Casa dos Contos Eróticos

CONTAMINANDO A DONA DE CASA NOVA - PARTE 2

Autor: marcur
Categoria: Heterossexual
Data: 08/12/2015 19:49:44
Nota 10.00
Ler comentários (2) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

CONTAMINANDO A DONA DE CASA NOVA - PARTE 2

© bythecryptkeeper

Christy não podia acreditar na cegueira de seu marido. Dave não via Reggie luxuriosamente olhando para ela como se a despi-la com os olhos de novo. Ele não tinha a menor noção de sua situação horrível. Naquele mesmo momento o gozo de Reggie estava dentro dela, vazando em sua calcinha!

Uma multidão de emoções fluiu através da mente de Christy - raiva, constrangimento e vergonha.

Enquanto ela estava perdida em seus pensamentos, Dave saiu rumo à garagem e ela se viu sentada sozinha com Reggie confortavelmente instalado em sua sala de estar.

Ela saiu rapidamente do sofá e foi para seu quarto.

Christy foi tomar um banho e se preparar para a cama. Ela trancou a porta para se certificar de Dave não viria enquanto ela estava nua e visse os hematomas em desvanecimento deixados por Reggie em seus seios quando inicialmente tentou resistir a ele.

Após a primeira semana, ela tornou-se menos combativa, se submetendo aos desejos de Reggie que agora recorria a métodos menos agressivos de persuasão. Felizmente, a descoloração das marcas em seus seios estava quase no fim - provas incriminadoras do que vinha ocorrendo com a linda esposinha.

Mais tarde, enquanto estava no banho, ela cuidadosamente limpou sua bucetinha vermelha e inflamada, percebendo que mais do repugnante sêmen de Reggie estava no fundo em suas entranhas, muito além de seu alcance.

Quando saía do banho, Dave todo amoroso a abraçou e lhe beijou:

"Sinto muito, querido, eu não me sinto bem esta noite", desculpou-se Christy evitando os avanços de Dave. Ela entrou na cama em sua camisola e fingiu adormecer. Na escuridão, os pensamentos de Christy lembrando do assedio de Reggie e do seu pinto grande e negro a perseguia tornando quase impossível o sono para obter o descanso necessário .

Reggie penetrara fundo como nunca, não apenas sua boca e sua bucetinha, mas também o núcleo de sua feminilidade. Agora imagens pervertidas de sexo com ele a perseguiam incansavelmente.

Com Dave em casa para o fim de semana, Reggie passou o próximo par de dias mantendo distância da casa, cuidando de seu negócio da droga e dando a Christy tempo para se recuperar.

Mas a segunda de manhã chegou muito rapidamente e Christy despertou com Dave se preparando para o trabalho.

- "Querido, por que você não avisa que está doente hoje e fica comigo?" Christy perguntou com um toque de súplica ao marido, alisando alusivamente o lençol que abrangia a sua parte na cama.

- "Baby, eu não posso fazer isso. Leroy já me pediu na sexta-feira para trabalhar algumas horas extras hoje. Eu não vou estar em casa antes das 10:00 horas da noite," Dave respondeu.

- "Por que não você não diz nada sobre ter que trabalhar horas extras?" - Christy lamentou.

Se apenas Dave conhecesse a angustia que perseguia sua pobre esposa - sua fachada externa em silêncio escondia uma turbulência interna que sentia evoluindo como uma violenta tempestade furiosa dentro dos limites do seu peito apertado, com um poder explosivo que empurrava para fora e procurava fugir.

Sem vislumbrar solução, ela mantinha seu desânimo e estes sentimentos firmemente presos, longe de todos, sentindo desespero por perceber que logo estaria sozinha novamente com Reggie.

Como ela se sentou sobre a cama, Dave beijou Christy na bochecha e sem suspeitar de nada, se dirigiu para o trabalho.

Christy pulou para fora da cama em suas calcinhas folgadas de algodão e sutiã e rapidamente vasculhou suas gavetas à procura de algo para correr. Foi uma corrida para sair da casa antes de Reggie acordar.

Infelizmente, Reggie tinha subido no início da manhã e já esperava pela sua oportunidade.

Christy encontrou um par de calças capri oliveiras colorido e blusa bege. Mas antes que pudesse colocá-las, Reggie entrou em seu quarto vestindo apenas um par de folgado short de ginástica preto com uma enorme estufamento, visível na virilha dele.

Ela não pôde deixar de notar os músculos grandes e bem definidos em seu peito escuro.

- "Você pretende ir para algum lugar?" Perguntou Reggie.

- "Eu preciso procurar trabalho. E eu agradeceria se você não viesse mais no meu quarto", disse Christy com uma mistura de irritação e medo.

- "Eu vou entrar em seu quarto a qualquer hora que eu quiser, cadela", disse Reggie com um sorriso avançando para mais perto de Christy.

Christy afastou horrorizada de suas intenções. Sua enorme massa corporal ressaltava e tolhia sua pequena estatura.

- "Por favor, fique longe de mim", Christy humildemente implorou apoiando-se contra sua cômoda, que tornava sua retirada impossível.

- "O que é acontece bebê? Não você quer mais um pouco de amor?" Reggie perguntou sarcasticamente.

Christy balançou a cabeça:

- "Não, por favor, me deixe em paz!"

Reggie puxou para baixo seu shorts, guiando a mão de Christy para Seu pênis colossal. Ela colocou os dedos em torno dele e com lágrimas escorrendo de seus olhos, o empurrou, fazendo movimentos de ir e vir, como um gotejamento rápido a partir de uma torneira pingando.

Christy desprezava o que Reggie a forçava fazer. Mas se ela o fizesse gozar masturbando-o, talvez, pensou, ele não iria querer transar com ela desta vez.

Christy estava a uma polegada de distância e de frente para Reggie vestida apenas com suas calcinhas de algodão e sutiã, sua pele branca contrastando com tez escura e marrom de Reggie. Seu pênis teve uma efeito quase hipnótico sobre ela.

Christy não podia deixar de estudar o falo monstruoso que ela trabalhava com sua mão. Ele sentiu o sangue quente e suave fluir para ele que foi crescendo mais e quase alcançou o umbigo de Reggie. Algumas gotas de um líquido claro e escorregadio começou escorrer do buraco em sua ponta.

Algumas contrações indicavam o prazer que Reggie recebia da pequena mão de Christy e acordou de seu transe. Ela se lembrou que precisava fazê-lo gozar para evitar ter relações sexuais com ele hoje.

Reggie observava a melhora da técnica de Christy; o tempo de seus puxões suaves aumentado, mas percebeu o que Christy estava tentando fazer.

Mas Reggie tinha um auto controle incrível e decidiu deixar Christy abandonar sua dignidade em sua vã tentativa.

- "Oh, sim, é isso. Você gosta do meu pênis, não é menina?" Reggie instigava.

Christy odiava esse covarde aproveitador de esposa indefesa e desejou que o bastardo caísse doente. Mas ela respondeu às provocações de Reggie com o silêncio enquanto se concentrava em fazer-lhe gozar.

- "Oh, eu vou gozar em breve", disse Reggie dando esperança a Christy.

Na verdade, ele não estava nem perto de um orgasmo. Reggie estava meramente recebendo os deliciosos carinhos proporcionados pela mãozinha delicada de Christy em seu pênis como um hábil batedor de punheta na pornografia.

O entusiasmo de Christy para com o trabalho com sua mão em Reggie cresceu para um nível degradante. Uma outra pessoa não envolvido nem familiarizados com a sua situação poderia visualizá-lo como um consentimento ansiosos por parte dela.

Reggie assistia deliciado a aliança de casamento de Christy brilhando eu seu dedo enquanto ela acariciava o pau dele.

Ele alçou seu braço em torno de Christy e desabotoou seu sutiã.

Ele então começou a deslizar de seus seios.

- "Não, Reggie - por favor", disse Christy quando o sutiã ameaçava cair, com as alças pendente em seus braços antes que ele o tirasse completamente fora.

- "Deixe-me tirá-lo, cadela. Eu quero ver teus seios ou eu vou ficar louco de verdade", Reggie rosnou.

Christy relutantemente colocou o braço para baixo e deixou o sutiã cair o resto do caminho, revelando a sua cor rosa, e de auréolas deliciosas. As contusões em seus seios haviam praticamente desaparecidos. Reggie colocou os lábios em seu mamilo e começou a chupar e mordiscar a carne sensível, fazendo-a endurecer.

- "Oh, Deus, não - não me faça fazer isso", desabafou Christy levantando a cabeça e olhando para o teto.

Depois de levar o mamilo esquerdo a boca, voltou sua atenção ao outro seio, onde Reggie suavemente apertou o mamilo, rolou entre os dedos enquanto trocava a boca para o seio direito de Christy e repetindo o processo de apertar e rolar o mamilo esquerdo entre seus dedos. Os jovens mamilos de Christy, rosados, se logo se eriçaram para Reggie que se revezava em cada um deles, mamando-os como um bebê faminto.

A partir de encontros anteriores, Christy conhecia de memória o que lhe esperava e cooperou com Reggie, que assim, menos dor lhe causava. Ela perdeu o entusiasmo em punhetar seu pênis, percebendo a inutilidade de seu esforço e da inevitabilidade do que viria a seguir.

Ele sutilmente a conduziu em direção à cama.

Reggie já tinha feito preliminares suficiente e agora ele queria meter na bucetinha macia e apertada de Christy novamente.

Ciente de onde os esforços orientados de Reggie a estavam levando, Christy mudou o passo desajeitadamente para trás até que tropeçou. Ela perdeu o equilíbrio e com um empurrão adicional de Reggie, Christy caiu no colchão.

Sempre que ele a queria, Reggie agarrava os joelhos de Christy como eles pendurados para fora da cama e tentava separá-los.

- "Você vai resistir novamente cadela?" Reggie zombou.

- "Eu não quero fazer isso!"

De repente, os dedos de Reggie apertaram em torno de seus mamilos e os torceram ligeiramente.

- "Eu acho que você quer da maneira mais difícil", Reggie advertiu.

- "Não, por favor, não me machuca de novo", Christy implorou, avançando-lhe as pernas e quase evitando as alternativas dolorosas.

"Assim esta melhor", disse Reggie, retornando de joelhos e ajudando-a a abrir e espalhar suas pernas pro lado.

- "Vai ser mais fácil para você se você parar de lutar contra mim."

Com as pernas abertas, Reggie puxou a calcinha de algodão de Christy para o lado e sua língua mergulhou em sua carne macia e, rosada. Seus doces sucos fluíram naturalmente em sua boca. Ele abriu os lábios vaginais de Christy com os polegares e sua língua avançou para o clitóris. Christy se perguntava como ela podia ser tão suscetível ao toque dele.

- "Por que você não me deixa em paz?" Christy soluçou. "Você me fez fazer sexo com você sexta-feira. Eu não gosto de fazer isso com você."

Mas seu clitóris embaraçosamente revelava o prazer recebido por seu cultivo mais e mais difícil a partir da estimulação indesejada.

- "Eu vou denunciá-lo pra polícia e você será enviado para a prisão", Christy choramingou.

Reggie ignorou sua ameaça. Se Christy realmente fosse fazê-lo, já teria ido à polícia há duas semanas quando ele a estuprou pela primeira vez. Seu tipo era bom demais para admitir que está sendo dominada por um Negro.

- "Você é minha cadela agora e sua bucetinha é minha. você entendeu? Vamos estabelecer o seguinte, você vai abrir as pernas do jeito que eu quero, e fechar a boca, a menos que você queira que a abra para me satisfazer a vontade."

Christy choramingou quando Reggie oralmente a agrediu. Ela odiava Reggie e a maneira como seu corpo respondia a ele.

Christy olhou para baixo quando Reggie arrancou sua calcinha.

- "O que você está fazendo?" Christy perguntou estupidamente entre o choro. Reggie mais uma vez empurrou suas pernas tão distantes como eles podiam se abrir e, em seguida, posicionou seu pênis em sua entrada melada.

- "Eu não posso fazer sexo com você. Você é muito grande para mim e eu não estou fazendo o controle da natalidade. Eu não quero ficar grávida."

Christy e Dave haviam exclusivamente eleito os preservativos como o único método para o controle de natalidade. Christy nunca prestou muita atenção ao seu ciclo de ovulação e seus períodos de juventude, que às vezes ocorriam esporadicamente. Ela realmente não sabia exatamente quando seu período fértil começava.

A cabeça bulbosa do pênis de Reggie foi então introduzido na bucetinha desprotegida de Christy durante seus protestos,

- "Por favor, use pelo menos um dos preservativos do meu marido. Eles estão na gaveta da cômoda."

- "Oh, não, querida. Eu desejo fazê-la a sentir meu pênis dentro de você, não algum pedaço de borracha", Reggie Respondeu penetrando ainda mais.

- "Por favor, Reggie, eu vou fazer qualquer coisa que você quiser, eu vou punhetá-lo, eu vou chupar seu pênis até você gozar, vou colher em minha boca e engolir tudo que você ejacular. Só não faz isso comigo de novo. Eu não quero um bebê."

Es súplicas de Christy só fez Reggie ficar mais animado e desejoso de impregnar o útero daquela cadela branca.

Reggie empurrou mais da sua longa espessura de pau em Christy e viu seu rosto de contorcer numa careta ante a sua invasão.

- "Owuh! Ahh, ahh, ahhh," Christy respondeu em uníssono para movimentos de Reggie.

Ela tinha escapado dele vários dias desde seu último encontro, e demorou alguns instantes para que sua buceta apertada se readaptasse ao seu tamanho.

"De novo não, por favor pare. Você é muito grande. Owwwww! Oh, não põe mais não. Ohhhhhh!"

Christy chorou quando ele empurrou de forma inclemente mais de si mesmo pra dentro dela. Reggie parou em dois terços de seu comprimento. Mas os soluços de Christy continuaram quando o pênis de Reggie deixou de avançar em suas entranhas. Dois terços de seu pau era um novo limite estabelecido com dificuldade, pois a bucetinha dela teimava em não se abrir o suficiente para acolhê-lo inteiro dentro dela.

Então como o enfermeiro que aplica uma injeção lentamente, para evitar a dor do paciente, ele ia aos poucos aumentando o quanto do seu pau que ele metia na bucetinha dela, para que ela fosse lentamente se adaptando à sua mangueira.

À medida que ele ia avançando a introdução, o desconforto de Christy eventualmente diminuía e sua bucetinha se conformava com o comprimento adicional. Ela não entendia que a dor diminuindo significava que sua anatomia estava mudando para se adaptar ao seu novo companheiro.

Reggie sentiu sua bucetinha contrair em torno de seu pênis.

Christy apertou os lençóis com as mãos e cerrou os dentes em frustração com raiva. Por que seu corpo reagia desta forma odiosa para ficar mais disponível para acolher um animal nojento como Reggie?

- "Sua bucetinha ama meu grande pinto negro nela, não é menina?", Reggie insultava quando os espasmos vaginais de Christy se tornavam mais fortes e mais frequentes.

- "Não, eu não quero isso. Você é um doente, desgosto, apenas ... "

Antes de Christy pudesse terminar de falar, Reggie acelerou seus impulsos e o maior atrito do seu pinto contra o clitóris de Christy interrompeu suas objeções.

- "Oh, oooh, OOOOOOOOOOOh, nãããããoooooo", Christy lamentou, com raiva por sentir orgasmos tão intensos.

- "Não ... não ... não ... por favor ... Paaaaare. OOOOOOOOOOOh."

Christy nunca havia experimentado orgasmos tão forte antes de conhece-lo.

**********************************************************************************

- Que dia que é hoje?

Christy se acostumou com o pênis de Reggie dentro dela e tornou-se subjugada pelo prazer indesejado que ele lhe causava. Ela olhou para o relógio na mesa de cabeceira quando Reggie gozou em sua bucetinha pela quinta vez naquele dia.

- "Reggie, temos que parar agora. Dave vai estar em casa em breve."

Reggie retirou sua vara preta e brilhante, de sua buceta inundada de esperma.

Os vários orgasmos contra os quais ela lutara sem sucesso para evitar deixaram Christy se sentindo exausta, embora fosse Reggie quem executasse todo o trabalho. Odiava-o pelo que ele havia feito com ela. Ela gozou tantas vezes, que perdeu a conta. Ela se ressentia do jeito que ele forçava seu corpo para corresponder de uma forma que ela não queria. Mas será que os orgasmos que sentia queriam dizer que ela gostava de sexo com este homem negro horrível?

Não havia tempo para se debruçar sobre esses pensamentos perturbadores. Christy mudou os lençóis e tomou um banho para eliminar as evidências do que ocorrera em sua cama conjugal.

Com uma toalha de banho ela tentou remover o gozo que Reggie depositara nela. Era parte dele e ela não queria ele em seu corpo. Mas a maior parte do sêmen de Reggie estava além do seu alcance onde ele iria viver durante dias em busca de um óvulo para fecundar.

Dave voltou para casa cansado depois de 12 horas de trabalho em um armazém quente. Ele quase não correspondeu aos abraços e beijos de Christy quando ela o cumprimentou.

"Oi, Honey. Estou morto de cansaço O que há para o jantar.?" - Dave perguntou.

Ele não percebeu a angústia que Christy estampava no rosto.

"Hey, Bro, que tal uma cerveja gelada?" Reggie interveio, entregando a Dave uma long neck gelada e tendo outra em suas mãos. Os dois foram para a sala enquanto Christy ficou na cozinha preparando o jantar.

Dave e Reggie se sentaram na sala de estar assistindo a um jogo de futebol na TV. Christy ouvia os uivos e gritos de ambos torcendo durante o jogo e não gostava desta ligação entre eles.

Reggie era como um câncer em seu casamento, separando-a de seu marido e isolando Dave física e emocionalmente dela. Enojada se perguntava por que Dave não conseguia perceber que Reggie fingia ser seu amigo, enquanto que pelas suas costas, usava e abusava diariamente de sua esposa.

Christy precisou de cenouras e quando ela abriu a geladeira para procura-las, olhou com desprezo para o estoque de cerveja que Reggie mantinha desde que se mudara para sua casa. Dave raramente bebia antes de Reggie morar com eles. Mas, com o incentivo de Reggie, Dave ficava bêbado todas as noites.

Quando os três sentaram-se para jantar, Dave anunciou:

"Eu tenho uma grande notícia, baby. Eu estou para receber um bônus de 200 dólares em meu salário. Eles estão me mandando para o armazém Armorillo por duas semanas. Eles estão precisando de ajuda lá."

O mundo de Christy estava desabando ao seu redor.

"Quer dizer que você não vai estar em casa por duas semanas?" Christy perguntou nervosamente.

- Quando você terá que ir?"

- Eu tenho que arrumar algumas coisas esta noite porque estou indo embora amanhã", Dave respondeu. - "É uma espécie de serviço de curto prazo, mas eu agarrei a oportunidade de ganhar algum dinheiro extra."

Christy notou que Reggie, que estava sentado à sua frente, ostentava um sorriso enquanto ela tentava manter a compostura.

- "Oh, Dave, eu não quero que você vá e me deixe sozinha. Posso ir com você?" - pediu Christy na esperança de escapar dos planos de Reggie.

- "Eu gostaria de leva-la, mas não dá. A empresa está nos fazendo compartilhar quartos de hotel e seu seguro não vai permitir não-funcionários de viajar em seus veículos", Dave respondeu.

*********************************************************************************

Quando Christy estava saindo com Dave, Reggie perguntou se ele poderia pegar uma carona com eles para a cidade, enquanto Christy levava seu marido até sua empresa onde um carro o esperava para leva-lo para o armazém onde iria prestar serviços. Reggie alegou que precisava pegar uma receita médica na farmácia.

Os vícios de Reggie estava afetando o casal como uma doença contagiosa: primeiro a relação sexual forçada com Christy, em seguida, bebendo diariamente com Dave.

Christy viu, ainda, que Dave iludido pela simpatia acreditava piamente que Reggie era seu amigo.

Depois de deixar Dave no trabalho, o carro ficou em silêncio até que Christy sentiu a mão de Reggie deslizar pela sua coxa e esfregar sua virilha.

- "Por favor, pare de me tocar, Reggie. Eu não gosto disso", disse Christy.

- "Então por que você fica tão molhada e goza tanto quando esta comigo?" - perguntou Reggie.

Christy respondeu com lágrimas silenciosas, continuando a dirigir com a mão de Reggie massageando sua bucetinha através de suas calcinhas. Christy pensou na noite anterior, em como ela não fez amor com o marido.

Em vez disso, logo que Dave ficou embriagada e subiu para o quarto para dormir, rapidamente Reggie a arrastou para o sofá da sala onde tirou sua calcinha e pôs pra trabalhar seu pênis em Christy bombeando sua bucetinha até enchê-la com seu gozo, confiando que Dave, inocente, dormia o sono dos justos enquanto Reggie fodia sua esposinha. Agora com Dave fora da cidade estariam sozinhos por duas semanas.

Christy parou o carro na frente de sua garagem para deixar Reggie planejando sair, ela não sabia para onde. Mas Reggie antecipando as intenções de Christy já ordenou:

- "Entre na garagem."

- "Não, Reggie, eu não vou entrar com você. Eu vou ficar em outro lugar", disse Christy entre lágrimas, desafiadoramente.

Surpreendido pela súbita coragem de Christy, Reggie começou a desabotoar as calças de Christy ainda na garagem.

- "O que diabos você está fazendo?" Christy gritou enquanto tentava afastar as mãos de Reggie pra longe dela.

Como ele poderia tentar pensar em transar com ela num lugar onde qualquer um podia ver que ele estava fazendo? As pequenas mãos de Christy não eram páreo para Reggie. Ele rapidamente desabotoou as calças e deslizou seus dedos para dentro de sua calcinha.

"Não, pare!" Christy gritou quando ele localizou seu clitóris e beliscou-o.

"Ow! Você está me machucando", Christy gritou, o choque de dor correndo através de seus nervos como um choque elétrico paralisante. Sua bravura rapidamente desaparecendo.

"Agora, entra na garagem com o carro, cadela." - Reggie calmamente ordenou, com a mão livre pressionando o botão no controle remoto abrindo a portão eletrônico.

Ela entrou para dentro e a porta se fechou atrás deles.

"De-me as chaves", Reggie exigiu.

Christy sentiu o aperto insuportável de Reggie em seu clitóris tornar-se mais suave. Suas mãos agarravam o volante. Ela olhou para baixo com nojo assistindo os dedos de Reggie trabalhar dentro de sua calcinha de seda azul,.

Reggie tendo as chaves do carro de Christy - significava a frustração de sua fuga.

Ela tentou descobrir uma maneira de tomá-las de volta, embora não tivesse para onde fugir. Mas tornou-se difícil de se concentrar, enquanto sua bucetinha ia ficando receptiva ao seu toque. Reggie persuadia seu corpo a se deixar dominar à excitação indesejada.

- "Oh, Reggie, por favor, não", Christy implorou apertando os olhos fechados para parar de vê-lo abusando sexualmente dela.

O som dos dedos de Reggie em suas secreções dentro de sua calcinha de seda era tão perturbador como as imagens de seus olhos abertos.

Christy se sentia confusa e envergonhada com a reação de seu corpo contradizendo sua repulsa.

- "Você vê como é muito mais agradável quando você me escuta e faz o que eu mando?" - perguntou Reggie.

Christy mordeu o lábio inferior e se recusou a dar a Reggie a satisfação de uma resposta, seus pequenos dedos branco crispados no pulso de Reggie em uma vã tentativa de puxar a mão de dentro de sua calcinha.

Sua bucetinha encharcada demonstrava que ela já estava preparado para ser fodida, Reggie ainda trabalhava com seus dedos pretos em suas dobras íntimas, apreciando as expressões conflitantes de ódio, desdém e prazer em seu rosto.

O conflito no rosto de Christy e as secreções abundantes entre suas coxas diziam a Reggie que ela novamente estava se rendendo à luxúria.

Ele já testemunhara reações semelhantes em suas vítimas anteriores.

Depois que Reggie viu o rosto bonito de Christy se contorcer com a discordância entre a emoção e o prazer físico que ele forçou-a a experimentar, Reggie finalmente retirou seus dedos molhados e lambeu os saborosos sucos encrustados neles.

Christy assistiu Reggie lamber seu néctar com repulsa. Pelo menos ele parou de acariciá-la.

A interrupção benvinda restaurou seu controle sobre seu corpo.

Ela recuperou a compostura e a tensão no rosto de Christy logo se dissipou.

- "Você esta pronta para entrar para dentro da casa?" - Reggie perguntou.

Christy tentou pensar em uma maneira de sair de sua situação miserável. Talvez ela pudesse correr para o quarto dela e pedir ajuda? Mas como ela poderia evitar de explicar os detalhes embaraçosos? Quem acreditaria que Reggie a estuprara tantas vezes, sem que no entanto, ela não relatasse o crime ou contasse ao marido até agora?

Se ela o delatasse, Dave saberia o que Reggie fez a ela e não iria quere-la mais. E Reggie se gabaria que o sexo fora consensual, porque ele fê-la gozar várias vezes. E na verdade, apesar de ter sido abusada por reggie, seu corpo correspondera sempre e ela gozara todas as vezes que ele a tomara

Agora uma coisa estava evidente para Christy: quanto mais tempo essa relação continuasse, mais difícil de tornava parar. Ela tinha que agir agora.

Christy balançou a cabeça lentamente a cabeça em afirmação, saiu do carro reabotoando sua calça. Reggie mal podia esperar para ter seu pênis dentro daquela buceta molhada novamente, enquanto a observava aquele rabo delicioso e apertado caminhando na frente dele para a porta. Ele adorava forçar as meninas brancas, especialmente as casadinhas como Christyu ao orgasmo enquanto ele sabia que elas não queriam, obrigando-as de uma forma, ainda que involuntária, a trair seus maridos branco com um homem negro.

Christy chegou à porta da casa e esperou por Reggie para abri-la com as chaves que ele lhe tomara. Reggie veio por trás de Christy e brincou ao abrir a porta. Mesmo através da sua roupa ela sentia pulsar seu enorme pênis contra o topo de sua bunda. Seu pênis parecia demasiado grande para ser humano e ela não queria ele dentro dela novamente.

Comentários

04/02/2016 15:26:38
fantástico. são contos assim que animam a gente a continuar lendo. um dos contos mais excitantes que tenho lido ultimamente. não só esse, mas todos os outros escritos por você. sou casado e adoro imaginar minha esposa vivendo situaçoes assim .....e agora com esses contos de cornos totalmente mansos , estou louco de exctiatção --- é uma delicia-meu email é, historinhaslegais@outlook.com para quem quiser contato uma delicia esse conto adoraria que minha esposa participasse de contos extamente iguais a esses seus tbem... adoro isso tudo tenho fotos dela no sitehttp://www.socaseiras.com.br/galeria/casal-de-rio-de-janeiro_17731.html amigos que gostarem das fotos dela comentem comigo por email ou no skype abçs a todos
04/02/2016 15:26:27
nosa que tesão de conto maravilhoso que delicia isso tudo que aconteceu com esse casal ..sempre leio imaginanndo eu e minha esposa vivendo essas experiencias no lugar dos personagens dos contos

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.