Participe dos testes da rede social que a Casa dos Contos está criando. Convites limitados.

Pois é, todos amigos do ex vão me enrabar.

Um conto erótico de Vanessa
Categoria: Heterossexual
Data: 06/03/2017 07:17:04
Última revisão: 20/06/2017 19:23:03
Nota 9.90

Fiz preventivo do câncer. Minha ginecologista requisitou uma mamografia. No dia marcado, fui numa clínica do meu convênio. A técnica me fez despir a blusa, sutiã e apoiar o seio na bandeja, ajustando a altura do raio-x.

Nisso escuto alguém dizendo:

- Pode deixar que eu faço o procedimento.

Como estava de costas, não pude ver quem era. Só notei um guarda-pó branco passar do meu lado, ajeitando melhor os seios. O contato daquelas mãos quentes com o frio do suporte, fizeram com que os biquinhos enrijecem.

Uma parte desceu, prendendo os seios e apertando-os, causando desconforto e um pouco de dor. A mesma voz masculina disse:

- Segure a respiração, tá Vanessa?

Como ¨Vanessa¨? Que intimidade é essa, pensei? Desde a recepção, todos haviam me chamado de dona Vanessa. Escutei um clique e a porta da saleta abrindo. Ele entrou, liberando os seios do aparelho. Só então pude me virar.

Surpresa ao ver quem era. Marcos, amigo do meu ex-marido! Envergonhada, a primeira reação foi tapar os seios com as duas mãos cruzadas no peito. Ele era o médico que fazia as análises e laudos das imagens.

- Oi, Vanessa, quanto tempo?

- Oi, Marcos, pois é.

- Tem tido notícias do Romeu?

- Já faz mais de ano que não falo com ele.

- Ah é? Eu também perdi contato já faz um tempão...

Fui até a mesinha onde estava o sutiã e blusinha, ficando de costas para ele. Peguei o sutiã para vesti-lo e nada do Marcos sair. Acabei tentando colocar, sem me virar. Nisso sinto o contato das suas mãos nas costas, tentando prender o fecho.

Com certeza não era o que normalmente acontecia. A auxiliar estava lá para isso. Entretanto, Marcos fazia questão de acompanhar pessoalmente. Peguei a blusa, passei pela cabeça, abaixei as barras no tronco e meneei a cabeça, ajeitando os cabelos. Só então virei, encarando-o.

- Nossa, Vanessa. Você está linda! Muito mais do que quando estava casada com o Romeu!

- Pois é.

- Nem sei como ele te deixou. Puxa, tem que ser muito burro pra largar você!

- Pois é.

- Olha, logo que os resultados e análises ficarem pronto, eu levo pra você. Te ligo avisando, está bem?

Foi assim, sem mais nem menos, que reencontrei o Marcos. Amigo do meu ex-marido desde a juventude. Jogaram futebol juntos, cursaram a faculdade na mesma época e depois de casados, às vezes saíamos a quatro.

Quando tivemos filhos nos afastamos um pouco e desde que me separei do Romeu, era a primeira vez que o via. Coisa de oito anos. Nem sabia que ele tinha montado uma clínica de diagnósticos por imagem.

Passado alguns dias, Marcos me ligou. Os exames estavam prontos e ele estava vindo trazer. Entrega a domicílio? Pois é. Por mais amigos de longa data, é incomum o dono e médico responsável vir fazer a entrega pessoalmente. Desde os tempos de casada eu sabia da atração que exercia nele.

Morena, quarentona com rosto de menina. Falsa magra com retaguarda empinada, seios redondos e pontudos. Pernas torneadas e agora, bem mais vestida e arrumada. Não só ele, Marcos, mas muitos homens do nosso circulo tinha certa ¨quedinha¨ por mim.

Quando a gente separa, parece que o destino escreve na nossa testa: ¨fêmea disponível¨. A senha para todos darem em cima. Recebi muitas cantadas, sutis, indiretas, explícitas, insistentes, sob os mais variados pretextos. O mais comum era que precisava sair, viver a vida.

Recusei todas, talvez porque tinha na cabeça preconceito de mulher separada. Eu mesma, quando casada, tinha a imagem de que eram vadias e já que o casamento não tinha dado certo, faziam de tudo para estragar o das outras.

Um pouco porque tinha esperança em reatar o matrimônio. Ilusão de que tudo voltaria como era antes. Nem sei quando mudei. Divorcio sacramentado, idade avançando, o espelho dedo duro advertindo todo dia que o tempo para aproveitar estava diminuindo.

E o Marcos não era de jogar fora. Seu olhar safado denunciava que gostava da coisa. Nem tão bonito como meu ex, porém, brincalhão e espirituoso, sempre parecendo de bem com a vida. Tinha sido um dos que tentaram algo no passado.

Desta vez nem precisaria insistir para levar. Tomei um banho, caprichando na higiene íntima. Ultimamente, além de preliminar oral demorada, não estou dispensando sexo anal. Algo que nunca havia feito quando casada. Depois que descobri esse prazer, não há como evitar. A lavagem com a mangueirinha e o gel lubrificante são indispensáveis.

Vesti um conjunto sensual de lingerie. Cor preta para realçar a pele alva. Por cima um vestido creme, de tecido leve, com alcinhas e sapatos de salto. Batom vermelho e um pouco de pó no rosto. Evitei perfume para não complicá-lo em casa.

Quando tocou a campainha, demorei a atender de propósito. Só após o terceiro toque, fui abrir a porta com a bolsa na mão.

- Oi, Marcos, entre!

Ao dar a face para ser beijada, bem na hora que ele aproximou seus lábios da minha face, movi o rosto de forma sutil, provocando o encontro ¨acidental¨ das nossas bocas, num selinho nada inocente desta coroa libertina. Um tanto desconcertado ao me ver produzida, ele disse:

- Desculpe, Vanessa, você estava de saída?

- Pois é, Marcos. Eu estava indo para o shopping (que mentira deslavada! rs). Mas tudo bem. Senta aqui e me mostra os resultados dos exames.

Ele se acomodou no sofá. Abriu um envelope, tirando papel dobrado e as radiografias. Algo que a minha ginecologista é quem deveria fazer.

- Está tudo normal, Vanessa. Sem qualquer sinal de nódulos ou algo incomum.

- Ah, que bom. Fico aliviada com isso.

- Nossa, Vanessa, você está mesmo uma gata! Os seios estão lindos!

- Que nada. Já estão começando a sentir o peso da idade. Logo vou ter que entrar na faca para firmá-los.

Disse isso colocando as duas mãos sob eles, erguendo-os. Sei bem o fascínio que eles despertam nos homens. O colo redondo e farto na medida forçando o decote da blusa. No olhar do Marcos vi o quanto apreciou.

- Nem pensar, Vanessa. Eles estão perfeitos.

Seu rosto desejoso parecia dizer ¨eu cairia de boca neles agora¨. Resolvi ir direto ao ponto. A maturidade me despiu dos escrúpulos de mulher recatada. Criou a impaciência com hipocrisias sociais. Perguntei na bucha:

- Você quer transar comigo, Marcos? Se quer, diga agora ou cale-se para sempre!

Falei num rompante, com sorriso de caçadora tendo o alvo na mira. A reação dele foi engraçada. Como não estivesse acreditando no que acabara de ouvir. Pego de surpresa, desconcertado, até gaguejou:

- E...e...eu... Puxa, Vanessa... Eu, mas...mas é claro!

- O que que é claro, Marcos?

- É claro que quero! Se você soubesse, Vanessa, o quanto eu quis, mesmo quando você estava casada com o Romeu. Depois então, sempre achei um pecado você estar sozinha!

Acabamos trocando um beijo molhado e profundo. Suas mãos percorriam meu corpo freneticamente. Não demorou para estarmos nos despindo mutuamente, as peças de roupas sendo jogadas sem qualquer cuidado. Acabou arrebentando a presilha do sutiã.

Só de calcinha, me abaixei levando junto a cueca. Um pênis duro e ereto se apresentou. Já me disseram que sou boqueteira de marca maior e beijar ali foi natural. Quando abocanhei o que pude, Marcos até mexeu o quadril, dando uma estocada involuntária, tamanho prazer.

Imitando atrizes pornô, passei a lamber como se o pinto fosse um picolé, olhando em seus olhos, de baixo para cima, com expressão submissa. Lambi toda a extensão, indo para as bolas e voltando. Cuspi para facilitar a masturbação, intercalando com chupadas prendendo o membro entre a língua e o céu da boca.

Tentei colocá-lo inteiro na boca gulosa, a ponta tocando o fundo da garganta me fazendo tossir. Marcos soltou outro gemido forte, quase um urro rouco. Continuei até perceber que pelas estocadas na minha boca, ele estava prestes a ejacular.

Sentei no sofá e de pernas abertas pedi:

- Agora é sua vez. Me chupa!

Marcos me beijou, descendo de forma apressada, passando pelos seios, o ventre e na pombinha, que nessa altura piscava ansiosa. Caiu de boca movido pela paixão. Sua língua quente e áspera causou arrepios ao tocar os lábios da ostrinha, fazendo com que dela minasse meus sumos de excitação.

Cheguei ao primeiro clímax. Minha respiração estava acelerada, coração batendo à toda. Marcos aproveitou essa comoção e tentou me penetrar. A cabeça já estava forçando a entrada da gruta e por um momento quase deixei. Não sei de onde tive determinação para levantar e ir até a estante pegar preservativos.

Ele tomou a camisinha da minha mão, rasgou a embalagem com os dentes e colocou rapidamente. Coloquei as duas mãos na parede como apoio, abaixei o tronco fazendo com que meu traseiro empinasse, entreabri as pernas me oferecendo.

Não demorou para ele entrar em mim. A penetração foi profunda, permitindo um vai e vem a princípio lento e depois, cada vez mais rápido. Não sei o quanto ficamos nisso. Vi que pela velocidade e força, ele estava próximo de gozar. O resfolegar como de um garanhão emprenhando uma égua apontava para isso.

Ainda não era o momento. A experiência me ensinou controlar essas situações, não permitindo que meu parceiro terminasse antes de pagar o tributo: me levar ao orgasmo. Aproximei o corpo da parede, ficando ereta, o que fez o membro sair de mim.

Marcos ainda tentou continuar, estocando no meu bumbum, numa cópula falha onde só conseguiu ficar esfregando na racha. Me virei dizendo:

- Calma. Tenho algo melhor pra você.

- Melhor? Porra, Vanessa, olha o estado do meu cacete. Está até pulando de vontade de gozar!

- Tudo bem. Me diga uma coisa, você faz anal com a Kátia (=esposa dele)?

- Não, quer dizer, já tentamos uma vez. Ela disse que dói tanto que nunca quis tentar de novo.

- Quer gozar no meu cuzinho?

Seu olhar era de incredulidade. Para quem veio com remota esperança em tentar algo, tinha agora a oferta para fazer anal. Sodomizar a distinta senhora, ex-mulher do amigo. Deveria mesmo ser demais. Porém, era isso que eu queria. Fazer com que fosse memorável. Para mim era como estivesse mostrando ao próprio Romeu, a puta gostosa que ele tinha deixado.

Acompanhada do olhar desejoso do Marcos, peguei o gel lubrificante. Enchi a mão, passando bastante no seu espeto pulsante, dando pequenas apertadas, deixando seu dono mais louco ainda. Coloquei como deu no rego da bunda, procurando lubrificar a botãozinho.

Limpei a mão esfregando nas coxas e apoiei na parede, repetindo a posição. Abri mais as pernas, empinando o bumbum, procurando me relaxar para a invasão anal. Ele se posicionou por trás, direcionando o charuto no buraquinho.

Ficou tentando, sem sucesso. Tive de colocar a mão para trás, pegar no pinto e encaminhá-lo na posição exata. Ele ficava empurrando, até que a dor forte sinalizou que a cabeça passou pelo botãozinho, esticando as pregas. Acabei soltando todo ar dos pulmões. Devo ter gemido também.

- Devagar, ai, devagar.

Supliquei enquanto o tarugo avançava, de forma ardida. É sempre esquisito a sensação quando entra, fazendo pressão nos intestinos. Não há como segurar as piscadelas involuntárias ao ser sodomizada. Contudo, o desconforto e a dor não dura muito. É só não lutar contra o invasor.

- Que delicia, Vanessa! Uhh, que cu apertado! É bom, muito bom! Uhhh.

Se para ele estava bom, para mim ainda nem tanto assim. Com a mão direita passei a manipular o grelho. A masturbação sempre ajuda nessa hora. Me sentia mais confortável, sensações prazerosas tomando conta do meu corpo. Rebolava as ancas, facilitando as ações de enterrar seu catatau o mais fundo em mim.

Aquele naco duro de carne abrindo espaço nas paredes apertadas do meu cu, preenchendo cada vão, esticando tudo de dentro para fora, fazia minha siririca ser especial. Eu gemia mais forte cada vez que ele empurrava tudo. Sentia que um novo orgasmo estava vindo. Quando veio foi intenso.

Tal êxtase me deixou com as pernas bambas. Se não estivesse apoiada na parede, teria desabado no chão. Fiquei ali inerte, semi desfalecida. Me sentindo toda mole. Marcos agarrou firme no meu quadril, copulando com mais intensidade, urrando, até que gozou dizendo palavrões.

Eu já mais recuperada, senti o membro pulsando lá no fundo, soltando gala, enchendo a camisinha. Ficamos assim engatados, imóveis por um bom tempo. Até que sua vara amoleceu um pouco, saindo a princípio lentamente, até que no final escorregou totalmente para fora.

Ficou aquela sensação de vazio, um misto de ardência e cócegas dentro do rabo em chamas, algo difícil de descrever. Só vivendo para sentir a delícia que é. Marcos beijou meu pescoço e costas, agradecendo minha entrega.

Depois que ele foi embora, saciado e feliz, tive um pouco de vergonha. O que ele estaria pensando de mim? Vanessa, quem diria, uma vadia que chupa e dá o cu! Dane-se!

Com o Marcos, vai ficar só nesta primeira e única vez. Decidi fazer o mesmo com todos os amigos do Romeu, meu ex marido. Quem sabe quantos irão contar para ele sobre minhas furunfadas? Pena que não vou estar lá para ver a cara dele.

Mulher traída e magoada é fogo.

Pois é.

***********************************************************

FOTOS: Quem ainda não viu minhas fotos, é só deixar e-mail nos comentários que a divulgação envia. Beijos da Vanessa.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
16/04/2019 15:17:24
Eu queria ver era a cara dele com você própria contando isso pra ele. Meu email é marsola.mr@hotmail.com
14/04/2019 21:30:31
Se o Romeu não aproveitou nos tempos de casado há quem aproveite né, Vanessa? Excelente transa. Beijos.
11/04/2019 23:12:15
Vanessa, li de nv esse conto, aproveitando pra agradecer seu comentário lá no meu conto. Rsrs sabe, n foi o meu fogo q elevou a pressão dela. Ela veio aki em ksa e disse q tem esse problema desde criança. O pior de tudo é q ela se apaixonou por mim msm. Ker me possuir a qq custo. O bm disso tudo foi q ela me deu akele vestido carissimo no outro dia. E ker pagar o meu cursinho. Msbo q eu adoooooro é akele carro. Pqp é mt top!!! Bjs, amiga. Vitoriapineda@outlook.com
10/04/2019 23:34:54
Vanessa, kkkkkk essa vibe foi da hora. fikei tesudinha rsrsrsrs vitoriapineda@outlook.com
05/04/2019 17:59:10
Que delicia. Manda vídeos e fotos, Vanessa. Gilmarcruz1993@gmail.com
02/04/2019 23:40:59
Excitante.
02/04/2019 14:58:19
Adorei seus contos quero suas fotos e videos
31/03/2019 12:41:42
Olá, Vanessa gostaria de ser eu o Marcos do conto! Iriamos nos divertir muito (rs) Enviei outros relatos, quando der venha conferir. Bjs Marcos
20/03/2019 08:40:20
Belo conto Vanessa. Já que você permite deixo aqui meu email, para as fotos. iva.seduz@gmail.com.
15/03/2019 17:35:31
Nota 10, adoro mulheres destemidas, com desejos e sabem usar seu charme como você o fez com o Marcos. Sortudo ele hein? Obrigado pelo comentário no meu, deixarei meu contato, ( admirador27@live.com) seria uma honra Vanessa!
15/03/2019 10:22:13
Mas que delicia de contos, ganhou um fã, me mande fotos, a_oliveira17@yahoo.com.br, e muito obrigado pelo seu comentário no meu conto, me ajudou a posta outros com a fênix e outras tbm.
15/03/2019 05:48:19
Logo pela manhã lendo seu conto meu cacete ficou duro. Hummmm queria ser amigo do Romeu, quem sabe entraria nesta festa Quero fotospikaeporra@bol.com.br
12/03/2019 18:28:01
hermesonsena44@gmail.com
06/03/2019 23:35:52
Vanessa 40 anos, aparência de 30 e corpinho de 20, fiquei com vontade de ser amigo do seu ex-marido Romeu, rs.. Seus contos são detalhados, nos imergem para dentro da história, nos faz querer ser parte integrante e atuante.. Conto nota 10. Obrigado pelo comentário em meu novo relato: A Clínica Virou Motel Particular. PS.: Minhas dores musculares sumiam quando tomava um remédios que contêm relaxante muscular famoso... Algum tempo depois acabei parando com o Boxe e reduzi a carga horária da natação... A Clinica mesmo ficou só para "relaxar no Jacuzzi". Quer Relaxar, bora juntos!
06/03/2019 13:30:58
Mais uma vez você prende o leitor até a ultima linha, seu marido podia estar aproveitando junto, coitado vai ficar sabendo e morrer de inveja
05/03/2019 13:28:56
Vanessa adorei seu conto realmente está entre os melhores dos melhores, parece minha irmã decidida hiper ativa, isto é bom d+ notaclnmarcelo@hotmail.com
04/03/2019 18:03:42
Uauuu ! Realmente Vanessa a maturidade nos faz com que impacientes com as convenções tolas que a gente aprende na juventude. Mas veja bem, valei de maturidade, não de idade rsrsrs. Pra que um caminho longo se a gente pode usar o atalho ? Adorei o relato, mas ficou uma pergunta: porque não na cama ? Nota dez com merecido louvor e adicionado aos meus favoritos. Agora por último, mas em não menos importância, obrigado por sua nota e belíssimo comentário em meu relato. (fantasiasocial@bol.com.br) Rui
02/03/2019 19:50:06
Mais um ótimo conto. Envie as fotos por favor carlosantiago73@bol.com.br
22/02/2019 17:22:07
Vanessa : Adorei seu ultimo conto, adoro uma mulher quente, nota mil....
21/02/2019 16:23:39
Conto delicioso.. sempre uma delicia ler seus contos