Casa dos Contos Eróticos

Festa no arraiá

Um conto erótico de Marcelo
Categoria: Heterossexual
Data: 04/07/2015 12:12:04
Nota 10.00

Estou retornando após algum tempo, após superar alguns problemas estou na ativa. Mas vamos ao que interessa afinal estava loco para possuir outra esposinha safada.

No último dia 27 fui convidado por um amigo que é militar , amigo este que curte em baladas liberais, para ir no arraiá do círculo militar em Campinas. Como fazia algum tempo que não participava de festas assim decidi ir e curtir um pouco.

Quando cheguei vi muita gente bonita e para não perder o costume já com olhos de lince procurando alguma casadinha.

Já passava da onze horas quando fui na barraca do milho assim que cheguei vi um casal discutindo, a mulher falava para o marido “amor vamos comigo quero me divertir quero aproveitar afinal as crianças estão de férias” o camarada disse “vai você não estou afim de andar se divirta fique a vontade” em seguida a mulher saiu e eu ligeiro peguei meu milho e sai logo atrás, afinal era uma mulher bonita aparentava ter uns 45 anos morena clara e cabelos com reflexo.

Ao acompanha-la de perto vi que estava realmente querendo aparecer, pois cumprimentava todo mundo, sorria bastante. Ela perto do palco e ficou dançando, eu logo cheguei e comecei a conversar, ela muito simpática respondeu normalmente, me apresentei e ela também, ali fiquei sabendo que o nome dela era “fictício” Aline, perguntei onde estava o marido dela pois a aliança na mão era enorme, ela disse que ele estava, nem esperei ela terminar eu mesmo disse “na barraca de milho”, ela perguntou como eu sabia e eu disse que estava lá quando ele disse para ela se divertir. Imediatamente perguntei como um marido deixa uma esposa linda sair sozinho onde tem tantos homens inclusive militares, ela ficou quieta e deu uma risadinha, e nisso começamos a bater um bom papo.

Depois de algum tempo fiquei sabendo que o nome do marido era Carlos “também fictício afinal sou muito discreto”, durante esse papo que já durava quase uma hora percebi que o marido ficou de longe observando assim que vi disse para ela que eu iria embora, pois o marido havia se aproximado, ela disse que não tinha problema pois ele não ligava para os amigos dela, pensei na hora será que são liberais? Mas naquele momento não tive coragem de perguntar, e continuamos a conversar. Do nada ele pediu para ir na barraca da pescaria e eu disse que tudo bem, mas não queria problema com o marido, ela disse para eu ficar tranquilo. Quando chegamos na barraca ela pegou uma varinha de pesca e pediu minha ajuda na hora me prontifiquei, peguei a varinha na mão dela e comecei a pescar nesse momento ela começou a encostar em mim, na verdade ela entrou na minha frente e pegou a varinha da minha mão e pediu para eu segurar junto com ela, não teve jeito nessa hora outra vara começou a endurar também, pensei fudeu.....rsrsrsrsrs, que nada, assim que ela sentiu olhou para traz e deu um sorrisinho maroto.

Eu ganhei e continuei “as pescarias”, pegamos o prêmio e saímos dali. Vi que o marido ainda estava de longe observando.

Foi quando não aguentei mais e perguntei para ela se eles eram liberais, afinal do jeito que estavam acontecendo as coisas, não havia mais dúvida, ela disse que sim, mas muito discretos afinal ele havia acabado de ser transferido para Campinas. Ali para minha surpresa fiquei sabendo que eles moravam no bairro Botafogo em Campinas, pertinho de casa, que os filhos estavam em férias no sitio dos avós no interior de São Paulo. Na hora já pensei vou me convidar para ir até a casa deles, mas ainda não era o momento. Definitivamente me apresentei disse que eu adorava ménage e curtia baladas liberais, ela disse que já haviam ido em baladas de São Paulo e Rio de Janeiro, ela perguntou se eu havia saído com casais de mais idade e eu disse que sai com vários casais, eu perguntei porque, e então ela disse que era bem mais velha que eu, na hora sem pensar perguntei a idade do casal e ela disse que ele tinha 58 e ela 55, porém ela aparentava ter uns 45, disse que não haveria problemas desde que eles quisessem, elas simplesmente mais uma vez deu uma risadinha marota, eu já entendi tudo.

Então convidei para sairmos mas ela disse que não poderia pois tinham compromisso logo cedo, insisti e ela então disse que poderíamos ir até um local próximo e ficarmos no carro mesmo, eu aceitei na hora. Ela então pegou o telefone e mandou uma mensagem para o marido, disse para ele pegar o carro e nos seguir. Fui até o estacionamento e entramos no meu carro aguardei alguns minutos e sai e o marido veio com seu carro logo atrás. Fui até a lagoa do Taquaral parei meu carro e o Carlos parou o carro ao lado. Ali comecei a beijar a Aline, ela parecia estar louca de tesão estava maluca mesmo até estranhei e perguntei e ela disse que fazia uns seis meses que não praticavam ménage, eu adorei continuei e acariciar ela, foi quando vi uma sombra ao lado do vidro que era o Carlos que estava observado e se masturbando e tomando conta de nós. Ela estava de saia não deu muito tempo já estávamos transando, que delicia de mulher a xaninha dela ficou molhadinha quase que imediatamente após os primeiros segundos, o tesão era demais. Quem já transou no banco traseiro do carro sabe como é uma porcaria, mas enfim ficamos transando uns 10 minutos, ela gemia demais que tesão que vocês nem imaginam, ela gritava falava assim “fode essa putinha, to louca por um pau, me come, me come, me come” comecei a foder bem forte e ela não aguentou e gozou tanto que molhou todo banco do carro, já estava todo suado quando ela perguntou se seu queria gozar na cara dela, eu disse que não, eu queria gozar nos peitos dela, ela abaixou e fez uma chupeta em seguida não aguentei gozei muito nos peitos dela, que delicia quase desfaleci de tanta porra que saiu..rsrsrsrsrsrsrs.

Nos trocamos telefones e nos despedimos e ela foi para o carro do marido.

Na quarta-feira ela me mandou uma mensagem que dizia assim “Marcelo foi demais há muito tempo não fazia loucuras, me marido adorou, chegamos em casa e transamos muito, ele disse que sou uma putinha de verdade (e eu concordo e adoro), transamos tanto que até perdemos o horário para o compromisso da manhã, quero mais”.

Bom foi esse meu retorno, se algum casal da região de Campinas, Valinhos, Vinhedo, Americana, Monte Mor, Sumaré, etc, curtem ménage ou alguma fantasia do gênero me avise, vou adorar apimentar a relação do casal.

marcelo_terranova@hotmail.com

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
02/07/2018 21:17:56
Majases Qual seu e-mail Adoraria conhece lá
01/07/2018 18:23:53
Quero encontrar um caçador de esposinhas assim como vc... 😜Jasmim
09/08/2015 09:05:10
Também estive este ano em uma festa junina. Pena que não tinha nenhum Marcelo procurando uma casadinha. Rsss. Adorei o relato e fiquei com inveja dessa Aline, com um marido compreensivo e cúmplice. Bjs.
01/08/2015 12:35:05
Gostei do conto, é bem excitante... Nota 10.