Casa dos Contos Eróticos

S DOIS LADOS DA MESMA MOEDA.

Autor: Fotógrafo
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 13/12/2016 06:19:56
Nota 10.00
Assuntos: Sadomasoquismo
Ler comentários (2) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

OS DOIS LADOS DA MESMA MOEDA.

Tenho 55 anos, normal como um outro qualquer, mas com um tesão danado em surrar uma mulher. Achei que poderia realizar meus desejos com uma funcionária cheia de desejos. Um belo dia a chamei para jantar, tudo perfeito, O vinho perfeitamente harmonizado deixou Lê alegre mas contida. Conversamos sobre a vida, trabalho e de todos os desejos, mais de uma vez elogiei seu corpo fazendo referências quase vulgares:

-Voce tem uma bundinha gostosa....não tenha vergonha, eu sou direto e sincero. Estou ansioso para te levar para a cama!

Ela ficou muito vermelha e abaixou os olhos, eu forçei um pouco mais:

-Veja Lê, eu gosto de sinceridade, quero você hoje mesmo e sinto que você me quer.Não precisamos fazer rituais cansativos, você concorda?

-Si...sim...

Então fale exatamente o que você quer comigo:

-Eu quero...queria que ...te conhecer...

Cortei na hora:

Lê você quer dar para mim, não quer?

-Sim meu feche eu quero...

-Então diga isso como uma mulher, não quero transar com uma menininha...vamos fale...FALE!

Ela ficou envergonhada, olhou para os lados para ver se alguém estava por perto e quase gaguejando baixinho:

-Eu quero ...dar ...para você...

-Perdão ...mas eu não ouvi....o que você disse mesmo?

-Por favor mb...fale mais baixo....ok, eu quero dar para você!

-Que bom, daqui a pouco eu vou te comer todinha!

Pedi a sobremesa, logo em seguida a conta exorbitante e fomos embora e fomos direto para o motel.

Deste ponto em diante não falei mais nada, mesmo dirigindo enfiei a mão entre suas pernas e pressionei forte a xaninha. Ela se arrepiou toda principalmente quando enfiei o dedo fundo em sua buceta. Ela estava molhada então tirei meu dedo e coloquei na sua boca.Ela vacilou mas chupou, eu forçei mais a barra:

-Boa cadelinha...logo você vai chupar coisa bem maior!

Ela se mostrava um pouco envergonhada mas em nenhum momento protestou ou mostrou vontade de desistir.Foi aceitando minhas provocações físicas e verbais ate chegarmos ao motel. Quando entramos não lhe dei muito tempo, lhe indiquei o banheiro e quando ela voltou só de calcinha e soutiã me encontrou pelado na mesa tomando uma cerveja.

-Vem Lê ...agora você vai me chupar gostoso, não vai?

Ela vacilou por segundos ao ver meu pau ainda murcho. Mas mostrou que pode ser meio envergonhada, um pouco tímida mas sabia pagar um boquete. Lê abocanhou meu pau até a metade, teve que abrir a boca até o limite e com sua mãozinha punhetava meu cacete. Sua lingua se contorcia em volta da cabeça de meu pau com muita habilidade. Com uma das mãos ela apertava minhas bolas .Gozei rápido, segurando a cabeça da cadelinha a fiz engolir tudo,mesmo engasgando forçei e só a larguei quando percebi que ela realmente tinha engolido tudo. Quando a soltei ela caiu no chão ofegante e tossindo então lhe entreguei o copo de bebida , eu sou um cara bom, não acham?

Sem muita conversa levei a vadia para minha cama, tirei sua calcinha abri suas pernas e enfiei a cara entre suas coxas. Minha habilidade principal, dei-lhe um bom oral, no capricho. Lambia toda a extenção da xana bem depilada entre os lábios vaginais, torcia a lingua em volta de grelinho, chupava, sugava com força o clitoris, dava mordidinha em sua buceta, nenhuma mulher resiste um tratamento assim. Ela tremia toda, se contorcia e gritava, agarrando minha cabeça como querendo enfiar minha cara para dentro da buceta. Em pouco tempo começou a gemer mais e soltou longos gemidos começando a gozar, e mais gozo, comecei a dar uns tapas na buceta que para ela foi outra surpresa, gozando uma vez, duas e de novo. Parei quando notei que ela estava quase perdendo os sentidos. Sem dar muito descanso coloquei suas longas pernas nos meus ombros e puxando pelas grandes coxas comecei a meter na xota. Aquela buceta lutou bravamente, mesmo encharcada e bem lubrificada não queria aceitar meu pau. Mas fui forçando devagar e sempre, dei tempo para naturalmente ela se alargar e quando entrou pela metade foi ficando um pouco mais fácil. Lê agarrou minha bunda e começou a puxar, me queria todo dentro dela:

-Mete gostoso...me rasga...me fode...eu quero esse pau dentro de mim..AHIIAHHIIAHHH!

Enterrei de uma vez o restante de minha estaca na buceta quente e apertada que implorava ser fodida, Lê berrou, agarrou o próprio sutiã e arrancou arrebentando as alças de uma vez só, começou a se torcer como um animal ferido e quando comecei a bombar ela pirou, gritava muito alto e eu sem me preocupar:

-Grite sua cadela gostosa! Você queria me dar não queria?

ela ofegante mal podia falar:

-Ohhh...!.Sim....eu quero ser fodida....quero que me foda...METE GOSTOSO, eu sou puta puta faça de mim o que quiser, me bata, me surre seu filho da puta!

Mudei ela para a posição frango assado e quase consegui meter as bolas lá dentro, meu cacete batia forte no útero, comecei a tirar tudo e meter de novo arregaçando, ela totalmente descontrolada teve uma série louca de orgasmos, ficou mole e quase perdeu os sentidos, mas eu lhe trouxe de volta gozando em sua cara e aplicando duas fortes bofetadas.

Descansei um pouco e logo arrastei a cadela para o banho, eu estava suado e ela toda cheia de porra. Deixei o forte jato morno do chuveiro nos limpar e fui encostando minha puta na parede já encoxando por trás e procurando abrir as polpas da bunda. Com as mãos cheias de peitos falei no seu ouvido:

-Relaxa Lê, agora teu cuzinho é meu, você vai ter o rabo recheado de cacete, vou te rasgar todinha!

Ela começou a espernear, me bateu forte com os cotovelos e gritando:

-Não! Por favor eu não quero, não tem condições, esse teu pau não é para isso...ME LARGA!!!

Soltei-a imediatamente:

-Tudo bem Lê, você não quer não vou te violentar, eu só fiz até agora o que você queria e pediu...pode se vestir, a noite acabou!

Ela se vestiu e eu mandei ela ir embora, mandei que pedisse ao porteiro para chamar um taxi. Tratei-a como puta de propósito:

-Quer dinheiro para o taxi?

Ela recusou e foi embora, eu sorrindo fui ver um filme antes de dormir.

Ela me ligou 3 vezes e não atendi. Na semana seguinte no trabalho ela me chama.

-Oi feche...tudo bem...eu te liguei...

Mostrei pouco interesse:

-Tudo bem Lê...

Ela meio chateada:

-Eu gostei muito de sair com você, gostei de tudo que fizemos, não vamos mais sair?

Olhei bem em seus olhos e segurando forte em seus ombros:

-Eu fui muito claro com você, sou franco e meu papo é reto. Podemos sair de novo sim, quando você quiser, mas saiba que se você quiser sair de novo é para me dar o eu que quero. Eu quero comer teu cúzinho, quero surrar vc, quando estiver pronta me ligue. Quero te usar como escrava, caso queira tudo isso claro.

Ela ficou visivelmente chateada, se despediu de maneira educada mas fria:

-Ok, até mais.

Por um mês não falamos nada até receber uma mensagem dela.

-Você sabe...meu chefe. Eu quero te encontrar, quero sair com você...

Agora eu precisava mostrar para ela quem eu era de fato:

-Bom se você quer sair comigo é porque concorda com meus termos...então fale claramente o que você quer querida...

Ela ficou em silêncio uns trinta segundos e depois falou meio constrangida:

-Eu...eu quero...Eu quero que você me foda atrás!

É preciso ser um pouco cruel amigos:

-Atrás? Onde você quer ser fodida? Atrás do muro???

-Por favor , eu gostei muito de você, ninguém nunca me deu um sexo tão bom...

-Então??

-Ok, ...eu quero que você coma meu cú! Quero ser fodida na bunda por teu pau nem que me rasgue toda...preciso sentir teu pau de novo...

Você morde e assopra, traz a escrava para seus pés aos poucos:

-Viu minha querida, falar francamente é sempre bom. Entre amantes que se fodem porque ficar de meias palavras.

Então o golpe de misericórdia:

-Ok amor, também estou louco para fazer amor com você, vai ser hoje mesmo...mas preciso que você fique escritório depois das 18:00 horas em ponto, isto é muito importante.

Claro que ela ficou em dúvida:

-Mas porque amor, aqui no escritório, falei que realizaria o desejo dela em seu trabalho. Depois que todos foram embora a chamei na cozinha onde tem uma mesa de mármore bem gelada. sem dizer nada forçei ela para se curvar na mesa, ergui seu vestido (Atendendo meu pedido, porque nunca tinha a visto com vestido) e tirei sua calcinha. Ela pensou que eu comeria seu cuzinho alí mesmo:

-Por favor, aqui não!

Ela precisava perceber qual era sua real condição:

-Cale a boca sua cadela, você já é toda minha, eu vou te usar como bem entender, é claro que não vou comer teu cú hoje! Comecei a passar a Mao na buceta dela que estava ensopada, prova do desejo que els estava. Fiquei ali enfiando os dedos e batendo na bunda dela, quando ela começou a tomar gosto pela coisa mandei deitar naquela mesa fria, e continuei a tortura e enfiava os dedos em seu ano. Logo após ns 03 minutos ela começa a gemer e gritar e logo começa a pedir para comer o cú dela. Foi só começar a meter ela começou a pedir para bater na bunda dela e puxar seus cabelos, o fiz com força e mestria e logo começou a falar que estava gozando pelo rabo, o tesão foi tão grande que comecei a gzar em suas pernas. Ela desabou na mesa e ficou meio fora do ar por vinte minutos. Depois deixei ela ir para o banheiro, quase não podia andar, mas por sorte dela sou um mestre muito bom com minhas escravas, as obdientes é claro. Falei que oresto seria nomotel, onde ela poderia gritar melhor, por causa dos vizinhos,ela rindo me segui até o carro. Chegando no motel a deixei desfrutar da banheira hidro e logo depois a coloquei na cama e apliquei um creme refrescante passando por todo o seu corpo. Vendo meu carinho e preocupação Marisa me abraçou:

-Chefinho eu te amo! Eu suportei a dor e me entreguei ao seus caprichos porque preciso de você, não sei explicar, você é tão mau e tão bom ao mesmo tempo...eu quero ser tua...quero ser obediente a você, quero te servir mesmo que você me faça sofrer e destrua meu corpo...quero apanhar mais, quero ser

uma escrava totalmente dominada, sem vontade própria e pronta para sofrer pelo prazer.

Mandei que ela deitasse de bruços na cama. Elevei suas nádegas com travesseiros e prendi braços e pernas com cordas nas colunas da cama. Ela ficou quase imobilizada fazendo um X na cama, braços e pernas bem abertos, sexo exposto ao máximo, a xaninha já molhadinha e o cuzinho já bem recuperado.

Comecei a desferi o primeiro tapa em sua bunda. Os gritos e a visão da escrava nua, impotente pelas amarras, subjugada e totalmente disponível as vontades perversas do dominador.

O castigo é demorado, bato forte nas nádegas, na parte traseira da coxas e nas costas, no início do castigo a escrava grita, depois chora e grita alternadamente mas no fim do longo suplício a cadelinha já sem forças só geme e soluça baixinho. Seu corpo torturado com vergões vermelhos. Ai pego o creme de novo e começo a passar em seu corpo, ela tremia com aquele alivio, quando chego em seu anús ela não resiste e começa de novo: Isso seu desgraçado enfia os dedos, adoro, assim vc me mata de prazer, e fui socando até chegar a mais um gozo delicioso. solto as cordas e massageio seus pulsos, lhe dou um abraço muito forte aparentando muito amor, beijo-a demoradamente e com paixão esperando ela se acalmar e recuperar o fôlego. Com jeito e carinho a deito de costas na cama, ela reage ao contato dos vergões com o lençol. Abro suas pernas e a chupo de novo, Ela grita e implora meu amor:

-AHAAIIIAIIIMM...amor...me chupa forte, morda meu crelinho....METE A LINGUA TUDA...SOU TUA PUTA...sou tua...

Dou o que ela quer, o que implora. Nada foi feito sem estar de acordo com o que ela mesma pediu. Ela percebe isso e sabe que agora não passa de uma puta apaixonada, escrava da dor que lhe dá prazer!

Depois vamos para o banho, gostaria de usar seu rabo, penetrar seu cuzinho apertadinho, mas sou responsável e não quero detonar o cú da escrava, ele ainda precisa de um tempo para ser totalmente meu. Depois do banho e bastante carinho. Aplico o sabonete em todo o seu corpo até chegar no seu cú e de pau duro. Ela percebendo Poe as mãos na parede e empina a bunda. Começo a enfiar bem devagar e quando ela percebeu que estava preparada para aquilo, ela empurrou a bunda contra o meu cassete e começou a grita, isso seu filho da puta, se realize com a sua puta, que dor gostosa, sabendo que estou realizando meu macho, meu dono, não demorando 10 minutos para gozarmos juntos. Fizemos juras de sexo e fomos embora.

Uma semana depois, deixo ela ligar várias vezes sem atender, e quando atendo mando ela ficar no escritório depois do expediente para ter uma conversa séria. Quando ela chega nos abraçamos e nos beijamos como amantes perdidamente apaixonados, seus olhos brilham e ela demonstra muito amor, me olha com muita admiração e eu a deixo bem confortável.

-Lê meu amor, você realmente provou ser leal. Estou praticamente convencido de que vc realmente me quer como o seu macho.Vou te pedir mais um sacrifício, apenas um e o último, te garanto, depois vamos viver ainda mais felizes e confiantes!

Ela ficou entre curiosa e preocupada:

-Tudo bem amor, depois de tudo que aconteceu não posso te negar nada, seja o que for que você pretende para mim estou pronta, eu já disse que sou tua!

-Mariza, você vai me dar a prova final de seu tesão se entregando para outro...vou te emprestar para um amigo e ele vai te usar como achar melhor, você vai ficar uma noite com ele e sua mulher, vai atender todas as vontades desse meu querido amigo...

Ela ficou quase cinco minutos sem falar nada, eu fiquei quieto. Levantei e fiquei de costas para ela, quando ela falou foi em voz baixa e embargada:

-Tá bom meu chefe...

Eu falei firme sem olhar para ela:

-Está bom? O que está bom Lê, fale alto, o que você quer fazer?

Ela já sabendo o que eu não deixaria barato falou alto:

-Quero me entregar para seu amigo e a mulher dele, só faço um pedido. Você tem que está perto até mesmo pra minha segurança e para eu te provar que sou sua e faço o que mandar. Embora tudo isso meu MB é o meu prazer, é isso que quero que faça comigo! Continuo o conto se confirmar se estou certo, bjsAdoro tudo isso e mulheres que gostam de ser surrada, fotografada e filmada, é só retornar: fotografoliberal@yahoo.com.br

Comentários

24/02/2017 10:45:00
Estimado amigo, sinceramente falando eu sou contra qualquer tipo de violência, principalmente contra a mulher. Entretanto, entendo que no sexo há um componente que não sou capaz de avaliar, o sadomasoquismo. Entendo que nesse caso, a violência tanto de quem a pratica quanto de quem a recebe ganha outro aspecto, passa a ser componente integrante da realização sexual, e se ambos têm prazer nisso, se isso leva o casal a gozar e ser feliz, então é válido. Talvez funcione como um beijo ou como uma lambidinha na xotinha, isto é, torna-se tão excitante quanto. Parabéns pela boa narrativa. Nota DEZ!
14/12/2016 18:30:32
dominador perfeito

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.