Casa dos Contos Eróticos

virei submissa do meu cunhado, 11

Autor: o barão
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 30/01/2016 23:43:51
Nota 9.40
Ler comentários (4) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Depois de ser abusada pelo senhor Saul, no meu primeiro dia de trabalho, eu ainda devia passar na casa do Heitor.

Eu lembro que cheguei às duas horas da tarde.

O Heitor já estava em casa, quando ele me viu chegando deu um sorriso.

- Olá, Jussara. Como foi o seu primeiro dia de trabalho?

- Foi horrível, eu não vou mais lá.

- Não vai é? Você que sabe. A família é sua.

- Por favor, Heitor. Não me mande pra lá de novo. Vamos fazer um acordo.

- Negativo, você precisa ir, e tem que ser boazinha pro Saul. Aliás, ele me ligou reclamando da sua rebeldia. Por isso, eu vou ter que te dar uma lição de obediência. Agora vá pro quarto e tire a roupa.

- Sim senhor.

Eu fui pro quarto e tirei toda a minha roupa, e fiquei esperando o Heitor.

Logo depois, ele entrou, trazendo um chicote na mão.

- Agora eu vou te dar dez chicotadas. Se você gritar eu dou mais dez pra cada grito.

- Por favor, Heitor, não precisa fazer isso. Eu estou sendo bem obediente. Por favor.

- Você precisa melhorar. Hoje você me envergonhou. Você precisa ser punida. Agora, deite de bruços na beirada da cama e empine bem a bunda.

Eu olhei pra ele, ele olhou pra mim de volta. Então eu virei e empinei bem a bunda pra apanhar.

O Heitor se posicionou do meu lado, ergueu o chicote, ameaçou dar a primeira lambada. Eu contraí todos os meus músculos, esperando a pancada. Mas ele não me bateu, depois ameaçou de novo e não bateu.

Ele fazia isso pra me torturar, e funcionou. A cada espera a minha angústia só aumentava.

Então, ele voltou a erguer a mão e deu a chicotada. Mas ele não acertou em mim, ele bateu na cama. Eu quase gritei de susto. Então ele olhou pra mim e falou.

- Jussara, você vai ser mais obediente?

- Sim, senhor. Eu vou fazer tudo o o Senhor me mandar. Você tem que obedecer tudo que o Saul mandar.

- Sim senhor. Eu vou fazer tudo.

- Tá certo. Então vá tomar banho, depois dê uma limpada na minha casa. Eu vou te aliviar hoje, mas só hoje. Entendeu? Eu não quero mais ter nenhuma reclamação do Saul.

Eu fiquei contente em saber que ele não ia me dar as chicotadas.

- Muitos obrigada, senhor. Muito obrigada.

- Agora, beije os meus pés, mostre que você está agradecida.

Então, eu me abaixei e beijei os pés do Heitor. Depois, eu fui pro banheiro tomar banho.

Enquanto eu tomava banho, o Heitor ficou na porta me observando.

- Jussara, passe as mãos nos seios, depois fique se tocando.

Eu apenas olhei para ele e fiz o que ele mandou.

- Isso, agora fique olhando para mim toque uma siririca até gozar.

Eu fiquei me tocando, depois eu enfiei um dedo em mim. Depois, ele mandou eu abrir bem as pernas. Aí, ele pegou o celular e filmou o meu show.

No começo, eu não senti nenhum prazer, mas depois, com aquela água quentinha escorrendo pelo meu corpo e o meu dedo na minha bucetinha, eu comecei a sentir um pouco de prazer. Eu rebolava, passava a mão no meu seio, apertava o meu mamilo, enquanto mexia bem rápido na minha bucetinha. Mesmo assim, eu demorava pra gozar.

O Heitor desligou o celular, depois mandou eu parar tudo e me enxugar. Aí, ele me pegou e me levou pro quarto, lá ele me jogou na cama e começou a me beijar. Depois, ficou mamando nos meus peitos. Nessa altura, eu já estava entregue. Aí, ele desceu até a minha bucetinha e enfiou a língua nela. Aquilo estava muito gostoso, ele me chupou até eu gozar.

- AAhh, não pára, vai, não pára. Ahhhhhhh, ohhhh.

Depois que eu gozei, ele me mandou chupar o seu pau, pela primeira vez, eu fiz isso com vontade de fazer. Eu lambia a cabeça, depois enfiava tudo até a goela, olhava para ele e sorria. Então, ele abriu as minhas pernas e meteu fundo na minha bucetinha. Ele socava forte e logo eu comecei a sentir prazer de novo , e eu gozei mais uma vez.

- Ahhhhhhh, meu Deus, ahhhhhh.

Depois que eu gozei, o Heitor saiu de cima de mim, ele ficou deitado no meu lado. Eu estava toda mole, e ficava olhando pro teto.

Então, o Heitor mandou eu levantar e começar a limpar a casa.

Eu dei um beijo nele e levantei.

-Jussara, vai andando de quatro.

Ele falou isso pra me lembrar que eu sou sua escrava, e não sua amante.

Mesmo assim, eu não fiquei brava, me abaixei e fui para cozinha andando de quatro.

Ele mandou eu limpar o chão por primeiro, eu fiz isso, depois, eu arrumei a cama, lavei o banheiro. Aí, eu fui lavar a louça. E como devia ser, eu estava nua o tempo todo. Às vezes, ele passava perto de mim e dava uns tapas na minha bunda.

Quando eu estava terminando de lavar a louça, o Heitor me agarrou por trás e ficou me amassando.

Aí, ele me colocou de bruços na beirada da mesa e sem qualquer cerimônia, ele encostou o seu pau na entrada do meu cuzinho. Eu tentei esquivar, mas já era tarde. Ele empurrou o seu corpo contra o meu, ao mesmo tempo em que ele abriu as minhas pernas. O seu pau já estava lubrificado, então ele me penetrou com facilidade. Eu só podia tentar não gritar de dor.

Depois de me penetrar, ele segurou nas minhas ancas e me fodeu com força. Depois, ele puxou o meu cabelo com uma mão, e com a outra, ele dava tapas violentos na minha bunda.

Eu gemia alto de dor. Enquanto ele se deliciava comendo o meu cuzinho.

Soc, soc, soc.

- Ahhhhhhh, que delícia, ahhhhhh.

Agora eu entendi porque ele não gozou na cama, ele queria comer o meu cuzinho.

Depois que ele gozou, eu ainda tive que chupar o seu pau pra limpa-lo.

- Jussara, termine o seu serviço, depois vá pra sala, e não se esqueça, vá de quatro.

Ele falou isso e foi para a sala.

Eu voltei a lavar o resto da louça. O meu cuzinho estava ardendo, e a minha bunda também estava dolorida.

Então, eu terminei o meu serviço, me abaixei e fui para a sala de quatro, como ele mandou.

Ele estava sentado no sofá, assistindo um filme. Apenas olhou pra mim e falou.

- Fica ao lado da TV, de joelhos e com as mãos na cabeça. E não se mexa.

Eu fiquei ali, imóvel. Ele assistia o filme, e olhava para mim.

Depois de meia hora, ele olhou no relógio.

- Já é seis e meia. Você está liberada. Pode ir pra casa.

Eu levantei, me vesti. Quando ia saindo, ele me disse.

- Amanhã você vá direto para o depósito. Chegue antes das oito.

Então eu fui para casa, ver a minha família. Afinal, é por eles que eu suporto todas essas coisas. Mas eu não sabia que o pior ainda estava por vir.

Comentários

21/02/2016 18:10:42
porra esses contos sao muito bons pena que estao chegando no final dos capitulos queria que voce escrevesse ate o capitulo 98 ,,,,99 ou 150..queria que nunca acabasse
01/02/2016 18:08:56
Ótimo
01/02/2016 01:53:59
Muito bom Barão!!! Como será que a Jussara vai se virar em casa no dia seguinte??? Mas antes... como será que ela vai chegar em casa??? Quais serão as novas tarefas dela lá no depósito com o Saul??? Caramba... quantas dúvidas... Ansioso em ler teus excitantes capítulos!!! DEZ!!!
31/01/2016 20:25:20
Deixa de ser mentirosa Jussara, a gente sabe que tu gosta!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.