Casa dos Contos Eróticos

Nando, Babi e Cadu – relatos de um corno parte 03

Categoria: Heterossexual
Data: 12/11/2016 09:39:25
Nota 8.25
Ler comentários (5) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Confesso que aquelas regras me deixou incomodado, mas ele foi bem claro ao dizer que se eu não aceitasse as regras ele ia embora e levaria a Babi junto, naquele instante eu percebi que amava aquela vadia e que não poderia viver sem ela.

Mesmo constrangido eu aceitei a situação e acabei brindando com eles para comemorar.

...continua...

Depois de aceitar todas as imposições do meu amigo e da minha esposa, a minha vida passou a ser totalmente comandada por eles, com o tempo todas as minhas atividades, inclusive as de trabalho foram sendo monitoradas por ele, até que o Cadu achou um comprador para o meu escritório e me obrigou a vender, vendeu também a casa onde morávamos, com o dinheiro da venda da casa, do escritório e de todas as economias que eu tinha em caixa, ele comprou uma casa de praia afastada de tudo e 4 apartamentos para alugar, daquele dia em diante viveríamos isolados na praia e sobreviveríamos dos alugueis, minha família que não sabe da real situação que vivo, foi contra as minhas decisões, então, o Cadu me obrigou a romper com toda a minha família.

Chegando na casa de praia eu percebi que a minha vida não seria nada fácil, a casa era pequena, mas tinha uma piscina, era totalmente murada e tinha apenas um quarto, daquele dia em diante eu deixei de ter direito a um quarto e passei a dormir em um colchonete na área de serviço.

Logo na primeira noite eu limpei a buceta esporrada da minha esposa por mais de uma vez e durante o coito deles eu bati uma punheta e acabei sujando o Cadu com a minha porra, ele ficou irado, mas não disse nada quando eles terminaram de transar, ele saiu de carro e eu fiquei limpando a casa e ajeitando tudo, após algumas horas ele volta com um cinto de castidade, me mandou tirar a roupa e colocar o cinto, não esbocei reação e acabei colocando-o, depois o entreguei as chaves e soube que daquele dia em diante eu somente gozaria se ele autorizasse.

Eu não podia sair de casa, usar telefone ou internet, virei refém daquela situação, mas só conseguia enxergar o prazer por trás daquilo tudo.

...continua...

Comentários

06/01/2017 15:26:44
Tá bom!
13/11/2016 09:00:07
Que imaginação fertil
12/11/2016 14:51:42
hum...
12/11/2016 12:00:46
continua logo
12/11/2016 10:46:09
continua continua

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.