Casa dos Contos Eróticos

Tudo tem um começo, mas será que era o fim ?

Autor: 3 é ímpar
Categoria: Heterossexual
Data: 01/04/2016 14:11:43
Última revisão: 01/04/2016 14:23:57
Nota 10.00
Ler comentários (4) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Antes de qualquer coisa, perdoem-me mais uma vez pela demora da continuação. Quem está lendo este conto, ele é um complemento dos anteriores....Cliquem ai no meu Nick "3 é ímpar" e se interem sobre como tudo isso começou ! "Tudo tem um começo" - " Tudo tem um Começo e um meio " - "Tudo tem um começo um meio, mas ainda não era o fim ".

Depois que tinha traçado as três, me sentia o maioral, o cara, o poderoso e outros adjetivos que não me cabiam no ego de tão inflado que estava. A confusão também era grande na minha cabeça, pois gostava de Cristina, mas Dani era mais gostosa, Renata era mais bonita, mas não deixava gozar na boca, Cristina não gostava de fazer boquete e Dani ( que tinha um rabo lindo ) engolia até a última gota, mas não dava o cuzinho de jeito nenhum. Puta que pariu ! que dilema danado.Mas mesmo assim as "Brincadeiras ( Putaria na manilha )" vivam acontecendo com constância.

Conversei com Cristina sobre a vontade de comer o cuzinho da Dani e ela disse que isso não seria possível, mas que ia ver como resolver o meu problema...Pronto ! a fantasia veio logo na minha cabeça : Cris vai me dar a bundinha e eu vou me fartar da vontade que tenho nela.

Os dias foram passando e eu impaciente com a promessa de Cristina, e ela só dizia pra ter calma que ia resolver o meu problema; Não me restava mais nada a não ser esperar, afinal ela sabia como conduzir as coisas e como planejar tudo.

Em um dia de sábado à noite eu estava em casa e ouvi alguém chamando no portão, mamãe que estava mais próximo a porta, se levantou pra ver quem era e falou bem alto : Entra Cristina...Meu coração quase saiu pela boca ! O que será que aquela doida tinha ido fazer lá em casa, pois ela raramente ia em minha residência a não ser quando ia acompanhada da tia Lúcia. Bom, como que morre de véspera é Peru, resolvi aguardar ela entrar e ver o que ia acontecer. Ela sentou no sofá ao meu lado a convite de minha mãe e começou a conversar e falar sobre Igreja, culto e etc. Eu estava estranhando aquilo tudo, mas como ela era estrategista eu resolvi não me meter no assunto; Ela sabia que aos domingos pela manhã minha mãe ia aos cultos da Igreja e disse que ela, Dani, Renata queriam ir também pra conhecer como era. Combinaram de estar na manhã seguinte por volta das 7:30 da manhã, pois queriam conhecer a tal da Escola Dominical. Se despediu de minha mãe e eu fui acompanhar ela até o portão; Disse pra ela que não estava entendendo nada. Por quê você que ir pra Igreja ? E ela disse na lata : Você não quer comer um cuzinho ?...Amanhã realizo sua fantasia.

Pronto...Fiquei em ponto de bala na hora, mas ela saiu rebolando e rindo em direção à sua casa.

No dia seguinte, as 7:30 h da manhã, lá estavam as três "Carolas" prontas para acompanharem mamãe ao tal culto. Eu como não gostava de ir para Igreja e minha mãe não insistia mais, estava pronto pra ir jogar uma pelada no campinho de futebol que ficava próximo de casa, já desiludido com a minha fantasia que não ia acontecer naquele dia.

Quando de repente, Cristina vira pra minha mãe e pergunta quem é que ia preparar o almoço ? já que minha irmã também não estava em casa. Mamãe respondeu que não precisava se preocupar, pois já tinha deixado algo adiantado na geladeira e que quando chegasse terminava. Cristina de pronto se ofereceu para ficar e preparar o restante do almoço, pois elas todas iam almoçar conosco e me fez prometer que ia ajudar lavando a louça; Na hora respondi que sim, pois já tinha imaginado o plano daquela puta travestida de menina...

Fomos até o portão acompanhar a procissão...Nos despedimos e já entrei todo animado ! E ela rindo o tempo todo; Adentramos em casa e já fui como um tarado dando um beijo daqueles bem apaixonado e fui retribuído ( Acho que ela também mantinha um sentimento por mim ). A coisa ficou quente e ali mesmo na sala começamos o amasso e ela começou uma chupada maravilhosa, fomos para o chão, nos acomodamos no tapete bem confortável que tinha na sala, coloquei uma almofada nas cabeça e relaxei...Coloquei as duas mãos atrás da cabeça ( Acho que isso é uma reação natural de todo homem ) e fechei os olhos; Não durou nem dois minutos e senti quatro mãos nas minhas pernas e coxas, na minha inocência, achei que era umas das meninas que tinha desistido do culto e tinha vindo se juntar a nós ! Surpresa do cacete quando olho e vejo Roni observando de perto o boquete de Cris; Dei um pulo na hora...Envergonhado da situação e sem entender como e porque ele estava ali. Cris me disse pra relaxar e que tinha convidado Roni pra "Brincar" conosco um pouco...Deixei rolar, mas meio desconfiado e com um ciúme danado, principalmente quando vi Cristina me chupando e empinando a bunda pro lado dele.

Sem perder tempo o filho da puta penetrou ela e ela gemeu na hora olhando pra trás com a cara das mais safadas da puta ( Que raiva da porra ), chupando um macho e tomando na xota de outro. Mas deixei rolar, afinal tava bom demais sentir aquela boca em mim. Roni gozou logo, era muito afoito, acho que não deu cinco minutos e ele desmontou de cima dela. Eu ainda não tinha gozado, pois não estava muito confortável com a situação e Cris também reclamou de Roni, pois foi rápido demais e não deixou ela gozar e já saiu de cima. Ela continuava concentrada e chamou ele pra ver mais de perto e eu já comecei a imaginar o que ela estava querendo aprontar. Ele deitou e ficou com o rosto colado a na minha virilha e ela as vezes tirava a boca e ria pra ele e voltava a chupar; Dai começou uma troca de beijos entre os dois, ela chupava um pouco e depois beijava ele. Dai pra ele começar a me chupar foi pouco; Olhei pra ela meio que espantado e ela colocou o dedo indicador nos lábios, como que pedindo pra que eu não falasse nada e deixasse rolar e assim eu fiz e voltei a colocar as mãos atrás da cabeça e fechei novamente os olhos; Acho que aquele filho da puta andava fazendo favores para os outros meninos da rua, pois chupava o meu pau com profissionalismo, mas eu não conseguia gozar, por mais gostoso que estivesse eu ainda não estava bem à vontade.

Abri o olho de repente e não vi Cris perto de nós e fiquei procurando na sala até onde os meus olhos alcançavam e vejo ela saindo do quarto de mamãe com um vidro de óleo de massagem nas mãos, achei que ia ganhar uma massagem, mas não...Ela se sentou para observar o boquete de Roni, que a essas alturas já estava bem acomodado, deitado entre as minhas pernas e tentando me fazer gozar...Não consegui segurar e senti o meu pau pulsar forte, achei que Roni ia tirar a boca quando avisei que estava gozando, mas Cris já estava segurando a cabeça dele firme para não tirar a boca e ele não tirou...Gozei muito forte, muito mesmo e ele engoliu tudo e ainda limpou até o que não tinha mais, apertando a glande para aproveitar tudo o que podia; Quase desmaiei.

Cristina fazia uma afago na cabeça dele e ele ria e agradecia a ela pela oportunidade e me disse que há muito tempo tinha vontade de me chupar, mas tinha vergonha de me dizer, pois achou que eu não ia gostar da idéia. Ficamos conversando por uns minutos e um acariciando o outro. Eu já fazia um cafuné em Roni e Cristina começou a passar o óleo nas costas dele, fazendo uma massagem e nesse meio tempo, enquanto ele recebia a massagem de Cristina, pediu que ela colocasse um pouco de óleo na mão dele e ele começou uma massagem no meu pau também...Eu estava no Paraíso; Já estava à vontade e sem barreiras para aquela relação Homossexual. Roni voltou a me chupar e prontamente o meu mastro respondeu e enquanto ele fazia o serviço eu acariciava o seu cabelo em forma de agradecimento; Foi quando vi Cristina pegar uma almofada e colocar em baixo da barriga de Roni, fazendo ele empinar a bunda. Ela começou a punhetar ele lentamente, enquanto passava o bendito do óleo na bunda dele e de vez em quando escorregava o dedo no cuzinho dele e ele soltava um suspiro...Ele tava gostando daquilo e eu achando engraçado. Foi quando ela piscou pra mim e olhou para a bunda dele como se estivesse me oferecendo...Eu fiquei um pouco paralisado, mas entendi o recado....O tal cuzinho que ela tinha me prometido, não era o dela....Era o dele. Pensei "Foda-se"....Um cuzinho é um cuzinho; Trocamos de lugar, ela deitou-se na frente dele, fazendo ele chupar ela também e eu me posicionei atrás com o pau em brasa de tão duro que estava.

Posicionei a cabeça na entrada e vi que ia ser difícil, ele ainda não tinha dado o rabo pra ninguém. A lubrificação que Cris tinha feito antes, ajudou e muito...Nada que uma forçadinha não resolvesse e assim foi. A cabeça foi de uma vez só, ele deu um pequeno ai....E eu parei e fiz uma pergunta meio que idiota : Ta doendo ?...Ele disse que doeu um pouco, mas que dava pra aguentar e que eu fosse devagar, pois eu era o seu primeiro homem. Cristina se excitava com a situação e me olhava com aquela cara de puta que só ela tinha. Comecei a empurrar mais um pouco e centímetro por centímetro foi entrando e eu me excitando cada vez que escutava ele dizer...Ai...ai...ai...ai...Só parei quando vi que não tinha mais o que por pra dentro e comecei a lamber a orelha dele e ele se arrepiava, empinava mais a bunda, procurando uma forma mais confortável de me receber e ao mesmo tempo ele tentava se esquivar de Cristina, mas ela forçava a cabeça dele para continuar chupando ela enquanto eu prendia ele com o corpo ( Estávamos usando ele para nosso bel prazer e não tínhamos percebido ). Comecei a ensaiar um vai e vem, mas ele reclamou da dor e pediu para que eu não me movimentar e permanecer ali dentro sem me mexer. Disse a ele que não tinha como, pois não teria como gozar desse jeito; Ele ficou quieto então e como quem cala consente, fui com tudo e quanto mais ele chorava, mais eu me excitava...Acho que meu pau nessa hora ficou bem maior do que era de costume.

Aquilo estava bom demais e eu queria eternizar aquele momento, mas a natureza dos hormônios falou mais alto e comecei a gozar e ele a chorar, pois as estocadas estavam mais fortes e firme, mas sinceramente, eu não estava nem ai para o que ele estava sentindo, pois quem está na chuva é pra se molhar ! Cristina tentava abafar o choro dele, prendendo ele com a cabeça entre as pernas dela e ela parece que gozou junto comigo vendo o sofrimento dele.

Ela era foda ! Articuladora, dissimulada, dominante....Uma puta brotando naquela ninfeta.

Terminamos, mas creio que não foi tão bom assim pro Roni, pois eu estava exausto e ela com cara de satisfeita. Nos dirigimos ao banheiro, nos limpamos, tomamos banho juntos, mas sem dar continuidade...Voltamos à sala e colocamos tudo em seu devido lugar...Roni foi pra casa, com um semblante não muito bom, mas com certeza não estava arrependido.

Cristina assumiu o compromisso feito com minha mãe de terminar de preparar o almoço e eu de ajudante lavando e secando a louça que ela sujava; Volta e meia tirava um sarro dela e ela me retribuía com um beijo. Terminamos na cozinha e ficamos na sala como dois santos aguardando as Carolas chegarem o que não demorou muito tempo pra acontecer.

Aquela Capeta em forma de menina, tinha me ensinado mais uma coisa sobre o prazer do sexo que eu ainda não conhecia...E sou apaixonado por ela até hoje !

Mas ainda tem mais....Depois conto um pouco mais.....

Comentários

21/09/2016 18:00:56
Essa sua trilogia muito boa...
17/08/2016 13:48:24
gostei muito,....
06/07/2016 15:59:22
Que dó do Roni! Tomara que ele receba um carinho na próxima! Mesmo assim, muito bom. Continua logo!
07/04/2016 10:01:43
Obrigado a todos que tem lido os meus contos, em breve continuo...Aproveita e deixa uma boa nota ai.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.