Casa dos Contos Eróticos

Minha Auto descoberta Final

Um conto erótico de Cadela Kah
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 08/05/2017 17:08:39
Nota 10.00

O Toque de sua mão em minha buceta, era estranho e novo. Eu estava com medo , eu não podia impedi-lo, ele pode me machucar. Mas ainda assim um arrepio percorria meu corpo, algo que eu nunca havia sentido antes. Ele continuou me tocando , tocava minha buceta, a parte interna das coxas,a bunda , meus seios , eu comecei a gemer , estava gostoso apesar do medo. Não sei que ele percebeu mais eu suspirei , quando ele parou.

- Hahaha a vadia que que eu , continue é? Ah biah, não vou voltar a tocar vc até que me implore. Entendeu escrava?

- Sim SENHOR - disse prontamente , ainda assustada e querendo sua mão em mim .

- Ótimo vadia, quero que vá pro seu quarto agora. Nenhum homem pode tocar você antes de mim cadela. Você será minha , por bem ou por mal. Quero essa bucetinha intacta quando , voltar da guerra, vou possui-la nem que seja a força. Para seu bem é melhor que se ofereça a mim.

- Sim SENHOR- eu não fiquei feliz porque ele disse que vai para batalha, terei que esperar quanto tempo por seu toque novamente ....ah seu toque.

- Agora vai vadiazinha, eu parto em 3 dias. Não quero que venha aqui, esses dias, a não ser que queira me implorar.- ele da um tapa na minha bunda me fazendo cair.

Eu visto a roupa e saiu em silêncio. Vou para o alojamento , e fico mergulhada em um pensamento, a mão dele no meu corpo .....a tapa na minha bunda....isso me faz gemer. Adormeço ainda pensando na sua voz grave a me comandar.

Nos últimos dias eu me atrapalhei várias vezes, ao realizar minhas funções , eu só pensava no SENHOR. E a noite eu me tocava e pensava apenas nele.

Me repreendo de imediato, não tenho direito de desejar meu SENHOR.

Mas no terceiro dia o ultimo antes de sua partida , eu não aguentava mais , eu sabia que se fosse esperar ele volta da campanha, eu padeceria de desejo.

Então eu deixei a limpeza do quarto do SENHOR William para o fim da tarde. Quando o sol se pôs eu havia acabado. Um pouco mais a noite o SENHOR , abriu a porta do quarto e entrou , acompanhado de seu escudeiro. Ele sorriu ao me ver , nua de joelhos aos pés da cama dele, olhando fixamente o chão, mas por medo de olha -lo do que saber que ia agrada-lo. Eu tremi ao perceber que , ele estava acompanhado. Fiz menção de me levantar, mais o SENHOR me impediu.

- Vadia não se mexa, fique ai já cuido de você. Não tenha vergonha de se mostrar diante de meus subordinados, até eles te são superiores.

- Sim SENHOR , me perdoe.

- Escudeiro , como eu te falei eu sabia que ela se renderia mais cedo ou mais tarde. Prepare tudo, biah será minha criada particular na campanha militar. Agora pode ir.

- SIM SENHOR! - disse o esguio escudeiro , batendo continência e saindo do quarto.

O SENHOR permaneceu calado por um momento , me observando, enquanto eu permanecia naquela posição desconfortável. Ele finalmente falou comigo, quase pulei de susto ao ouvir a voz dele.

- Vadia , estou esperando você fazer,oque te trouxe aqui.

Eu engoli a saliva , e me preparei pra fazer o que tanto fantasiei.

Fui até os pés dele de quatro, e depositei um beijo demorado em cada pé, não me importando com a sujeira de suas sandálias. En seguida baixei, a cabeça até o solo , em um pedido para falar.

- Fale Vadia- sua voz me arrepiava e eu já estava molhada.

- SENHOR eu venho te implorar que me toque novamente e me use conforme sua vontade.

- Ah então é isso cadela? Você vai querer se entregar a mim por bem?ou esta apenas com medo de que eu o faça por mal?

- SENHOR desde aquele dia eu não tive mais paz, todas as noites eu me tocava e imaginava teu toque e o peso da sua mão. Eu o desejo SENHOR - disse isso com medo de sua reação.

- Ah puta é puta mesmo, não vou te bater por isso cadela, mas vou te bater porque você demorou a ceder ao desejo. - eu tremi.

- Sim meu SENHOR, me puna por não ter vindo logo te implorar.

- Ah sua vadia vc ta louca por isso, levante puta.

Eu obedeço , e sem precisar que ele ordenasse eu fico de costas para ele , e curvo meu tronco , empinando a bunda e abrindo bem as pernas para que ele veja, a minha buceta molhada. Ele me avisa que vai bater em mim com o chicote. Antes que eu responda eu sinto a primeira lambada, foi na bunda , não doeu o susto foi bem maior, mas as que se seguiram a ela me fizeram gemer e chorar baixinho. Ele me bateu em um ritmo cadenciado, e para mim a vergonha foi gozar enquanto ele me batia. Nunca senti tanto prazer antes, gozei com nunca , quase desfaleci ao pes dele. Quando ele , parou de bater, ouço uma risada seguida de uma frase que me fez tremer:

- Vagabunda gozando sem permissão, vamos ver se vai gozar quando eu comer teu cú.

Ele me pega uma corda de não sei onde, pega meus pulsos e amarra firmemente. A outra ponta ele prende nos pés da cama . Tudo tão rápido que mal percebo quando estou no chão de quatro. Eu sinto algo roçando entrada do meu cú , sei que é seu pau incrivelmente duro. Tremo com medo, começo a suplicar que não faça isso comigo. Ele me da um tapa na bunda , que tenho certeza deixou uma marca perfeita de sua mão.

- Calada Vagabunda. Você já teve prazer demais por hoje , agora é minha vez. Relaxa bem esse rabo, ou vai ser pior pra você.

Eu me calo e me concentro em tentar relaxar e suportar a dor. Ele começa a forçar o cacete duro na entrada do meu cuzinho virgem. Eu nunca pensei que sentiria tanta, dor a medida que o cacete dele entrava no meu rabo , parecia que ele estava em brasa, rasgando tudo , queimando por dentro. Quando senti todo o volume dentro de mim, eu estava chorando desesperada. Então ele começou a bombar, foi devagar no inicio , mas logo começou a me foder o quão rápido e forte era possível, o meu buraco mais apertado. Ele começou a gemer , e a dizer uma serie de impropérios . E ao sentir sua porra encher meu rabo , sou preenchida por uma estranha sensação de dever cumprido. E a dor que suportei , embora ainda seja intensa, pareceu valer a pena.

Eu pensei dentro de mim mesma, pertenço a ele desde que nasci, porém a partir de agora sou além de escrava , sua puta.

Acordo de meu sonho , , completamente despida percebo a umidade no meio das minhas pernas. Então começo a me tocar freneticamente, pensando no sonho que acabei de ter. Quando o orgasmos vem ele é intenso, e meus gemidos percorrem o silencio da noite fria. Me desfaço em mil pedaços chamando um nomeOlá Caros Leitores, esse foi o fim do primeiro conto da série, peço humildemente o perdão dos leitores que esperaram pelo fim desse conto , tive algums problemas. E só agora tive uma inspiração para continuar a escrever ( uma bela inspiração rs rs ). O próximo conto , será bem mais picante que esse. Os sonhos em minha mente nem sempre são facilmente em palavras transformados.

Aguardem em breve: De inocente e recatada á puta depravada.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
10/06/2017 17:28:45
Bom conto, me procure.
10/05/2017 03:07:13
Maravilhoso
09/05/2017 02:25:34
EXCELENTE, sou escritor e sei valorizar uma narrativa bem feita como a sua. Talvez por EU ser seu MESTRE possa gerar dúvidas, mas para mim não existe qualquer tipo de dúvida: VOCE É MUITO BOA ESCRAVA/CADELA.
08/05/2017 20:02:59
maravilhoso gatas chamem no whats para novas amizades 9_6_9_9_7_3_6_9_9 bjs