TEENS (Parte - 43)

Era fim de semana e Will estava em casa, um dia depois da reconciliação com o namorado.

Tocam na porta e ele vai atender.

Kauã entra.

Will: O que você está fazendo aqui?

Kauã: Vim falar com o filho da puta!

Will: Kauã você me prometeu não fazer escândalos e não contar para os meus pais, por favor!

Kauã: Isso depende dele. Onde fica o quarto desse otário?

Will: Kauã...

Kauã: Onde William, me fala!

Will: Tá, tá... Baixa a voz minha mãe está no jardim dos fundos. - Suspirou. - Vem.

Kauã o acompanhou.

Will subiu as escadas devagar e o levou até o quarto de Marc...

Kauã entrou depois dele e bateu a porta com força, Marc estava dormindo e acordou na hora, estalou os lábios com impaciência. - O que foi agora?

Kauã o pegou pela gola da camisa. - Você acha mesmo que somos burros? Que não iriamos descobrir a verdade? Você drogou o William para transar com ele!

Marc riu. - Você bebeu?

Kauã: Vai negar? Tem certeza que quer mesmo se defender negando? Arruma outra defesa porque a qualquer um que William contar o que aconteceu com ele aquela noite com detalhes tem a certeza do que você fez!

Marc ficou sério. - Ninguém tem como provar!

Kauã: Não precisa, você acha que os pais dele vão ligar para provas quando eu contar tudo?

Marc: E o que você quer para não contar?

Kauã: Que você saia daqui, suma e não volte, quero você longe dele!

Marc se soltou. - Tudo bem... Eu vou!

Kauã: Fácil assim? Tudo bem, vejo que você é uma pessoa inteligente, estava disposto até mesmo a contar tudo aos pais dele se necessário.

Apontou o dedo na cara de Marc. - Só não te dou a surra que merece, porque os pais dele vão perguntar porque e ele não quer que eles saibam, mas não pense que está livre, se até amanhã você ainda estiver aqui, eu conto tudo!

Kauã saiu auterado com Will atrás dele, parou no corredor e Will o abraçou por trás.

Will: Amor.

Kauã virou. - Não menti William, se ele não fosse eu contaria tudo de verdade, mesmo que você nunca mais olhasse para mim! Estamos falando da sua segurança...

Will: Te entendo.

Kauã: Só quero te proteger amor.

Se beijaram.

No dia seguinte Marc saiu da casa de Will, disse que iria morar no AP de uns amigos, talvez fosse verdade, na inocência seus pais insistiram que ele ficasse, mas ele se foi.

Uma semana depois...

Era semana de prova e todos estavam apreensivos pois cada um tinha dificuldade em uma matéria diferente.

Estavam em frente a sala de aula conversando.

Will: Puts odeio história, simplesmente não entra na minha cabeça. - Will estava sentado no braço da cadeira onde Kauã estava e o mesmo passava a mão nas suas costas.

Kauã: Até que eu gosto de história, odeio português.

Ber: Ah é o fim. Simplesmente odeio também.

Bruno: Eu gosto, detesto matemática!

Vic: Eu também, mas para você deve ser bom, tem um professor só para você!

Todos riram.

JP: Não curto geografia, mas até que quebro um galho.

Rafa: Eu não tenho dificuldade em nada!

Kauã: Falou o nerd.

Will: Murilo também é bom em tudo, pena não está aqui.

Vic: Semana que vem a gente vai pra lá, continua em pé, não é galera?

Todos afirmaram e começaram a falar animados...

A semana de provas passou e na segunda todos foram ver suas notas.

Will saiu da sala pulando de alegria junto a Vic.

Kauã estava chegando. - E?

Will: Livres, finalmente livres!

Vic: UUUUhhhh - Saiu gritando.

Kauã entrou, uma professora estava dando os boletins, ele pegou o seu e começou a comemorar, saiu da sala.

Kauã: Issoooo.

Will: E?

Kauã: Quase fico em português, foi encima da média, mas conseguiiii...

Will abraçou ele.

JP, Rafa e os gêmeos apareceram.

JP: Fiquem para esperar meu velório, por favor!

Vic: Ah não JP, todos vocês tem que passar, não vai ter graça ir para a fazenda sem vocês!

Ber: Eu não prometo nada, português é o meu fim.

Will: Mas a gente te ajudou na prova!

Ber: Mas na redação eu devo ter me ferrado.

JP: A prova de geografia estava horrível!

Vic: Eu te ajudei.

JP: Mas a professora não saiu do meu pé!

Kauã: Os professores já são vacinados com JP, ele é o que mais cola.

Todos riram.

JP: Mas ainda deu para dá umas olhadas, só não sei se foi o suficiente. E você Bruno?

Bruno: Tenho quase certeza que fiquei em matemática!

Ber: Mesmo eu tendo te ajudado?

Bruno: Você sabe que não sou bom em colar. Tenho medo de me pegarem, sempre foi assim!

Rafa: Vamos logo! Povo chato.

Ber: Você fala porque não tem medo de ver o resultado, sabe que passou em todas!

Entraram.

Vic, Kauã e Will ficaram esperando...

JP saiu pulando. - Passeeeei, me arrastando mais passei.

Todos riram.

Ber e Bruno saíram tristes.

Ber: Recuperação nos aguarda!

Vic: Aaahhh que pena gente!

Rafa saiu sem comemorar nem nada, para ele era natural, as vezes nem olhava, sabia que havia passado em todas.

Beijou Vic.

Bruno: Mandem um oi para o Murilo e o Manuel, OK?

Ber: Sim, meu também.

Vic: Vou sentir saudades.

Todos abraçaram os gêmeos.

8 dias depois na segunda...

Lorena: William ainda tenho dúvidas quanto a isso!

Will: Mãe, eu já disse um milhão de vezes que Kaio vai com a gente, ele é um adulto OK?

Bernarno: Todos os outros pais deixaram Lorena, que coisa!

Will: Mãe, minha mala já está pronta.

Buzina de carro...

Will: Viu? Chegaram!

Lorena: Toma cuidado tá?

Will beijou a mãe e o pai e saiu correndo arrastando a mala.

Kaio colocou sua mala no porta-malas e entrou novamente no carro junto a Will.

Dentro já estavam Kauã e Vic atrás e JP na frente, Rafa iria com o motorista depois.

Will: Ué cadê o nerd?

Vic: Vai nos encontrar lá depois.

2 horas depois...

Na fazenda...

Murilo: Estou tão ansioso, morro de saudade de todo mundo!

Manuel: Eles já devem está chegando.

Barulho de carro.

Murilo saiu correndo igual um louco, Will e Vic foram os primeiros a saltar do carro.

Murilo: Aaaaahhhh...

Will o abraçou. - Como você está? Tudo bem? Sentiu algo esse tempo? Fiquei tão preocupado!

Murilo: Não, na verdade senti muita saudade de todo mundo, tenho tanta coisa para contar para vocês!

Kauã, JP e Kaio saíram e também abraçaram Murilo.

JP: E onde está o Manuel?

Manuel: Perguntando por mim?

Todos correram até ele também, mas Will e Vic ficaram.

Will: Me fala a verdade, como está sendo para você?

Murilo: Olha, esses dias foram os melhores dias da minha vida! Ter ele comigo o tempo todo sem ter que fingir para ninguém, foi maravilhoso.

Vic: Mas... Sempre tem um "mas".

Murilo: Tem os meus pais, eles ainda podem nos encontrar e também sinto tanto por eles, não queria perdê-los.

Vic: Eu entendo.

Enquanto isso...

Kaio, JP e Manuel entraram na casa.

JP: Cara como foi esses dias?

Manuel: Quer mesmo que eu conte? Quer saber das minhas transas? De eu com ele 24 horas por dia...

JP: Claro que não só quero saber se foi bom, ou sei lá...

Manuel: Foi ótimo, foi maravilhoso, foi quase uma lua de mel! Se é que me entendem.

Kaio riu.

Manuel: Aqui não tinha ninguém de quem tivéssemos que nos esconder, só eu e ele. Foi maravilhoso.

Kaio: Você já pensou no que vai fazer?

Manuel: Pior que não. A única saída que vejo é irmos para longe, mas não entra um lugar assim sabe, e é difícil ir... Deixar todos que conheço e apesar de tudo eu amo os meus pais.

Kauã: Compreendo!

Murilo foi até o estábolo junto a Will e Vic.

WILL começou a fazer carinho em um cavalo. - Que lindo!

Vic: Murilo desculpa, mas vocês já pararam para imaginar o que fazer se seus pais os encontrarem?

Murilo cresceu os olhos. - Deus me livre, isso jamais pode acontecer!

Vic: Mas vocês tem que pensar nessa possibilidade!

Murilo: NÃO. JÁ DISSE QUE NÃO!

Will e Vic se olharam chocados e se calaram.

Os três voltaram para casa e os outros estavam bebendo e conversando.

Kaio: Quem aqui além de mim e do Kauã sabe montar a cavalo?

Manuel: Eu sei, todos estes dias levei Murilo para dá uma volta.

Kaio: Ótimo, eu sei de um lugar maravilhoso que podemos nos divertir muito!

Kauã: Fala da cachoeira?

Kaio: Exato.

Will: Eu bem me lembro o que rolou a ultima vez que estivemos em uma cachoeira.

Kauã morreu de rir.

Murilo: Foi no acampamento da escola, também me lembro.

Vic: Como o tempo passa rápido!

Will: Sim.

Vic: Podemos esperar um pouco? O Rafa está para chegar.

Kaio: Claro!

Longe dalí...

Os gêmeos estavam na escola para a recuperação.

Ber: Ninguém merece!

Bruno: Bem, te vejo daqui a pouco.

Eram aulas diferentes, pois Ber ficou em português e Bruno em matemática.

Bruno: Uma pena, gostaria de ver o Murilo e o Manuel, gostaria de ter ido para a fazenda do Kauã!

Ber: Eu também.

O diretor ia passando na hora. - Garotos, já para a sala!

Ber: Já estamos indo.

Foram andando.

Bruno: Será que ele ouviu?

Ber: Espero que não.

Bruno entrou na sua sala primeiro e Ber ficou perdido nos seus pensamentos quando escuta: Hora, olha quem ficou também!

Ber teve um susto e virou vendo Ângelo, suspirou com impaciência. - Não acredito, eu só posso ter atirado pedra na cruz.

Olhou para ele. - Desde a surra você deixou de me azucrinar, vai começar de novo?

Ângelo pegou no braço de Ber e saiu arrastando-o para uma das muitas salas vazias, foi de repente e ele não o parou.

Chegando lá o garoto fechou a porta.

Ber: O que você quer? Pirou?

Ângelo o pegou e colocou contra a parede.

Ber: O quê? Vai me matar?

Ângelo não respondeu nada, não falou, só agiu, o beijou da maneira mais selvagem possível, metia suas mãos por baixo da camisa de Ber, tocando em sua pele. Ber o afastou, estava arfando.

Ber: Cansei desse jogo, OK? Quero que me diga o que quer de mim, quero que escolha continuar sendo este homofóbico sozinho e sem amor, ou a mim.

Ângelo olhava para sua boca vermelha enquanto ele falava, seu cabelo loiro, seus olhos azuis...

Ber: Escuta bem, pense, eu fico com você agora porque também quero, estou louco por você! Mas se você continuar sendo esse homofóbico, se vir me bater novamente ou ficar com piadinhas, adeus. Eu não tenho nada a perder Ângelo, estou extremamente atraído por você, mas até agora é só. E posso muito bem seguir em frente a procura de um futuro amor, então isso que temos vai para frente só se você quiser, está nas suas mãos.

Ângelo baixou a cabeça.

Ber: Ainda está afim? - Desabotoou sua calça e sentou no birô de pernas abertas, Ângelo mordeu o lábio e foi até ele.

Ambos voltaram a se beijar enquanto Ber desabotoava a calça de Ângelo, colocou a mão dentro da sua cueca e começou a masturbá-lo.

Ângelo apertava suas costas pegando com vontade por baixo da sua camisa e sentindo sua pele. Ber desceu do birô baixou a parte de trás da sua calça e sua cueca e empinou a bunda apoiando os cotovelos no birô.

Ângelo cuspio nos dedos e passou na cabeça penetrando-o logo após, depois começou a ir e vir enquanto Ber gemia baixinho.

Aumentavam a velocidade e Ângelo segurava em sua cintura, Ber mordia seu antebraço com a cabeça deitada no birô, suas pernas já estavam ficando moles de tesão e ele estava quase gozando, então começou a se masturbar gozando em seguida.

Ângelo o penetrava rapidamente e sentindo Ber gozando e o apertando dentro dele o fez gozar também.

Os garotos ficaram parados por um tempo, então Ângelo saiu de dentro dele.

Ber pegou um lenço dentro da mochila e se limpou jogando-o no sexto de lixo da sala de aula e Ângelo pegou uma folha na sua que não servia muito, mas quebrava um galho.

Ambos se vestiram e Ber o olhava.

Ângelo: O que foi?

Ber se assustou, pois foi a primeira vez que Ângelo falou depois de rolar algo entre eles.

Ber: Só estava tentando decifrar se você me escolheria ou escolheria a homofobia.

Ângelo: Acho que você já sabe a resposta!

Ber: Não, mas gostaria logo de saber, pois tem um garoto da minha turma que tá pintando um lance! - Blefou.

Ângelo pegou Ber pela cintura e o colou em seu corpo. - Você não vai ficar com ninguém, tá entendendo?

Ber: Então, vai deixar esse preconceito de lado?

Ângelo estalou o lábio.

Ber: E? É para ontem Ângelo, tenho uma vida toda pela frente, não vou ficar esperando toda ela por você!

Ângelo: Você acha mesmo que isso é fácil para mim? Assumir a mim mesmo que sou isso?

Ber: Isso? Isso o quê?

Ângelo: Você sabe.

Ber: Não, não sei. Fale a palavra!

Ângelo: Não.

Ber: Vamos fale...

Ângelo: Gay tá legal? Sou gay satisfeito?

Ber: Muito. Pensei que você não se assumiria por mim, que escolheria continuar vivendo uma mentira.

Ângelo sentou na cadeira de cabeça baixa com fisionomia de um derrotado.

Ber: Ângelo você tem que se sentir feliz, tem que saber que no mundo existe outros iguais você, você não está só. Aqui você tem a mim, eu estou do seu lado, eu vou te ajudar a se aceitar! Não precisa ter raiva do mundo, ou de outros iguais a você.

Ângelo: Jura?

Ber: O quê?

Ângelo: Que vai me ajudar. Não sei o que fazer, entende? Minha vida é de ódio e raiva e não me vejo eu mesmo me aceitando... É como se eu tivesse sido derrotado!

Ber: Como assim?

Ângelo: Se assumir para mim mesmo é como se houvesse me rendido, como se esse lado oculto que eu tentava reprimir tivesse vencido. Eu tenho ódio... - Falou já se exaltando.

Ber: Ssssshhh... Não vamos colocar tudo a perder. - O abraçou. - Já tivemos um grande progresso aqui! Não volte a estaca zero, não se reprima de novo. Você me tem agora, vamos fazer um pacto.

Ângelo: Qual?

Ber: Essas férias vamos passar juntos, você completamente livre, vamos passar namorando. Se no fim você ainda quiser voltar para sua vida de ódio e homofobia eu te deixo livre, mas se quiser oficializar nosso namoro então continuamos juntos. Topa? - Estirou a mão.

Ângelo o olhava de olhos serrados. - Topo!

Ber sorriu. - Então, a partir de agora estamos juntos.

Ângelo ficou olhando-o.

Ber: E?

Ângelo: E o quê?

Ber: E o meu beijo?

Ângelo deu um meio sorrisi olhando para o outro lado.

Ber virou seu rosto para ele e o beijou.

Ber: É a primeira vez que te vejo sorrir e sabe o que eu acho?

Ângelo: O quê?

Ber: Seu sorriso é lindo.

Ângelo baixou a cabeça envergonhado, Ber a subiu e o deu outro beijo.

Longe dalí...

Todos continuavam conversando na grande varanda da fazenda quando um carro para em frente e Vic corre até ele porque reconhece.

Rafa sai.

Vic: Amooor. - O beija.

Rafa: Desculpa a demora mas minha vó ficou enxendo o saco.

Vic riu.

Rafa foi até lá e abraçou Manuel e Murilo.

Kaio: Rafa você sabe montar?

Rafa: Sim, meus avós tem uma fazenda.

Kaio: Ótimo. Kauã você leva o Will, Manuel leva o Murilo e o Rafa a Vic.

Todos foram.

Kaio pediu para um peão encelar os cavalos.

Will: Kauã você vai ter que ter paciência, porque eu nunca subi em um cavalo na minha curta vida!

Vic: Eu também não amor.

JP: Faço minhas as palavras do Will!

Kaio riu.

Murilo: Gente relaxa.

Kauã: Vem, eu te ajudo.

Will tentou subir com Kauã ajudando-o mas não conseguiu e acorregou.

Kauã morreu de rir.

Will: Se continuar rindo desse jeito eu não vou mais!

Kauã: Não amor, vem eu te ajudo.

Enquanto isso, Vic já estava montada. - Ai gente, é fácil.

Will: Falou a sabixona!

Vic mostrou a língua.

JP também ainda não tinha conseguido. - Caralho, se eu não conseguir não quero mais.

Kaio agarrou JP e colocou lá encima. - Pronto Conseguiu.

JP: Ah assim não vale!

Kaio: Vale sim.

Kaio: Dá licença maninho.

Fez o mesmo com Will. - Pronto. Agora vamos. Se continuar desse jeito a gente só sai daqui amanhã.

Vic morria de rir junto a Murilo.

Os casais foram encima dos cavalos...

Will estava emburrado mas logo foi esquecendo a raiva, os braços de Kauã rodeando seu corpo para pegar as rédias e a respiração dele em seu pescoço o deixava derretido!

Will: Nossa, é até de certa forma romântico!

Kauã: Você acha? Tá te dando tesão? Lembra que vamos para uma cachoeira hein?

Will sorriu.

JP também estava encantado com Kaio atrás dele guiando o cavalo.

JP: Sabe que isso te deixa ainda mais irresistível?

Kaio: Mesmo?

Kaio gritou: Chegamos galera!

Manuel desceu e ajudou Murilo a descer. - Caramba esse lugar é lindo, se soubesse dele tinha vindo com Murilo antes!

A queda d'água da cachoeira era imensa, a água tão transparente que dava para ver os peixes nadando, as árvores eram altas e alguns raios de sol atravessavam os galhos e batiam na agua fazendo-a brilhar.

Will: Amor me ajuda a descer?

Kauã ajudou Will.

Will: Já estou louco para entrar nela. - Tirou a camisa, a calça, ficou apenas de cueca e pulou na água.

Kaio: Esse não perde tempo hein?

Kauã: Mas ele tá certo, ficar só olhando é perca de tempo.

Kauã fez o mesmo.

E assim todos fizeram, com pouco já estavam todos na água brincando.

Kauã foi atrás de Will. - Que tal fazermos o que fizemos naquela vez?

Will: Kauã você é louco!

Kauã: Você tambem tá com vontade.

Kauã desceu a parte detrás da cueca de Will e começou a penetrá-lo.

Will: Devagar, alguém pode perceber.

Enquanto isso...

JP estava conversando com Kaio quando Manuel veio por trás e o empurrou, ambos começaram a jogar água um no outro e Vic e Rafa entraram também, Murilo e Kaio riam sentados em uma pedra.

Ninguém percebia que naquele momento Will e Kauã transavam.

Kauã começou a ir mais rápido.

Will: Devagar, vão perceber. - Mordia o lábio discretamente.

Kauã: Vão nada, estão brincando, nem percebem nada.

Kaio: Vocês não querem vir? - Gritou.

Kauã: Não, estamos conversando algo aqui.

Will: Oh god queria aumentar os movimentos. - Rebolou discretamente.

Kauã pegou em sua quadris e aumentou um pouco, Will gemeu baixinho então os dois gozaram.

Will saiu, subiu a cueca atrás e virou para beijá-lo.

JP beijou Kaio e falou no seu ouvido: Estou com um tesão enorme!

Kaio: Eu também, mas não dá para fazer aqui, espera voltarmos aí você vai ver!

Os dois riram.

A verdade é que ninguém tinha a coragem de Kauã e Will.

Vic e Rafa namoravam no cantinho deles e Manuel e Murilo também...

O tempo passou e já era quase noite...

Longe dalí...

Os gêmeos estavam jantando, Dani tinha ido visitá-los e deixou Rafinha com a amiga, já estava mais a vontade com os pais de Bruno.

Estavam a mesa.

Beatriz: Está gostando querido?

Dani: Sim, você cozinha muito bem.

Beatriz: Obrigado!

Carlos: Essa foi uma das coisas que me conquistaram nela.

Beatriz sorriu. - Acordou romântico hoje querido!

Carlos: Você me deixa assim querida!

Ber: Pai, mãe por Deus, a gente está comendo!

Dani riu e Bruno sorriu para ele.

De repente seu cel toca.

Dani: Licença, preciso atender é da minha casa, deixei meu filho com uma amiga.

Beatriz: Atenda querido.

Dani levantou e atendeu, falou um pouco até voltar completamente pálido.

Bruno: Amor o que houve?

Dani: O Rafinha não está bem, eu preciso ir!

Bruno: Mas o que foi?

Dani : Eu não sei.

Foi saindo as pressas e Dani o seguiu.

De volta a fazenda...

Já havia anoitecido e todos já tinham voltado, estavam na enorme sala, bebiam e comiam.

Todos estavam felizes, esqueceram os problemas...

Principalmente Manuel e Murilo que eram os mais preocupados, porém alí conseguiram se divertir, seus amigos estavam com eles e conseguiam de alguma forma os fazer esquecer de tudo.

Quando de repente todos escutam barulho de carros e param, ninguém quis ir olhar...

A mãe e o pai de Will aparecem, traziam um semblante triste...

Logo depois a mãe de Kaio e Kauã...

Logo atrás vinham os pais de Vic e a mãe de Rafa.

Ninguém entendia o que estava havendo alí, o porque deles terem ido.

Will: Os gêmeos!

Murilo cresceu os olhos.

Vic: Aconteceu algo com o Ber ou o Bruno?

Ninguém respondeu.

Will: Fala alguma coisa mãe!

Quando de repente surgem os pais de Murilo e Manuel.

Os dois pararam, Murilo já ficou com seus olhos marejados e Manuel baixou a cabeça como se assumisse que não podia fazer mais nada.

Will colocou a mão na cabeça e JP e Kauã se entreolharam.

Ninguém falava nada, apenas esperava as palavras dos pais dos irmãos que se amavam...

Será mesmo um amor impossível? Será toda essa luta em vão? Irão finalmente separá-los? Manuel e Murilo se faziam essa pergunta.

Murilo pegou na mão do seu irmão discretamente, sentia medo, sentia muito medo e ele de certa forma ainda o dava forças.

∵∵∵∵∵∵∵∵∵∵∵∵

Gente a próxima parte é a penúltima, logo mais Bella postará "O Garoto de Programa".

Amanhã ou hoje ainda eu posto a penúltima e última parte.

Foi um prazer voltar e mostrar mais um conto a vocês...

Beijos galera.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
14/04/2017 19:46:19
💓 amando
17/05/2016 12:54:33
Muito bommm
03/04/2016 16:10:28
Otimo
02/04/2016 06:01:38
BOM, NADA É PERFEITO. VEREMOS O DESENROLAR DO PRÓXIMO CAPÍTULO.
02/04/2016 01:30:18
estou ansioso ...beijão
01/04/2016 23:22:04
Simplesmente amo esse conto!
01/04/2016 15:51:53
Meus parabens esses contos é um dos tops
01/04/2016 15:36:01
Oi Alex lindas palavras no final a vida nao é um mar de rosas eu sei mas é muito bom ter alegrias na nossa vida nao é vdd. Entao te agradeço por vc ter escrito esse maravilhoso conto e espero sinceramente que nao seja o ultimo. Pq amos seus contos e sua forma de escrever. Bem sobre o conto acho que o amor supera barreiras e preconceitos entao acredito que o amor vencerá e trará a luz aos pais de murilo e matheus. bjos
01/04/2016 15:07:24
Massa
01/04/2016 13:03:17
Digos2 Murilo vai dá uma lição em todos, digamos que vai dá tapas, só que tapas morais rsrsrs símbólicos... Não posso soltar spoiler. Beijos.
01/04/2016 12:44:38
Porque o Murilo não acorda pra vida e da 3 tapa na cara deles ashuashua. Abraços 😄
01/04/2016 12:38:19
Vocês me inspiraram a escrever também. Amo os seus contos. Perfeitos!
01/04/2016 12:08:45
Tah 100% boom, tô acompanhando sempre Alex, mas faz uma forcinha e posta ainda hj pfvr hehehe to ansioso dms.
01/04/2016 11:14:36
Claro que não vão conseguir separar os dois. Tomara né :/
01/04/2016 11:10:14
PERFEITO Alex, como sempre né. Só quero que os meninos fiquem juntos e que o Marc não pertube mais Will e Kauã. Aguardando a parte final 😉... 👌👌
01/04/2016 10:57:34
Carlos0202 na verdade sim, ainda vou postar a penúltima e a última parte, porém já resolvi fazer este texto de despedida desde agora, não sei se postarei outro conto após TEENS, talvez sim talvez não... Se for não sei se vai ser adolescente. Desde já obrigado por ter acompanhado meu conto. Beijos.
01/04/2016 10:34:24
isso nao foi uma despedida ne? e com certeza teens foi um dos melhores conttos que ja assisti e o tipo de conto que eu mais gosto sao de adolecentes e uma alegria diversao sao os principais contos que eu vejo bom eu so leio contos que eu gosto e esse nao foi diferente espero que vc poste outro com adolecentes pq concerteza eu vou ler