi na cara dele, ele riu, meteu a mão na minha cara. Eu ainda estava com o olho roxo, ele socou a mão na minha boca, enfiando os quatro dedos ali, segurando e me puxando pra ele, fodendo meu cu, fodendo minha cabeça, eu babava nos dedos dele, ele segurava firme, a cama rangia com nosso peso, ele era muito grande, muito forte, eu subia e descia naquele pau, nunca imaginei que eu ia gostar tanto daquilo, mas eu estava amando ser comido por ele. Meu pau duro babava na barriga trincada dele. Minhas mãos naquele peitoral largo e forte, sentia o calor dele, o suor dele, o cheiro, deitei no seu peito quando ele gostou como um ogro.

Sai de fininho da casa de Pedro, Porra o que eu tinha feito? Foda-se! Ninguém queria saber de mim, eu estava carente e precisava daquilo. Dormi assim que cheguei em casa.

Na faculdade eu entrei e sentei no fundo como sempre, Pedro entrou sorrindo de mãos dadas com Nicolas, eu mal podia acreditar. Fiquei ali, sem saber o que fazer.

Ouvi eles contando que estavam juntos. Fiquei puto, mas disfarcei. No intervalo resolvi ir embora, estava entrando no carro quando alguém me puxou pelo braço.

—Não fica assim, posso ser seu a hora que você quiser - era Pedro.

Encarei ele com ódio, ele sorriu, me empurrando contra o carro, nos beijamos com força.

Depois ele saiu e eu fiquei ali sem saber o que fazer daqui pra frente.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
28/06/2017 01:34:31
Que bagunça de chifre trocado.
28/06/2017 00:27:58
NOSSA, VC É DESPREZÍVEL. TRAIU SUA NAMORADA. TRAIU O CARA QUE VC DISSE Q GOSTAVA. O CARA QUE QUERIA VC. VC NÃO PRESTA. MAS O PEDRO PRESTA MUITO MENOS AINDA. ACHO QUE VOCÊS SE MERECEM. POBRE OLÍVIA, POBRE NICOLAS. ESPERO QUE VC ENCONTRE ALGUÉM QUE FAÇA O MESMO COM VC SEU BABACA. NÃO VENHA ME DIZER QUE TAVA CARENTE, QUE TAVA BRISADO, QUE TAVA MAMADO. ISSO É PURA FILHADAPUTICE. LAMENTÁVEL. NÃO PERDOO TRAIÇÕES NEM APÓS A MORTE.
27/06/2017 19:23:05
Perdeu a graça!
27/06/2017 19:17:52
Nossa tiro trocado não dói. Agora está ficando interessante. Quis tudo ficou sem nada.Torcendo para Olivia ganhar um bonitão sø dela.Tomara que Nicolas ganhe o Pedro so para ele .Tem mais jeitinho de sub para combinar melhor com Dom Pedro.