Casa dos Contos Eróticos

Meu "Hétero" (20) : (Penúltimo Capítulo) - Um Quase Fim!

Oi meu polvo 🐙

"ANTES DE TUDO

Vocês conseguiram ler o "Capítulo 16 - Psicopata Ataca!"? Vi que a leitura foi muito, mas muito baixa, comparado com o que tem de padrão tanto nos capítulos anteriores, quanto nos posteriores. Se tiveram problemas com ele, só avisar."

Mais um capítulo aí, espero que gostem. Não esqueçam de comentar, por favor.

# Respondendo aos comentários:

@MeninoAbandonado

- Beijão 😘

- -

@Lipe *-*

- Beijão 😘

- -

@rezinha27

- Surpreendeu? Que legal haha.. O capítulo estava com um problema mesmo, mas tudo certo agora. Um beijo 😘

- -

@Ru/Ruanito

- Será? Será? Haha.. Um Beijão 😘

- -

@FlaAngel

- Léo psicopata haha.. Parece que o felizes pra sempre não vai durar muito mesmo não. Um Beijo 😘

- -

@Carlos0202

- Haha não compreendi seu comentário, mas agradeço muito.. Um Beijão 😘

- -

@Cintia C

- Biel feliz? Será? Vamos ver juntos? Um beijo 😘

- -

@henrinovembro

- Biel e médico gato? Será? Haha um beijo 😘

--

Capítulo 20

(Penúltimo Capítulo)

……………………

UM QUASE FIM!

--

Voltei a apertar o tubo.

Biel - Para.. Para.. Por favor..

Eu (Léo) - Não adianta pedir mais não, aqui se faz, aqui se paga.

Biel - Você é um merda. - Já com a voz alterada.

Eu - Da adeus a esse mundo, seja feliz lá no inferno.

PI.... - Fazia o barulho da máquina.

PI.. PI.. PI.. PI..

PIPIPIPIPIPIPI

PIIIIIIIIIIIIIIIIIII

De repente percebo que vários médicos e enfermeiros entram no quarto e começam a fazer uns procedimentos no Gabriel. O aparelho começa a voltar ao normal, e Biel abre os olhos bem devagar.

Dr. Marcelo - Ele voltou!

E os enfermeiros comemoraram.

Doutor Marcelo se virou a mim e perguntou.

Dr. Marcelo - O que houve? Ele estava tão bem.

Eu - Não sei! - Respondi bem desanimado.

Uma angústia me invadiu, me senti a pessoa mais podre desse mundo. Como eu pude fazer isso? Eu ia matar uma pessoa simplesmente por nada. Por nada não, ele fez muitas coisas, mas eu não deveria ter feito isso, eu sou um covarde mesmo.

Biel foi se recuperando devagar, e percebi que ele olhou pra mim com um sentimento de pena. Ele que estava quase morto, e o merecedor de pena era eu. Me senti mais idiota ainda.

Saí daquele quarto e fui ao banheiro, entrei em um reservado, me encostei na parede e comecei a chorar.

"Eu tinha tudo pra ser feliz. Aos 17 anos já tinha a pessoa que eu podia ter a certeza de que me traria a felicidade que eu busco, mas ouvi os "conselhos" do Biel e me separei. Passo por esses dias triste e por um momento me tornei um assassino, eu ia matar uma pessoa." - Pensei. Isso me fez chorar muito mais, chegava a soluçar.

TOC TOC - Alguém bateu na porta dp reservado que eu estava.

- Você está bem? - Falou.

Eu - Tô. - Disse no meio do choro.

- Está passando mal? Eu posso ajudar.

Eu - Ninguém vai conseguir ajudar não, eu sou um covarde, idiota, um merda.

- Não diz isso, abre a porta, eu posso te ajudar!

Eu - Você nem me conhece, me deixa em paz.

- NÃO, abre a porta. Se acontecer algo com você, eu me sentirei culpado.

Eu - Eu só quero um abraço.

- Eu te dou, só abre a porta.

Abri a porta e me deparei com um médico, de mais ou menos 1m70, moreno e careca. Olhos castanhos claros, e ele me olhava com um sorriso de contagear qualquer um.

- Posso te dar o abraço?

Eu sorri e balancei a cabeça que sim.

Ele se aproximou e me abraçou bem forte.

- Eu estou aqui pra ajudar, tá?

Eu - Muito obrigado.

- Você é aquele menino que estava junto com o Pedro, né? Do acidente que teve na 101.

Eu - Isso mesmo. Sou ex-namorado do Gustavo.

- Nossa, e tem essa relação ainda? O Pedro não tem ciúmes?

Eu - Pedro é ciumento pra caramba, e eu também provocava. Mas desisti, o Gustavo tá melhor com ele.

- Talvez ele não seja a pessoa certa pra você.

Eu - Ele é, ou pelo menos era. Eu acabei com todas as possibilidades que tínhamos de ser felizes.

- Mas você pode encontrar outra pessoa, tem tanta gente por aí.

Eu - Pode ser. Aliás, qual seu nome?

- Sou Gabriel.

Eu - Gabriel? Podia ser outro nome não?

Dr. Gabriel - Por quê? Tem algum problema com algum Gabriel?

Eu - Sim, aquele outro do acidente. Mas tudo bem.

Dr. Gabriel - Tô saindo do expediente agora, quer ir jantar comigo?

Eu - Jantar? Mas eu tô todo largado.

Dr. Gabriel - Não tem problema, te levo em casa pra se ajeitar. Eu também vou dar uma passada em casa.

Eu - Pode ser.

Dr. Gabriel - Então vamos, vai ser legal.

* Narrado por Gustavo

Estava no quarto conversando com Pedro, quando Doutor Marcelo entra no quarto.

Dr. Marcelo - Boas notícias, você já está liberado.

Eu - Sério, Doutor? Que bom.

Pedro - Tem alguma restrição?

Dr. Marcelo - Nada de muito esforço né.

Pedro - Que tipo de esforço? Assim, eu tô meio estressado e queria me divertir com meu namorado. - Disse com uma cara de safado.

Eu - Pedro, por favor... - Disse envergonhado.

O doutor riu e respondeu.

Dr. Marcelo - Pode se divertir, mas com calma por favor. No amorzinho hoje. Daqui a uns dois dias pode ser mais forte.

Eu - Não acredito que estou ouvindo isso.

Eles riram.

Pedro - Tá vendo, amor. Hoje a noite vai ser romântica.

Dr. Marcelo - Isso. Nada de bebida alcoólica. Pode ser um suco de maracujá pra acalmar, um purê de batata.

Pedro - Doutor Marcelo também é cozinheiro. - Rimos.

Dr. Marcelo - Tem que ser né, isso atrai os homens. Falando nisso, o Gabriel teve um problema agora cedo, quase morreu.

Eu - Como assim? Ele não estava bem?

Dr. Marcelo - Estava. Não sei o que aconteceu. Aquele outro amigo de vocês estava lá dentro, mas sumiu.

Pedro - Deve ser o Léo. Vamos passar lá, Tavinho?

Eu - Claro.

Dr. Marcelo - Então é isso, cuidado e divirtam-se.

Me ajeitei e fomos até o quarto do Biel.

Biel - Gustavo... - Disse surpreso e começou a chorar.

Me aproximei rápido e coloquei a mão em seu rosto.

Eu - Calma.

Biel - Me desculpa, não foi minha intenção te machucar. Eu ia te levar pra um lugar onde íamos ser muito felizes.

Eu - Mas você fez da forma errada, Biel.

Biel - Me desculpa mesmo.

Eu - E você? Tá se sentindo bem?

Biel - Quase morri né.

Pedro - Mas foi do nada.

Ele fechou o olho e não respondeu nada.

Eu - O que aconteceu antes de dar isso?

Ele não respondeu.

Eu - Fala, Biel.

Biel - Não importa o que aconteceu.

Pedro - Claro que importa, se acontecer de novo?

Biel - Só vai acontecer de novo se o Léo voltar aqui.

Olhei pro Pedro sem entender muita coisa.

Eu - O que o Léo fez?

Biel - Ele apertou esses tubos aqui. - Disse identificando o tal do tubo.

Pedro - Não é possível. Onde ele está?

Biel - Não sei né.

Eu - O Léo fez isso? O que houve com ele?

Biel - Ele estava com raiva de mim né. Primeiro eu incentivo ele a terminar com você, e agora faço você vir parar no hospital.

Eu - Mas ele não tinha o direito de fazer isso.

Biel - Deixa isso pra lá. Só peço que não deixem ele voltar aqui, eu tô de olho num médico ali sabe, e o médico também me quer, vai que dá certo?

Eu - Você vai ser muito feliz, meu amigo.

Biel - Obrigado por ser tão legal comigo, mesmo eu tendo feito essas idiotices.

Eu - Só quero te ver bem. A gente volta pra te ver.

Biel - Sejam felizes.

- Obrigado! - Disse eu e Pedro juntos.

Saímos e fomos pro carro.

Pedro - Te amo, sabia disso?

Eu - Eu também te amo.

Pedro - Vai querer fazer o que agora?

Eu - Vamos pra casa né. Quero meu banheiro, meu quarto, minha cama.

Pedro - Só seu? Egoísta. - E fechou a cara.

Eu - É modo de falar seu bobo. - E ele riu. - Na verdade eu estou com saudades do nosso banheiro, nosso quarto, NOSSA CAMA. - Dando ênfase na parte da cama.

Pedro - Tá com saudades da cama é safado? - E deu uma mordida nos lábios. - Acabou de sair do hospital e tá assim?

Eu - Não posso fazer nada se tenho um namorado gostoso que me deixa super satisfeito na cama.

Pedro - Eu sou só uma máquina de sexo pra você né? - Riu e me deu um tapa atrás da cabeça.

Eu - Não. Você também é uma máquina de fazer comida boa. - E rimos.

Pedro - Bom saber.

Eu - Você sabe muito bem que vale mais que isso né? Seu carinho comigo, sua presença. Mesmo quando éramos só amigos, eu preservava sua amizade por você ser essa pessoa incrível.

Pedro - Já disse que te amo?

Eu - Disse, mas pode falar toda hora.

Nos beijamos e partimos pra casa.

Chegando lá, Pedro me levou pro banheiro e me deixou tomando banho.

Que delícia tomar banho gente. Coloquei minha roupa e fui até a cozinha.

Pedro - Colocou roupa por quê?

Eu - Não vou ficar pelado né.

Pedro - Só tem nós dois, então não tem problema. Aliás, minha janta vai ser você.

Cai na gargalhada.

Eu - Vamos com calma, Pê. Tá preparando o quê?

Pedro - Filé de frango grelhado com purê de batata.

Eu - Se não tiver bom corto a cabeça do seu pintinho.

Pedro - Pintinho? Tá bom.

Me sentei à mesa e fiquei olhando Pedro cozinhar.

Pedro - Se aniversário tá chegando, vai fazer o quê?

Eu - Estou pensando numa festinha.

Pedro - Muita gente?

Eu - O povo da escola.

Pedro - Na faculdade não tem ninguém ainda né.

Eu - Exatamente. Aliás, antes do acidente você estava no carro do Gui né?

Pedro - Sim, você estava com minha chave, aí não pude entrar no carro. O Gui ofereceu ajuda e ficamos o dia todo te procurando.

Eu - Que legal da parte dele, vou convidar pro meu aniversário.

Pedro - Humm..

Eu - Quero bem balada, cheio de bebida e música boa.

Pedro - Bebida? Seus amigos são tudo de menor, eu não vou permitir bebida.

Eu - O aniversário é meu, e quem manda sou eu.

Pedro - Sua mãe me deixou responsável por você e pela casa, ou seja, quem manda sou eu. - E fez sinal de positivo com o polegar, me fazendo chorar de rir.

Eu - Vou ligar pro Léo.

Peguei meu celular, mas ele estava descarregado.

Eu - Me empresta seu celular? O meu descarregou.

Pedro - Toma. - Tirando do bolso. - Você sabe a senha.

Desbloquiei e liguei. Tocou, tocou e ninguém atendeu. Liguei umas três vezes e nada. Onde será que Léo está?

* Narrado por Léo

Gabriel me levou até minha casa.

Dr. Gabriel - Daqui a uma hora passo aqui.

Eu - Tá bom, Gaa.. bri.. ell. - Disse dando uma pausa no Gabriel, revelando um incômodo ao falar esse nome.

Dr. Gabriel - Me chama de Gael, meu apelido pros amigos.

Eu - Melhor assim. Até daqui a pouco, Gael.

Entrei em casa radiante. Fui direto pro meu quarto pegar a melhor roupa que tenho. Fiquei gatão, me pegava se desse. Desci pro portão pra esperar Gael.

Uns 10 minutos depois Gael chega. Entrei no carro e ele deu aquele sorriso largo.

Gael - Tá gatão em.

Eu - Digo o mesmo de você, aliás, você de médico também né.

Gael - Tá com fetiche por médicos? Posso realizá-lo.

Eu - Nesse momento eu estou com fome.

Gael - Vamos comer macarrão? Tô doido por um macarrão.

Eu - Qualquer coisa eu tô atacando.

Gael - Só não quebra minha conta em.

Eu - Bobo. - E rimos.

Chegamos ao restaurante e fomos pra uma mesa mais ao fundo.

Gael - Quantos anos tem?

Eu - Tenho 17.

Gael - Novinho, tenho 27.

Eu - 10 anos de diferença.

Gael - Isso é problema pra você?

Eu - Contando que me alimente bem.

Gael - Palhaço. - E pegou em minha mão. - Se deixar, posso te fazer a pessoa mais feliz do mundo.

Eu - Eu deixo fazer qualquer coisa.

Gael - Que bom! Me conta, por que estava chorando lá no banheiro?

Eu - Foi uma coisinha que aconteceu.

Gael - Pode me contar, eu te ajudo.

Eu - Eu preciso desabafar isso com alguém. Eu ia fazer a maior merda da minha vida.

Gael - Confia!

Eu - Eu quase matei o Gabriel.

Gael - Então foi você? O Dr. Marcelo está quebrando a cabeça pra saber o que aconteceu.

Eu - Me desculpa, eu não queria.

Gael - Poxa, vou precisar contar pro Marcelo.

Eu - Você disse que ia me ajudar.

Gael - Vou estar ajudando. Olha, não temos só ele de paciente, tem vários outros, e vamos estar fazendo uns procedimentos desnecessários, perdendo tempo.

Eu - Mas o que vão fazer comigo?

Gael - Olha pra mim. - E apertou minha mão. - Eu não vou deixar nada de ruim acontecer contigo.

Eu - Tem certeza?

Gael - Tenho.

A comida chegou e avancei nela. Sempre percebia os olhares dele pra mim. Pensei até que podia estar fazendo vergonha, mas não, ele me olhava com desejo, ele me queria.

Gael - Você é lindo.

Eu - Obrigado.

Gael - Ainda bem que esse Gabriel atrapalhou sua vida.

Eu - Por quê? - Fiquei curioso.

Gael - Se ele não tivesse feito isso, eu não teria te conhecido.

Eu - Me conhecer foi bom?

Gael - Foi maravilhoso.

Eu - Nossa..

Gael - Vamos lá pra casa?

Eu - Já? - Respondi assustado.

Gael - Não tenha medo. Vamos ver um filme, comer pipoca, chocolate. - E mordeu os lábios.

Eu - Sei não.

Gael - Você vai gostar.

Voltei a comer e fiquei pensando na proposta. Ele estava com intenção de ir mais além e eu estava receoso. Masssss.... Vou né, quem disse que não pode rolar sexo no primeiro encontro?

VAI ROLAR SIM, VAI ROOOLARRR!

Eu - Aceito.

Gael - Aceita o quê? - Perguntou confuso.

Eu - Ir pra sua casa.

Gael - Eu achei que já tinha aceitado, ficou quieto. Quem cala consente.

Eu - Um silêncio é mais pra não que pra sim.

Gael - Não importa, o que importa é que você aceitou. Vamos?

Eu - Claro.

No carro foi um silêncio, chegamos à sua casa. Que casa linda, grande, arrumadinha, e mora sozinho.

Eu - Parabéns.

Gael - Poooor?

Eu - A casa. - Dei uma pausa. - Toda ajeitada.

Gael - A dona Beta vem aqui todo dia dar um jeitinho.

Eu - Humn.

Gael - Vamos?

Fomos até a cozinha pegar umas coisas. Ele pegou uns chocolates na geladeira e colocou um pacote de pipoca no microondas.

Se virou pra mim e se aproximou. Colocou a mão na minha barriga.

Gael - Tá calor, né?

Balancei a cabeça que não, ele riu.

Subiu a mão até meu pescoço, se aproximou e me beijou. Eu travei a língua, estava com medo

Gael - Não gostou?

Eu - Estou com medo.

PIPIPIPIPIPIPI - Fez o microondas.

Ele se virou e tirou a pipoca do microondas. Jogou dentro de um pote e se virou pra mim de novo.

Gael - Medo de quê?

Eu - Você tá sendo tão legal, se eu me apegar não vai me fazer bem.

Gael - Você pode se apagar a mim, eu não vou te fazer mal. - E veio me beijar novamente, mas eu o afastei.

Eu - Amanhã, depois que eu for embora, você não vai se esquecer de mim não né?

Gael - Impossível esquecer você. - E voltou pra mais próximo.

Dessa vez eu que avancei pra beijar.

Ficamos alguns minutos ali nos beijando. Ele me pegou no colo e me levou pro quarto.

Sabem o que rolou lá né? Haha isso mesmo!

* Narrado por Gustavo

Pedro - Comida estava boa?

Eu - Quando não está? Você é perfeito. Faz tudo bom.

Ele me olhou e riu.

Pedro - Te amo.

Eu - Gostoso. - Ele ficou vermelho e mudou de assunto.

Pedro - E o Léo?

Eu - Não atende o celular.

Pedro - Manda mensagem no WhatsApp.

Eu - Verdade né.

Peguei o celular do Pedro de novo (já que o meu estava descarregado.) e abri o WhatsApp. Fui até o Léo e abri.

Mandei um "Léo" e fiquei esperando.

Eu - Você conversa bastante com ele em.

E Subi um pouco a conversa, uma foto. Arregalei os olhos.

Pedro - Que foi, Tavinho? - Disse preocupado.

Eu - Não acredito nisso.

Era uma foto do Pedro beijando o Gui. Virei o celular pro Pê e ele se assustou.

Pedro - Eu posso explicar.

Eu - Você beijando o Gui? Isso tem explicação?

Pedro - O Léo que tirou, não foi bem isso.

Eu - Leonardo é outro, viu e não me contou. - Me levantei da cadeira nervoso.

Subi até meu quarto. Entrei e tranquei.

Pedro subiu e ficou batendo na porta.

Pedro - Tavinho, abre, não foi isso que aconteceu.

Eu - VOCÊ ME TRAIU ENQUANTO EU ESTAVA NO HOSPITAL. - Gritei.

Pedro - Não foi isso. Deixa eu me explicar.

Eu - EXPLICAR QUE VOCÊ JÁ ESTAVA PENSANDO EM NAMORAR ELE JÁ QUE EU TINHA CHANCES DE MORRER?

Pedro - Eu nunca faria isso, por favor abre.

Eu - NÃO. VAI EMBORA! - Disse exaltado.

Pedro - Por favor, Tavinho. Eu te amo!

Aquilo partiu meu coração.

TRIIMMM - O celular do Pedro estava tocando.

O celular dele ainda estava comigo, não sei por que eu não taquei aquela porcaria no chão. Olhei o visor e vi quem era.

Eu - NOSSA, OLHA QUEM TÁ LIGANDO, É O GUI!

Pedro - Não atende.

Eu - Por quê? Vou descobrir o caso que você tem com ele? Agora é que eu atendo.

- CONTINUA -

É isso aí.

Será que Gustavo acredita no Pedro?

Será que Gael só está brincando com o Léo?

Será que Biel vai ficar bem?

E o Gui, será que termina com algum amor?

Isso vocês descobrem (ou não) no Último Capítulo que vou postar TERÇA-FEIRA.

COMENTEM, VOTEM.

Meu email é Leandioliveira@Yahoo.com

Um beijo do menino Leandi 😘

Comentários

11/06/2016 17:30:36
Manooooo seu loko, que capítulo doido e bacana, reviravolta heim, Leo passou para passivo, pelo menos foi o que eu entendi, só falta juntar o Biel e o Marcelo e arrumar um par pro Gui.
11/06/2016 00:43:16
Amei. muito bom :)
11/06/2016 00:24:22
amo essw conto. perfeito.
10/06/2016 23:30:01
Por isso q percebi q na hora que fui le o 17 ficou sem sentido... Mais eu nao tinha visto esse aconteceu algum pobleminha...
10/06/2016 23:28:36
...
10/06/2016 23:27:16
Sempre tem algo pra atrapalhar eles... Espero q o Gui fale a verdade e ele acredite q Pedro ñ o traiu. Muito bom! bjossss
10/06/2016 22:35:41
Mas já tá no fim que chato vai ter segunda temporada produçao?
10/06/2016 21:36:35
Aii. Seu malvado!! Espero que o Gustavo acredite no Pedro. Pena que esta acabando. :'( Espero que o Gui arrume alguem para deixar de ficar empatando os outros. bjs

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.