Casa dos Contos Eróticos

QUANDO MENOS SE ESPERA - THAT WAS JUST A DREAM (CAP 2)

Categoria: Homossexual
Data: 16/11/2016 22:10:29
Nota 9.00
Ler comentários (3) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Era praticamente uma hora da manhã quando o telefone de João tocou.

__ Oi? Quem ta falando?

__ O seu viado, você não vem na festa da Camila? Ta todo mundo te esperando aqui.

__ Puta merda, esqueci completamente, tava assistindo umas coisas aqui e apaguei.

__ Cê vem ou não? A gente acabou de chegar.

__ Vou sim, daqui uma meia hora do aí.

João levantou meio atordoado, olhou para os lados e tudo estava no mesmo lugar. Seu computador desligado sem bateria, seu gato esparramado na cama. Nem um sinal de Oscar ou qualquer coisa que tivesse acontecido, por um minuto se recusou a acreditar, mas na verdade, tudo aquilo não passava de um sonho.

Nada havia sido real, nem o episódio do banheiro, nem os gritos na varanda, e, muito menos as cenas de amor e sexo. Tudo foi uma ilusão da sua cabeça. Aquilo já tinha ido longe demais. Abismado com a realidade dos seus sonhos, colocou uma roupa, se produziu e foi pra festa da sua amiga. Estava lindo e ia aproveitar aquela noite pra ver se tirava aquelas idéias da sua cabeça.

Chegou no bar quase duas horas da manhã, seus amigos já estavam um pouco bêbados, por pouco não entra. Camila sua grande amiga estava linda, com as bochechas um pouco vermelhas pelo álcool, mas tudo certo. Gustavo já estava eufórico e ficou ainda mais quando João chegou.

__ Chegou a bela adormecida, quase que a senhora perde a festa bixa, tava vendo pornô né?

__ Claro que não mulher, estava assistindo uma série e dormi, a semana foi difícil.

__ Ainda ta encanada no hétero?

__ Pior que tô, preciso beber viado. Tive um sonho extremamente real e não estou sabendo ligar com isso.

__ Pare de ser alice bixa, não vai apaixonar por um hétero que não tem futuro.

__ Eu sei, eu sei. Vamos parar de falar disso e vamos beber.

A musica alta, as luzes girando, a cerveja gelada na mesa e João no canto dos fumantes, a cada gole na cerveja olhava praquele povo super animado, mas na verdade, em cada quanto que olhava procurava por Oscar, tinha esperança de encontrar sua paixonite solta por lá. Sabia que ele costumava freqüentar aquele bar, vai que?!

__ Sabia que ia te encontrar por aqui. Como você esta? Junior apareceu do nada. João quase derrubou a cerveja e o cigarro. Fazia tempo que não via Junior, desde que ficaram pela última vez, numa festa de amigos, nunca mais se falaram.

__ Me da um cigarro, que eu te dou um beijo?

__ O cigarro é de graça hoje, não tô no clima.

__ Nossa João, precisa ser assim?

__ Ainda quer o cigarro?

__ Não precisa.

__ Então beleza, você me da licença, que eu preciso ir ao banheiro.

Com sua grosseria costumeira, João saiu e deixou Junior praticamente falando sozinho. Junior não entendeu por que aquilo tinha acontecido. João nunca foi do tipo difícil, era sempre fácil conseguir algum sexo casual com ele, mas dessa vez alguma coisa estava diferente.

No momento épico da noite, João avistou Oscar de longe, ele estava sentado em uma mesa próxima ao banheiro com seus amigos. "Vou até lá ou não vou?" "Não vou não, nem tem cabimento isso". Saiu de lá às pressas, queria evitar ser visto, afinal, estava vidrado em um cara, sem a menor expectativa de que fosse dar certo.

__ Viado, o hétero ta aqui. Falou João chegando perto de Gustavo.

__ Cade ele bi?

__ Ali perto do banheiro, com camiseta xadrez. Sentado com uns rapazes.

__ Não é aquele que ta ali no canto? Olhando pra essa direção é?

__ Como assim?

__ Alí ó viado, tem um cara na área de fumante que não para de olhar pra cá.

__ Não pode ser.

Quando João olhou pro lado, era ele mesmo, Oscar estava parado lhe fritando com os olhos. "Preciso fazer alguma coisa, é agora ou nunca". __ Migo, espere aí que vou alí fumar um cigarro. Falou João para Gustavo, indo em direção à área de fumantes.

__ Olha só quem esta por aqui. Deixa eu te perguntar: cê me empresa o isqueiro? Emprestei pra um amigo e ele nunca mais devolveu. A desculpa era péssima, mas era a única coisa em que João conseguia pensar naquela hora, tinha que puxar um assunto com Oscar, precisava daquilo.

__ Claro, ta aqui ó, não sabia que vc fumava.

__ Bebo, fumo e fodo.

__ HAHAHAHA Só você mesmo. Ta fazendo o que por aqui?

__ Aniversário de uma amiga e vc?

__ Bebendo com uns amigos pra esquecer o pé na bunda.

__ Oxe, como assim?

__ Minha namorada terminou comigo, não disse muito o porque, só terminou.

__ Eita, e você ta bem?

__ Tô sim, nosso relacionamento já estava bem ruim.

__ Ah sim, de qualquer jeito, não é uma coisa muito legal né?

__ É chato, mas são escolhas da vida. Mas não vamos falar disso aqui, como ta a festa da sua namorada?

__ Ela não é minha namorada, é só minha amiga. Não sou do tipo que tem namoradas. João respondeu meio sem graça.

__ Ah sim... tô ligado... desculpe o bola fora.

__ Relaxa, to acostumado já.

__ E você esta sozinho por que? É um rapaz bonito, deve ter um monte de gente querendo.

__ Até tem, mas eu não quero, não sou pra namorar.

__ Muleque piranha então?

__ Um pouco.

Os dois riram por um momento, fizeram um minuto de silêncio enquanto trocaram aqueles olhares que dizem mais que muita coisa, e, finalmente, a conversa começou a fluir naturalmente, João não conseguia tirar os olhos daquele cara, estava um pouco bêbado então não fez muita questão de disfarçar os olhares.

Oscar percebeu os interesses do garoto, não era idiota. E sabia muito bem o que queria. Na conversa, conseguiu descobrir muitas coisas que eram importantes, agora era só começar a colocar as coisas em prática, que logo teria aquele garotão só pra ele. Ficaram uns quarenta minutos conversando, nada de muito relevante.

Já era tarde, mas antes que pudessem partir, Oscar fez um convite levemente inesperado:

__ João, amanhã a academia é fechada, vamos correr? Te encontro as nove horas naquele parte perto da academia, pode ser?

__ Claro Oscar, estarei lá.

Trataram de se despedir, cada um foi pro seu carro e de lá pra suas casas. No caminho de volta pra casa, João ouvia uma música do R.E.M que parecia ter sido escrita pra ele, pelo menos naquele momento: "But that was just a dream, That was just a dream, That's me in the corner, That's me in the spotlight" Precisava dormir cedo, mas aquele convite o deixou eufórico.

Comentários

17/11/2016 19:17:21
Esse tá bom, mas quero o Caio, please
16/11/2016 23:31:37
vou sim, já estou escrevendo o novo capítulo, vai ser bem legal.
16/11/2016 22:37:28
não vai continuar ao pes de caio?

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.