Casa dos Contos Eróticos

Proposta indecente

Um conto erótico de Vinicius
Categoria: Heterossexual
Data: 08/05/2017 17:50:53
Última revisão: 15/05/2017 08:10:13
Nota 10.00

Eu não pensei em todos os detalhes quando aceitei a proposta. Não pensei mesmo. Vendo você só de calcinha, esfregando-se nele, os biquinhos dos seus seios pressionados contra o peito dele.

Ainda faltam 36 minutos

Eu realmente não pensei em todos os detalhes antes de aceitar a proposta.

Ele segura forte tua bundinha (a bundinha redondinha tão firminha que até agora só eu havia tocado) com as duas mãos enquanto pressiona o quadril (o volume da cueca) contra o seu.

A música de fundo, a meia luz do quarto, eu aqui na minha poltrona no canto, vocês dois dançando na minha frente. Olho para o maço de dinheiro na minha mão e tento pensar no que ele significa. Quanta coisa a gente vai pode comprar, poderemos sair, jantar fora, se divertir. Tanta coisa, pensei quando aceitei. Agora, no entanto, parece só um monte de papel. As mãos dele percorrem sua cintura e a apertam, ele olha bem nos teus olhos, você olha para ele.

Quando ele nos abordou, pareceu coisa de filme. Isso não acontece na realidade. Mas, por que não? Ele tem dinheiro de sobra. Aquele tipo de pessoa que deve gastar dez mil reais em uma garrafa de vinho. Por que não? Viu a gente sair juntos da igreja — um casal bondoso, fiel e feliz – e quis talvez provar para si mesmo o quão poderoso é; talvez para ter uma história interessante para contar para os amigos riquinhos; talvez para, por prazer, destruir nosso mundinho limitado de cristãos.

Acredito nele quando disse que esta é a primeira vez que faz isso. Deve ser o gosto pelo diferente.

Quando ele nos abordou, quis primeiro ignorar, depois revoltei-me, tive ímpetos de partir para cima e quebrar a cara dele. Porém nunca briguei de verdade… E Jesus fala para perdoar… E ele estava dentro do carro ligado… E… O que eu podia fazer?

Ele, na verdade, não foi rude, não. Só foi direto ao ponto e disse o que queria. Certamente teríamos ido embora e aquela história acabaria ali. Mas então ele jogou duas notas de 100 pela janela e disse que daria mais duas só para ouvirmos sua proposta.

Jogou assim na rua, só porque não nos mexemos para pegá-las da mão.

Quatrocentos reais só para ouvir e negar a fantasia de um rico lascivo?! Que mal teria? Nós dois concordamos. Você tomou parte na decisão. Porém, depois de ouvir a proposta, você não disse nada, mesmo quando ficamos a sós para decidir. Ficou lá com seus olhinhos indecifráveis baixos, sem sofrer e nem sorrir. “O que você decidir, eu aceito”.

Não esperava que ele ia oferecer tanto e ainda por cima, aceitar todas minhas condições: sem penetração, sem beijo ou qualquer outra coisa que use a boca, uma hora contada no relógio e eu assistiria tudo.

Foi impressão minha, ou vi um sorriso de satisfação nos lábios dele ao ouvir essa última condição?

O fato é que aceitou prontamente e nos deixou a sós para pensarmos. Falei tanta coisa, pesei tantos argumentos e você só olhava para baixo e falava para eu decidir. Então eu decidi.

Ele aperta seus seios com firmeza, massageia os biquinhos entumescidos, abre a boca e solta uma respiração quente e gemida sobre eles. Você fecha os olhos e inclina a cabeça para cima. Seu peito mexe levemente, quase imperceptivelmente, em direção à boca dele. Ele, antes que os lábios te toquem, afasta o rosto respeitando nosso acordo. Passa a mão sobre tuas coxas e a desliza sobre sua calcinha.

Mesmo na penumbra do quarto, posso ver a mancha úmida. Vocês continuam dançando.

Eu posso reclamar?

Posso?

Ai meudeus! Minha respiração é tão ofegante, eu tremo de leve. Como explicar o fato de meu pau estar tão duro? Como explicar esse desejo de tirá-lo para fora e começar a massageá-lo até gozar?

Meudeus, é a minha esposa. Minha esposa que está aqui com outro.

Por um lado é até bom que você não tenha olhado para mim nos últimos 20 minutos (temos mais 16) assim você não vê o meu estado.

Ele pega sua mão e coloca sobre a cueca dele, ai amor, ai amorzinho, eu sei que fui eu quem teve a ideia, mas eu creio poder ver seus dedos mexerem levemente. Ele não te mandou fazer isso. Não, não é impressão. Você segura agora toda a extensão do pênis dele, parece querer tirá-lo de dentro da cueca.

Está tudo bem, está tudo bem…

Não consigo deixar de arfar.

Você só foi levada pelo momento… ai ai… o que eu fiz? Está tudo bem, o tempo já está acabando. Na verdade, na verdade mesmo, não aconteceu nada, não é mesmo? Sem penetração, sem boca, só dinheiro. Não aconteceu nada, amorzinho.

Ele te coloca de costas para ele e começa a te encochar por trás. Você finalmente olha para mim. Estamos de frente um para o outro, não muito longe. Ai ai, por que sua calcinha é tão pequinininha? Por que, amor, sua bundinha está arrebitada para trás? Sua boca está meio aberta você continua olhando para mim e, ai ai, morde o lábio inferior e lambe o superior. O tempo está acabando… está acabando… De repente, vejo o pau dele aparecer por entre suas pernas, você não contém o gemido e as abre deixando a cabeça pulsante dele brincar na umidade de sua calcinha.

Ele olha para o relógio, brinca mais um pouco, olha para o relógio novamente.

Vira você de frete para ele: “neste último minuto eu quero que você completamente peladinha.” Você o obedece enquanto ele deita na cama.

Não me levando de minha poltrona, mas posso ver as pernas e o pau dele e agora você em cima. De certo ele te diz algo no ouvido, mas não posso escutar. Você começa a esfregar a bucetinha no pau dele.

Até isso pode.

Realmente não pensei antes de aceitar.

Você está por cima, você tem o controle. Então, por que mexe com tanta vontade? Por que sobe e desce tanto o quadril ajeitando o pau dele bem na portinha?

De repente, o relógio toca, mas você em vez de para sobe mais o quadril, pressiona mais forte. Posso ver o pau dele todo úmido de sua lubrificação.

Vocês dois estão lambuzados.

Você não para: rebola até que, ai meudeus, ele te penetra com facilidade enquanto você geme fininho pelo nariz e chupa a língua dele em uma deliciosa aflição.

***

***

Para quem quiser ver um pouco mais do meu trabalho (incluindo este conto que traduzi para o inglês, outros contos, e considerações sobre sexo e o escrever literatura erótica) aqui está meu blog: http://sexoteoriaepratica.blogspot.com.br/

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/05/2017 08:24:23
Beleza. Inspirado em um famoso filme dos anos 90, protagonizado por Demi Moore
08/05/2017 23:11:22
Muito bom
08/05/2017 20:08:51
maravilhoso gatas chamem no whats para novas amizades 9_6_9_9_7_3_6_9_9 bjs